Feira solidária mobiliza apoiadores das bancas de revista

O despejo das bancas de revista do Renascença II gerou uma rede de solidariedade para as mulheres “jornaleiras” que trabalhavam no local há mais de 20 anos e perderam sua única fonte de renda.

Nesse sábado (21) será realizada a I Feira Solidária, evento organizado com o objetivo de colher doações para ajudar as “jornaleiras”, enquanto o novo local das bancas está sendo preparado para reacomodá-las (veja abaixo).

O evento vai acontecer na praça Duque de Caxias, no bairro João Paulo, em frente ao quartel do exército, das 8h às 14h.

“Nesta ação cultural, as proprietárias das bancas de revistas poderão vender seus produtos, receber doações de livros e revistas para serem vendidas na própria feira e, o mais importante, receber o nosso carinho e apoio moral”, esclareceu a comissão organizadora do evento.

A programação da I Feira Solidária terá exposição e vendas de livros e revistas raras de histórias em quadrinhos (HQs), venda e troca de figurinhas dos álbuns Marvel 80 anos, Chaves/Chaplin Colorado, Batman, Brasileirão 2020 e muitos outros.

No momento cultural os frequentadores poderão participar de roda de conversa sobre a Semana da Consciência Negra, sarau do reggae e outras atividades com artistas de São Luís.

Entenda o caso das bancas

Duas bancas de revista instaladas na avenida Miércio Jorge, no Renascença II, foram retiradas pela Prefeitura de São Luís, através da Blitz Urbana, cumprindo determinação do Ministério Público.

Durante a remoção, houve resistência das jornaleiras e de várias pessoas dos movimentos sociais que se juntaram para defender as bancas e a sobrevivência das famílias.

Após a retirada, iniciou o processo de negociação envolvendo a Prefeitura de São Luís, o Ministério Público, as jornaleiras, a Defensoria Pública do Estado e o poder Judiciário, através da Vara de Interesses Difusos e Coletivos.

No acordo celebrado entre as partes as bancas serão realocadas no estacionamento do shopping Trocipal, próximo ao quiosque Açai. A Prefeitura de São Luís já começou a montar a base de concreto para reinstalar as bancas no local designado.

Caminhada: Bira vai iniciar a campanha no bairro João Paulo

A estreia oficial da campanha do candidato a prefeito de São Luís, Bira do Pindaré (PSB), será com os pés no chão e muita esperança, respeitando os protocolos sanitários. O socialista escolheu a rua da Cerâmica, no bairro João Paulo, para deflagrar as atividades de conquista do eleitorado na caminhada “Por uma São Luís mais bela, humana e justa”, domingo, 27, às 8 horas. A concentração será na praça em frente à delegacia do João Paulo.

Bira estará acompanhado dos candidatos à Câmara Municipal e apoiadores, em número limitado, para evitar aglomerações. No anúncio da caminhada o candidato registrou o uso de máscara e todas as outras recomendações das autoridades de Saúde para preservar as pessoas diante da pandemia covid19.

“A rua da Cerâmica foi escolhida porque tem uma simbologia forte na minha vida. É a rua onde eu cresci e comecei a interagir com a cidade que pretendo administrar, se assim o povo quiser”, justificou. “Vamos pela rua da Cerâmica, onde morava o finado Zozias, pai dos meus amigos Carlos Henrique, Zózimo e Zozias Filho, meus amigos do Colégio Batista”, completou o jornalista e candidato a vereador Emílio Azevedo, que vai participar da caminhada.

Jornalista Emílio Azevedo estará com
Bira nas ruas do João Paulo

O candidato do PSB vem pontuando nas pesquisas e segue embalado pela convenção que definiu a chapa formada com a professora da UFMA, Letícia Cardoso, além de 40 candidatos ao parlamento municipal.

A convenção dos socialistas foi marcada pela responsabilidade e respeito com a vida das pessoas, seguindo todas as recomendações sanitárias. O ato de homologação da chapa Bira do Pindaré e Letícia Cardoso teve público limitado, aferição de temperatura corporal, distribuição de máscaras aos filiados e disponibilização de álcool em gel em todos os espaços do evento.

Durante a pré-campanha, Bira do Pindaré dialogou com vários setores da sociedade e nos bairros de São Luís, sempre em pequenas reuniões para evitar aglomerações. Ele também fez encontros virtuais nas redes sociais para ouvir a população, os movimentos sociais, técnicos especializados, pesquisadores, empreendedores e a juventude, colhendo sugestões em áreas fundamentais para a gestão da cidade, com o objetivo de elaborar o programa de governo.

A caminhada no João Paulo terá prosseguimento em muitos bairros de São Luís. “Eu vou fazer a campanha com o pé no chão, como sempre fiz. Vou caminhar as ruas da nossa São Luís para conversar olho no olho com as pessoas. Nosso grande diferencial é a nossa identidade, com uma candidatura que vem da periferia e que representa a população negra de São Luís”, explicou o candidato.

DESCRIÇÃO DA IMAGEM DESTACADA

A imagem é uma peça gráfica que tem foto candidato a prefeito Bira do Pindaré no lado esquerdo e do lado direito a foto da candidata a vice-prefeita Leticia Cardoso. As fotos são acompanhadas dos dizeres: “Caminhada. Por uma São Luís mais bela, humana e justa!” Vamos começar com pé no chão e muita esperança! Dia 27 de setembro, domingo às 8h. Concentração na praça em frente à delegacia do João Paulo.

Pódio e oásis

Eloy Melonio é professor, escritor, compositor e poeta

Seria exagero comparar uma fila de banco a uma caravana de camelos no deserto ou a uma corrida de Fórmula 1? Talvez, mas não custa nada tentar.

Uma das diferenças é a velocidade. E aí a fila está mais para a caravana. Mas a chegada, sem dúvida, equivale a uma vitória na Fórmula 1.

O sol desafiador, a areia e o camelo lento fazem dos beduínos viajantes pacientes e resistentes. A pista regular e os carros supervelozes fazem os pilotos se sentirem dentro de um jato. Quanto às condições da fila…

Onde entro nessa discussão?

Mais ou menos assim: saí de casa numa quarta-feira (1º de julho/2020) para resolver um problema, sabendo que teria de entrar numa “fila”, coisa que não fazia havia muito tempo. E decidi narrar essa “corrida-travessia” como se fosse um diário, só que em doses cronológicas.

Entro na fila às 9h10.

9h13

À minha frente, muita gente; e eu ainda sou o último, uma posição nada confortável. Na calçada, encosto-me ao muro do 24º Batalhão de Caçadores, na Av. João Pessoa, no João Paulo. Saúdo o Sol, e espero, pacientemente, o sinal verde da largada.

9h15

Chega o meu segundo vizinho, um senhor de uns setenta anos. Dou-lhe bom dia. Ele só me olha, desconfiado. Não parece feliz, nem sociável. Dois outros acabam de chegar, e a fila dá uma esticada para trás. Mais dois, e agora já são cinco. E eu, no mesmo lugar.

9h25

Finalmente, a fila avança uns cinco passos. Mais aliviado, pego uma pontinha da sombra da amendoeira que fica no terreno do quartel. Nesse ponto, a fila assume o formato de um lombo de camelo para aproveitar o recuo do portão de entrada de carros. Organismo vivo, a fila ― para usar um termo em voga nestes dias de pandemia ― se “reinventa” a todo instante.

9h40

Faço minhas anotações na última página de um livro que carrego. O livro é sempre um companheiro quando vou a lugares onde posso sentar e ler enquanto espero a minha vez. Infelizmente, as condições hoje não me permitem tal privilégio. Esgotado o espaço da folha, passo para o celular.

10h15

A esta altura, a fila já é uma confraria. Desconhecidos se tornam amigos. E, com isso, conversas e mais conversas. Gente falando alto, rindo, reclamando. Falam de tudo: do Coronavírus, de um vizinho antipático, da Grizelda (personagem de Lília Cabral na novela Fina Estampa, da Rede Globo) ― e até dos filhos do presidente. Aí, um senhor metido a engraçado cai na risada: No meu tempo, rachadinha era outra coisa.

10h20

A fila avança. A sombra da amendoeira escapa de mim. O Sol esquece que já me deu bom dia e me encara como se eu fosse um camelo. Um ambulante me oferece água mineral. Penso na higiene e na Covid-19. Imagino-me num deserto, e tento esquecer a sede por mais algumas dezenas de minutos.

10h27

Um trecho da fila agora vira uma arena política. Meus vizinhos falam do governo e dos ministros do STF. Uma aposentada do INSS faz a conta: gás, aluguel, remédio. Diz que já fez dois “consignados”, e o que lhe sobra é quase nada. Seu Jaime, o senhor metido a engraçado, retruca: “Pior sem isso, não é mesmo?” E canta baixinho: Na vida a coisa mais feia é gente que vive chorando de barriga cheia.

10h38

Um grupo de indignados com o total descaso da instituição onde seremos atendidos decide entrar com uma representação no Ministério Público. Combinam um plano. Anotam nomes e telefones. “Onde já se viu?”, justifica D. Justina. “Largar a gente assim ao léu, sem nenhuma assistência. Sem ao menos um ‘bom dia’. Logo esses, que mais têm lucro neste país”.

10h45

A calçada se enche de gente. Transeuntes, ambulantes e “fileiros” se agitam como fotógrafos em busca do melhor ângulo de Lewis Hamilton. Um “descarado” tenta furar a fila. “Na minha frente, não entra”, avisa meu vizinho da frente, um senhor com cara de policial reformado.

10h50

O sol esquente, e o cansaço aperta. Dá vontade de tirar a máscara. Uma incerteza me tira o sossego: Será que chego à última volta? E, para aumentar meu desespero, alguém grita lá atrás: Essa fila não anda, não?

11h

Faço as contas: quase duas horas em pé. Neste instante, a fila se mexe abruptamente. Meu vizinho quase beija o meu cangote. Olho para trás com cara de zangado. Ele se faz de desentendido.

11h17

O sol tinindo no meu rosto, a camisa úmida de suor. Fileiro de primeira viagem, esqueci-me de trazer um boné ou uma sombrinha. Senti na pele a utilidade dos lenços. Meu “oásis” agora é só uma sala com ar-condicionado.

11h30

Nuvens vadias se unem para ameaçar a estabilidade da fila. Olho para os lados em busca de um possível abrigo. Os dois orelhões de um velho telefone público já estão ocupados. Um poste serviu para a irradiação solar, mas não serviria na chuva.

11h35

E ela chega. Fina, mas chega. E faz todo mundo correr à procura de um abrigo que não existe. Na desordem, lembro uma velha piada do leão que se solta num circo. E dá vontade de gritar: Calma, pessoal, é só uma chuvinha! Alguns prevenidos abrem suas sombrinhas. Meus vizinhos mais próximos não têm guarda-chuvas. E eu…

11h40

Acho uma brecha sob o guarda-sol do vendedor de água mineral, o mesmo de quem, há alguns minutos, recusei comprar uma garrafinha. A fila se desfaz, e a calçada vira literalmente um deserto. O medo de perder posições duramente conquistadas me deixa inseguro.

11h45

O sol reaparece. De cinzento, o cenário fica colorido novamente. Avisto a porta do prédio onde serei atendido. E dessa vez, a imagem do oásis parece real.

11h53

A fila avança uns três metros. Olho pra trás e vejo as dezenas de milhas que percorri, mesmo achando que não saía do lugar. Recupero a energia e a coragem. Na fila “preferencial”, convenço-me de que sou um “terceirão” de primeira. Não vou abandonar a corrida.

12h05

Entro na reta de chegada e imagino a bandeira quadriculada tremulando. E a torcida gritando: Vai, vai! Dá vontade de levantar os dois braços como fazem os pilotos da Fórmula 1 e gritar: Yeah!

12h10

Subo ao “pódio”. Agora é só esperar o troféu e o champanhe.

12h11

A moça do atendimento faz o sinal para eu dar dois passos à frente, mede a minha temperatura e me libera.

12h12

Sem nenhuma restrição, passo devagarinho pela porta giratória como se ela fosse só minha.

12h13

Estou dentro da agência do ITAÚ. Exatamente como imaginei: um oásis.

*Eloy Melonio é professor, escritor, compositor e poeta

Imagem destacada capturada aqui