Idiocracia: um filme do futuro para pensar o presente

A convite do Programa de Educação Tutorial (PET) de Biblioteconomia da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), coordenado pela professora Maria da Glória Serra Pinto de Alencar, participei do projeto “Cinedebate PET Biblio” junto com os alunos e o jornalista e filósofo Paulo Iannone, assessor de comunicação do Sindicato dos Metroviários de São Paulo.

Após assistirmos ao filme “Idiocracia”, dialogamos sobre o tema “Mídia, poder e crise social: o discurso da imbecilidade na sociedade contemporânea”.

Veja ao fim da postagem como baixar para assistir.

O filme, de 2005, é ambientado no ano de 2505, protagonizado por um militar e uma prostituta selecionados para fazer parte de um experimento militar secreto que os coloca em hibernação.

A dupla é congelada para acordar no futuro, mas o projeto caiu no esquecimento e os dois caixotes congelados ressurgem 500 anos depois, num mundo embrutecido, controlado por um ex-ator pornô e halterofilista eleito presidente.

Idolatrado pela massa entorpecida por consumismo e alienante programação dos meios de comunicação, o presidente comanda todos os tipos de aberração junto ao seu secretariado corrupto, comparsa dos poderes judiciário e legislativo transformados em aberrações, além do gigantesco aparato policial repressivo.

O presidente bélico de Idolatria

As deploráveis aparições públicas do presidente e as sessões de bizarrice no parlamento só não são piores que as cenas ocorridas em uma arena de “reabilitação”, onde as pessoas sentenciadas à morte, sem provas, são executadas em rituais de sadismo coletivo nas arquibancadas.

O filme serve de inspiração para refletir sobre os fatos reais que vivenciamos hoje no Brasil, nos Estados Unidos e mundo afora, onde cresce a onda obscurantista.

Várias cenas de “Idiocracia” já são percebidas atualmente. A negação da Ciência e do Jornalismo, dois campos de produção do conhecimento fundamentais do processo civilizatório, é sinal de uma caminhada de retrocesso à barbárie.

Quando acordam na América do futuro, o militar e a prostituta veem o caos: montanhas de lixo compõem o relevo das cidades, a língua foi trocada por gírias, as agressões físicas e verbais tomam o lugar do argumento, o ódio às mulheres e aos homossexuais é uma regra e a idolatria pelo presidente pornô está elevada à máxima potência.

O nível de obscurantismo chegou ao cúmulo de abolir o uso da água e introduzir em seu lugar um líquido verde produzido pela empresa “Brawndo”, controladora de quase tudo no planeta.

Assim, a água passou a ser considerada imprópria para beber, tomar banho e regar as plantações, sendo usada apenas nos aparelhos sanitários.

Todo o filme está pautado na reprodução das pessoas idiotas em larga escala como única forma de sobrevivência no mundo caótico.

Em meio à massa idiota, o militar acaba sendo o sujeito mais inteligente do planeta, sendo convocado pelo presidente pornô a resolver os problemas da humanidade, com um cargo no alto escalão do governo.

Seu principal desafio é convencer o país de que a água deve ser usada nas plantações…

Num mundo apocalíptico, pautado na negação da razão, onde o telejornal é um espetáculo burlesco apresentado por um casal de bombados, em que tudo se converte em mercadoria controlada por uma só empresa, as pessoas são transformadas em animais bovinos tangidos por consumo de propaganda grotesca, batata frita e pornografia. Há, no filme, um impressionante culto à masturbação….

A idiocracia tem como principais substâncias a negação do pensamento, a destruição dos preceitos civilizatórios, o desprezo pelos mínimos valores morais e a mutação da política em um bizarro espetáculo de violência e sensacionalismo.

O grande ativo da idiocracia é o indivíduo que não reflete sobre o que faz ou diz, apenas acredita nas suas convicções independentemente dos fatos e dos critérios de verdade. Ele também expressa desprezo pela dor da outra pessoa e usa sempre a violência física ou verbal no lugar da argumentação.

Expressões como “não sou coveiro”, “e daí?!” ou  “é apenas uma gripezinha” têm alguma semelhança com a ficção?

A idiocracia é o império da intolerância, traduzida na impossibilidade da convivência com o diferente; ou seja, a morte da política.

O filme é uma lente de aumento sobre o negativismo e o obscurantismo, que no Brasil já domina uma parte da população.

Na Grécia, idiota era a pessoa restrita ao ambiente da vida privada sem interesse nos assuntos da cidade e nas questões do Estado. Em outras palavras, não participava das decisões sobre a polis. Para os gregos, idiota era uma pessoa sem instrução e, nessa condição, considerado inferior.

Ainda não havia naquela época histórica a conotação pejorativa sobre a expressão idiota.

O problema, na contemporaneidade, é a ressignificação do conceito e a expressiva participação dessa forma de comportamento na vida pública.

A internet e os equipamentos de produção e distribuição de conteúdo proporcionaram as condições materiais e virtuais para a difusão da idiotia como fenômeno social.

O idiota não é mais o indivíduo grego ensimesmado na sua tarefa de prover a vida doméstica sem se importar com a coletividade. Nos tempos atuais o idiota participa ativamente da polis, vai às manifestações de rua, prega a destruição das instituições, despreza a Ciência, repudia o Jornalismo, idolatra o presidente bizarro, é agressivo, convicto da sua verdade e não admite o contraditório.

Enfim, os sinais do filme estão vivos em nosso cotidiano.

Tomara que a vida não imite a arte.

Como assistir ao filme Idiocracia

O único homem inteligente…

O filme não está disponível nas plataformas YouTube nem canais fechados de TV ou Netflix e assemelhados.

Para acessar o conteúdo é necessário, primeiro, baixar o programa Utorrent e em seguida fazer o download pelo link (https://ondebaixa.com/idiocracia-download-via-torrent/)

Com que máscara?

Eloy Melonio

“Cadê a máscara?” Cansei de ouvir esse grito sempre que me preparava para ir à farmácia ou à padaria. Voltava correndo para reparar o descaso. Nem tanto pela obediência, mas para não contrariar minha mulher.

Quem diria! De repente “estamos todos de máscara”!

E ai de quem não usá-la. Primeiro porque, neste momento, seu uso é obrigatório (equipamento de proteção individual – EPI). Segundo, ― e aí entra o bom senso ― as pessoas podem pensar que você é um louco ou um tremendo irresponsável.

Foi isso o que me fez levar as máscaras mais a sério. Não apenas por causa da minha mulher, nem das pessoas, mas para me ajustar a essa nova realidade. E, por falar em todos, lembrei a famigerada frase de Nelson Rodrigues: “Toda unanimidade é burra”. Só que nessa questão, acho que o Nelson não tem lá muita razão.

Em seguida, recorri ao Google. E de tanto querer saber, vi e aprendi muita coisa interessante. Não apenas sobre o artefato usado para cobrir o rosto, mas sobre nós mesmos, presunçosos descendentes do Homo Sapiens. E descobri que elas já estão por aqui desde os primórdios da humanidade. Em rituais religiosos, festas, no teatro… e até prestando serviço a grupos clandestinos! Mas como proteção contra vírus, é coisa recente.

Quando se fala em máscara ― e é só do que se fala ultimamente ― o que vem à sua cabeça? Os bailes do carnaval do Rio de Janeiro? Os super-heróis dos quadrinhos e do cinema? As festas de Halloween? Ou as máscaras dos apicultores e dos lutadores de esgrima?

Da minha adolescência recordo-me do Zorro, do Cavaleiro Negro, e dos bandidos que assaltavam bancos no velho oeste americano.

Sem nenhum recato, o verbete “máscara” exibe-se nas tramas dos romances, nos versos dos poemas e ― pasme! ― até no noticiário de cada dia, especialmente o do mundo político. De tão descaradas, as máscaras não se escondem de ninguém. As pessoas é que se escondem (ou se protegem) por detrás delas.

As da moda não servem exatamente à moda, mas às medidas preventivas dos órgãos de saúde por causa do novo Coronavírus. Nessa agitação toda, nunca tinha visto tanta divulgação dessas máscaras de tecido. Os modelos são os mais atraentes e esquisitos ― alguns, dignos de uma boa risada. Tem de tudo nas redes sociais. Uns fazendo e vendendo máscaras, outros exibindo máscaras impagáveis, e ― acredite ― gente se negando a usá-las.

Quando uma “autoridade” ou pessoa comum aparece na tevê, inevitavelmente a gente presta mais atenção às máscaras, depois ao que ele ou ela está dizendo.

Em sua função metafórica, “disfarçam ou camuflam” quase tudo o que se pode imaginar: ações, ideias, atitudes, intenções. Na linguagem popular, dão uma lição de moral: “Em gente falsa, até o olhar é mascarado”. Dizem até que, se um dia as máscaras caírem, ― juntando aí metáfora e sabedoria popular ― sobraria pouca gente nas superlotadas arenas políticas de Brasília.

A máscara não esconde tudo. Um bom exemplo é a expressão “eu te conheço, carnaval!”, típica do nosso maranhês, quando alguém diz saber a identidade do “fofão” (fantasia de carnaval que esconde o corpo inteiro). Minha mãe gostava muito desse ditado. Infelizmente o fofão já não é tão popular, e a expressão acabou perdendo a sua graça.

Mesmo assim, vale lembrar a música do compositor Gerude para a “Esbandalhada” (2000), bloco pré-carnavalesco comandado por Alcione, que animou nossas ruas, praças e avenidas por cerca de cinco anos:

Eu te conheço carnaval, eu te conheço carnaval

Não adianta tirar a máscara

Se queres saber quem eu sou, me diga quem tu és

Confesso que a máscara é sufocante. Causa-me certa fadiga, cansaço, incômodo à livre respiração. Tanto que, assim que posso, arranco-a da cara, e sinto-me a “pessoa mais livre do mundo”. E aí também me lembro de Vinicius de Moraes, que não gostava de nada que lhe oprimisse, “inclusive a gravata”. Com toda a certeza, hoje ele preferiria a gravata à máscara.

Por fim, acredito piamente nos versos de Cazuza, quando diz que “o tempo não para”, esperando que “o futuro repita o passado”. E nessa vibe, não vejo a hora de voltarmos todos ― unanimemente ― às caras-limpas de antigamente.

Quanto à minha mulher, agradeço-lhe os gritos, sabedor de que a “máscara é a minha própria sobrevivência”.

** Eloy Melonio é professor, escritor, compositor e poeta

Imagem destacada / Máscaras de teatro grego. Imagem: A.B.G. / Shutterstock.com / Fonte: site InfoEscola

Nos tempos do cine Monte Castelo

Nas comemorações do Dia do Cinema o filósofo Marco Rodrigues rememora os laços lúdicos e estéticos com a Sétima Arte em um dos espaços de entretenimento mais populares de São Luís – o cine Monte Castelo

Texto e foto interna: filósofo Marco Rodrigues

Texto e foto interna: filósofo Marco Rodrigues

Nessa imagem, o saudoso Cine Monte Castelo, praticamente em ruínas. Nele, tive minha primeira experiência com a sétima arte. Na ocasião, estreava “Robocop: o policial do futuro”, em 1987. Foi a minha tia Carminha, já falecida, quem me levara. Ali, longas filas se formavam, representando uma confluência plural, que se expressa agora em minhas memórias, num vislumbre de uma rica espiritualidade cultural romântica do que era o bairro do Monte Castelo naqueles tempos.

Diversos eram os frequentadores, destacando-se estudantes do SENAI e da Escola Técnica (hoje IFMA), que muitas aulas mataram, quiçá com alguma razão, para namorar na maior parte das vezes. Em frente, a banca de revistas do Reginaldo, onde iniciei minhas primeiras experiências literárias, por meio de HQ’s, gibis e livros que eram divididos em coleções.

Em ruínas, antigo cinema é só lembrança

Reginaldo hoje tem uma banca em frente à UNDB. Ao lado, a épica quitanda do Seu Melo… Preciso confessar: eu e outros meninos usávamos moedas já fora de circulação para comprar bombom, pois Seu Melo não enxergava bem. Foi a minha primeira e única participação no crime, formação de quadrilha em travessuras infantis.

A Pizzaria Popeye, quase uma extensão do cinema, era o point da galera antes ou após as sessões. Vendedores ambulantes, carrinhos de churros e pipoca disputavam espaço meio a praça, próximo ao Trailer de Lanches e da parada de ônibus. Nas imediações, que se estende ao longo da avenida Getúlio Vargas, inúmeros bangalôs belíssimos havia, hoje completamente descaracterizados pela anti-poética do empreendedorismo, um atentado à história da arquitetura de São Luís.

Um dos mais belos era um bem de esquina em frente ao IFMA, onde morava o Coronel Belchot, que parecia ter saído de dentro dos livros de literatura fantástica. Vale lembrar ainda, da frequentadíssima birosca, além das principais farmácias, a de Seu Edson e da Dona Cleide,  traços da área de saúde que se somavam à atmosfera vivaz do bairro…

Toda essa memória foi graças ao cinema, o que explica, fundamentalmente, a importância da arte em nossas existenciais, pois, como assevera Ferreira Gullar, “a arte existe porque a vida não basta”.

Foto destacada capturada neste site / Ônibus estacionado na parada em frente ao cine Monte Castelo

Era uma vez um foguete antes da base dos foguetes

Celso Borges

Quando o diretor Glauber Rocha veio a São Luís no final de 1965 para filmar a posse de José Sarney como governador eleito, não havia nenhuma tradição de cinema local, nenhum movimento que pudesse se alimentar ou dialogar, direta ou indiretamente, com o cineasta baiano. A câmera do filme Maranhão 66, foi feita por Fernando Duarte. Nos créditos, ele divide a cinegrafia com Gláuber Rocha.

Isso, por si só, já garantiria uma citação na história do cinema maranhense, mas a importância de Duarte aumenta por que logo depois, em 1968, ele faria a fotografia de um dos primeiros curtas filmados em São Luís, Alcântara Cidade Morta, dirigido por Sérgio Sanz e provavelmente produzido pelo Instituto Nacional do Cinema, segundo o cineasta Murilo Santos.

O texto do curta é assinado por Armando Costa e narrado pelo ator Cecil Thiré. Tem trilha marcante do violonista Baden Powell e mistura imagens de barcos, sobradões antigos e peças sacras do Museu de Alcântara. É interessante destacar que no final do filme, de pouco mais de 10 minutos, aparecem imagens de um foguete da Gemini V * sendo lançado de uma base, que não tem relação alguma com a base de Alcântara, que se estabeleceria na cidade pouco mais de 10 anos depois.

O mesmo Fernando Duarte voltaria a São Luís, em 1977, para dar um curso na área de cinema, a convite de Mario Cella, da Universidade Federal do Maranhão. Este seria o segundo curso na área que acontecia na cidade. Cinco anos antes, nos primeiros dias de ocupação do Laborarte, o engenheiro de som Stênio Gandra, irmão de Cirano Gandra, integrante do departamento de som do grupo, daria uma primeira oficina, além de gravar imagens do prédio do Labô, que acabaram perdidas. 

Em 1976, Mario Cella convidaria o fotógrafo e cineasta Murilo Santos para ficar à frente do recém criado Cine Clube Universitário, que funcionava numa sala da faculdade de Farmácia, no Largo de São João. Quando Fernando Duarte chegou aqui em 1977, sugeriu a mudança do nome para Cine Clube Uirá, homenagem ao primeiro longa metragem gravado em São Luís, em 1972: Uirá: um índio à procura de Deus. O Cine Clube motivou a criação da Jornada Maranhense de Super 8, que depois se transformaria no Festival Guarnicê de Cinema.

Mario Cella foi um personagem importante culturalmente naquele momento. Italiano, chegou ao Brasil na primeira metade dos anos 1960 e em pouco tempo estava ensinando filosofia na UFMA. Na década seguinte foi diretor do CEAC e do DAC, órgãos da UFMA responsáveis pela criação do Coral da Universidade, grupo musical Terra e Chão e do grupo de teatro Gangorra, entre outras ações culturais.

FOTO DESTACADA Gemini V foi o terceiro voo tripulado do Projeto Gemini, realizado em agosto de 1965 , onde pela primeira vez foram usadas células combustíveis como energia para as naves Gemini, antes movidas à bateria. A missão também foi a primeira da história a registrar um eclipse lunar. O voo teve a duração de oito dias no espaço, o dobro da missão anterior. Isto foi possível devido as células combustíveis, que geravam eletricidade suficiente para voos mais demorados, uma invenção fundamental para as futuras missões Apollo. (fonte:Wkipedia)

Os guardiões da floresta se preparam pra guerra

Por Celso Borges 

15/03/2020

Um índio não descerá de uma estrela colorida e brilhante, numa velocidade estonteante, como diz a canção de Caetano Veloso. E se o fizer um dia, muito além da poesia de nosso cancioneiro popular, é pouco provável que seja um descendente do povo Guajajara, que vive atualmente na região sudoeste do Maranhão, numa terra de 413 mil hectares que equivale a três cidades de São Paulo. São cerca de 20 mil indígenas cada vez mais acuados pela indústria predadora dos madeireiros e plantadores de soja da região. Acuados e condenados, porque quase ninguém parece muito preocupado com o destino deles nos próximos anos.

Mas os Guajajara resistem, tentando carregar suas estrelas aqui mesmo na terra, entre as árvores centenárias que ainda restam e o mel das abelhas que os alimenta. Impávidos que nem Muhamad Ali, mas não tão infalíveis como Bruce Lee, eles resistem como guerreiros, guerreiros da floresta. O cineasta Taciano Brito, 30 anos, está contando essa história por meio do filme WAZAYZAR – Guardiões da Vida, em fase de montagem. Ele convive com os Guajajara há quase três anos e essa convivência mudou a sua vida, como homem e como artista. Começou a filmá-los em meados de 2017 e de lá para cá vem aprendendo a verdadeira história desses povos, tudo muito distante daquilo que lhe foi ensinado nas salas de aulas.

Este não é o primeiro documentário de Taciano, antes ele dirigiu Marina, em 2016, sobre a vida de uma mulher, negra, de Cururupu, que vive na periferia de São Luís. O novo trabalho é antes de tudo uma denúncia e conta como o povo Guajajara vem resistindo à invasão de madeireiros e aos ataques que estes vêm desferindo contra a floresta e a natureza. “Dinheiro no mundo jamais vai comprar a honestidade que eu tenho com a vida de meus parentes”, afirma Laércio, principal personagem do filme e um dos líderes dos guerreiros.

O objetivo do diretor é que WAZAYZAR (nome ancestral do povo Awá Guajáetnia nômade, uma das últimas ainda não contactadaque significa os donos do cocar) fique pronto até o final de 2020 para ser exibido em festivais nacionais e internacionais. Não tem sido fácil fazer o filme porque até agora a obra não recebeu apoio de lei de incentivo alguma, embora o projeto tenha sido feito e apresentado ao poder público nas esferas estadual e federal. “Que Bolsonaro me rejeite, eu até entendo, mas esse silêncio do governo republicano de Flávio Dino é inaceitável”, afirma.

Nesta entrevista, Taciano Brito fala também sobre a experiência mística despertada por este trabalho. Filho de uma família espírita, convive desde pequeno com os espíritos dos índios. No começo, ainda criança, não entendia o que estava acontecendo, tinha medo, mas a vivência do filme trouxe novas revelações que o aproximaram mais ainda desse universo. “É a primeira vez que falo isso publicamente”, confessa.

Taciano Brito, diretor do filme WAZAYZAR - Guardiões da Vida, em fase de montagem Foto by Jesus Peres

Taciano Brito, diretor do filme WAZAYZAR – Guardiões da Vida, em fase de montagem
Foto by Jesus Peres

1- Como começou tua relação com os Guajajara?

Foi por meio de um grande amigo, o Alexandre Cantuária, na época coordenador do Departamento de Saúde Indígena, vinculado ao Ministério da Saúde. Ele é uma pessoa muito querida na comunidade e vivia me contando histórias e situações que passava com os Guajajara. E eu dizia pra ele que tinha vontade de conhecer aquele povo, por conta inclusive da minha linha espiritual, porque sempre trabalhei mediunicamentecom caboclos indígenas como guias. Em 2017, fui para uma reunião estadual com lideranças na aldeia Lagoa Quieta, em Arariboia, a segunda maior terra indígena do Maranhão, que faz fronteira com cinco cidades, entre elas Amarante, Bom Jesus da Selva e Arame, a duas horas de Imperatriz. Todas com uma presença muito grande da indústria madeireira. Arariboia é uma fonte gigantesca de madeira, com muitas árvores centenárias. Muito dessa área foi destruída, isso vem acontecendo desde a época do projeto Carajás, nos anos 1970 e 1980, que segundo os índios foi o estopim para todos os males. Carajás não passa por lá, mas foi por onde tudo começou. Nesse encontro conheci o local, que hoje é a minha casa, na aldeia, onde depois fui batizado. Fui muito bem recebido e fiz algumas amizades, entre elas o cacique Silvio Guajajara, que depois se tornou o primeiro coordenador indígena da Funai. É um grande amigo meu, ele e Fabiana, sua esposa, que me ajudaram muito na minha entrada ali. Outra amizade importante foi a Kari, alfabetizada na aldeia, que saiu de lá com 15 anos, fez faculdade de Direito na UFMA e hoje realiza um trabalho de mestrado sobre mulheres indígenas em situação de cárcere, na UnB (DF). Foi ela quem me motivou a fazer esse documentário. Passamos a noite conversando e no dia seguinte comecei a pegar os depoimentos, já pensando no filme e entendendo as problemáticas deles: invasão territorial, queimadas e conflitos internos por conta dos próprios indígenas que vendem madeira. Há muitos foragidos, imigrantes, traficantes que chegam lá, casam com uma integrante da aldeia e convencem alguns a fazer parceria com madeireiros. Existe também o conflito interno entre os indígenas por causa de falta de dinheiro, de fome etc. É uma situação complexa, difícil, principalmente por causa da influência dos brancos.

2- Qual foi o cronograma das filmagens?

Fiquei uns quatro dias no encontro e depois voltei algumas vezes pra filmar. A primeira gravação foi na Festa do Mel, em meados de 2017, uma celebração ancestral que não acontecia há muitos anos. Um dos grandes líderes e mestres da cultura, o Vovô Vicente, com 104 anos na época, teve a ideia de voltar a fazer a festa, passar os ensinamentos aos mais jovens para que ela não morresse. Tudo isso vai ser mostrado no filme, a importância da relação com a natureza, de manter a floresta viva. O mel é o produto mais importante dessa cultura, mas ele está cada vez mais difícil de encontrar. Filmamos também outras duas grandes festas dos Guajajara, a do Moqueado, ou da Menina Moça, e a Festa dos Rapazes. São celebrações que simbolizam o rito de passagem de homens e mulheres. A gente gravou todo o ritual, os cantos, cheios de misticismo. O filme mostra a importância dessas celebrações para a cultura deles e a luta dos guardiões para que tudo isso continue.

Ritual da festa do Mel, uma das principais celebrações dos Guajajara. Foto by Taciano Brito

Ritual da festa do Mel, uma das principais celebrações dos Guajajara. Foto by Taciano Brito

3- Em 2015 houve na região o maior incêndio da história de terras indígenas no Brasil, que queimou mais de 60% do território. Os incêndios continuam frequentes?

Os indígenas dizem que os incêndios têm aumentado por causa do desmatamento.  Quanto mais a floresta é fechada por dentro, mais ela é úmida e há menos possibilidades de incêndio. Quanto mais descampada, com mais área seca, por conta da destruição dos rios, da devastação, tanto de madeireiros como de fazendeiros, que estão assoreando as nascentes, aí é muito mais fácil que os incêndios existam. Em 2017 houve outro grande incêndio, isso significa menos caça e alimento. Às vezes um incêndio não é criminoso, mas provocado a partir de um incêndio simples que não é controlado a tempo e acaba se alastrando.

4- Qual é a situação atual?

Existe um pequeno grupo nômade naquela região, os Awá Guajá, que não tem nenhum contato com a civilização, por escolha própria. Eles estão praticamente encurralados, mas têm boa convivência com os Guajajara, que respeitam e defendem o espaço deles, considerado o coração daquela terra. No caso dos Guajajara, eles vivem entre dezenas de fazendas de não indígenas e são impedidos de ultrapassar os limites estabelecidos em sua própria terra,  ameaçados por placas de “Perigo! Não ultrapasse a cerca”. Vale lembrar que essa região foi  demarcada pelo poder público federal como área estritamente indígena.  Os indígenas dizem: “a gente não mata quando eles invadem nossa terras, mas se passarmos das cercas podemos ser mortos”. Em menos de cinco anos, 13 lideranças indígenas foram assassinadas por causa  dessa luta pela manutenção da integridade e cultura dos Guajajara. É quase uma guerra civil acontecendo. O filme quer mostrar com esses rituais o que a destruição está ameaçando. Eles não estão conseguindo mais cobrir suas casas pela falta de palha. Tem de cobrir de lona.

5- Tu sabias da existência dos Awá Guajá antes de ir pra lá?

Não, descobri lá. Eles são nômades, de 60 a 100 indígenas, que não fizeram nenhum contato. Porém, na década de 1980, um grande grupo da mesma etnia foi contactado pelos brancos e chegou a ser fotografado por Sebastião Salgado, que os apresentou para o mundo. Outro artista, o cineasta Andrea Tonacci, fez um filme sobre Carapiru, sobrevivente de um massacre dos fazendeiros.  No começo eu queria muito colocá-los no filme, mas no decorrer do processo fui vendo que talvez não seja preciso. Não há contato dos Guajajara com os Awá, até mesmo porque as línguas são diferentes, apesar do mesmo braço lingüístico, o tupi. Mas eles convivem muito bem. Os Guajajara os tratam como um tesouro.

6- Como surgiram os Guardiões da Floresta?

A ideia surgiu em 2008, depois de um massacre feito pelos madeireiros na aldeia Lagoa Comprida, onde a gente tava filmando. Morreram algumas pessoas, entre elas Seu Tomé, que era uma grande liderança. Deram tanto tiro na cara dele que ele ficou desfigurado. Isso marcou muito os indígenas e, aí, criaram os Guardiões. A terra é formada por nove regiões. Cada uma delas tem um coordenador regional e um coordenador geral dos guardiões. Os principais líderes são Laércio, Olímpio e Paulo, todos muito visados pelos madeireiros. Paulo foi assassinado em novembro de 2019.

7- A equipe acompanhou alguma operação dos guerreiros?

Sim, em setembro de 2019, um pouco antes do Paulo morrer. Foi ali que o conheci, a gente acompanhou toda a missão, desde a preparação, a pintura, as orações, tudo, antes de sair. Andamos de quatro a cinco horas de carro até chegar no coração da terra, local mais visado, onde os Awá Guajá vivem. Alguns ficam ali, cuidando do acampamento, caçando e fazendo a comida, e os guerreiros vão atrás dos acampamentos dos madeireiros. Eles já têm os locais mapeados. Em alguns acampamentos a gente chega de carro e em outros têm de fazer uma caminhada.  Passamos três dias andando 30 km diariamente, sol quente, comendo farinha com água, pouca água, atrás de acampamento madeireiro pra fazer o cerco, amarrar os caras, botar fogo no caminhão e levá-los pra delegacia. A gente tava nesse processo, mas tive que voltar pra Imperatriz com minha equipe porque nossa passagem de avião já tava comprada. Eu soube que um dia depois a missão foi um sucesso, prenderam os invasores e os entregaram na delegacia, mas três dias depois estavam soltos. A gente acabou não fazendo esse registro.

8- Existe algum diálogo entre madeireiros e indígenas?

Não, porque quem representa os madeireiros não aparece, são os ricos, alguns políticos da região, que geralmente são donos de madeireiras. Os caras que estão lá são apenas peões, que estão sendo pagos para fazer aquilo.

9- Tentaste conversar com eles em algum momento?

Não, é perigoso. Tem muita grana envolvida no negócio que eles defendem. Não iriam querer colocar a cara deles.

10- O contato com os Guajajara mudou a tua visão dos indígenas?

Na verdade houve uma desconstrução. Tudo o que eu achava que era, não correspondia àquela realidade que vi e vivi. Esse é um dos meus grandes objetivos com o filme, mostrar às pessoas que quase nada disso que a gente pensa sobre eles é verdade. Estar hoje numa terra indígena, em 2020, não é nada do que eu imaginava. Todo o nosso imaginário foi construído por uma visão completamente errada do que seriam os indígenas. O que aprendemos na escola é coisa do passado, totalmente diferente de hoje. Não adianta imaginar os indígenas como eram antes, pelados, dentro de uma oca, isso não existe. Tem aldeia que a construção é tipo Minha Casa Minha Vida. Mas eles não deixam de ser índios por isso. A questão da cor e dos traços também. Eu conheci várias indígenas brancas, louras e de olhos claros, mas que falam a língua, que praticam a cultura de lá, por isso são indígenas também. São filhas de indígenas com europeus, não têm traços índios, mas estão lá, falando a língua fluentemente e praticando a cultura desses povos.  E outra: são mais de 300 povos, cada um com sua história, com suas diferenças. É uma complexidade muito grande, não dá pra dizer que tudo é índio. Por isso é que eles não gostam de serem chamados de índio, porque botam todos no mesmo saco. Só aqui no Maranhão são 12 etnias diferentes, com línguas, ritos e culturas diferentes. Outra acusação contra eles é de que são preguiçosos. A questão é que o tempo deles é completamente diferente do nosso. Eles não criam a mesma estrutura de trabalho que a gente, de oito horas diárias. Acordam e fazem o que têm de ser feito, no tempo deles, e o tempo deles é outro. Como diretor, tinha de me adaptar ao tempo deles e não o contrário, por uma questão de respeito. Às vezes eu queria gravar, mas ficava tomando banho no brejo com eles. E eu falava isso pra minha equipe. A gente precisa vivenciar os momentos, não estamos aqui só pra gravar. Porque se não, não cria a liga e aí fica uma coisa superficial, sem verdade. Quando eu chegava, passava um, dois dias até tirar a câmera pra começar a filmar. Ia na casa de um, de outro, dormia na rede, tomava banho de rio. Eles fazem parte de uma outra cultura e a gente tem de respeitar essa cultura. Sempre que vou lá eu aprendo, por isso ouço muito e falo pouco. O filme tem essa verdade.

 Laércio, um dos líderes dos Guardiões, que sobreviveu ao atentado. Foto by Taciano Brito

Laércio, um dos líderes dos Guardiões, que sobreviveu ao atentado. Foto by Taciano Brito

11- Qual a população Guajajara atual?

Entre 15 e 20 mil, na região de Amarante, Grajaú e Barra do Corda. Nas aldeias mais tradicionais, os povos falam sua própria língua. Dificilmente eles vão falar português contigo. Mas em outras, em que a influência não indígena é grande, poucos ainda falam suas línguas originais. São mais de 150 aldeias. Em geral, são muito calorosos, te tratam bem, mas nas aldeias mais antigas, os idosos são um pouco arredios, isso até eles confiarem em ti. Somente uma vez sofri uma resistência maior, foi na filmagem da Festa dos Rapazes, na aldeia Cajá. Passei por uma situação constrangedora e precisei me impor. Eles começaram a falar na língua deles e quando isso acontece é porque as coisas estão ficando feias. Ficam irritados e temos de manter a serenidade. Nessa situação específica aconteceu que as pessoas que foram comigo não eram tão conhecidas deles, mas depois tudo se resolveu. O problema é que eles estão cansados de ver muita gente chegar lá, querendo filmar, fazer pesquisa etc., mas o retorno disso é nenhum, nada acontece e a situação deles piora cada vez mais. Isso também foi um ponto de reflexão.

12- Os povos indígenas têm relação mais próxima com os órgãos oficiais?

Sim, inclusive em alguns momentos, órgãos como Funai e Ibama, deram apoio às operações, mas só que o processo era extremamente burocrático. Os guardiões ficavam inquietos pela demora das respostas a qualquer pedido que faziam. É impossível esperar três meses pra conseguir uma autorização ou liberação de combustível. No atual governo a coisa ficou pior ainda. Então, eles resolveram ir pra cima e fazer, e criaram uma associação, até mesmo para poder conseguir recursos por outras vias. Eles conseguiram um quadriciclo, conseguem gasolina, mas ainda é muito pouco.

13- Qual a diferença do atual governo em relação aos anteriores?

Nunca foi muito diferente. Agora está mais escancarado, porque os madeireiros sabem que não vai haver punição. Invasão sempre existiu, nunca houve empenho por parte de nenhum governo federal para acabar com ela. Isso é algo que precisa ser dito. Não começou agora, vem acontecendo há vários anos. Claro, em governos anteriores houve algumas assistências, inclusive demarcação, mas as invasões só pioram.

14- Vocês passaram por algum momento tenso durante as filmagens?

Houve dois momentos bem tensos e distintos. O primeiro foi na chegada, na gravação da Festa do Mel. Antes, a gente foi buscar o mel na floresta. Na cerimônia eles utilizam uma quantidade muito grande do produto, fazem um canjirão de mel pra banhar a galera.  Constroem um barracão e penduram 40 litros no teto para a celebração. Foi aí que eu conheci o Laércio, uma das lideranças dos guardiões. Nesse momento ele se revelou o personagem principal do filme. Foi ele que conduziu inicialmente a coleta do mel e a festa foi feita na aldeia dele. No caminho, encontramos com outros índios e quando a gente disse que iria pegar o mel produzido pelas abelhas italianas, um deles falou: – Vou nada! Aí o Laércio me explicou que essas abelhas são extremamente perigosas, só perdem para as africanas. Depois de horas de caminhada, achamos um pé de pequi cheio de mel. Antes de começar a tirar, fazemos uma fumaça para inebriar as abelhas. Aí a gente corta a árvore e abre uma parte pra retirar o mel de dentro. O detalhe é que você não pode matar nenhuma delas. Se fizer isso, as outras caem em cima. Aí, adeus! E as esporadas doem pra caralho. Eu peguei seis, fora as mordidas de formiga. É algo muito tenso. E as filmagens são feitas em close, com a câmera praticamente em cima de Laércio. E o enxame em cima da gente. Depois, com a fumaça, a situação melhora um pouco.  O mel vale ouro para os indígenas, é o principal alimento dos parentes isolados, como eles dizem. Fazem tudo com aquilo. “Pra tirar isso aqui da gente, eles vão ter que me matar primeiro”, me disse o Laércio. Isso é o filme.

Laércio colhendo mel para a grande Festa do Mel. Foto by Taciano Brito

Laércio colhendo mel para a grande Festa do Mel. Foto by Taciano Brito

O outro momento tenso foi depois da morte de Paulo, o Lobo, em novembro do ano passado. A gente tava indo pra lá, encontrar com ele pra acompanhar outra missão na tentativa de pegar as imagens dos caminhões dos madeireiros. Mas ele foi assassinado no dia anterior, morreu exatamente no local em que fomos em setembro. Paulo e Laércio foram caçar sozinhos e os pegaram numa emboscada. Pararam pra descansar um pouco e os assassinos chegaram de surpresa. Rolou um tiroteio e acertaram o Paulo em cheio. O Laércio ainda levou dois tiros, mas escapou e teve que correr 12 km até chegar à aldeia mais próxima. Um capanga dos madeireiros também morreu no confronto. Na noite anterior, Laércio me contou que eles ouviram os Awá cantando, como se estivessem festejando a chegada da chuva.

15- Fala um pouco sobre o clima durante o funeral.

Chegamos na hora do funeral, uma tristeza terrível. Todos eles ali, próximosa a família, o pai dele, Zé Maria, de 70 anos, um dos principais cantores de toda a terra indígena: “não sei mais nem se vou continuar cantando. Perdi meu primeiro filho, que me ajudava, trabalhador”, me disse ele; a mulher de Paulo, 16 anos, que mal fala português, com um filho de dois. Paulo tinha 26 anos. Durante e depois do enterro, fiquei com muito medo, porque as imagens divulgadas nas TVs nos noticiários nacionais e internacionais foram feitas por mim e por dois profissionais da agência Reuters, que também estavam acompanhando a missão. Eu tava a cinco, dez minutos de um povoado lotado de madeireiros e era o único branco ali com uma câmera. Era muito fácil para eles descobrirem quem estava filmando. A gente recebeu áudios em grupo dizendo que eles iriam entrar na aldeia e matar todo mundo. Como houve a morte de um branco no confronto com Paulo e Láercio, eles ficaram ameaçando. Isso pra eles é uma afronta muito grande, mesmo eles estando dentro da terra demarcada. Foram momentos difíceis.

16- O que muda no filme com a morte de Paulo?

Na verdade, não muda muita coisa. Só reforça aquilo que a gente vem falando no filme todo. O assassinato dele é só mais uma prova. O fio condutor, os guardiões e sua história, vai continuar da mesma forma, mas vai ter um momento em que vai ser revelado que o Paulo morre, mas não vai ser logo no início. Quero contar a história dos guardiões, mostrar as festas e a relação entre eles com essas cerimônias, a missão, até chegar no ápice, as festas, quando eles cantam e dançam juntos numa grande força espiritual. Essa celebração é como se eles estivessem se preparando pra guerra. Essa é a vida deles, a resistência. Resistência aos incêndios, às mortes, às invasões, às derrubadas. Vou mostrar cenas de arquivos, declarações horríveis contra eles etc. Essas pessoas deviam era ir pra lá aprender com os indígenas, com a sabedoria deles, sobre a terra, sobre o vento, e não querer exterminá-los. Ou isolá-los, colocá-los como exóticos, como se estivessem num zoológico. É preciso interagir com os indígenas, conhecê-los, se interessar por aquilo que eles têm pra dizer. Mas os brancos madeireiros e alguns produtores preferem dizimar tudo para plantar soja em cima.

17- Nesses quase três anos o que de mais importante tu levas dessa convivência?

Eu me identifico com a cultura indígena, isso é uma referência espiritual. Meu guia de frente, espécie de anjo da guarda, é um índio. Chama-se Caboclo João da Mata e tem outros, Tupinambá, Sete Flechas. Sempre tive essa ligação. Nasci numa família espírita, tinha mediunidade, via muitos espíritos quando criança e sentia muito medo. Lembro de gostar muito de arco e flecha, mas de uma maneira muito superficial, sem entender. Nunca me aprofundei. E comecei a trabalhar desenvolvimento mediúnico, diretamente com incorporação de espíritos indígenas, em trabalhos de cura dentro do centro espírita. E isso nem é muito comum porque o espiritismo normalmente não trabalha com esse tipo de entidade. Quando houve o contato com o Alexandre Cantuária é como se eu sentisse que tinha chegado a hora. Sinto como uma missão. Eu gosto dos povos tradicionais, quilombola, ribeirinho, quebradeira de coco, indígena, é isso, eu já tava nessa linha. Mas de todo o processo, acho que o meu batismo, no dia do meu aniversário, em 2019, dia 6 de setembro, teve um significado muito grande pra mim. A Cynthia Guajajara, irmã do Silvio, foi quem me batizou. Ela é minha mãe, me deu um nome, À’rawì, e é uma grande liderança de base em todo o país. Ganhei meu cocar, meu maracá, cantei, dancei, uma experiência foda!

 Taciano Brito e sua mãe Cynthia, logo após o batismo do cineasta. Foto by Jesus Peres

Taciano Brito e sua mãe Cynthia, logo após o batismo do cineasta. Foto by Jesus Peres

18- Como eles acompanham esses rituais, de quem vem de fora da aldeia?

Todos ali me conheciam, é como se fosse uma família, minha casa. Foi uma cerimônia que aconteceu depois da festa, mais tranquila, com umas 30, 40 pessoas. Eu me sinto mais bem tratado lá do que na casa de vários parentes meus. Acolhimento, afeto, troca, existe um processo, todo mundo cantando e celebrando.

19- Analisando racionalmente a situação, tu achas que há um caminho para o extermínio ou, no mínimo, para a descaracterização total do que é ser indígena?

Do jeito que tá indo, se não existir uma mudança radical, com certeza. Falo isso em relação a tudo, inclusive da implosão do planeta como um todo. Questão ambiental, recursos hídricos, aumento de temperatura etc. A gente foi pro outro lado e cada vez vai ficando mais difícil de voltar. Se conseguíssemos parar o processo agora, ainda teríamos alguma esperança. Mas como é que a gente vai recuperar a Amazônia depois de destruí-la? Tem uma fala do Laércio muito linda no filme: “A gente não tá defendendo isso aqui só por causa da gente, mas também pelos netos de quem está querendo nos matar, só que eles não entendem”. É um depoimento simples, genial, impressionante! O Laércio tem 34 anos e um poder de comunicação e de magnetismo muito fortes. Sabe concatenar tudo de maneira simples, direta. Não é uma utopia, é a realidade, ele tem consciência da complexidade da situação e sabe do que tá falando.

20- Quem tá bancando o filme? Vocês se inscreveram em editais, leis de incentivo, Rouanet ?

A gente já tentou de inúmeras formas, lei de incentivo estadual, edital federal, empresa privada direta, tudo. Tem uma empresa, a Oito Comunicação, que tá tocando isso. E a gente também está se preparando pra fazer as apresentações, inclusive internacionais. O teaser do filme (https://www.youtube.com/watch?v=y6cuk7Re628&feature=youtu.be) tem legendas em inglês, tudo focando nessa abrangência. A gente conseguiu alguns apoios diretos de empresas pequenas, além do apoio das coprodutoras que entraram com a gente, Fábrika Filmes, de São Luís, e Unloop Filmes, do Rio de Janeiro.

21- No caso da lei de incentivo estadual, vocês tiveram o documento de aprovação pra tentar a captação?

Em 2018 a gente escreveu um projeto lindo, feito por um pós doutor, Ramuzyo Brasil, e botou no Minc. Teve uma ótima nota, mas logo depois o ministério foi extinto. Aí, colocamos na lei de incentivo estadual, em fevereiro de 2018, com carta de intenção de patrocínio. Eles dão um prazo de três meses para entrar na reunião da comissão que avalia os inscritos. Dois anos depois e o projeto nunca entrou na pauta dessa reunião para que eu pudesse ou não receber o certificado. Fui na secretaria mais de cinco vezes, falei com todas as pessoas, até com o governador, ao lado de várias representantes da área de cinema. Ele falou que a demora era por causa da demanda, mas que o secretario, na época o Diego Galdino, iria dar continuidade ao processo e coisa e tal. Isso em junho de 2019. Até hoje! Depois disso conversei com o novo secretário, Anderson Lindoso, com a secretária adjunta, com a responsável pelo edital e ninguém resolveu nada. Depois da morte do Paulo, várias pessoas ligadas ao cinema, daqui e de fora do país, me perguntaram por que o projeto não tinha avançado e eu não soube responder. Acho que se esse filme tivesse sido feito e lançado ano passado, a gente poderia ter evitado algumas mortes. Em dezembro, mandei uma mensagem pra secretária ajunta, Caroline Veloso, perguntando a razão pela qual o governo não se interessava por um projeto como esse. Ela não me respondeu. No dia seguinte chegou uma ligação pra mim, eu tava na aldeia, me convocando para uma reunião em cima da hora. Aí, claro, falei que não poderia porque tava filmando. Marcamos pra semana seguinte e o atual secretário não resolveu porra nenhuma. Disse que o projeto entraria na pauta da reunião de dezembro, mas até hoje não tive nenhuma resposta. Já mandei várias mensagens e nada. Cheguei no meu limite, não posso fazer mais nada e não quero mais depender do Governo Estadual pra tocar meu projeto. Foda-se! Vou batalhar outras formas de conseguir grana pra finalizar. Quero ver a cara deles quando o filme estiver participando de um festival internacional importante. Vou levar comigo o Laércio. A voz será dele, muito além do filme, pra denunciar pessoalmente pro mundo inteiro o que tá acontecendo no Maranhão. E o governo, nem seu Sousa.

Celso Borges – poeta, roteirista e jornalista, 11 livros de poesia lançados, entre eles Pelo Avesso (1985), Música (2006), Belle Époque (2010) e O futuro tem o coração antigo (2013)

O silêncio no filme “Sob a pele do lobo”

A morte atravessa a história do começo ao fim. Falo com ênfase sobre o óbito da palavra falada. O filme tem poucos diálogos.

O roteiro é construído por uma linha narrativa em que as personagens principais conversam pouco em uma história que diz muito sobre as paixões humanas: amor e ódio, principalmente.

Embora comece pelo ruidoso estampido de uma espingarda, na cena em que o caçador dispara contra um animal, a ausência das vozes humanas é marcante.

Mesmo quando o caçador solitário passa a ter a companhia de uma mulher, a palavra falada é escassa, substituída na construção do filme pelos olhares e expressões faciais das personagens e todo o contexto daquela existência no isolamento.

O silêncio no filme dirigido por Samu Fuentes é preenchido com as paisagens sonoras da natureza: a agitação dos ventos no farfalhar das árvores, a maciez do barulhinho bom dos córregos deslizando na montanha, as cascatas, os assovios das frentes frias na nevasca, as onomatopeias dos animais….

Na solidão, o caçador ouve e fala com os sons da natureza. Os deuses primitivos se manifestam em paisagens sonoras para dialogar com as entranhas dos instintos animais do homem rude, brutalizado pela cultura patriarcal.

Tem muita coisa interessante para ver no filme “Sob a pele do lobo”.

Uma delas: quebrar certas impressões equivocadas sobre o bucolismo da vida no campo. Cada dia é uma guerra pela sobrevivência com trabalho incessante: caçar em um ambiente inóspito, tratar as peles dos animais para a venda, subir e descer a montanha para, cuidar dos animais, plantar, rachar lenha…

O resto, só você mesmo vendo para conferir, ou discordar. Filme disponível na Netflix.

Imagem capturada nesse site

Maranhão na Tela 2019 divulga a lista da mostra competitiva, informativa, curtas e videoclipes

Das 143 obras inscritas de oito estados, foram escolhidas cinco longas, dez curtas e 15 videoclips para a mostra competitiva, além de dez curtas e 10 videoclipes para a informativa. A curadoria foi feita pelos cineastas Lucas Sá (MA) e Sérgio Andrade (AM). Assim como no ano passado o festival de 2019 terá  filmes do Maranhão, Pará, Tocantins, Amazonas, Roraima e Acre. Veja a lista completa no site www.maranhaonatela.com.br

Idealizado pela produtora Mavi Simão em 2006 e realizado pela Mil Ciclo Filmes, desde 2007, o Maranhão na Tela vai acontecer de 1º a 7 de dezembro em três espaços da cidade: Os longas serão exibidos na sala Kinoplex do Golden Shopping (Calhau) e os curtas e videoclips num telão na Escadaria da rua do Giz  Luís (Praia Grande). 

Na abertura do festival, dia 1º, às 19h, será exibido o filme A vida invisível de Eurídice Gusmão, do cearense Karin Ainouz. O longa ganhou o prêmio principal da mostra Um Certain Regard (Um certo olhar), a segunda mais importante do Festival de Cannes.  A diretora Bárbara Paz também é presença confirmada, no dia 02 de dezembro, na abertura da Mostra Panorama Brasil, com o filme Babenco – alguém tem que ouvir o coração dizer: parou.

“Estamos muito motivados com a edição deste ano. A qualidade dos filmes escolhidos pela curadoria é excelente. Será uma mostra mais enxuta, mas mantendo o mesmo nível dos anos anteriores”, afirma Mavi Simão.

Do mar ao cinema: a solidão de “Silicrim” e Amyr Klink

O navegador solitário Benedito Raposo Teixeira, o “Silicrim”, faleceu em 11 de fevereiro de 2018, aos 82 anos de idade, nas proximidades da ilha de São Lucas, no arquipélago de Maiaú, em Cururupu.

No final de 2016, quando tinha 80 anos, “Silicrim” recebeu uma grandiosa homenagem no filme “O Império de um Navegador”, dirigido pelo cineasta Edson Fogaça.

Ao assistir ao filme com plateia lotada no cine Praia Grande, escrevi uma crítica, publicada  em 1º de dezembro de 2016, no Blog do Ed Wilson (edwilsonaraujo.com.br). Este blog estava hospedado pela empresa SlzHost e foi “deletado” de tal forma que todo o conteúdo ficou perdido e inacessível. A SlzHost não conseguiu recuperar o Blog do Ed Wilson e o trabalho de quase dois anos foi totalmente “apagado” da web.

O artigo sobre Silicrim e o filme “O Império de um Navegador” foi salvo graças à generosidade do diretor do Estaleiro Escola, Luiz Phelipe Andrès, que à época (2016) imprimiu o texto do Blog do Ed Wilson, guardou uma cópia e digitou o texto novamente na madrugada do dia 13 de fevereiro 2018, possibilitando a republicação em meu novo blog (edwilsonaraujo.com). Veja como o papel ainda é importante em tempos de tanta tecnologia!

Deixo meu agradecimento especial a Luiz Phelipe Andrès pela recuperação do texto. Se ele não tivesse guardado uma cópia em papel, seria impossível recuperá-lo.

Abaixo, o texto original.

DO MAR AO CINEMA: A SOLIDÃO DE “SILICRIM” E AMYR KLINK

Ed Wilson Araujo

O menino Benedito, nascido na ilha de São Lucas, em Cururupu, era caçoado pelos colegas porque se atrapalhava no letramento de tal forma que era uma tortura, para ele, a decoreba da cartilha do ABC: “sa-la-cra”, “sa-la-cre”, “sa-la-cri”.

Benedito nunca passou das lições iniciais de alfabetização, ganhou da turma o apelido Silicrim e abandonou a escola ainda criança. Seu destino era o mar e nas últimas duas décadas a marca do navegador solitário, ativo aos 80 anos de idade.

A sua vida inteira dedicada ao mar foi contada no filme “O Império de um Navegador”, exibido no Cine Praia Grande, com plateia lotada e a presença da personagem principal do filme – Benedito Raposo Teixeira, o “Silicrim”, familiares e amigos; do navegador Amyr Klink; do diretor do Estaleiro Escola Luiz Phelipe Andrès; e do diretor do Mavam Joaquim Haickel.

Amyr Klink veio especialmente ao Maranhão conhecer o marinheiro solitário do arquipélago de Maiaú, navegaram juntos e falaram pouco, depois da seção do filme, na homenagem grandiosa a um homem simples que só precisa de vento e solidão para uma existência de plenitude.

O filme dirigido por Edson Fogaça é impecável. Da trilha sonora ao script, recorta e costura a personagem “Silicrim” com a mistura de realidade e ficção em uma sensibilidade poética e com a força narrativa tão potente quanto a quilha cortando as ondas, tal qual o poema  “E então, que quereis?”, de Vladimir Maiakóvski.

A ideia do filme surgiu quando Silicrim aportou no Estaleiro Escola para deixar o barco guardado, enquanto ele iria fazer uma cirurgia de hérnia. Phelipe Andrès ficou encantado com a saga de Silicrim e desde então foi brotando a ideia de contar a história do navegador solitário do Maranhão em um filme.

Enquanto “Silicrim” se recuperava da cirurgia, Andrès mobilizou a equipe do Estaleiro Escola para fazer outra intervenção cirúrgica , desta feita no barco “O Império de Um Navegador”, que chegara ao porto bastante avariado.

Finalmente liberado pelo médico, ele recebe o barco de volta, totalmente recuperado, e segue a sina de navegador solitário, mas sempre rodeado de amigos em todos os portos por onde passou.

Trata-se deu um filme para ser lido, porque na tela estão implícitos Gabriel Garcia Márquez, Guimarães Rosa e Fernando Pessoa.

A minha experiência de assistir ao filme remeteu Silicrim às narrativas da obra “Cem anos de Solidão” e à magia do realismo fantástico, especialmente o tempo, cravado na pele enrugada de sal e sol como se cada dobra fosse um capítulo das suas oito décadas de vida, quase todas no mar.

No filme, o tempo se arrasta carregado de nostalgia na cena do ritual de preparar o próprio café da manhã no interior do barco. O café coado lentamente duas vezes, depois bebido na fartura do olhar longínquo avistando o nada na beira da praia, ou nas caminhadas sem pressa pelas areias de encantarias da ilha dos Lençóis.

A vida de “Silicrim” é a negação do tempo presente apressado pelos motores e dispositivos móveis. Seu barco, “O Império de um Navegador”, que dá nome ao filme, é à vela. Ele é um homem movido a vento.

Guimarães Rosa está presente nos diálogos entre Silicrim e seus companheiros, demarcados por pausas, silêncios intermináveis, vazios interpretativos de uma profundidade medonha. Nesses papos despropositados, as histórias de aventuras no mar são recontadas pelos amigos das ilhas de Cururupu, parceiros de viagens, costurados aos depoimentos da personagem principal.

A poesia atravessa todo o filme, daí a presença de Fernando Pessoa na figura da personagem, naquilo que representa o ímpeto da conquista, o desejo de aventura, a constante inquietação de Silicrim com a segurança da terra firme. Ele é do mar e não enjoa, homem de alma grande, porque a vida inteira valeu a pena.

Imagem destacada / divulgação / Silicrim pilotando seu barco artesanal

Festival Guarnicê de Cinema faz itinerância em Pinheiro e Alcântara

A Universidade Federal do Maranhão (Ufma), através do Departamento de Assuntos Culturais (Dac/Proexce), realiza exibições gratuitas de filmes e ações formativas nessa terça (22) e quarta-feira (23), na cidade de Pinheiro, e na quinta-feira (24), em Alcântara. A programação integra o projeto de extensão Guarnicê em Itinerância, que será encerrado no mês de novembro/19, com a realização das ações culturais no município de Raposa.

A programação oficial começará na terça-feira (22), no Auditório Central da Ufma Campus Pinheiro/MA, com a exibição da Mostra Guarnicêzinho, das 9h às 10h. Em seguida terá a Mostra Copa Studio 10 anos, das 10h às 11h. Das 14h30 às 15h30 haverá a solenidade oficial de abertura com exibição às 15h30 do filme ‘Selvagem’, de Diego da Costa, melhor longa nacional do 42º Festival Guarnicê de Cinema. A programação está no site http://www.cultura.ufma.br/index.php/festival-guarnice-de-cinema-em-itinerancia/ e nos folders e cartazes distribuídos nos locais de exibição.

Inclusão cultural

Nesse projeto, a Ufma levará a experiência do cinema a locais onde a população não possui acesso à arte cinematográfica. Realizará ainda ações formativas que colocam crianças e jovens em contato com técnicas básicas de produção de filmes. “O Guarnicê em Itinerância ampliará as oportunidades do encontro entre o cinema e o público, fazendo circular a obra audiovisual por meio de mostras itinerantes em comunidades do interior do Estado”, disse a diretora do Dac e coordenadora do projeto, Fernanda Santos Pinheiro.

A iniciativa tem patrocínio do Centro Elétrico e Governo do Maranhão (Lei Estadual de Incentivo à Cultura). “Por meio do Guarnicê em Itinerância, crianças e jovens das comunidades beneficiadas despertarão ainda o interesse nos processos audiovisuais, estimulando a formação de plateia e o interesse pela linguagem artística”, explica a diretora. “Esse projeto é uma extensão do nosso Festival Guarnicê de Cinema, que terá sua 43ª edição em 2020. Oportuniza ainda espaços de exibição em locais onde não há salas de cinema. Levamos a arte e a cultura do cinema para onde o povo está”, finalizou Fernanda Santos Pinheiro.

Acervo do Guarnicê

O público alvo do Guarnicê em Itinerância é heterogêneo, focando a presença de alunos do ensino superior, da educação básica e a comunidade em geral. O Festival Guarnicê de Cinema é uma referência como polo difusor da arte cinematográfica e possui um dos mais ricos acervos fílmicos do país. Quarto festival mais antigo do Brasil e o segundo mais antigo promovido por universidades, exibe há 42 anos o melhor da produção do cinema autoral brasileiro, sendo janela das mais importantes no cenário dos festivais nacionais.

Em Pinheiro, o Guarnicê em Itinerância tem apoio da Fundação Sousândrade, Universidade FM, Gráfica Universitária, Ufma Campus Pinheiro (Centros de Ciências Humanas Naturais, Saúde e Tecnologia), Prefeitura de Pinheiro, CDL/Câmara de  Dirigentes Lojistas de Pinheiro, Uema Campus Pinheiro e Ifma Campus Pinheiro. Em Alcântara, apoiam o projeto a Fundação Sousândrade, Universidade FM, Gráfica Universitária e ainda a Prefeitura de Alcântara (secretarias municipais de Educação e de Cultura e Turismo), Ifma Campus Alcântara e Paróquia de São Matias.

Prorrogação! Festival Maranhão na Tela recebe inscrições até 20 de outubro

Um dos maiores festivais de cinema do estado será realizado de 1º a 9 de dezembro e ampliará mais uma vez sua abrangência para estados das regiões Norte e Meio-Norte

As inscrições para a competitiva e a rodada de negócios da 12ª edição do Festival Maranhão na Tela devem ser feitas pelo site (www.maranhaonatela.com.br) até o dia 20 de outubro. Poderão ser inscritos filmes e projetos dos nove estados das regiões Norte e Meio Norte. Para a mostra competitiva, as inscrições são gratuitas, enquanto que para as rodadas de negócios variam entre R$ 120,00 e R$ 100,00.  Pelo segundo ano consecutivo a mostra terá abrangêcia paras as regiões Norte e Meio Norte e a realização de um ambiente de mercado, o Maranhão na Tela LAB. O festival foi idealizado pela produtora Mavi Simão em 2006 e é realizado pela Mil Ciclos Filmes.

Identidade visual – A identidade visual da edição deste ano é de Silvana Mendes, escolhida por uma curadoria entre vários artistas inscritos. Graduanda em Artes Visuais pela Universidade Federal do Maranhão, ela desenvolve um trabalho que busca investigar o cotidiano e a subjetividade do comum, resignificando símbolos e visualidades através da fotografia e colagem digital ou manual. Silvana Mendes também utiliza em seus trabalhos e colagens dispositivos móveis para produção fotográfica, usando como suporte o lambe.

MARANHÃO NA TELA 2019 

De 1º a 9 de dezembro

Inscrições abertas até 20 de outubro

Realização: Mil Ciclos Filmes

Patrocínio: Oi, Minc/Ancine/FSA

Mais informações: assessoria de imprensa – 98 981791113