Do jornalismo tendencioso à indústria da mentira: Constituição completa 30 anos e mantem travada a legislação sobre comunicação

Três décadas após a promulgação da Constituição Brasileira de 1988, a comunicação, um dos temas fundamentais para consolidar os sentidos de República e democracia, permanece quase inalterado e até mutilado.

Na Carta Magna os eixos sobre comunicação ainda não foram sequer regulamentados.  Dois exemplos são gritantes. O artigo 220 proíbe as práticas de monopólio e oligopólio. Já o artigo 221 manda as emissoras de rádio e TV darem preferência a finalidades artísticas, informativas, educativas e culturais, além de valorizar a produção regional e independente.

Deputados federais e senadores proprietários de emissoras de rádio e TV, os coronéis da mídia, operam em causa própria dentro do Congresso Nacional para que a legislação garanta os seus privilégios no uso e abuso dos meios de comunicação para fins empresariais e eleitorais.

O coronelismo eletrônico atropela a própria Constituição e estende-se mesmo às pequenas rádios comunitárias, impedidas por legislação complementar (nº 9.612/98) de fazer proselitismo político ou religioso, mas controladas por grupos políticos municipais e igrejas evangélicas, salvo as honrosas exceções.

O Brasil ainda é o país onde vigora a concentração empresarial e o uso de verba pública para conduzir apoio político-eleitoral aos mandatários municipais, estaduais e ao federal.

Nem nos governos do PT este vício foi alterado. Lula e Dillma seguiram a mesma cartilha dos tucanos e seus antecessores, privilegiando as Organizações Globo na fruição do dinheiro público.

O mais primitivo de todos, José Sarney, abusou da distribuição das concessões de rádio e TV para negociar o mandato presidencial de cinco anos.

Jair Bolsonaro, por sua vez, faz ameaças explícitas aos meios de comunicação e até insinua usar o controle das verbas publicitárias para coagir linhas editoriais.

Nesses 30 anos, bons ventos sopraram quando da realização da I Conferência Nacional de Comunicação, em 2009, reunindo quase 1500 delegados e delegadas dos segmentos empresarial, estatal e os movimentos sociais para debater, entre outros temas, a regulamentação dos temas da comunicação na Constituição de 1988.

Depois de quatro dias de debate e quase 600 proposições aprovadas, quase nada efetivou-se. Até mesmo o Conselho de Comunicação Social foi apropriado pela burguesia radiodifusora.

O país perdeu o time de sistematizar regras minimamente democráticas e republicanas para as comunicações. Agora está tomado pela indústria da mentira deslavada solapando o jornalismo tendencioso.

Nosso problema civilizatório nem é mais a força das Organizações Globo, mas o império das fake news decidindo a eleição para o cargo mais importante da República.

Imagem: reprodução / capturada neste site

“Acreditar, eu não”

Eloy Melonio

Acreditar ou não acreditar é, hoje, um dos dilemas mais difíceis dos usuários das redes sociais.

Não resta dúvida que “acreditar” é o verbo do momento. Compete com alguns poucos ao posto de “o mais importante” do universo digital. Entre eles, “empoderar” (que só consta em versões atualizadas dos dicionários), “seguir”, “pontuar”… e “coach” (sem versão em português). Este, inclusive, chamou minha atenção numa placa na parede de um prédio que dizia: I am coaching kids.

E assim, numa das acepções do Aurélio, acreditar é “confiar”. E é exatamente aí que mora o problema: confiar em quem, ou confiar em quê?

A torcida do Atlético-MG adotou o lema “Eu acredito” a partir da Copa Libertadores das Américas de 2013. E quando esse grito ecoava nas arquibancadas, torcida e time se fortaleciam para superar situações adversas e se enchiam de confiança na conquista do tão sonhado título inédito. E não é que deu certo!

Não obstante, acreditar, especialmente em coisas veiculadas nas redes sociais, não é tão simples ou seguro. É que hoje pisamos em terreno fértil para a disseminação de notícias falsas. Com o advento da comunicação digital, a verdade anda meio perdida num cipoal de dúvidas e confusão. Mente-se com a cara de pau de um malandro do bar da esquina. Planta-se uma mentira como quem planta uma semente de girassol.

Na propaganda gratuita na TV, a fala solta dos candidatos a presidente se enche de promessas que, sem nenhum filtro, chegam a milhões de lares por todo o país. Não estou dizendo que mentem antecipadamente, mas apenas lembrando que o que dizem hoje já foi dito ontem. Daí a dúvida dos eleitores. Se fizerem 50% do que prometem, nosso país entrará, em apenas quatro anos, para a rol dos desenvolvidos.

Com a mesma percepção, Tadeu Schmidt, apresentador dos Gols do Fantástico (9-9-2018), depois de ouvir algumas promessas do cavalinho do Internacional, forte candidato ao título do Campeonato Brasileiro, retrucou cético: “Qué isso, cavalinho? Parece até candidato!”

Minha inquietação é com a facilidade com que as pessoas, nas famigeradas redes sociais, repassam notícias sem nenhum filtro ou verificação da fonte. As “fake news” viajam na velocidade da luz em todas as direções. É com razão que o poeta detona: “Desconfio que estou ficando louco… /Tanta coisa me passa na cabeça,/ Que se senso me resta é já bem pouco.” (Via-Sacra e Outros Poemas, Marcelo Gama). Parece que o velho bom senso anda mesmo sumido nestes tempos de “passa-repassa”.

Um contato do WhatsApp me enviou um texto, pedindo que eu o repassasse. Respondi-lhe prontamente: “Não creio que este texto seja do juiz Sérgio Moro. Por dois motivos simples: ele não se inclinaria a falar abertamente sobre um assunto tão baixo, e o texto contém erros gramaticais secundários, o que não seria típico de um juiz de sua categoria”. E alfinetei: fake texto é fake news. Sua resposta, curta e seca: “É. Pode ser”.

Esse “pode ser” revela que ele não tinha certeza do que estava repassando. E, mesmo assim, não se limitou a verificar se o texto (e o contexto) fazia mesmo algum sentido. Ao contrário, de forma compulsiva e inescrupulosa, empenhou-se em “repassar” e pedir aos destinatários que fizessem o mesmo. E assim, mais uma vez recorro à poesia para elucidar tal atitude: “Enquanto a mentira berra, a verdade sussurra” (poema “A verdade e a mentira”, de Augusto Pellegrini).

As celebridades ― e agora os “digital influencers” ― gabam-se de ter milhares ou milhões de seguidores, cifras de dar inveja a Jesus Cristo. E com esse poder em seus dedinhos, vendem seus conteúdos (se possível, exagerando) para propagar pontos que visam a empoderar seus contratantes, em geral políticos e partidos. E de tal forma, o poder das palavras (e sua reputação) nunca esteve em tão alta evidência! Hoje todo mundo sabe tudo sobre todo mundo e sobre todas as coisas.

E assim, arrisco-me apenas a, de forma irônica, parafrasear uma citação de Latino Coelho: “De todas as artes a mais influenciadora, a mais empoderada, a mais lucrativa, é sem dúvida a arte da mentira”*.

Recorrendo mais uma vez à poesia, exalto o primeiro verso de um grande samba da saudosa Dona Ivone Lara: “Acreditar, eu não”. Dito isto, seria de bom alvitre se não nos deixássemos enganar por notícias que não têm raízes em fonte fidedigna, no bom senso ou na coerência.

Acredite ou não, confiar no que se lê e no que se ouve por aí está ficando cada vez mais perigoso.

Eloy Melonio é professor, escritor, compositor e poeta

______

(*) “De todas as artes a mais bela, a mais expressiva, a mais difícil, é sem dúvida a arte da palavra.” (Latino Coelho, A Oração da Coroa)

Após acidente, Zé Reinaldo mantém candidatura ao Senado

Em nota, o deputado federal José Reinaldo Tavares (PSDB), por meio da sua Assessoria de Comunicação, informa que está firme na disputa para o Senado, em 2018.

O posicionamento do parlamentar corrige versão distorcida veiculada na blogosfera acerca de uma eventual desistência da candidatura, em decorrência de um acidente sofrido por Zé Reinaldo Tavares e sua esposa, no dia 1º de julho, em uma estrada na região dos Lençóis Maranhenses.

“A bem da verdade e por respeito aos profissionais da imprensa maranhense que honram e dignificam seu ofício, reafirmamos que o ex-governador e deputado federal Zé Reinaldo Tavares (PSDB) é pré-candidato ao Senado Federal, encontra-se sempre à disposição de qualquer comunicador para eventuais dúvidas ou esclarecimentos necessários”, disse a nota.

Veja abaixo a posição oficial do parlamentar-candidato.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Com relação à informação publicada nesta terça (3/7) na página eletrônica luispablo.com.br, intitulada “Zé Reinaldo pretende desistir da pré-candidatura ao Senado após o acidente” e em cumprimento a um dos artigos fundamentais do Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros, que prescreve: “o compromisso fundamental do jornalista é com a verdade no relato dos fatos, razão pela qual ele deve pautar seu trabalho pela precisa apuração e pela sua correta divulgação” (Art. 4º), esclarecemos o que segue:

1 – Trata-se de uma notícia falsa (fake news), cujo conteúdo não foi apurado junto à assessoria do parlamentar ou ao próprio deputado federal, constituindo-se em embuste que ludibria leitores e confunde a opinião pública;

2 – Ao afirmar “o ex-governador e deputado federal José Reinaldo Tavares tem pensando em desistir da sua pré-candidatura ao Senado. Motivo: o grave acidente que sofreu no domingo, dia 1, próximo a (SIC) entrada da cidade de Santo Amaro, por volta das 17h, na BR 402, região dos lençóis maranhenses”, o autor lesa a verdade, além de agir com desrespeito e má fé diante de um acidente grave que, por pouco, não termina em tragédia;

3 – A citação: “Zé Reinaldo tem sido aconselhado pelos amigos mais próximos a deixar a corrida eleitoral de senador e tentar sua reeleição à Câmara Federal” não é ratificada por nenhuma fonte, amigo ou informante – o que demonstra a intenção leviana de disseminar a fraude.

A bem da verdade e por respeito aos profissionais da imprensa maranhense que honram e dignificam seu ofício, reafirmamos que o ex-governador e deputado federal Zé Reinaldo Tavares (PSDB) é pré-candidato ao Senado Federal, encontra-se sempre à disposição de qualquer comunicador para eventuais dúvidas ou esclarecimentos necessários.

São Luís, 3 de julho de 2018

Assessoria de Comunicação Estratégica e Núcleo de Coordenação Política do Deputado Federal Zé Reinaldo Tavares

Cafeteira de 1994 é símbolo da pós-verdade

Reza o ditado que a mentira tem pernas curtas, mas o fenômeno “fake news” diz o contrário: impostura tem pernas longas e passadas ligeiras.

A pós-verdade, base filosófica da notícia falsa, teve o auge na eleição de Donald Trump em 2016 nos Estados Unidos e no plebiscito que determinou a saída do Reino Unido da União Europeia, o brexit.

Mas, falsear a verdade é coisa antiga.

Em 1994, na eleição para o Governo do Maranhão, uma “fake news” construída pela máquina publicitária de José Sarney foi decisiva para derrotar Epitácio Cafeteira, fabricando a vitória de Roseana Sarney.

A mentira plantada remontou a um acidente de carro, em 1988, no bairro Olho d’Água, envolvendo o ferroviário José Raimundo Reis Pacheco e o ex-vereador Hilton Rodrigues.

Pacheco teve escoriações e Rodrigues morreu.

Tempos depois, José Sarney escreveu o famoso artigo intitulado “Liberdade e Reis Pacheco”, sugerindo que Cafeteira queria vingança pela morte do sogro.

Daí em diante a narrativa evoluiu para algo bizarro, atribuindo a Cafeteira um plano macabro para sequestrar e matar Reis Pacheco.

No auge da campanha, a máquina publicitária de José Sarney já espalhara em todo o Maranhão que o favorito na eleição, Epitácio Cafeteira, seria mandante de um assassinato.

Dias antes da votação, após rigorosa investigação, a assessoria de Cafeteira descobriu Reis Pacheco vivinho da silva, morando no interior do Pará, logo providenciando a gravação de um vídeo para desmascarar a farsa.

O vídeo ficou pronto a tempo de ser exibido no último programa eleitoral, mas por esses milagres que só acontecem no Maranhão a transmissão “caiu” em várias cidades do interior.

Em 1994, sem internet, ficara impossível desfazer a farsa.

Mesmo assim a torcida por Cafeteira ainda acreditava na vitória, até que nas últimas horas da contagem dos votos veio a surpreendente virada de Roseana Sarney, com uma vantagem de aproximadamente 18 mil votos.

E assim ela virou governadora do Maranhão.

Recuo inexplicável

Derrotado em tais circunstâncias, Cafeteira recolheu as armas, deixando a torcida frustrada.

Muita gente esperava que a derrota fosse transformada em uma guerra contra Sarney, mas Cafeteira preferiu recuar.

Em 1998 ele foi novamente candidato, na tentativa de “explicar” a farsa de 1994, mas não vingou.

Roseana se reelegeu com facilidade e a oligarquia no Maranhão, atrelada ao governo Fernando Henrique Cardoso (FHC), chegava ao ápice.

Para os registros é importante frisar que, apesar das dissidências pontuais, Cafeteira e Sarney não estavam em campos opostos. Ambos compuseram a mesma base conservadora do Maranhão.

Paulinas promove mesa redonda sobre “fake news”

Como parte das celebrações do 52º Dia Mundial das Comunicações Sociais, a Editora Paulinas realiza uma sessão de diálogo com o tema “Notícias falsas e Jornalismo de paz”, inspirado no versículo “A verdade vos tornará livres” (Jo 8,32)

O evento acontece neste sábado (12 de maio), das 10h às 11h50, no auditório Paulinas Livraria, na Rua de Santana, 499, Centro, em São Luís, com acesso gratuito.

A mesa redonda será mediada pelo jornalista, radialista e professor Gilberto Mineiro, com os seguintes debatedores:

Ed Wilson Ferreira Araujo, doutor em   Comunicação (2016) pela PUCRS, mestre em Educação (2004), graduado em Jornalismo (1993) na Universidade Federal do Maranhão (UFMA). É professor do Departamento de Comunicação – Curso de Rádio e TV, na UFMA. Fundador e atual presidente da Abraço (Associação Brasileira de Rádios Comunitárias) no Maranhão.

Vera Lúcia Rolim Sales, doutora em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2008), professora colaboradora do Programa de pós-Graduação em Cultura e Sociedade. Tem experiência na área de Comunicação, Educomunicação, Comunicação e Cultura de Paz, Comunicação Comunitária, Mobilização Social e Sociologia. Atua como voluntária coordenando o projeto Comunicapaz, que trabalha com jovens na faixa de 14 a 24 anos, no bairro da Vila Embratel.

Robson Júnior, radialista e instrutor de oratória, atualmente produz e apresenta os programas de rádio “Mania matinal” e “Repórter Difusora”.

Padre Ricardo Moreira, comunicador e pároco da paróquia Sagrado Coração de Jesus, do bairro Bequimão.

Ricardo Alvarenga, dutorando e mestre em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo (Umesp). Vice-Coordenador do Grupo de Pesquisa Comunicação e Religião da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom).