“O cacique suburbano”: amplificadora Voz Tupi marcou época do Lira ao Anjo da Guarda

Pelos alto-falantes da Voz Tupi muita gente namorou e até casou. A música de Odair José Pare de tomar a pílula era “febre”. Havia também os animados shows de calouros que revelaram talentos musicais nos bairros de São Luís

Antes do surgimento da rádio comunitária Bacanga FM, no Anjo da Guarda, houve pelo menos três serviços de alto-falante no bairro: Voz Tupi, Voz Montecarlo e a Rádio Popular. No início da década de 1970, a Voz Tupi foi a principal referência de comunicação local utilizando equipamentos de propagação da voz – microfone, amplificador e alto-falante. Nesse interstício surgiu ainda a Voz Montecarlo. A partir de 1988, durante uma década (até 1998), foi a vez da Rádio Popular dominando os “ares” do Anjo da Guarda e adjacências.

Saiba mais sobre a Rádio Popular aqui.

Originada no bairro Lira, a Voz Tupi chegou no Anjo da Guarda após o rumoroso incêndio nas palafitas do Goiabal, em 1968, que provocou o primeiro grande deslocamento populacional para a região Itaqui-Bacanga.

Memórias e emoções de José de Ribamar Furtado sobre a Voz Tupi

O radialista José de Ribamar Furtado, 63 anos, também conhecido no meio radiofônico como Ribinha, lembra um bordão marcante falado pelo advogado Jurandir Sousa : “Voz Tupi, 20 anos no ar servindo bem a comunidade”. Furtado começou a trabalhar na Voz Tupi logo no início da década de 1970, como operador, assim que a emissora chegou no Anjo da Guarda.  

Segundo o radialista, a amplificadora cresceu junto com o bairro e foi uma prestadora de serviço para os moradores. “Era uma escola e ajudou muito na minha caminhada no rádio no Maranhão. A Voz Tupi era chamada o cacique suburbano e teve como donos iniciais o advogado Jurandir Sousa, Vadico e Oliveira”, recordou.

Já o bancário aposentado Raimundo Silva Pereira Neto morou no Lira e no Anjo da Guarda, onde chegou em novembro de 1969. Nos dois bairros recorta as memórias da Voz Tupi, liderada por Wlademir de Oliveira Silva, o Vadico, e Jurandir Sousa. Nas duas amplificadoras a música dominava a programação, mas elas repercutiam também os acontecimentos do bairro, avisos, informes, utilidade pública, anúncio de aniversário e falecimento de moradores, notas sobre o dia-a-dia da comunidade e propaganda do comércio local.

No Anjo da Guarda a amplificadora funcionava nas proximidades do Teatro Itapicuraíba. “Era um cômodo onde tinha o estúdio e um poste de madeira com o alto-falante. Existia um grupo de músicos do Anjo da Guarda (Chiquinho, Seu Doca, Vavá). Eles anunciavam ‘daqui a 15 dias vai ter um programa de calouro’ e as pessoas se inscreviam e no dia montavam o palco, passavam as músicas e era convidada uma equipe para fazer o julgamento. Havia muita participação popular”, enumerou Neto, reiterando que os programas de calouros eram o aspecto mais emblemático. “Pra mim aquilo já era o estímulo da produção da arte popular. A Voz Tupi estimulava isso através da música”, enfatizou.

Cacique suburbano

A expressão “cacique” era uma referência à cultura indígena. No bairro Coréia, por volta da década de 1950, havia a amplificadora Voz Guarani, conforme o relato de Ligia Oliveira Belfort (reveja aqui)

Provavelmente, as denominações indígenas dos serviços de alto-falante seguiam a lógica dos Diários Associados, de Assis Chateaubriand, que designavam as emissoras filiadas sempre com referência às etnias. No Maranhão, a rádio Gurupi e depois a Timbira são exemplos dessa tendência.

José de Ribamar Furtado conta que foi levado para a amplificadora por Haroldo Viana. “Eu comecei como operador. A Voz Tupi tinha dois pratos (toca discos) e por ali eu comecei a aprender a colocar a emissora no ar. Havia um amplificador de 75 watts, a válvula. Com a ida do Haroldo Viana para Brasília eu passei a ser locutor também. Aos poucos fui tomando consciência da responsabilidade que eu estava abraçando para que essa aprendizagem me levasse até o rádio”, explicou.

José de Ribamar Furtado: do alto-falante ao rádio profissional,
trabalha atualmente na Câmara dos Vereadores de São Luís

Espalhadas em diversos bairros de São Luís, as amplificadoras geralmente apresentavam como principal produto a programação musical e nos fins de semana os animados “shows de calouros”. Segundo Furtado, os concursos de cantores amadores na Voz Tupi eram oportunidades para revelar novos talentos musicais que tinham dificuldade de inserção nas rádios.

Em algumas ocasiões, a Voz Tupi fazia a retransmissão das partidas de futebol ou inseria os jornais falados das emissoras profissionais de rádio AM, mas os hits davam o tom na programação. “O essencial era tocar os sucessos. Quando chegou aquela música de Odair José, “Pare de tomar a pílula”, ave maria, era legal”, comemorou, explicando que os discos (LPs de vinil) eram comprados nas lojas ou distribuídos pelos produtores e propagandistas das gravadoras.

Odair José era um dos cantores mais tocados na Voz Tupi

A escritora Lourdes Lacroix, no livro “São Luís do Maranhão Corpo e Alma” registra a existência das amplificadoras desde janeiro de 1930 na capital, quando “a Casa Autovictor, situada na Praça João Lisboa, inaugurou um serviço de altofalante com o objetivo de projetar artistas locais.” (Lacroix, 2012, p. 520)

Embora já houvesse emissora profissional de rádio AM instalada em São Luís desde o início dos anos 1940, os serviços de alto-falante ou voz ainda tinham uma relativa importância nos anos 1970. “Havia uma disputa fantástica pela audiência entre as rádios profissionais, mas existia um apelo popular porque a gente tinha nosso espaço através dos serviços de alto-falante, apesar da força do rádio AM no Maranhão”, esclareceu Furtado.

As formas de arrecadação ocorriam mediante a cobrança pela veiculação de mensagens comemorativas, anúncio de produtos dos estabelecimentos comerciais, divulgação de festas e eventos em geral.

No Anjo da Guarda a Voz Tupi funcionava diariamente das 11h às 13h e das 17h às 19h. Excepcionalmente aconteciam as alvoradas musicais para homenagear um aniversariante. Nessas ocasiões a emissora tinha uma transmissão específica às 6h da manhã com oferta de músicas e mensagens ao homenageado.

Audiência e namoro pelo alto-falante

A interação com a audiência era ativa. “A comunidade sempre participou de maneira direta ou indireta, principalmente através de carta e mensagens. Sempre teve essa aproximação entre o trabalho da voz e o ouvinte. Era tão participativo que todas as vezes que falecia alguém e a gente tocava a música “El silencio” gerava expectativa para saber quem havia falecido. O bairro inteiro parava”, detalhou o radialista Furtado.

Música El silencio deixava o bairro em suspenso para saber quem morreu

Pelos alto-falantes da Voz Tupi muita gente namorou e até casou. A veiculação de mensagens afetivas ou o oferecimento de música aproximava as pessoas pela emoção. “Eu casei com a minha primeira esposa – Dulcié Bastos Furtado – através da Voz Tupi. Ela achava minha voz bacana, me admirava. Pra mim foi marcante. Eu lembro até de algumas músicas que eu colocava pra ela, como “Davy”, na voz de Nalva Aguiar; e “Meu bom José”, interpretada por Rita Lee. Mas não foi só eu não. Teve outros companheiros que se casaram pela Voz Tupi”, apontou.

Veja abaixo os videos de Nalva Aguiar e Rita Lee

Música de Nalva Aguiar foi o “cupido” no primeiro casamento de Ribinha
Ribinha também oferecia música de Rita Lee para conquistar a primeira esposa

De acordo com Furtado, as amplificadoras fizeram escola para muitas pessoas que posteriormente foram para o rádio. “Foi o berço da minha trajetória e de vários outros companheiros. Com eles aprendi a trabalhar com seriedade, informação precisa e verdadeira”, detalhou.

Imagem destacada / Entrada do bairro Anjo da Guarda / Acervo do jornal O Imparcial / capturada neste site

Rádio de alto-falante e o futebol nas memórias de Itapecuru-Mirim

Publico hoje a crônica do economista Josemar Sousa Lima, que nos presenteia com um saboroso texto sobre a Voz Paroquial São Benedito, uma rádio de alto- falante que anunciava um clássico do futebol em Itapecuru-Mirim. O texto memorável passeia por vários personagens da cidade e conta um importante capítulo da comunicação popular que ainda hoje pulsa no Maranhão. Embora estejamos na era digital, persistem rádios de alto-falante e com caixas de som nos postes – as emissoras a cabo, a exemplo da Rádio Realidade, no bairro Santa Clara, em São Luís.

Veja abaixo o texto integral de Josemar Sousa Lima, publicado inicialmente pelo autor em uma rede social. As imagens foram postadas pelo autor, com créditos para o acervo do jornalista itapecuruense Benedito Buzar.

UM JOGO DE FUTEBOL

Josemar Sousa Lima

A Voz Paroquial São Benedito, que tinha seus estúdios instalados na Igreja Matriz, anunciou em uma de suas edições noturnas, com a voz impostada de seu locutor oficial, Marcelino Nogueira Filho, vulgo “Rim de Égua”, o seguinte reclame, como eram chamadas as propagandas naquele tempo:

“Atenção aficionados do futebol! Não deixem de assistir no próximo domingo, no Campo do Renner, ao grande encontro futebolístico entre a Seleção de Itapecuru Mirim e a Seleção de Ipixuna”.

Eu, sentado na calçada da residência do senhor José Januário, uma quitanda de secos e molhados, localizada da antiga Rua da Boiada, bem do lado de minha casa, ouvia a notícia com grande interesse, pois já tinha visto falar antes nesse grande confronto, onde o time itapecuruense ia tentar vingar-se de uma goleada sofrida recentemente da seleção do atual município de São Luiz Gonzaga, próximo a Bacabal, antes conhecido como Ipixuna.

Tinha eu aproximadamente doze anos e trabalhava como “caixeiro” na quitanda do citado senhor José Januário e Dona Chiquinha, durante todas as manhãs, de segunda a sábado, e já tinha até pedido um vale para pagar o ingresso, muito embora tenha sido aconselhado pelo amigo “Zé Diabo” a “varar”, ou seja, entrar sem pagar, contornando a cerca de madeira e, disfarçadamente, aproveitando o matagal ao fundo, juntar-se aos distraídos espectadores.

Era assim que fazíamos nos circos, onde era muito mais difícil e, ainda, corríamos o risco de sair puxado pelas orelhas sob os gritos de “varou”! “varou”!

Eu não quis correr o risco até porque a menina que eu queria namorar, colega de turma no Grupo Escolar Gomes de Sousa, morava ali pertinho. E se ela visse?

Nessa época existiam na cidade apenas duas praças esportivas, chamadas não de estádios, como atualmente, mas de “campos” – o Campo do Itapemirim, metade grama, metade areia; ali para o lado da Construpan, e o Campo do Renner, assim mesmo com dois “enes”, localizado no caminho grande, um pouco antes de onde é o estádio atual, palco escolhido para a grande batalha programada para o domingo que se avizinhava.

Eu nunca fui um craque, mas já nesse tempo jogava no time da Rua da Boiada que tinha como rival mortal o time da Rua da Bica. Minha posição era a menos disputada – eu era goleiro!

Na cidade existiam dois times grandes – O Náutico Esporte Clube, que ostentava um dos uniformes mais lindos que já vi, nas cores auriazul (um amarelo- ouro, com uma listra larga e horizontal azul-marinho à altura do peito); e o Renner Futebol Clube, este com camisas brancas e uma listra diagonal verde-folha que se estendia do ombro à cintura, que lembrava muito no formato o atual uniforme do Vasco da Gama.

O Náutico Esporte Clube tinha sua sede na casa de Dona Graciete Cassas, talvez porque um de seus craques, o ponta esquerda Leônidas, era seu esposo. A sede do Renner Esporte Clube eu não consigo lembrar agora. Nem sei se tinha, na verdade, sede esportiva, mesmo improvisada.

Ouvindo craques da época cheguei à conclusão que a origem no nome Náutico Esporte Clube advém do clube homônimo do futebol pernambucano que se popularizou aqui graças a grande penetração da Rádio Clube de Pernambuco, cujo sinal chegava por aqui com muita potência e qualidade e era captado à noite, quando tinha energia, pelos poucos aparelhos de rádio AM existentes na cidade.

Já o Renner Futebol Clube tem uma origem mais intelectualizada, pois a palavra tem raiz germânica e significa “Mensageiro a Cavalo” ou “Corredor”, com estreita ligação com a arte guerreira, a exemplo do Arsenal Futbool Club, esquadrão inglês. Deve ter sido encomendada a algum dos vários letrados da cidade.

Chegou, enfim, o grande dia da batalha final. Logo depois do almoço vesti minha camisa branca de farda, que tinha as letras “GS” bordadas em azul-marinho na parte superior do bolso esquerdo, e uma calça curta de mescla azul – minha melhor indumentária – e sai rumo ao campo!

Segui pela Rua da Boiada com destino ao Caminho Grande e logo à frente, depois do então Armazém Santo Expedito, maior comercio da cidade, de propriedade do saudoso senhor Raimundo Sousa, local onde hoje fica a Creche Municipal, encontrei a turma do time da Rua da Boiada, que vinha em sentido inverso, e todos seus integrantes com as mãos e os bolsos cheios de chupas de laranja destinadas a recepcionar o caminhão de carroceria aberta que trazia a delegação visitante. Sempre era assim!

Juntei-me a eles e ficamos debaixo das mangueiras, logo no início do Caminho Grande onde, posteriormente foi construída uma praça, preparados o para o ataque que não se demorou para ser iniciado.

Foi só o caminhão aparecer que o bombardeiro implacável se iniciou com uma gritaria ensurdecedora, como um ataque de índios. Seguimos o caminhão até à entrada do campo e lá nos dispersamos. Uma parte entrou pelo portão do campo, pagando sua entrada e outra direcionou-se para um caminho alternativo, rumo à então olaria do senhor Venâncio, para iniciar as estratégias de entrar desapercebida pelo matagal existente na parte posterior campo.

Os expectadores se aglomeravam na parte frontal da praça esportiva, num espaço entre as cercas dos quintais das residências localizadas em frente ao campo e a beira do gramado. Ali existiam algumas amendoeiras que aliviavam do sol escaldante daquele domingo de agosto.

Os jogadores iam chegado isoladamente, sendo que a maioria vinha de bicicleta, alguns já devidamente equipados e outros que se vestiam ali mesmo à beira do gramado. O time adversário já estava devidamente preparado e, por segurança, se postou na parte oposta do campo, logicamente longe da torcida adversária.

O jogo estava prestes a começar e técnico da seleção de Itapecuru Mirim, Seu Emetério Silva, o barbeiro mais conceituado da cidade e pai de dois dos atletas da seleção – Leônidas e Manin, dava as últimas instruções táticas a seus pupilos.

Enquanto isso eu assistia a um desafio feito pelo Gavetão, irmão do Dico Pé de Gia, também jogador da seleção, que apostara com um amigo seu que conseguiria comer cinquenta pasteis de carne sem beber água. Ele já estava no trigésimo e de seus olhos brotavam lágrimas arrependidas, mas ele enfiando mais um pastel na boca, fazia gestos que ia conseguir chegar lá.

Ouvi dois silvos longos do apito do árbitro da partida e corri para posicionar-me melhor pois a partida ia começar.

Lembro de alguns jogadores da seleção de Itapecuru Mirim que, nessa ocasião usava o uniforme amarelo e azul do time do Náutico Esporte Clube.

O goleiro era “Lourival”, irmão do professor João da Cruz Silveira, que morava no Rio de Janeiro e passava férias na sua cidade natal. Fez defesas memoráveis nesse jogo, inclusive defendendo uma bola quase indefensável chutada por um jogador adversário que tinha o sugestivo apelido de “canhão”.

Na defesa lembro do famoso beque central “Belisca”, um zagueiro respeitado em toda região, que mesmo com a sua baixa estatura era uma barreira quase intransponível para os atacantes contrários. “Manin”, pai do nosso amigo José Augusto Silva, atuava na lateral esquerda. Era dotado de uma técnica apurada e realizava quase sempre preciosas assistências para seu irmão Leônidas, pela esquerda. Completava a defesa, o lateral esquerdo “Nogueira”, que não tinha lá muitos dotes técnicos, mas funcionava como um verdadeiro espanador na proteção de sua área e compensava a baixa estatura do seu companheiro Belisca.

No meio campo, um outro irmão do professor João da Cruz da Silveira, o “Zé Baiano”, um homenzarrão de quase dois metros, que não levava desaforo pra casa e quando errava a bola tirava o jogador adversário de campo. Nesse jogo dois saíram nessas condições e tiveram que ser substituídos. Do seu lado direito um jogador magérrimo e muito alto, exímio cabeceador, conhecido como “Seu Vá” e, do lado esquerdo, atuava um jogador de pernas tortas apelidado de “Pé de Gia”, completando o meio de campo.

No ataque da seleção itapecuruense, lembro bem do “Leônidas”, ponta esquerda, que, com as devidas vênias, lembrava muito o Zagalo da seleção brasileira e, pela ponta esquerda atuava “Zé Araújo”, irmão do Belisca, famoso por seus potentes petardos que, em determinado jogo chutou uma bola tão forte que quebrou o travessão de madeira lavrada de uma das traves do campo, resvalou rumo à bandeirinha de corner e, literalmente, dobrou ao meio uma bandeja de flandres que um garoto usava para vender cocada.

Essa proeza é lembrada até hoje pelos desportistas daquela época e/ou seus descendentes. Ressalte-se que naquele tempo ainda não se usavam as “redes de malha” para reter as bolas que ultrapassam a linha fatal. No meio dos dois, como pivô, estava craque do time, um jogador fantástico chamado “Batatinha”, irmão do atual prefeito de Itapecuru Mirim, Miguel Lauande. Batatinha chegou inclusive a ser contratado pelo Maranhão Atlético Clube de São Luís, jogou algumas partidas, mas a saudade de sua terra natal e das peladas sem rigores técnicos não o deixaram seguir carreira.

Batatinha, nesse jogo, fez miséria; com seus dribles desconcertantes à lá Mané Garrincha. Entortava os defensores adversários de forma humilhante. Fez, inclusive, o único gol da partida, cobrando um pênalti que gerou reclamações e uma briga generalizada, onde até sobrou para o árbitro da partida, um senhor que morava na Trizidela e não tirava sua faca peixeira nem na hora de apitar as partidas. Era conhecido por não deixar os times de fora de Itapecuru Mirim sair com vitórias

Esse foi o jogo de minha vida, elevando-me da categoria de um jogador medíocre (mediano) para um patamar superior de eterno apaixonado pelo esporte bretão, como diriam os narradores e comentaristas esportivos de antigamente.

Passei, então, a acompanhar todos os jogos dos times de Itapecuru Mirim, mesmo quando jogavam fora da cidade e éramos chamados pelas torcidas adversárias de “Comedores de Vinagreira”, uma alusão à opulenta produção de verdura nas vazantes das margens do Rio Itapecuru, até quando tive a oportunidade de ver um jogo do Santos Futebol Clube, realizado no Estádio Nhozinho Santos, em São Luís, em uma noite mágica do dia 05 de novembro de 1967, com a participação do “Rei Pelé” & Companhia e cheguei ao céu do futebol.

Muitos desses artistas da bola, integrantes daquela seleção mágica, já não estão entre nós e eu os saúdo, vivos e mortos, em nome do craque Júlio Araújo, o Belisca, que continua firme e forte entre nós e horando a memória de todos os futebolistas itapecuruenses.

JOSEMAR SOUSA LIMA é economista, com especialização em Planejamento do Desenvolvimento Rural Sustentável e membro da Academia Itapecuruense de Ciências, Letras e Artes – AICLA