Vias de Fato e Agência Tambor publicam nota de solidariedade ao editor deste blog

NOTA DE SOLIDARIEDADE AO JORNALISTA
E PROFESSOR ED WILSON ARAÚJO

A Agência Tambor e o Jornal Vias de Fato vêm a público manifestar solidariedade ao jornalista e professor do Curso de Rádio e TV da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Ed Wilson Araújo, diante das agressões verbais descabidas que ele sofreu, ao exercer seu trabalho de jornalista.

As agressões ocorreram em comentários de redes sociais, após a publicação de um texto no Blog de Ed Wilson (neste link) no qual o jornalista faz uma abordagem crítica e informativa sobre um fato recente da campanha eleitoral maranhense, envolvendo o professor da UFMA Saulo Pinto (atual candidato a senador pelo PSOL) e Natalino Salgado (ex-reitor da mesma UFMA)

O Maranhão é historicamente um lugar de cultura política autoritária, avessa à crítica, ao debate e a circulação de informações. Portanto, hoje, diante de tudo que se passa no Brasil, é inaceitável, sob todos os aspectos, que alguns setores que se reivindicam de esquerda, reproduzam essa intolerância.

Ed Wilson tomou a iniciativa de tratar jornalisticamente da aproximação entre Saulo Pinto e Natalino Salgado, a partir de um fato político concreto, somado a uma imagem (uma foto) e um comprovante de doação de campanha feita pelo ex-reitor, para o candidato ao Senado. E o jornalista fez isso após a apuração de informações relativas a textos e imagens que já circulavam, intensamente, em aplicativos de mensagem.

Diante disso, a Agência Tambor e o Jornal Vias de Fato manifestam apoio incondicional ao jornalista, repudiando qualquer tentativa de desqualificar o seu trabalho. Reconhecemos o tema da reportagem em questão como sendo de interesse público. Acordos políticos e doação de dinheiro a candidatos devem estar claramente colocados para a sociedade. Portanto, toda candidatura está sujeita a abordagens públicas e/ou questionamentos vindos da imprensa ou de qualquer outro setor da sociedade. Isso faz parte de um processo que nós lutamos para que seja democrático (e ainda não é!).

E ainda sobre o caso, queremos deixar bem claro que Natalino Salgado é figura conhecida. Tem práticas e ideias conhecidas. É adversário de comunicadores, professores e estudantes que têm autonomia e defendem, verdadeiramente, os direitos humanos, a liberdade e os valores minimamente republicanos. O ex-reitor tem uma trajetória que nós sempre criticamos. E comunicadores e professores têm a obrigação de informar sobre essa trajetória. Do contrário, não podemos reclamar quando os jovens elogiam ditaduras e votam em candidatos de extrema direita.

E viva a democracia!
Viva a liberdade de expressão!
E abaixo toda forma de intolerância de viés autoritário!

São Luís, 02 de setembro de 2018
Agência Tambor
Jornal Vias de Fato

Imagem: Presidente da Associação Brasileira de Rádios Comunitárias, Geremias dos Santos, e o jornalista Ed Wilson Araújo / divulgação

Livro sobre migração do rádio AM para FM será lançado em dois eventos nacionais

O livro Migração do rádio AM para o FM – Avaliação de impacto e desafios frente à convergência tecnológica será lançado durante a realização de dois eventos: o 28º Congresso Brasileiro de Radiodifusão, no dia 22 de agosto, em Brasília e o 41º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, dia 7 de setembro, em Joinville. A obra, coordenada pelas professoras Nair Prata (UFOP) e Nélia Del Bianco (UnB/UFG), apresenta os resultados de uma pesquisa nacional que busca entender o impacto da migração do rádio AM para o FM no Brasil.

A investigação contou com a participação de quase uma centena de pesquisadores de todo o país, que entrevistaram 238 emissoras de rádio migrantes. Os resultados são apresentados em três capítulos do livro. No primeiro, é traçada uma linha do tempo do processo de construção da política pública da migração do AM para o FM. A análise dos resultados da investigação em âmbito nacional está no segundo capítulo. E, por fim, no terceiro capítulo, 77 autores interpretam os dados de cada estado à luz da história da formação do mercado de radiodifusão regional.  Participam da pesquisa os seguintes estados: Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins, além do Distrito Federal.

A investigação é fruto do projeto de pesquisa “Migração do rádio AM para o FM: análise do processo, sustentabilidade, audiência e impacto no conteúdo, programação, profissionais e estratégias de relacionamento com a audiência”, do Grupo de Pesquisa Rádio e Mídia Sonora da Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. Foi desenhado a partir de duas situações: emissoras AM que assinaram o termo de outorga e estão transmitindo em FM e emissoras AM que assinaram o termo de outorga, mas ainda não iniciaram as transmissões em Frequência Modulada.

O objetivo principal da pesquisa foi entender o processo de migração sob os aspectos relacionados ao processo de mudança – investimentos necessários à mudança; expectativa de aumento de faturamento e audiência; reconfiguração do conteúdo e da programação para se adaptar à nova frequência; mudanças na equipe de profissionais; construção de  estratégias de relacionamento com a audiência; e reposicionamento da marca da rádio no FM.

A coleta dos dados foi feita por meio de questionário online aplicado junto às emissoras. De novembro de 2017 a abril/maio de 2018 os pesquisadores saíram a campo para o preenchimento do instrumento de pesquisa e, em maio/junho, os grupos de cada estado analisaram os dados coletados e escreveram os textos que compõem o livro.

O livro, publicado pela Editora Insular (www.insular.com.br), tem dois prefácios: um da coordenadora do Grupo de Pesquisa Rádio e Mídia Sonora da Intercom, professora Valci Zuculoto (UFSC) e o outro do diretor geral da ABERT, Luís Roberto Antonik.

Segundo uma das coordenadoras do projeto, professora Nair Prata, “fazer pesquisa empírica com tal extensão não é uma tarefa simples, mas os dados que vêm à luz compensam todo o empenho na investigação”. A outra coordenadora, professora Nélia Del Bianco, explica: “Com este trabalho, desvelamos um rádio que se esforça nas tentativas de se reinventar, buscando novos públicos, novas formas de sustentabilidade e novos modos de sobrevivência em um ecossistema midiático em profunda reconfiguração”.

Autores

 

Coordenação

Nair Prata

Nélia R. Del Bianco

Acre

Mônica Iurk

Fátima Bandeira

Alagoas

Lídia Ramires

Amapá

Paulo Vitor Giraldi Pires

Patrícia Teixeira Azevedo Wanderley

Amazonas

Edilene Mafra

Eliena Monteiro

Manoela Moura

Bahia

Eliana Albuquerque

Distrito Federal

Carlos Eduardo Esch

Espírito Santo

Edgard Rebouças

Goiás

Nélia R. Del Bianco

Mauro Celso Feitosa Maia

Maranhão

Carlos Benedito Alves da Silva Junior

Ed Wilson Ferreira Araujo

Jefferson Saylon Lima de Sousa

Nayane Cristina Rodrigues de Brito

Robson Silva Corrêa

Rodrigo Nascimento Reis

Roseane Arcanjo Pinheiro

Rosinete de Jesus Silva Ferreira

Mato Grosso do Sul

Hélder Samuel dos Santos Lima

Daniela Cristiane Ota

Minas Gerais

Cândida Borges Lemos

Debora Cristina Lopez

Kamilla Avelar

Paula de Souza Paes

Waldiane Fialho

Luana Viana

Pará

Netília Silva dos Anjos Seixas

Jessé Andrade Santa Brígida

Paraíba

Norma Meireles

Olga Tavares

Goretti Sampaio

Paraná

Ana Carolina de Araújo Silva

Claudia Irene de Quadros

Elaine Javorski

Flavia Lúcia Bazan Bespalhok

Graziela Bianchi

Lidia Paula Trentin

Pernambuco

Andrea Trigueiro

Daniel Ferreira

Elano Barbosa Lorenzato

Piauí

Evandro Alberto de Sousa

Orlando Berti

Rio de Janeiro

Helen Pinto de Britto Fontes

Rhanica Evelise Toledo Coutinho

Rio Grande do Norte

Adriano Lopes Gomes

Alexandre Ferreira dos Santos

Ana Lúcia Gomes

Ciro José Peixoto Pedrosa

Deyse Alini de Moura

Edivânia Duarte Rodrigues

Emanoel Leonardo dos Santos

Hélcio Pacheco de Medeiros

Jeferson Luís Pires Rocha

Rio Grande do Sul

Dulce Mazer

Diego Weigelt

Rondônia

Evelyn Íris Leite Morales Conde

Roraima

Pedro Henrique da Silva Ribeiro

Antonia Costa da Silva

Santa Catarina

Valci Regina Mousquer Zuculoto

Karina Woehl de Farias

Beatriz Hammes Clasen

Guilherme Gonçales Longo

Ediane Mattos

São Paulo

Roberta Baldo Bacelar

Maria Aparecida de Paiva da Cruz

Adriana Maria Donini

Marcos Júlio Sergl

Misaki (Mii Saki) Tanaka

Lenize Villaça

Sergipe

Mario Cesar Pereira Oliveira

Paulo Victor Melo

Tocantins

Valquíria Guimarães da Silva

Marluce Zacariotti

Literatura no rádio: programas abordam a obra “O mulato”, requisitada para o vestibular da Uema 2019

Os estudantes que vão participar do próximo vestibular da Universidade Estadual do Maranhão (Uema) podem contar com o apoio didático de programas de rádio para a prova de Literatura.

Duas entrevistas com análise da obra “O mulato”, do escritor maranhense Aluísio Azevedo, já estão disponíveis em áudio, produzidas por acadêmicos da disciplina Roteiro para Rádio, no primeiro semestre de 2018.

Clique aqui para ouvir a entrevista com o professor Arnaldo Gomes de Sousa e aqui para ouvir o docente Marco Rodrigues.

“O mulato” é uma das leituras obrigatórias para o vestibular da Uema, denominado Processo Seletivo de Acesso à Educação Superior (Paes). O poema “Morte e Vida Severina”, de João Cabral de Melo Neto; e “Auto da Compadecida”, de Ariano Suassuna, também são leituras cobradas no Paes 2019.

Professor Arnaldo Gomes de Sousa (Foto: O Imparcial/YouTube

As análises sobre “O mulato”, livro publicado em 1881, foram feitas pelos professores (veja currículo abaixo) Arnaldo Gomes de Sousa e Marco Rodrigues, convidados do programa Sala de Rádio, um recurso didático criado pelo professor do curso de Rádio e TV da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Ed Wilson Araújo.

Durante o programa Sala de Rádio, os estudantes da disciplina Roteiro para Rádio praticaram entrevistas e exercitaram a redação de texto para o rádio, gravação e edição de audio. Neste primeiro semestre, toda a disciplina teve como foco “O mulato”, considerada a obra inaugural do naturalismo no Brasil.

Professor Marco Rodrigues (Foto: Rogério Rocha)

As entrevistas com os professores Arnaldo Gomes de Sousa e Marco Rodrigues exploram temas predominantes em “O mulato” no contexto do naturalismo, fazendo vinculações com a atualidade.

Os principais temas abordados na análise da obra são preconceito racial, provincianismo e conservadorismo em São Luís no século XIX, relação entre o naturalismo e o cientificismo, sexualidade, decadência moral, feminicídio, narrativa com descrição minuciosa e as aproximações e contrapontos entre o naturalismo e o romantismo.

Além das entrevistas editadas, os estudantes da disciplina Roteiro para Rádio produziram programas curtos, na média de cinco minutos, com recortes sobre os principais temas abordados pelos professores Arnaldo Gomes de Sousa e Marco Rodrigues.

Um dos objetivos da produção radiofônica sobre a obra “O mulato” é demonstrar a força do gênero educativo-cultural no rádio, articulando conhecimentos nas áreas de Comunicação e Educação.

Os professores convidados foram entrevistados pel@s estudantes Barbara Liz Silva Souza, Danielen Pereira Saraiva, Geovane Borges Camargo, Kaio Teixeira Lima, Laecio de Sousa Fontenelle, Leonardo Sá Mendonça, Livia Lima Pereira, Marcelo Matheus Rodrigues, Maria Beatriz Benetti Veloso, Marileide Santos Lima, Matheus Vinicius Silva Monteiro, Ramon Aurélio Rodrigues da Silva, Mogagi Meta Ribeiro Braga, Valdo Tavares de Almeida, Vivian Karoline Nunes Tavares de Almeida e Wesley Santos Silva.

Veja o currículo dos professores entrevistados

Arnaldo Gomes de Sousa é proprietário do curso de redação Hipertexto, tem Licenciatura Letras (Português e Literatura), especialização em Docência do Ensino Superior e Literatura Brasileira. É professor do Ensino Médio nas escolas O Bom Pastor e Literato e também nos pré-vestibulares Evolução, One, Up, Júris, Albert Einstein e Mérito.

Marco Rodrigues é graduado em Filosofia (UFMA / Faculdade Entre Rios do Piauí – FAERPI), mestrando em Teoria Literária / UEMA. Filósofo e escritor, autor das obras “O Absoluto: mudança dos tempos e o desvanecimento do ser” e “Fragmentos da Angústia: crise, decadência e contemporaneidade”. Professor de Filosofia das redes pública e privada. Membro organizador do Café Pensante na AMEI (Associação Maranhense dos Escritores Independentes).

Paulinas promove mesa redonda sobre “fake news”

Como parte das celebrações do 52º Dia Mundial das Comunicações Sociais, a Editora Paulinas realiza uma sessão de diálogo com o tema “Notícias falsas e Jornalismo de paz”, inspirado no versículo “A verdade vos tornará livres” (Jo 8,32)

O evento acontece neste sábado (12 de maio), das 10h às 11h50, no auditório Paulinas Livraria, na Rua de Santana, 499, Centro, em São Luís, com acesso gratuito.

A mesa redonda será mediada pelo jornalista, radialista e professor Gilberto Mineiro, com os seguintes debatedores:

Ed Wilson Ferreira Araujo, doutor em   Comunicação (2016) pela PUCRS, mestre em Educação (2004), graduado em Jornalismo (1993) na Universidade Federal do Maranhão (UFMA). É professor do Departamento de Comunicação – Curso de Rádio e TV, na UFMA. Fundador e atual presidente da Abraço (Associação Brasileira de Rádios Comunitárias) no Maranhão.

Vera Lúcia Rolim Sales, doutora em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2008), professora colaboradora do Programa de pós-Graduação em Cultura e Sociedade. Tem experiência na área de Comunicação, Educomunicação, Comunicação e Cultura de Paz, Comunicação Comunitária, Mobilização Social e Sociologia. Atua como voluntária coordenando o projeto Comunicapaz, que trabalha com jovens na faixa de 14 a 24 anos, no bairro da Vila Embratel.

Robson Júnior, radialista e instrutor de oratória, atualmente produz e apresenta os programas de rádio “Mania matinal” e “Repórter Difusora”.

Padre Ricardo Moreira, comunicador e pároco da paróquia Sagrado Coração de Jesus, do bairro Bequimão.

Ricardo Alvarenga, dutorando e mestre em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo (Umesp). Vice-Coordenador do Grupo de Pesquisa Comunicação e Religião da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom).