MOB organiza campanha para pessoas com deficiência

A Agência de Mobilidade Urbana e Serviços Públicos (MOB) vai realizar no próximo domingo (6) o lançamento da campanha “Patrulha do Acesso”. A ação consiste em aplicar a “multa moral”, que tem por objetivo conscientizar a sociedade na fiscalização do uso das vagas reservadas e de outras estruturas acessíveis, chamando a atenção de todos para a importância da acessibilidade, cidadania e inclusão social.

O lançamento será realizado na avenida Litorânea, nº 455, Calhau (próximo à descida do Barramar, em frente a estação do Inclusive Praia).

De acordo com o presidente da MOB, Lawrence Melo, a “multa moral” propõe o envolvimento da sociedade para o entendimento das questões voltadas para acessibilidade e direito da pessoa com deficiência. “Essa atividade é de caráter participativo e voluntário, feita por meio de panfletagem e diálogo, de forma educativa para toda a população maranhense”, disse.

Para a coordenadora do Serviço Travessia, Cricielle Muniz, a “multa moral” abre um chamado à sociedade em geral para uma reflexão sobre a temática da acessibilidade e inclusão social. “Vamos envolver a sociedade na prática da fiscalização das vagas reservadas em estacionamentos, outros serviços e informações, aplicando a multa moral por meio da ação, buscando um resultado positivo na conscientização da sociedade e no cumprimento da legislação”, afirmou.

São Luís ganha portal alusivo ao patrimônio histórico

“Temos realizado projetos muito importantes para o desenvolvimento do nosso Estado, nos aspectos da política pública de Turismo, a exemplo da promoção nacional e internacional e melhoria da infraestrutura turística. A entrega deste portal é um complemento destas ações, com uma entrada mais adequada para a cidade”, pontuou o governador Flávio Dino, durante a inauguração do Portal de São Luís, neste sábado (14), no Tirirical.

Com a nova estrutura, São Luís ganha mais um cartão postal. O elemento marca a urbanização da nova entrada da capital, que passou por revitalizações para embelezar a cidade, melhorar o tráfego e impulsionar o turismo. “Fizemos este embelezamento para que todos que desembarquem na nossa cidade se animem a ver uma São Luís cada vez melhor, com mais atrativos e mais humana”, reforçou o governador.

O projeto foi viabilizado sob a coordenação da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Sectur) e se estende a outras cidades turísticas como Barreirinhas, que será a próxima contemplada.

O prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior, participou da solenidade e destacou a importância do programa. “Esta obra complementa as ações da Prefeitura, realizadas no trânsito desta área e reforça o trabalho parceiro das gestões estadual e municipal, com fins a melhorar a qualidade de vida da população e a infraestrutura da cidade”, reiterou.  Antecipando as ações, a Prefeitura promoveu intervenção no trânsito da área para solucionar os problemas de congestionamento.

Diego Galdino, secretário de Turismo e Cultura, avaliou esta como uma significativa ação do Governo do Estado pela melhoria da infraestrutura do turismo em São Luís. “Mais uma obra da gestão que vai estimular o turismo local. O portal se soma a outros cartões postais dessa cidade que possui o Centro Histórico mais bonito do mundo e uma rica história colonial. Uma obra fruto de dedicação, planejamento e muito apoio do governador Flávio Dino”, disse Galdino.

O Portal de São Luís fica localizado no km 0 da BR-135 e ocupa seis faixas da via, três no sentido BR-135 e três no sentido cidade. O portal simula uma fachada de casarão colonial português, Patrimônio da Humanidade, parte do conjunto arquitetônico encontrado no Centro Histórico de São Luís. São 45 metros de largura e investimento de R$ 833 mil.

O investimento em novos atrativos turístico para São Luís é um trabalho constante do Governo do Maranhão, que se consolida com outras melhorias em pontos e locais turísticos como o Espigão Costeiro, Praça da Lagoa, Forte de Santo Antônio da Barra e Museu do Reggae.

A Páscoa dos bem-te-vis de São Luís

O pássaro bem-te-vi é tão significativo em São Luís que deveria ser informalmente declarado patrimônio imaterial da sonoridade na Ilha do Amor

Meu bairro da infância e adolescência, o Apeadouro, é um laboratório para a vida inteira. Sempre que vou lá visitar a minha mãe, na rua Sousândrade, tenho lembranças. Uma delas é o hábito de botar apelido nos outros. Naquela época, o bullying ainda não tinha a visibilidade dos tempos atuais, embora já fosse uma prática muitas vezes grosseira.

No Apeadouro tinha apelido para todos os gostos. Eu era menino magrelo demais, parte da genética e também por queimar muitas calorias jogando bola na rua até escurecer. De tão franzino, ganhei apelido de bem-te-vi, carimbado por um homem grisalho, de voz grave, onde eu sempre levava sapatos para consertar. Ele próprio tinha apelido – Chapolion – e eu nunca soube seu nome de batismo.

Toda vez que eu ia entregar ou receber sapatos e sandálias na oficina de Chapolion, ele me recebia com um sorriso e a característica saudação “fala, bem-te-vi”. Nunca me incomodei com aquele codinome, talvez por isso o apelido não tenha colado.

Fato é que carreguei essa lembrança a vida toda e um carinho especial por esse pássaro, cantado em tantas músicas, narrado na literatura de Josué Montello e nome de um jornal importante na Balaiada – “O Bem-Te-Vi” – porta-voz das forças políticas urbanas que se opunham ao poderio dos comerciantes portugueses e proprietários de terras, na primeira metade do século XIX.

O pássaro bem-te-vi é tão significativo em São Luís que deveria ser informalmente declarado patrimônio imaterial da sonoridade na ilha do amor.

Nesta sexta-feira Santa de 2018, nos primeiros clarões do dia, eles já estavam quebrando o silêncio e nos convidando a refletir sobre a Paixão de Cristo e o significado da cerimônia do lava pés.

Fiquei uns minutos ouvindo o canto deles, aprendendo com os pássaros o sentido da humildade num tempo de tanta arrogância, fundamentalismo, agressões e intolerância.

O canto do bem-te-vi inspira o sentido do diálogo. É sempre responsivo, se proclama no encontro com o outro, em sintonia.

Há sempre uma doação na cantoria deles. Sábado de Aleluia e Domingo de Páscoa são dias bons para ouvir os bem-te-vis e capturar deles o sentido da solidariedade.

Imagem capturada neste site