Só o povo na rua salva Lula e a democracia

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), na madrugada de hoje, negando o habeas corpus para Lula, coloca o petista na iminência da prisão e correndo o risco de ficar fora do processo eleitoral na condição de candidato.

Se até esta madrugada o PT acreditava que era possível o STF construir um entendimento para livrar Lula, agora o partido cai na real e precisa redirecionar a estratégia.

Os recursos que restam junto aos tribunais serão apenas protelatórios. Os analistas políticos mais pé no chão, sem as paixões exageradas, dão como certa a prisão de Lula.

Ele será recolhido em espetáculo televisivo hollywoodiano, com requintes de humilhação, dando aos manifestoches novas motivações para ir à rua com sangue nos olhos.

Resta ao PT e ao conjunto das forças democráticas a ofensiva na rua, mobilizando o povo para manter acesa a chama da democracia, com ou sem Lula na eleição.

Não se trata mais da defesa de uma candidatura, mas de garantir o que sobrou da democracia.

As forças democráticas e progressistas precisam de unidade mínima para garantir as eleições de 2018, diante das ameaças de intervenção militar.

Se antes o bordão era “eleição sem Lula é golpe”, agora tem de ser “queremos eleições” como bandeira mínima na regra do jogo democrático.

Com Lula fora do jogo, o PT precisa encontrar uma saída com um nome próprio ou fazer aliança no campo progressista.

Chegou a hora de a base petista retomar a rua como principal lugar da guerra. Nos tribunais, a batalha está perdida.

Foto: Ricardo Stuckert

Os tiros foram contra Lula, mas o alvo é a democracia

Os tiros disparados hoje contra a caravana de Lula, no Paraná, têm como alvo o fim da política. Quem atirou manda aviso do que pode vir por aí.

A qualquer momento Lula pode ser morto. Ele sabe disso, o PT também. As autoridades federais têm pleno conhecimento de que a vida do ex-presidente está em risco.

Embora todos saibam disso, aqueles que deviam tomar providências concretas para impedir o assassinato de Lula ficam em compasso de espera.

O Ministério da Segurança, criado recentemente no governo Michel Temer (PMDB), não se pronuncia com rigor. Apenas lamenta e repudia as agressões.

Vivemos tempos difíceis. A barbárie atropela as garantias individuais e os direitos constitucionais.

As forças conservadoras sabem que o petista, mesmo que seja preso, será influente na eleição e pode ganhar.

Os inimigos da democracia fazem as contas e alinham a tese da violência como única forma de barrar a popularidade do ex-presidente.

Na falta de argumentos, apelam para ameaças e intimidações. Lula pode ter o mesmo fim de Juscelino Kubistcheck ou algo pior.

O mundo está cheio de exemplos. Na América Latina, os assassinatos de lideranças populistas e de esquerda são uma constante desde sempre.

Um dos resultados do golpe é a intolerância, subproduto do fundamentalismo político e da onda conservadora que assola o Brasil.

Alguns internautas, ao lerem esse texto, vão até torcer para que Lula seja morto, da mesma forma que fizeram estrupiando o cadáver da vereadora Marielle Franco (PSOL).

Uns celebram a violência contra a esquerda por intolerância, ódio e/ou opção de classe. Outros, por falta de oportunidade nos estudos formais para entender a conjuntura.

Para os dois tipos eu desejo paz e proteção. Hoje os tiros são contra Lula. Amanhã o tiroteio pode atingir qualquer pessoa, inclusive os que odeiam o PT.

Não desejo isso a ninguém. Pelo contrário, torço para que entendam o jogo. As balas contra a caravana de Lula são extensivas à democracia, ao Estado Democrático de Direito.

Amanhã, o cadáver pode ser do petista. E depois?! O futuro é sombrio.

A democracia, com todas as suas imperfeições, é a melhor forma de convivência.

Sem ela temos a ditadura e o fascismo, terrenos áridos onde quase nada germina, apenas o ódio.

Imagem: Marcelo Prates / Campanha Diretas Já, em Belo Horizonte, retirada deste site