Revisão do Plano Diretor de São Luís será retomada em audiência dia 15, na Faculdade Pitágoras

A Prefeitura de São Luís dará início na terça-feira (15), no auditório da Faculdade Pitágoras (Avenida S. Luís Rei de França, 32 – Turu), das 19h às 22h, a uma série de audiências públicas para apresentação da proposta de revisão do Plano Diretor da cidade. Com a realização de nove audiências, será concluído processo de revisão do instrumento de política urbana, coordenado pelo Conselho da Cidade (Concid), vinculado à Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento (Seplan).

Diversos movimentos sociais que atuam no segmento de reforma urbana questionam vários procedimentos adotados pela Prefeitura de São Luís para a revisão do Plano Diretor, tais como manobras jurídicas e burocráticas para impedir a efetiva participação dos moradores da cidade no debate sobre a revisão da legislação urbanística.

Segundo a gestão municipal, o Plano Diretor é o principal instrumento normativo e orientador da política de desenvolvimento urbano e rural da cidade. Com a realização das audiências em diferentes regiões da cidade, o processo de revisão da lei segue preceitos estabelecidos pela Constituição Federal de 1988, Lei Orgânica do Município e Estatuto da Cidade. Na retomada do processo de revisão do Plano Diretor, a Prefeitura realizou, no mês de dezembro de 2018, dois dias de oficinas para qualificar os participantes das audiências.

Os movimentos sociais e ativistas pelo direito à cidade questionam a obscuridade e os poucos espaços de debate sobre um tema tão importante para o cotidiano da população. Tanto as oficinas quanto as audiências têm pouca divulgação e geralmente ocorrem sem qualquer entusiasmo dos moradores dos bairros e nos arredores dos locais onde as atividades são realizadas.

A Prefeitura, por sua vez, rebate as críticas. “As audiências públicas são parte do processo de revisão da legislação urbanística do município. Nesse caso, serão vários momentos, configurando-se em audiências para revisão do Plano Diretor de São Luís, cujo cronograma foi aprovado em assembleia. É muito importante que a população participe desses momentos, pois a efetividade das diretrizes da minuta do Plano Diretor que será apresentado a Câmara deve ser de conhecimento de toda a população ludovicense”, pontua o presidente da Fundação Municipal do Patrimônio Histórico (Fumph), Aquiles Andrade, responsável por ministrar as oficinas de qualificação no final de 2018.

A posposta apresentada durante as audiências objetiva modificar aspectos e atualiza o Plano Diretor, sob a lei nº 4.669, em vigor desde 2006. O Conselho da Cidade de São Luís é órgão colegiado paritário constituído por representantes da sociedade civil organizada e poder público. O conselho tem caráter permanente, deliberativo, consultivo e fiscalizador. 

De forma didática, o presidente da Fundação Municipal de Patrimônio Histórico (Fumph), Aquiles Andrade, apresentou, durante as oficinas, uma visão geral sobre o processo de implantação da política urbana nos municípios brasileiros. Na ocasião, foi apresentado como se estrutura o principal instrumento de política urbana.

A proposta que será apresentada nas audiências foi dividida em 11 títulos, segundo deliberação do Conselho da Cidade. Cada tema foi debatido durante o período de dezembro de 2017 e novembro de 2018 em reuniões regulares ocorridas sempre às quartas-feiras na sede da Escola de Governo e Gestão Municipal (EGGEM). Foram mais de 40 encontros realizados com objetivo de verificar quais as ações e propostas foram efetivadas ao longo dos anos de vigência do Plano Diretor.

Estudantes da Estácio lançam nota de solidariedade aos professores demitidos

“Professores brilhantes ensinam para uma profissão. Professores fascinantes ensinam para a vida.” (Augusto Cury)

Alunos de Direito, Educação Física e Jornalismo repudiam as demissões e ressaltam as qualidades dos docentes excluídos.
Veja abaixo a nota 

Vivemos em um tempo marcado pelo desrespeito às liberdades individuais e pelos ataques aos direitos fundamentais em nossa sociedade. A Reforma Trabalhista, a Lei da Terceirização Irrestrita e o congelamento dos gastos com saúde e educação por 20 anos passaram facilmente pelo Congresso Nacional sem muita resistência da população, dos estudantes e dos trabalhadores em geral. O resultado dessa omissão começa a ser visto agora, com o emprego informal, o desemprego, as demissões em massa e a perda de direitos históricos.

Nesse período sombrio da história do nosso país, acreditamos que a única saída para a atual geração é a educação transformadora e libertadora, que encoraje os jovens a irem à luta por seus direitos, combatendo toda e qualquer espécie de preconceitos, intolerâncias e fundamentalismos.

Essa mudança de pensamento depende, indubitavelmente, do auxílio crucial dos professores, grandes mestres, pensadores que estiveram,estão e sempre estarão no cerne de toda a transformação social, devendo, pois,serem cada vez mais valorizados e reconhecidos.

Lamentavelmente, porém, a Faculdade Estácio tem ido de encontro a esse entendimento. Na quarta-feira, dia 12/12/18, a instituição demitiu 22 professores do seu quadro, em São Luís, alegando que a revisão periódica de sua base de docentes é um “processo natural”. Em seu comunicado, a Faculdade evidenciou, explicitamente, a maneira insensível e desrespeitosa comovê seus professores, ou seja, como meros objetos, peças de um mobiliário que precisam ser trocadas a cada estação, pensamento este inaceitável!

Nós, alunos de instituição, discordamos, terminantemente, dessa decisão unilateral da Estácio. Afinal, professores não têm prazo de validade. Devem ser valorizados e respeitados, ainda mais profissionais tão gabaritados quanto os que foram dispensados. Desse modo, exigimos respeito e reconhecimento aos docentes:

•             Thyenes Corrêa, advogada, com especialização em Direito de Família, Sucessões, Processual Civil e Tributário, há 15 anos lecionando na Estácio;

•             Ricardo Calado, advogado civilista reconhecido, especializado em Direito Público, com 12 anos de excelentes serviços prestados na Faculdade;

•             Paulo Roberto Barroso, graduado em Direito, Economia, Sociologia e Administração, Mestre em Gestão de Empresas, Doutor em Ciências Jurídico-Sociais, Pós-Doutorem Democracia e Direitos Humanos, há 7 anos compartilhando seu vasto saber na casa.

•             Ranie Leão, advogado especializado em Direito Processual Penal, servidor público e há 3 anos ensinando na Estácio São Luís;

•             Isaque Ramos, professor especializado em Direito Constitucional Aplicado, com MBA em Gerenciamento de Projetos, nosso coordenador do NPJ;

•             Gustavo Alencar, mestrando em ciências jurídicas; professor de direito penal, processual penal e direitos humanos; delgado de polícia.

•             Kátia Alencar, graduada em Direito e Jornalismo, especializada em Jornalismo Cultural, Direito do Trabalho e Previdenciário, além de mestranda em Criminologia;

•             Marcio Antônio de Oliveira, pós-graduado em Direito Penal e Direito Constitucional,com MBA em Direito Civil e Processo Civil.

Como visto no breve currículo pessoal supramencionado, esses professores são referências em suas áreas, profissionais com alto grau de especialização, que gozam de irrestrito respeito e reconhecimento dos acadêmicos da Estácio e da comunidade jurídica maranhense.

Vale ressaltar que não somos meros pagantes dessa Faculdade, somos futuros juristas, educadores, comunicadores e outros profissionais , em  formação, defensores dos direitos sociais, dos direitos trabalhistas e, sobretudo, do valor social do trabalho e da dignidade da pessoa humana.

Por isso, não aceitamos que a Estácio demita nossos professores, terceirizando-os, desvalorizando-os, precarizando suas condições laborais e suas vidas. Lutaremos pelo emprego desses mestres, que aprendemos a respeitar pela capacidade técnica e pelo caráter.

Merecemos professores de qualidade! Não nos calaremos diante dessas demissões injustas e desnecessárias, cujo único objetivo é aumentar o lucro da Estácio em detrimento do saber! Estamos a postos para denunciar, nos solidarizar e apoiar esses grandes mestres!

Ante o exposto, convidamos todos os alunos, ex-alunos, professores e ex-professores da Faculdade Estácio, a se juntarem a nós nessa luta em defesa do emprego, da qualidade do ensino, contra as terceirizações e por nenhum direito a menos!

Alunos dos cursos de Direito, Educação Física e Jornalismo da Estácio de Sá Campus São Luís.

O pregão do Cuscuz Ideal

De longe se ouve o brado, ou melhor, o pregão, na voz que ecoa pelas avenidas entre os paredões de concreto ou nas ruas e becos da cidade, em diversos bairros de São Luís.

Os pregoeiros do Cuscuz Ideal fazem parte da “paisagem sonora” de São Luís há mais de 40 anos, quando os vendedores popularizaram este produto típico da culinária nordestina, originário da base alimentar indígena.

Por todos os cantos da cidade os vendedores do Cuscuz Ideal anunciam a iguaria, na forma de pregão, formato de anúncio criado no gogó e adaptado pelos ambulantes ao longo de décadas.

Na São Luís antiga, éramos acordados pelos pregões dos vendedores de carvão de varinha, dos mercadores de frutas e verduras da Maioba, entre tantos outros criativos anúncios do povo.

Luis Carlos da Silva sustenta a família vendendo cuscuz ideal há 35 anos.

A fábrica desta saborosa invenção gastronômica está instalada desde 1967, no bairro do Anil, nas proximidades da escola Cintra.

Segundo Luis Silva, 80 vendedores percorrem as ruas da cidade todos os dias, exceto às segundas-feiras, dia de folga. A maioria faz o percurso de bicicleta. Outros ainda vendem carregando a caixa na cabeça.

Nos dias de chuva, não há quem resista a um café acompanhado de um ideal fumaçando.

Imagem cuscuz capturada neste site

Têka Arts promove desfile de moda com tema quilombola

Nessa sexta-feira (07/12),  às 20h30, a escadaria do Beco Catarina Mina será mais uma vez a passarela do desfile da estilista maranhense Têka Castellano – Têka Arts. O evento, que está em sua 16ª edição, já faz parte do calendário cultural de São Luís e reúne uma centena de pessoas todos os anos, entre amigos, admiradores e turistas.

Esse ano o tema é quilombo.

A marca Têka Arts teve início no ano de 1998, em Alcobaça-Bahia, local onde a proprietária abriu sua primeira loja. Em 2002 registrou sua empresa, atuando no mercado de moda alternativa no Maranhão há 17 anos, sempre lançando peças de roupas, bijuterias e acessórios com toque artístico-artesanal.

Em 2003 a loja passou a realizar o Desfile de Roupas Alternativas, em que apresenta cenicamente a coleção anual da estilista Têka Castellano, proprietária da loja e responsável por toda a criação e design da produção.

Localizada no Centro Histórico de São Luís, no Beco Catarina Mina – Praia Grande, a loja é frequentemente visitada por turistas, possui vários clientes de outras regiões do país e de outros países. Têka Artes já exportou peças para França, onde a estilista também realizou exposição, além de Porto Alegre, Florianópolis e Argentina.

As criações de Têka Arts permitem revisitar tendências e estilos, voltando-se para a produção de peças diferentes do circuito da moda tradicional.

As roupas alternativas, apresentadas pela estilista, baseiam-se na estética africana e indígena, inspirados na cultura popular maranhense, com suas festas e ritos. Nessa identificação, a artista utiliza-se de matéria prima pouco valorizada no circuito de moda tradicional: retalhos, chita, tecidos africanos, fibras, sementes, tecido cru e confecção artesanal, que marcam o estilo e a tendência da estilista Têka.

SERVIÇO

Desfile de Roupas Alternativas Têka Arts

Dia: 7 de dezembro (sexta-feira)

Hora: 20h30

Local: Beco Catarina Mina, 105

Reviver – Praia Grande São Luís do Maranhão

E-mail: teka-arts@hotmail.com

Telefones: (98) 3232-5834/ 98879-1078

Imagem: divulgação Têka Arts

Baterista Jorge Amorim é atração no Chico Discos

Músico apresentará repertório de world jazz

O baterista fluminense Jorge Amorim se apresenta nesta sexta-feira, 7, no Chico Discos (Rua São João – Centro), a partir das 21h. Com um repertório que mescla ritmos de várias partes do mundo, com moldes de jazz contemporâneo, o músico será acompanhado pelo baixista, também do Rio de Janeiro, Carlito Gepe, e pelos maranhenses Ronaldo Rodrigues, na guitarra e bandolim, e João Neto, na flauta.

A noite contará ainda com a participação da cantora Célia Sampaio e do DJ Márcio Maguelo, com sua radiola Maré do Som.

Esta é a terceira vez que o virtuose se apresenta em São Luís. O projeto, intitulado Jorge Amorim & Tribo, passeia por gêneros e estilos como jazz, rock, samba e drum n’ bass, recheados de elementos de origem africana. A pegada do músico é forte e o balanço é certo.

O baterista aporta na capital maranhense a convite de Ronaldo Rodrigues, que o acompanha no Rio. O seu estilo espontâneo, ousado e eclético, somado à técnica apurada, costuma chamar a atenção do público e da crítica.

Jorge Amorim morou por 21 anos entre as cidades de Paris, Nova Iorque, Londres e Colônia, onde atuou como baterista e percussionista, acompanhando diversos artistas, entre os quais Baden Powell, Sivuca e Archie Shepp.

Já os músicos Ronaldo Rodrigues e João Neto são muito atuantes no cenário musical de São Luís, participando de grupos e projetos de gêneros musicais variados, como rock, MPB, jazz, blues e choro.

SERVIÇO

Show Jorge Amorim & Tribo

Quando: Sexta-feira, 7, às 21h

Local: Chico Discos (Rua São João – Centro)

Entrada: R$ 20,00

Imagem / Divulgação: Jorge Amorim

Festival BR135 celebra a música brasileira no Maranhão

Evento chega ao 7º ano de realização consolidado como um dos mais importantes festivais de música independente do país; edição 2018 reúne Zeca Baleiro, Patrick Tor4, Rubel, Tássia Reis, Maglore, Academia da Berlinda e mais 12 selecionados

O maior festival de música e mercado do Maranhão está para começar. Dias 29 e 30 de novembro e 1º de dezembro, o BR135 volta a ocupar o centro histórico da capital maranhense com um poderoso painel de sonoridades nos palcos, atividades formativas, rodada de negócios e mercado de arte e gastronomia. Sob o comando da dupla Criolina, formada por Alê Muniz e Luciana Simões, a festa reúne os artistas convidados Zeca Baleiro (MA), Rubel (RJ), Tássia Reis (SP), Maglore (BA) e Academia da Berlinda (PE), além de 12 bandas selecionadas (ver quadro) entre mais de 300 inscritas de todo país, nos palcos das praças Nauro Machado e do Reggae.

No que já se tornou uma tradição do BR135, cada uma das noites do festival será aberta por uma atração da cultura popular do Maranhão. A Família Menezes faz o ritual de abertura dos trabalhos com Cânticos e Toques Sagrados, na quinta-feira, 29. O Tambor de Crioula de Mestre Felipe e o Boi de Santa Fé apresentam-se na sexta e no sábado, respectivamente. “Temos muito orgulho das nossas tradições e acreditamos na força desses rituais. Neste momento eles são ainda mais necessários porque reúnem arte e fé, as verdadeiras armas de que precisamos para resistir”, afirma Alê Muniz.

BR135 mantém suas ações de fomento ao mercado da música em dois eixos principais: Shows de bandas locais e nacionais que se destacam no cenário da música independente e o eixo Formação, contemplado nas atividades do Conecta Música, com oficinas, painéis, rodas de conversa e rodadas de negócios. Essas atividades serão realizadas no Casarão Tech e na Casa do Tambor de Crioula (ambos na Rua da Estrela). O projeto BR135, que inclui o Conecta Música, foi aprovado pela Lei Estadual de Incentivo à Cultura da Secretaria de Estado da Cultura e têm patrocínio da Budweiser.

Como espaço de troca de saberes e tecnologias, esta edição reúne os temas imaginário popular, inovação e tecnologias no contexto da economia criativa e suas estratégias de resistência por meio da arte. Está confirmada a presença de representantes dos mais importantes festivais de música independente do país, como o Festival de Inverno de Garanhuns (PE), Psicodália (SC) e Porto Musical (PE), do Centro Cultural Dragão do Mar (CE) e Casa da Música (Portugal) e também jornalistas das rádios Sul América –  Faro MPB (RJ), Frei Caneca (PE), plataforma Catraca Livre e do site Hypeness. Entre os convidados estão João Severo, do Uhuuu! Music Management (NY), Verônica Pessoa, do Janela Aceleradora Natura Musical, e Luciana Adão, da Oi Futuro (RJ).

“Essas ações conectam-se com o que acontece nos palcos e traduzem o espírito do BR135, que é fomentar o mercado da música, promover o intercâmbio de experiências e mostrar a cena rica e diversificada da música independente que se faz no Maranhão”, diz Luciana Simões. “Além disso, o fato de todas as ações serem realizadas na Praia Grande reafirma o compromisso que temos de ocupar o centro histórico da cidade, que é o nosso lugar de pertencimento, onde estão fincados os valores de nossa cultura: para nós o palco é a rua, espaço de todos”, completa.

Ainda no eixo de shows o evento conta com a programação da Kombi Music, palco aberto montado na área da Vida é Uma Festa (Beco dos Catraeiros), na sexta, dia 30, e de um espaço para a música eletrônica na Escadaria do Giz, com o coletivo de DJs Meludo – Movimento Eletrônico Ludovicense, durante os três dias do evento.

Na Praça da Casa do Maranhão será montado o Mercado BR135 – Arte + Gastronomia, que reúne pequenos negócios, como foodtruck, bikefood, comércio de camisetas, cervejas artesanais e produtos ligados ao mundo da arte. O lounge ambientado com móveis produzidos a partir de pallets, fruto de parceria com o REDLAB – Laboratório de Design e Arquitetura da Universidade CEUMA, está garantido nesta edição.

Para ampliar o acesso de pessoas com dificuldade de locomoção, o BR135 contará com um espaço destinado a essas pessoas, próximo ao palco da Praça Nauro Machado, para que possam aproveitar os shows em segurança, além de um banheiro adaptado, com acesso por rampa. Além disso, toda a programação dos palcos principais terá interpretação simultânea em libras e as informações do evento na internet contam com dispositivo de audiodescrição.

A programação completa está disponibilizada no site www.festivalbr135.com.br e também vem sendo divulgada nas redes sociais oficiais do evento.

FESTIVAL BR135

Com shows de Zeca Baleiro (MA), Rubel (RJ), Tássia Reis (SP), Maglore (BA) e Academia da Berlinda (PE), além de 12 bandas selecionadas

Quando: 29 e 30/11 e 1º/12

Onde: Praia Grande (centro histórico de São Luís)

Programação completa: www.festivalbr135.com.br

TODAS AS ATIVIDADES SÃO GRATUITAS

Mais informações: Assessoria de imprensa 9 81791113

 

PALCO NAURO MACHADO

 

29/11 – QUINTA

30/11 – SEXTA

1º/12 – SÁBADO

Família Menezes – Cânticos e Toques Sagrados (MA)

Tambor de Crioula de Mestre Felipe (MA)

Boi de Santa Fé (MA)

Cantautores – Sfânio, Lucas Ló e Regiane (MA)

Boys Bad News (MA)

Afrôs (MA)

Guitarrada das Manas (PA)

Ornitorrincos do Sertão Turu (MA)

Núbia (MA)

DJ Patrick Tor4 (PE)

Rubel (RJ)

Maglore (BA)

Zeca Baleiro (MA)

Tássia Reis  (SP)

Academia da Berlinda (PE)

                    PRAÇA DO REGGAE

30/11 – SEXTA

1º/12 – SÁBADO

Gugs (MA)

A Cuscuzeira (MA)

Paulão (MA)

Tiago Máci (MA)

Casaloca (MA)

Getúlio Abelha (CE)

Fonte: Assessoria de Comunicação BR135

Imagem / divulgação: Academia da Berlinda será uma das atrações.

Liberdade realiza festival e busca reconhecimento de quilombo urbano junto ao MinC

A concepção de território é o ponto de partida para entender a proposta pedagógica do 3° Festival de Belezas Negras da Liberdade Quilombola, evento político e cultural que terá uma vasta programação com 17 atividades, na semana de 20 a 25 de novembro, em diversos pontos de São Luís.

O evento é organizado pelo Centro de Integração Sociocultural Aprendiz do Futuro (Cisaf), uma associação civil, sem fins lucrativos, de caráter educacional, cultural e beneficente.

Com o tema “Enfrentando o racismo com arte” e o lema “Racismo: eu sinto na pele”, a terceira edição do festival tem como foco o reconhecimento do território Liberdade como quilombo urbano, reivindicação que vem amadurecendo entre as lideranças dos movimentos sociais, produtores culturais e os moradores desta importante região na capital maranhense, erguida às margens do rio Anil, compreendendo os bairros Liberdade, Fé em Deus, Camboa, Diamante e adjacências.

Durante a programação, que terá palestras, rodas de conversa, oficinas, ações educativo-culturais e apresentações artísticas, o 3° Festival de Belezas Negras da Liberdade Quilombola visa reforçar o sentimento de território entre os moradores, visto que a Liberdade e os bairros vizinhos já são considerados, no conjunto, um dos maiores quilombos urbanos do Brasil, devido às marcantes características africanas presentes na sua população de aproximadamente 160 mil pessoas.

A proposta de realização do 3° Festival de Belezas Negras da Liberdade Quilombola é problematizar questões de cunho racial, com atividades preparadas para debater sobre as formas de enfrentamento do racismo e a construção de uma identidade quilombola, resgatando a ancestralidade da população negra do território.

Para obter o reconhecimento oficial de quilombo urbano, o trâmite formal passa pela certificação da Fundação Cultural Palmares, entidade vinculada ao Ministério da Cultura (MinC).

Uma das atividades do festival será a audiência pública na Câmara dos Vereadores. As lideranças e os moradores da Liberdade e adjacências pretendem sensibilizar os parlamentares municipais sobre o reconhecimento do território como quilombo urbano.

A transformação do território em quilombo urbano vai permitir a conquista de políticas públicas para a infraestrutura, geração de empregos e renda, moradia, esporte e lazer fundamentais para atender uma expressiva população de São Luís, dotando-a de melhores condições para trabalhar, qualificar, elevar a autoestima, reforçar laços de identidade e construir a cidadania.

Segundo a organização do 3° Festival de Belezas Negras da Liberdade Quilombola, o evento é uma afirmação de diversidade e valorização do quilombo urbano no intuito de reforçar a construção de uma identidade positiva desta população que, historicamente, foi e é desvalorizada por causa do seu tom de pele.

Saiba mais sobre o festival ouvindo aqui a entrevista dos organizadores do evento, Raquel Santos Almeida e Maykon Lopes. Eles foram entrevistados no Jornal Tambor.

Com informações do Blog Buliçoso

Festival BR135 faz aquecimento com várias atrações em São Luís

O BR135 realiza na sexta-feira, 16, o Esquenta BR135, festa de lançamento da edição 2018 do festival realizado pela dupla Criolina, Alê Muniz e Luciana Simões. Para aquecer os motores a duas semanas do festival mais esperado do ano, a noite conta com o guitarrista Marcio Glam, a cantora Camila Boueri, o DJ Jorge Choairy, além do trio paraense Molho Negro, a partir das 20h no bar Talkin’Blues (Cohajap).

“Como temos feito todos os anos, a festa é o anúncio oficial do BR135, quando apresentamos o evento para a galera já ir entrando no clima”, afirma Alê Muniz. “A ideia é mesmo de fazer uma prévia e neste ano, além das atrações locais estamos trazendo o Molho Negro, de Belém, uma banda de rock de garagem”, completa Luciana Simões.

O Festival BR135 neste ano reúne Zeca Baleiro e banda, Rubel, Tássia Reis, Maglore e Academia da Berlinda, além de 12 bandas selecionadas entre mais de 300 inscritas de todo país, nos dias 29 e 30 de novembro e 1º de dezembro.

Para a etapa formativa do evento, o Conecta Música, está confirmada a presença de representantes de alguns dos mais importantes festivais de música independente do país, como o Festival de Inverno de Garanhuns (PE) e Psicodália (SC); do Centro Cultural Dragão do Mar (CE) e Casa da Música (Portugal) e também jornalistas das rádios Sul América, Frei Caneca e da plataforma Catraca Livre e do site Hypeness.

Os shows serão realizados em palcos montados nas praças do Reggae e Nauro Machado, além da Kombi Music, palco aberto do evento que estará estacionada na rua dos Catraieiros (onde fica o teatro de bonecos). As atividades do Conecta Música nesta edição serão divididas em dois espaços: o Casarão Tec (Rua da Palma) e a Casa do Tambor de Crioula (Rua da Estrela). E a feirinha criativa, que neste ano tem nome novo, Mercado BR, será montada na Praça dos Catraieiros.

A lista das atrações que tocam no BR135, bem como a programação completa do evento, será disponibilizada no site  www.br135.com e na fanpage do Facebook (www.facebook.com/projetobr135) a partir de semana que vem.

Os projetos do festival BR-135, que inclui o Conecta Música, foram aprovados pela Lei Estadual de Incentivo à Cultura da Secretaria de Estado da Cultura e tem patrocínio da Budweiser e Fapema.

A festa de lançamento

Molho Negro é uma banda de rock de garagem formada por João Lemos (voz e guitarra), Raony Pinheiro (baixo) e Augusto Oliveira (bateria). Tem um EP e dois discos lançados: Molho Negro (2012) e Lobo (2014). O trio canta em português com influências de Danko Jones, Black Rebel Motorcycle e The Vines. Os discos estão disponíveis para down load no https://www.molhonegro.com

Na abertura, o guitarrista Márcio Glam e a cantora Camila Boueri apresentam um pequeno repertório com clássicos do rock and roll e do blues, passando por Led Zeppelin, Janis Joplin, Alanis Morisette e Amy Winehouse.

SERVIÇO

Evento: Esquenta BR135

Atrações: Marcio Glam, Camila Boueri, DJ Jorge Choairy e banda Molho Negro (PA)

Quando: Sexta-feira, 16/11, a partir das 20h

Onde: Talkin’Blues (Cohajap)

Quanto: Couvert individual R$ 10,00

Imagem / divulgação: trio paraense “Molho Negro” é uma das atrações do esquenta BR135

Conferência vai debater direitos humanos e diversidade

O Maranhão recebe a XIII edição da Conferência Brasileira de Comunicação Cidadã de 21 a 23 de novembro, na capital São Luís. Com o tema central Comunicação, Direitos Humanos e Diversidade, o evento é uma realização da Universidade Federal do Maranhão, em parceria com a Universidade Ceuma e a Faculdade Estácio – São Luís.

A conferência conta com mesas, grupos de estudos, painéis discutindo temáticas relacionadas ao tema central. Assim, podem participar estudantes, professores, profissionais, pesquisadores e comunidade em geral que tenha interesse no tema. A proposta do evento é também promover a participação de profissionais e ativistas de fora do universo acadêmico, trazendo olhares diversos que enriqueçam o debate.

Veja mais informações e a programação completa aqui

Visões de Sousândrade em cena

No fechar das cortinas do mês de outubro, o Núcleo de Criações Caé traz à cena teatral maranhense uma proposta inusitada. Trata-se do espetáculo “O Guessa Errante – Canto Terra”, que foi contemplado com o edital Ocupa 2018 do Centro de Cultura Vale do Maranhão – CCVM.  A encenação acontece nos dias 23, 24, 30 e 31/10, às 19 horas nas instalações do CCVM, na Praia Grande. A entrada é franca.

A peça, que tem a direção de Vinicius Viana, é uma livre adaptação do livro “O Guesa Errante”, do escritor e poeta maranhense Joaquim Manuel de Sousa Andrade, mais conhecido por Sousândrade, que viveu no final do século XIX e início do XX, considerado por muitos estudiosos como o precursor da poesia moderna no Brasil.

Com duração de 50 minutos, a espetáculo aborda 6 dos 13 cantos do livro de Sousândrade, cantos que se espelham na natureza e nos rituais dos povos indígenas: incas, amazônicos e os timbiras maranhenses, contados na saga do Errante. Para alguns pesquisadores, “O Guesa Errante” é uma ópera.

O diretor e também ator do espetáculo, Vinicius Viana, atualmente mestrando em Teatro pela Universidade do Estado de Santa Catarina, conta que a inspiração para o espetáculo começou em 2003, quando a escola de samba Favela, de São Luís, levou para avenida o enredo com o tema. “De Sousândrade e louco – todos nós temos um pouco, mais genial e errante, só o Guesa”.  Neste ano, a escola foi campeã.

Segundo Vinicius esse enredo ficou marcado em sua mente. No trabalho de conclusão de curso de Teatro da UFMA, ele e o elenco do Núcleo de Criações Caé aprofundaram a pesquisa sobre a obra de Sousândrade, em seus processos criativos, desenvolveram a dramaturgia e roteiro de apresentação. A pré-estréia aconteceu para uma plateia selecionada, sendo apresentada nas ruínas do Sítio do Físico.

Compõem o elenco do Núcleo de Criações Caé Ana Raquel Fárias, Daniel Monteiro, Heidy Ataides, Hudson Bianckinni, Idalina Moraes, Victor Mendes e Vinicius Viana.

Sousândrade

O Guesa Errante – escrito entre 1858-1888 – é considerada a principal  obra de Sousândrade. Além desta obra destacam-se Harpas Selvagens (1857), Harpa de Ouro (1888/1889) e Novo Éden (1893).

Sousândrade era filho de comerciantes de algodão, estudou em Paris e trabalhou em Nova York. Em 1877, ele mesmo escreveu:

“Ouvi dizer já por duas vezes que o “Guesa Errante” será lido 50 anos depois; entristeci – decepção de quem escreve 50 anos antes”.

Ele faleceu em 1902. Até hoje sua obra é pouco conhecida e muito valorizada por seletos apreciadores de literatura e poesia. Os poetas e irmãos Augusto e Haroldo de Campos publicaram “Revisão de Sousândrade”, em 1960. Para os irmãos Campos, Sousândrade foi o precursor da poesia moderna no Brasil.

No final de sua vida, Sousândrade foi considerado louco e abandonado pela família. Aos 69 anos morreu sozinho e miserável, em São Luís.

Imagem / Acorrentado / Divulgação