Por que tem de ser assim?

Eloy Melonio*

“Ver e não crer” está para São Tomé assim como “concordar e não fazer” está para um monte de brasileiros. Se é mesmo assim, adivinhe então o que a moça da limpeza de uma farmácia fez com um saco de lixo, depois de varrer a área externa da loja?

Essa pergunta já é uma boa pista sobre o tema desta crônica. Então, vamos lá. Lixo e luxo, atitude responsável, rachadinha, mulheres no mercado de trabalho?

Antes, algumas ponderações. A primeira é que o mundo parece estar mesmo de cabeça para baixo. Pelo menos é o que se percebe quando se vê e se ouve o que as pessoas estão falando e fazendo por aí. Nas redes sociais, muita gente opinando sobre tudo, e se mostrando por inteiro. Se o falatório é geral, o que dizer do fazetório?

E, assim, vamos direto ao que interessa. Nessa intenção, aproveito para repetir o que um amigo recentemente me confidenciou: Estou me esforçando muito mas muito mesmo! para fazer as coisas da forma mais ética possível.

Aí perguntei a mim mesmo: Tá ouvindo isso?

Sabe aquela pergunta que não quer calar? Pois é, essa máxima não envelhece e se torna, nestes dias de fake news, ainda mais jovem e atual. E a pergunta, carregada de indignação, é: Por que tem de ser assim?

Uma campanha da Rede Globo, estrelada por Mateus Solano, mostra uma situação-problema e o que é esperado de cada um de nós em relação a ela. Em seguida, o astro global, para vergonha nacional, constata: “Todo mundo concorda, mas nem todo mundo faz”. E conclui com uma afirmação que faz muita gente boa tremer na base: “Quem concorda faz”.

Certo dia, enquanto pensava na vida, William Bonner (JN, 19-8-2019), depois de dar algumas notícias sobre a “loucura humana”, soltou esta: “Às vezes a gente tem a sensação de que o mundo anda para trás”. Peguei minha caneta e anotei. Não muito longe dos estúdios Globo (Rio de Janeiro), meu amigo e escritor Jáder Cavalcante, na apresentação de seu “Decadência Humana” (EDUFMA, 2019), revela a razão da temática do livro: meu total desapontamento com a sociedade que me rodeia e nos seres que a habitam.

Neste ponto, peço ao amigo leitor que feche os olhos por um minuto e “se imagine” nas duas situações que vou apresentar, e faça a si mesmo a minha pergunta, tentando respondê-la.

Uma senhora levando o filho para a escola, em seu Renault Fluence, dirige com uma ou com as duas mãos? Segura o celular com a mão direita ou a esquerda? Seu filhinho de nove anos está na poltrona do passageiro ou no banco de trás?

O dono do Honda Civic, estacionando na vaga preferencial de “gestante” na frente de uma loja de brinquedos, é uma mulher com uma “barrigona” ou um homem jovem, barbudo e sarado?

Pode parecer exagero, mas presenciei cada uma dessas cenas. Considerando tudo o que disse antes, você deve ter acertado todas as perguntas. E poderia também enumerar outras mais. Se afiar a memória, vai se lembrar de um sem-número de situações semelhantes. Ou ver, se sair por aí observando as pessoas e seus comportamentos.

Dizem que esse é o nosso “jeitinho” de fazer e/ou resolver as coisas. Que é cultural, que tá na nossa veia. Excetuando o amigo de que falei antes, acho que somos todos um pouquinho assim. E eu já vou avisando, antes de ser julgado, que também não sou tão “certinho” como pode parecer. Mas, repito, estou tentando seguir o exemplo do meu amigo.

Falando da minha “seara”, muita gente acha que nós, poetas, somos pessoas da mais nobre estirpe. Mas que nada! Somos pessoas comuns, parecidos com o João e a Maria. E, com relação a essa questão, algumas vezes eu ouço o conselho da saudosa Cássia Eller, e também “peço a Deus um pouco de malandragem”. No bom sentido, se é que isso existe.

Se sairmos dos espaços públicos e adentrarmos os escritórios e gabinetes do mundo político-corporativo, aí mesmo é que a pobrezinha da pergunta vai ter de trabalhar.

E, assim, meu amigo, infelizmente a moça da farmácia pode até concordar com o que Mateus Solano disse sobre “atitude irresponsável”, mas fez exatamente o contrário. Jogou o saco de lixo no meio da rua, a dois passos da lixeira que estava à margem de uma movimentada avenida de nossa cidade.

Verdade seja dita, “bons exemplos são raros”. Quando vi a cena, repeti silenciosamente a perguntinha do título: Por que tem de ser assim?

Tanto que, se você achar uma cueca cheia de dinheiro no banheiro do shopping, não tente devolvê-la ao dono. Ele não vai aparecer para recebê-la.

*Eloy Melonio é professor, escritor, poeta e compositor.

Pódio e oásis

Eloy Melonio é professor, escritor, compositor e poeta

Seria exagero comparar uma fila de banco a uma caravana de camelos no deserto ou a uma corrida de Fórmula 1? Talvez, mas não custa nada tentar.

Uma das diferenças é a velocidade. E aí a fila está mais para a caravana. Mas a chegada, sem dúvida, equivale a uma vitória na Fórmula 1.

O sol desafiador, a areia e o camelo lento fazem dos beduínos viajantes pacientes e resistentes. A pista regular e os carros supervelozes fazem os pilotos se sentirem dentro de um jato. Quanto às condições da fila…

Onde entro nessa discussão?

Mais ou menos assim: saí de casa numa quarta-feira (1º de julho/2020) para resolver um problema, sabendo que teria de entrar numa “fila”, coisa que não fazia havia muito tempo. E decidi narrar essa “corrida-travessia” como se fosse um diário, só que em doses cronológicas.

Entro na fila às 9h10.

9h13

À minha frente, muita gente; e eu ainda sou o último, uma posição nada confortável. Na calçada, encosto-me ao muro do 24º Batalhão de Caçadores, na Av. João Pessoa, no João Paulo. Saúdo o Sol, e espero, pacientemente, o sinal verde da largada.

9h15

Chega o meu segundo vizinho, um senhor de uns setenta anos. Dou-lhe bom dia. Ele só me olha, desconfiado. Não parece feliz, nem sociável. Dois outros acabam de chegar, e a fila dá uma esticada para trás. Mais dois, e agora já são cinco. E eu, no mesmo lugar.

9h25

Finalmente, a fila avança uns cinco passos. Mais aliviado, pego uma pontinha da sombra da amendoeira que fica no terreno do quartel. Nesse ponto, a fila assume o formato de um lombo de camelo para aproveitar o recuo do portão de entrada de carros. Organismo vivo, a fila ― para usar um termo em voga nestes dias de pandemia ― se “reinventa” a todo instante.

9h40

Faço minhas anotações na última página de um livro que carrego. O livro é sempre um companheiro quando vou a lugares onde posso sentar e ler enquanto espero a minha vez. Infelizmente, as condições hoje não me permitem tal privilégio. Esgotado o espaço da folha, passo para o celular.

10h15

A esta altura, a fila já é uma confraria. Desconhecidos se tornam amigos. E, com isso, conversas e mais conversas. Gente falando alto, rindo, reclamando. Falam de tudo: do Coronavírus, de um vizinho antipático, da Grizelda (personagem de Lília Cabral na novela Fina Estampa, da Rede Globo) ― e até dos filhos do presidente. Aí, um senhor metido a engraçado cai na risada: No meu tempo, rachadinha era outra coisa.

10h20

A fila avança. A sombra da amendoeira escapa de mim. O Sol esquece que já me deu bom dia e me encara como se eu fosse um camelo. Um ambulante me oferece água mineral. Penso na higiene e na Covid-19. Imagino-me num deserto, e tento esquecer a sede por mais algumas dezenas de minutos.

10h27

Um trecho da fila agora vira uma arena política. Meus vizinhos falam do governo e dos ministros do STF. Uma aposentada do INSS faz a conta: gás, aluguel, remédio. Diz que já fez dois “consignados”, e o que lhe sobra é quase nada. Seu Jaime, o senhor metido a engraçado, retruca: “Pior sem isso, não é mesmo?” E canta baixinho: Na vida a coisa mais feia é gente que vive chorando de barriga cheia.

10h38

Um grupo de indignados com o total descaso da instituição onde seremos atendidos decide entrar com uma representação no Ministério Público. Combinam um plano. Anotam nomes e telefones. “Onde já se viu?”, justifica D. Justina. “Largar a gente assim ao léu, sem nenhuma assistência. Sem ao menos um ‘bom dia’. Logo esses, que mais têm lucro neste país”.

10h45

A calçada se enche de gente. Transeuntes, ambulantes e “fileiros” se agitam como fotógrafos em busca do melhor ângulo de Lewis Hamilton. Um “descarado” tenta furar a fila. “Na minha frente, não entra”, avisa meu vizinho da frente, um senhor com cara de policial reformado.

10h50

O sol esquente, e o cansaço aperta. Dá vontade de tirar a máscara. Uma incerteza me tira o sossego: Será que chego à última volta? E, para aumentar meu desespero, alguém grita lá atrás: Essa fila não anda, não?

11h

Faço as contas: quase duas horas em pé. Neste instante, a fila se mexe abruptamente. Meu vizinho quase beija o meu cangote. Olho para trás com cara de zangado. Ele se faz de desentendido.

11h17

O sol tinindo no meu rosto, a camisa úmida de suor. Fileiro de primeira viagem, esqueci-me de trazer um boné ou uma sombrinha. Senti na pele a utilidade dos lenços. Meu “oásis” agora é só uma sala com ar-condicionado.

11h30

Nuvens vadias se unem para ameaçar a estabilidade da fila. Olho para os lados em busca de um possível abrigo. Os dois orelhões de um velho telefone público já estão ocupados. Um poste serviu para a irradiação solar, mas não serviria na chuva.

11h35

E ela chega. Fina, mas chega. E faz todo mundo correr à procura de um abrigo que não existe. Na desordem, lembro uma velha piada do leão que se solta num circo. E dá vontade de gritar: Calma, pessoal, é só uma chuvinha! Alguns prevenidos abrem suas sombrinhas. Meus vizinhos mais próximos não têm guarda-chuvas. E eu…

11h40

Acho uma brecha sob o guarda-sol do vendedor de água mineral, o mesmo de quem, há alguns minutos, recusei comprar uma garrafinha. A fila se desfaz, e a calçada vira literalmente um deserto. O medo de perder posições duramente conquistadas me deixa inseguro.

11h45

O sol reaparece. De cinzento, o cenário fica colorido novamente. Avisto a porta do prédio onde serei atendido. E dessa vez, a imagem do oásis parece real.

11h53

A fila avança uns três metros. Olho pra trás e vejo as dezenas de milhas que percorri, mesmo achando que não saía do lugar. Recupero a energia e a coragem. Na fila “preferencial”, convenço-me de que sou um “terceirão” de primeira. Não vou abandonar a corrida.

12h05

Entro na reta de chegada e imagino a bandeira quadriculada tremulando. E a torcida gritando: Vai, vai! Dá vontade de levantar os dois braços como fazem os pilotos da Fórmula 1 e gritar: Yeah!

12h10

Subo ao “pódio”. Agora é só esperar o troféu e o champanhe.

12h11

A moça do atendimento faz o sinal para eu dar dois passos à frente, mede a minha temperatura e me libera.

12h12

Sem nenhuma restrição, passo devagarinho pela porta giratória como se ela fosse só minha.

12h13

Estou dentro da agência do ITAÚ. Exatamente como imaginei: um oásis.

*Eloy Melonio é professor, escritor, compositor e poeta

Imagem destacada capturada aqui