Música é alimento: festival BR135 tem ação solidária em 2021

O BR135 2021 chega em forma de ação solidária para arrecadar cestas básicas que vão beneficiar a comunidade do Desterro, no Centro Histórico da capital maranhense. A proposta é reunir o Boi de Maracanã, Dicy Rocha, Núbia, Enme, Butantan&Fuega, Criola Beat, Pantera Bl4ck e a banda paraense Os Amantes neste sábado, 27, no Convento das Mercês.

Os melhores momentos desse grande encontro, que contará ainda com discotecagem de Vanessa Serra e Selecta Groove e performances de Áurea Maranhão e do artista africano Josef Osei, serão exibidos para todo o Maranhão no especial BR135 – Música é Alimento, pela TV Mirante.

A iniciativa da dupla Criolina, formada por Alê Muniz e Luciana Simões, realizadores do Festival BR135, se dá em função das limitações impostas pela pandemia de covid-19. “Em tempos normais nós enchemos as praças da cidade, mas agora é diferente. Estamos voltando, mas precisamos voltar devagar, com todo o cuidado”, afirma Simões.

“Entendemos que a arte, e em especial a música, cumpre um papel fundamental para a saúde de corpos e mentes, mas pode ir além, contribuindo para melhorar a situação de muita gente que tem fome, por isso a ação solidária para arrecadação de cestas básicas”, completa Muniz.

Fazer parte do BR135 neste ano significa contribuir com a ação, doando uma cesta básica ou 1 kg de alimento não perecível para quem mais precisa. A doação, no entanto, é voluntária. Quem não puder contribuir pode também participar do evento, obedecendo o limite de 400 pessoas no local, conforme decreto do Governo do Estado para eventos culturais (nº 37.176, de 10 de novembro de 2021).

Há duas formas de contribuir: levar a doação ou adquirir uma cesta no Convento das Mercês (haverá um ponto de venda lá). Uma equipe da produção do BR135 fará plantão no local, das 9h às 17h da sexta-feira, para receber as doações e entregar o voucher de acesso.

Além da doação de cestas básicas, o BR135 articulou uma parceria com a comunidade do Desterro para gerar renda no bairro. Parte do comércio de alimentos e bebida dentro do Convento das Mercês durante o evento será feita por comerciantes da região, organizados pela União de Moradores do Centro Histórico, Praia Grande, Portinho e Desterro e pela Coletiva Por Elas Empoderadas – de luta pelos direitos da mulher.

O BR135 2021 – Música é Alimento tem patrocínio da Equatorial por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura da Secretaria de Estado da Cultura, Governo do Maranhão.

PROGRAMAÇÃO

Entrega de voucher de acesso

Sexta, 26, das 9h às 17h, no Convento das Mercês

BR135 2021 – Música é Alimento

Sábado, 27, 19h, no Convento das Mercês

18h Boi de Maracanã

19h Dicy

20h Núbia

21h Butantã + Enme + OnlyFuego

22h Criola Beat

23h Os Amantes

+ Informações: (98) 98179-1113 (Assessoria de Comunicação)

Rádio comunitária Ieshuá FM revela artistas na região do Alto Turi

Tudo começou no ano 2005, quando a emissora comunitária Ieshuá FM entrou no ar e realizou um festival de música para incentivar e valorizar os cantores e compositores da cidade a divulgarem suas produções.

A rádio fica localizada no município de Nova Olinda, na região do Alto Turi, no Maranhão. Ouça aqui

Depois do festival a direção da emissora decidiu criar um horário fixo na grade de programação, o “Talentos da Terra”, todos os domingos, das 12h às 14h, com a participação dos artistas da cidade.

Aos poucos o “Talentos da Terra” cresceu, ficou mais conhecido e atraiu atenção de músicos de outras cidades. “Somos um programa regional. Hoje em dia recebemos cantores e compositores de Araguanã, Zé Doca, Governador Nunes Freire (Encruzo), Maracaçumé, Centro do Guilherme e outras cidades da região. Artistas de Carutapera já estão agendados”, destacou Cícerro Ferraz, diretor da Ieshuá FM.

Transmissão ao vivo do Talentos da Terra é sucesso na região do Alto Turi

Antes da pandemia tinha um fluxo intenso de artistas na programação ao vivo do Talentos da Terra, mas atualmente, mesmo presencial, a emissora adota todos os cuidados para não aglomerar dentro da rádio. “A tecnologia facilitou a divulgação. Muitos cantores de várias regiões do Maranhão mandam músicas pelo celular para lançarmos no programa. Além disso temos lives com os músicos acompanhados do maestro “Zé do Violão”.

Durante a semana o maestro ensaia com alguns cantores para fazer a apresentação caprichada.

Edinho dos Controles e Gilvan Nascimento são sucesso na Ieshuá

“Cada domingo participam em média 3 a 4 cantores. O Talentos da Terra tem ainda muita interação, participação da audiência e transmissão ao vivo no Facebook e no You Tube da emissora. A audiência é grande. Os estilos mais tocados são reggae e brega, mas o programa é aberto a qualquer ritmo”, explicou Cícero Ferraz.

Ao longo do tempo o programa “Talentos da Terra” vem acumulando boas memórias e vitórias no trabalho de divulgação dos artistas locais e regionais. “Desse projeto alguns cantores já se profissionalizaram, como Wallison Love, Mauro Sérgio, Tony Nascimento, Lucas Monteles, entre outros artistas”, comemorou Ferraz.

Cantor Marciano, de Santa Luzia do Paruá, é um
dos talentos revelados na rádio Ieshuá

O diretor da emissora também registrou, com pesar, alguns cantores que participaram do Talentos da Terra e já estão falecidos, alguns acometidos da pandemia covid19, como o saudoso Psica, Geny, Marcos Antonio e os maestros Frank Silva e Sebastião Medeiros, que acompanhavam os cantores.

Conecta Música 2020 grava single e faz registro audiovisual de seis artistas maranhenses

Afrôs, Butantan, Hugo Gugs, Regiane Araújo, The Caldo de Cana e Pantera Bla4ck foram os selecionados. Lançamento será dia 18, nas plataformas digitais e no Chão SLZ, Praia Grande.

O Conecta Música 2020, ação do Festival BR 135, selecionou neste ano seis projetos musicais maranhenses e cada contemplado está levando um pacote de oportunidades: a gravação de um single, sessão de fotos e registro audiovisual. As gravações estão sendo feitas no estúdio Black Room, o registro em vídeo, no Mavam (Museu Audio Visual do Maranhão) e o ensaio fotográfico tem direção de Layla Razzo.

O lançamento está marcado para o dia 18, pelas redes sociais do festival, além de Spotify e Youtube. Está previsto também um encontro presencial no espaço Chão SLZ, na Praia Grande, para a exibição do material audiovisual gravado com os artistas nas duas últimas semanas.  

Em atenção às medidas de prevenção e enfrentamento impostas pela pandemia do novo coronavirus, o Festival BR135 precisou se ajustar. Por isso, neste ano o festival tem um formato diferente dos anos anteriores. “A forma possível foi por meio do Conecta Música, dentro do nosso propósito de dar visibilidade à produção local. Estamos dando oportunidade a alguns artistas de gravar pela primeira vez”, afirma a cantora e compositora Luciana Simões.

“Estamos tomando todos os cuidados para prevenção à covid-19: os selecionados estão tendo contato apenas com os profissionais do estúdio e cumprindo todos os protocolos de saúde e segurança”, afirma Alê Muniz.

O Conecta Música 2020 é uma realização do BR135, projeto da dupla Criolina, formada pelos músicos Alê Muniz e Luciana Simões, viabilizado pela Lei Aldir Blanc no Maranhão.

CONECTA MÚSICA 2020

Lançamento dia 18 de dezembro

Chão SLZ, a partir das 18h

Rua do Giz, Praia Grande, em frente à Praça Valdelino Cécio

E em todas as plataformas digitais

PERFIL DAS BANDAS SELECIONADAS

Afrôs – Banda autoral que há 12 anos utiliza sonoridades percussivas da cultura afrodiaspórica e ameríndia, em diálogo com riffs de guitarra, violão e grooves do contrabaixo. Seus shows são marcados pela presença de mulheres na linha de frente, pelas intervenções cênicas e por uma composição autoral que traz como registro a relação com a ancestralidade, o imaginário mítico e popular da cultura brasileira, a potência do feminino e as manifestações culturais do Maranhão. No repertório, referências rítmicas e imagéticas de manifestações como o Bumba-meu-boi, Maculelê, Cacuriá, Tambor de Mina, Tambor de Crioula, Salsa, Coco, Maracatu e Afoxé, embalando uma poética que canta as divindades femininas, as ancestralidades negras e indígenas e as mulheres como referências de luta e resistência. A banda tocou em grandes palcos de teatros e festivais pelo Brasil, como o Festival BR 135, Lençóis Jazz e Blues Festival, além da Feira da Música do Ceará, Fundição Progresso no RJ, e nos Centros Culturais do Banco do Nordeste. O grupo desenvolve ações de impacto sócio-cultural para além dos shows, como o projeto Eita Piquena Arteira!, um evento anual de formação e apresentação artística com mestras do saber e mulheres artistas de São Luís, além deparcerias com o Museu Histórico Artístico do Maranhão, LABORARTE, ONG NAVE, SESC, CCBNB, Instituto Gênesis/PUC-RJ, Oi Futuro, SEMU (Secretaria da Mulher- MA), Coletivos feministas e LGBTQIA da cidade de São Luís.

Butantan – Artista queer maranhense, cujo hit autoral B.O.Y, de 2017, já acumula quase 1 MILHÃO de streams em todas as plataformas digitais. O videoclipe da música venceu o prêmio especial do Júri no Festival Maranhão na Tela, foi transmitido nacionalmente em emissoras como MTV, Multishow e Canal Bis, além de ser pré-indicado a categoria Experimente do Prêmio Multishow e vencer o prêmio de Melhor Música do Ano no Prêmio Eu Faço a Diferenca.  Butantan foi eleita em 2018 a DRAG DO ANO por votação popular (Prêmio Eu Faço a Diferença) e atua desde 2015 como performer, tendo consquistado o público com irreverência, ousadia e uma mistura de ritmos, que vai do hip hop ao tecnobrega. Ganhou destaque nacional em portais como PopLine, PapelPop, RedBull, Noize, Rolling Stones e programas de TV e jornais do país, e arrastou multidões pelas ruas de São Luís nos carnavais de 2017, 2018 e 2020 com o Bloco Queer. Durante o período, lançou mais três sucessos: Kero Ver, Sarrar, e Somos Queer e comandou grandes palcos, como o trio da Uber na Parada LGBT de SP, o São João da Thay, Aldeia Sesc Guajajaras e Pátio Aberto do Centro Cultural da Vale. Butantan acumula atualmente dezenas de milhares de ouvintes e seguidores no Spotify e Instagram, além de contabilizar mais de 396.476 visualizações no Youtube.

Regiane Araújo – Iniciou seu contato com a música aos sete anos através de grupos musicais infantis da igreja.  Com 19 passou a escrever suas primeiras canções e aquilo que se limitava apenas a ambientes informais e religiosos, passou a conquistar outros espaços em eventos culturais na universidade, aberturas de shows em teatros, além de começar a trabalhar profissionalmente como cantora nas noites de São Luís. Em 2014 lançou duas canções autorais chamadas Tuas Lagrimas e Tudo Muda. Esta ganhou o segundo lugar de melhor música autoral do Maranhão no festival Made in Slz, do Amsterdam Music Pub. Em 2017 lançou seu primeiro EP –  Vista-nos – influenciado por diferentes estilos musicais como o Jazz Folk, MPB, novo MPB, Pop e Reggae. A cantora é conhecida dos internautas por viralizar suas interpretações cover no Facebook, Instagram, Twitter e WhatsApp. Regiane Araújo é também reconhecida como uma das grandes vozes da cena do Reggae no Maranhão. Em 2019, viralizou uma apresentação ao lado da banda maranhense Raiz Tribal, cantando a faixa Blessing, da jamaicana Etana. Neste mesmo ano, além de ser convidada a dividir o palco do Resistência Reggae, um dos maiores eventos de Reggae do Maranhão, com a banda Raiz Tribal e o Jamaicano Vernon Maytone, foi convidada pelo Festival BR 135 para interpretar clássicos do reggae com a Orquestra Maranhense de Reggae. Em 2020, lançou no dia 11 de setembro seu primeiro single em reggae chamado Tirem as Cercas.

Hugo Gugs – Rapper e produtor maranhense inspirado pelo rap clássico da década de 90 e que produz dentro das novas vertentes como o Trap, Drill e Grime, trazendo em seu trabalho o peso das suas vivências e a força da sua ancestralidade. Gugs já fez shows com grandes nomes do rap nacional como Racionais MC’s, MV Bill, Dexter, Djonga, Filipe Ret, Karol Konka, Síntese, Orochi etc. Com oito clipes já lançados e premiações de melhor cantor pelo site Volts, o artista lança este ano o álbum “O Beco”.

The Caldo de Cana – Um encontro entre ritmos regionais e beats eletrônicos marcam a trajetória do The Caldo de Cana, duo musical criado em 2017 pelos músicos maranhenses Benedicto Lima e Felipe Costa Cruz.Inspirados por sonoridades regionais, a dupla está perto de lançar seu primeiro álbum de estúdio, Carcará de duas cabeças.Antes, porém, lançou os singles Você me usou” e Aliciando, gravado na CASA LOCA, com produção de Adnon Soares, já disponíveis nas principais plataformas musicais. As composições ganharam um tom envolvente que reforça a proposta pensada pela dupla. Adotando o estilo Afrorróbaioquebeat, criado pelos dois – uma mistura que vai do afrobeat ao forró, passando pelo baião e ritmos caribenhos, com espaço ainda para o folk, xaxado, brega, bolero e a techno-embolada –, os primeiros singles resumem bem a alma do projeto, criando uma energia para uma grande festa. O som da The Caldo de Cana é essencialmente regional. Forró, baião, brega e xaxado, ora abordados de forma tradicional, ora cheios de experimentações ‘tropicodélicas’ e delírios sonoros diversos. Em 2020, a dupla esteve entre os 200 trabalhos selecionados, entre mais de 12 mil trabalhos inscritos, no segundo edital da série Arte como respiro: múltiplos editais de emergência, do Itaú Cultural.  

Pantera Bl4ck – O primeiro contato com batalha de hip hop foi em 2015, como expectadora na Batalha Deodoro. A ausência das mulheres naquela época era notória, uma das poucas referências foi Preta Lu, integrante do grupo Clã Nordestino que a incentivou muito. Pantera era a única mulher participante e com seu estilo autêntico foi ganhando espaço e se destacando nas batalhas da cidade e sempre dando voz para as questões sociais. Em 2017, tornou-se integrante do coletivo Ilha Clan e começou a escrever e gravar músicas. No ano seguinte já apresentava seu trabalho solo e marcava presença nos movimentos de cultura negra da ilha. Participou de show com a cantora Núbia e no ano seguinte recebeu convite para participar do grupo Criola Beat. Sentiu-se à vontade em expressar sua voz e gravou a música que abre a Mixtape Vol.02, além de participar de vários shows com o grupo. Ano passado, 2019, fez uma participação no novo álbum de Tiago Maci, Amor Delivery. Atualmente está trabalhando em sua primeira mixtape, produzida pelo studio Casaloca, que será lançada em 2021.

Imagem destacada / banda Afros / divulgação

II Festival de Circo de São Luís terá eventos on line

Acontecerá de 17 a 21 de dezembro o II Festival de Circo de São Luís. O evento é organizado pelo coletivo “O Circo Tá na Rua” e será realizado com recursos da Lei Federal nº. 14.017, por meio da Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão através do Edital nº 05/2020/UGCAC/SECMA. A proposta do festival é divulgar, incentivar e dar visibilidade à arte circense no Maranhão, além de amparar os artistas circenses impactados pela pandemia do Covid-19.

A primeira edição do Festival de Circo de São Luís foi realizada de forma independente, em 2018. Foram três dias de programação diversa, que contou com imersão nas artes circenses, intervenções em espaços públicos, exibição de filmes e rodas de conversas sobre temáticas relativas ao circo e à arte circense. As atividades reuniram um grande público e o acesso foi inteiramente gratuito.

O coletivo “O Circo Tá Rua” tem sete anos de existência (2013-2020) e o seu propósito é a difusão da arte circense e a ocupação de espaços públicos por meio de treinos de circo gratuitos que acontecem às segundas-feiras, na praça Nauro Machado, no Centro Histórico de São Luís.

“O Circo Tá Rua” tem se estabelecido como referência enquanto arte circense local e vem acumulando ao longo desses anos participações na agenda cultural da cidade em parceria com repartições públicas e empresas privadas, além de produzir constantemente eventos independentes, como saraus, festivais e o próprio espaço para “treino aberto” que se mantém como atividade semanal.

Em meio à pandemia, o coletivo se reinventou, intensificando suas ações nas redes sociais, promovendo lives, entrevistas e conteúdos informativos sobre a arte circense e suas nuances.

A proposta do II Festival de Circo de São Luís é manter o formato online. A programação durante os quatro dias será composta por apresentações de espetáculos, números circenses, oficinas, entrevistas e lives.

O material será disponibilizado nas plataformas digitais: Instagram, YouTube, Facebook, Twitter e, também contará com podcasts nas plataformas Deezer e Spotify. Vale ressaltar que todos os participantes diretos da 2º edição do Festival de Circo de São Luís serão artistas circenses maranhenses.

A programação detalhada será divulgada em breve e poderá ser encontrada nas seguintes páginas:

Instagram: www.instagram.com/festivaldecircoslz/?hl=pt-br / www.instagram.com/ocircotanarua/?hl=pt-br;

Facebook: https://www.facebook.com/II-Festival-de-Circo-slz-106733851256502; Twitter: @festcircoslz.

Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCsgleu_Blsu8QOYDXHhXGRQ

Vem aí o festival BR135, edição 2019. Veja as novidades sobre shows e os eventos paralelos

Evento chega ao 8º ano de realização consolidado como um dos mais importantes festivais de música independente do país; na programação, destaques para Céu, DJ Dolores, Xênia França, Edgar, Potyguara Bardo e Attooxxa, além de outras atrações selecionadas em edital

O maior festival de música e mercado do Maranhão acontece dias 28, 29 e 30 de novembro. O BR135 volta a ocupar o centro histórico de São Luís, dessa vez abrindo os braços em um espaço maior, nas praças Maria Aragão e Gonçalves Dias. Com um poderoso painel de sonoridades nos palcos, atividades formativas, rodada de negócios e mercado de arte e gastronomia, o BR135 é um dos únicos festivais de música independente do país em que todas as atividades são gratuitas.

Sob o comando da dupla Criolina, formada por Alê Muniz e Luciana Simões, a festa reúne os artistas convidados Edgar, Xênia França, Potyguara Bardo, Attooxxa e Céu e os selecionados ENME Paixão, Preto Nando recebe Kaminski, Paulão, Vinaa recebe Cláudio Lima e Romero Ferro (PE), Orquestra Maranhense de Reggae com a presença de Dicy Rocha, Regiane Araújo e Otília Ribeiro, The Baggios (SE), Josyara (BA) e os DJs Dolores (PE), Juliana Alba (Itz) e Sue Krsteli.

O BR135 recebeu quase 600 inscritos de todos os cantos do país. Para formar um conjunto representativo da cena e ao mesmo templo contemplar os objetivos do festival – fomentar o mercado da música independente, promover o intercâmbio de experiências, colocar o Maranhão no mapa dos festivais e fortalecer as ações fora do eixo Rio-SP – a comissão chegou aos dez nomes divulgados.

“Neste ano a curadoria buscou contemplar a diversidade, dando visibilidade à música feita nas periferias, à música negra, nordestina, dando voz às mulheres, à cena LGBTQ. Estamos vivendo uma revolução que envolve gênero, etnia, geografia e a força da nossa música está na reunião de diversos atores”, afirma Luciana Simões. “Importante destacar que essa representatividade foi contemplada com base na qualidade musical e na capacidade de dialogar com o público do festival, que é exigente”, completa Alê Muniz.

No que já se tornou uma tradição do BR135, cada uma das noites do festival será aberta por uma atração da cultura popular do Maranhão. O Tambor de Crioula de Mestre Leonardo vai dar a largada na quinta-feira e nas noites seguintes apresentam-se o Boi da Liberdade e o Boi do Maracanã. “Temos muito orgulho das nossas tradições e neste momento elas são ainda mais necessários porque reúnem arte e fé, as verdadeiras armas de que precisamos para resistir”, afirma Alê Muniz.
 
O BR135 mantém suas ações de fomento ao mercado da música em dois eixos principais: o da Música, que reúne shows de bandas locais e nacionais que se destacam no cenário independente, e o eixo Formação, contemplado nas atividades do Conecta Música, com oficinas, painéis, roda de conversa e rodadas de negócios. As principais atividades serão realizadas no Casarão Tech (Rua da Estrela).

O Mercado BR135 – Arte + Gastronomia, que reúne pequenos negócios, como bikefood, comércio de camisetas, cervejas artesanais e produtos ligados ao mundo da arte, será montado na Praça Gonçalves Dias, onde também será realizada uma programação de música com DJs locais. O palco, no coreto, vai reunir 15 DJs do Movimento Cidade Alta durante os três dias do evento.
 
Para ampliar o acesso de pessoas com dificuldade de locomoção e necessidades especiais, o BR135 contará com um espaço próximo ao palco, para que possam aproveitar os shows em segurança, além de  banheiros adaptados, com acesso por rampa. Além disso, toda a programação terá interpretação simultânea em libras e as informações do evento na internet contam com dispositivo de audiodescrição.

Conecta música, mercado & literatura

Nesta edição do BR 135 o Conecta Música coloca na pauta, entre outros temas, tendências e futuro das mídias de música, cultura e comportamento na internet, internacionalização de carreiras, direitos autorais e tem um painel especial sobre o Circuito Nordeste – A Revolução. Entre as ações formativas, está confirmado um workshop de tradução em libras.

Outro tema que está na pauta do Conecta é a presença feminina na música, poder e maternidade. E quem vai falar sobre o assunto é a cantora Céu em um bate-papo na tarde de sábado.

Além das atividades de fomento ao mercado da música, com a presença de produtores e representantes de eventos, o Conecta Música deste ano contempla a literatura em três ações especiais: o lançamento da biografia de Raul Seixas, do jornalista Jotabê Medeiros, a edição do programa Palavra Acesa, da jornalista Andréa Oliveira, que vai receber a cantora Xenia França para falar sobre sua relação com os livros, e a Feira de Livros usados na Praça Gonçalves Dias.

A rodada de negócios, que abre a programação, está marcada para o dia 28, às 14h. Participam da atividade, entre outros, representantes dos festivais Do Sol (RN),  Festival de Inverno de Garanhuns (PE) e Radioca (BA), além da agência Brazilian Música e Artes (SP) e da produtora Uhuu Manegement (EUA).

Imagem destacada: The Baggios, de Sergipe, será uma das atrações no BR135. Foto: Felipe Diniz

Festival da Comunicação Sindical e Popular vai levar exposições e aulas públicas para a Cinelândia

O Núcleo Piratininga de Comunicação (NPC) realiza no dia 19 de novembro de 2019, na Cinelândia (Rio de Janeiro), o 3º Festival da Comunicação Sindical e Popular. A ideia é levar para a rua a produção da imprensa sindical, popular e alternativa no Brasil desde a segunda metade do século XX.

O evento será uma feira da comunicação dos trabalhadores, com tudo organizado em barracas e exposto para quem estiver passando pelo Centro do Rio. O acervo do NPC e materiais de sindicatos e movimentos populares estarão expostos em barraquinhas em praça pública.

Ao longo do dia haverá rodas de conversa sobre mídia e poder com professores de Comunicação da UFRJ, UERJ, UFF, Rural, Facha e PUC, comunicadores populares e sindicalistas. Também participarão do evento representantes MST, CMP (Central dos Movimentos Populares), MCP (Movimento de Cultura Popular), MTST (Movimento dos Trabalhadores e Trabalhadoras Sem Teto), Ocupação Vito Giannotti, Pastoral de Favelas, Conselho Indigenista Missionário e jornal Vozes das Comunidades.

“É um momento muito importante. Vamos conversar com os trabalhadores e trabalhadoras que passam pelo Centro do Rio sobre a história das lutas do povo contadas pela nossa comunicação. Tragam cartilhas, revistas, jornais”, convidou a jornalista e coordenadora do NPC, Claudia Santiago.

Haverá transmissão ao vivo de programas de rádio e TV pela Internet.

A organização do evento pede que os sindicatos, associações, coletivos de comunicação e movimentos populares participem assumindo uma barraquinha para expor suas publicações.

As pessoas de fora do Rio de Janeiro podem enviar antecipadamente seus materiais que já encontrarão as barracas prontas. Se preferirem, podem montar assim que chegar no Rio. O hotel onde ficarão hospedados é na própria Cinelândia.

O NPC solicita aos participantes e a quem mais puder ajudar um apoio financeiro de qualquer valor para garantir toda a infraestrutura necessária: palco, som, barracas, iluminação e ajuda de custo aos artistas, mas a participação não está condicionada ao apoio financeiro.

Depósitos devem ser feitos na conta do Núcleo Piratininga de Comunicação:
CNPJ: 02.510.093/0001-20
Banco do Brasil
Agência: 3520-3
Conta: 63311-9

Informações
(21) 99628-5022 (zap) e 2220-5618.

Imagem destacada: Núcleo Piratininga de Comunicação / divulgação

Prorrogação! Festival Maranhão na Tela recebe inscrições até 20 de outubro

Um dos maiores festivais de cinema do estado será realizado de 1º a 9 de dezembro e ampliará mais uma vez sua abrangência para estados das regiões Norte e Meio-Norte

As inscrições para a competitiva e a rodada de negócios da 12ª edição do Festival Maranhão na Tela devem ser feitas pelo site (www.maranhaonatela.com.br) até o dia 20 de outubro. Poderão ser inscritos filmes e projetos dos nove estados das regiões Norte e Meio Norte. Para a mostra competitiva, as inscrições são gratuitas, enquanto que para as rodadas de negócios variam entre R$ 120,00 e R$ 100,00.  Pelo segundo ano consecutivo a mostra terá abrangêcia paras as regiões Norte e Meio Norte e a realização de um ambiente de mercado, o Maranhão na Tela LAB. O festival foi idealizado pela produtora Mavi Simão em 2006 e é realizado pela Mil Ciclos Filmes.

Identidade visual – A identidade visual da edição deste ano é de Silvana Mendes, escolhida por uma curadoria entre vários artistas inscritos. Graduanda em Artes Visuais pela Universidade Federal do Maranhão, ela desenvolve um trabalho que busca investigar o cotidiano e a subjetividade do comum, resignificando símbolos e visualidades através da fotografia e colagem digital ou manual. Silvana Mendes também utiliza em seus trabalhos e colagens dispositivos móveis para produção fotográfica, usando como suporte o lambe.

MARANHÃO NA TELA 2019 

De 1º a 9 de dezembro

Inscrições abertas até 20 de outubro

Realização: Mil Ciclos Filmes

Patrocínio: Oi, Minc/Ancine/FSA

Mais informações: assessoria de imprensa – 98 981791113

Festival Internacional de Violões será realizado em São Luís

Shows e masterclass com violonistas considerados referência no Brasil e no mundo tornam São Luís, de 22 a 26 de outubro, a capital brasileira do violão. A cidade vai sediar a primeira edição do Festival Internacional de Violão de São Luís (Fivis), que homenageia o grande maestro e compositor Heitor Villa-Lobos, no ano que completa 60 anos do seu falecimento.

Farão apresentações e masterclass durante o festival os violonistas Turíbio Santos (imagem destacada), Rogério Caetano (RJ), Gian Correa (SP), Alessandro Penezzi (SP) e a violonista Elodie Bouny (França). Do Maranhão integram a programação de shows os violonistas João Pedro Borges, Tiago Fernandes, Mano Lopes, Endro Fádell e Luiz Júnior. Haverá concertos também com as Orquestras de Violões de Teresina (PI) e da UEMA-EMEM (Universidade Estadual e Escola de Música do Maranhão).

Elodie Bouny

O Fivis, que é aberto ao público, ocorre no Centro Histórico de São Luís, sendo os shows no Convento das Mercês (de 24 a 26), começando às 19h, e as atividades de masterclass, acontecem na Escola de Música do Estado Maranhão Lilah Lisboa-EMEM (de 22 a 25), manhã e tarde. O evento na Escola de Música é aberto a violonistas e estudantes de violão, com inscrições prévias que podem ser realizadas até o dia 20 de outubro, no Convento das Mercês (no horário de expediente) e também pela internet, no endereço disponibilizado pela organização do festival.

Durante o Fivis será anunciado, para o ano 2020, o Concurso Internacional de Violão “Heitor Villa-Lobos”, para receber violonistas de todos os cantos do mundo e  homenagear  o maestro e compositor brasileiro que é considerado expoente da música erudita no país e suas peças são executadas no circuito dos mais prestigiados teatros europeus e americanos. O concurso terá a direção de Turíbio Santos.

João Pedro Borges

O idealizador e coordenador do Fivis, violonista Luiz Júnior Maranhão, explica que o projeto surge como forma de incentivo à difusão da prática do violão, contribuindo para a formação de plateia de apreciadores desse nobre instrumento; como meio de estudo e para fins profissionais, possibilitando à geração de emprego e renda e a valorização dos músicos maranhenses.

O festival tem o patrocínio do Mateus, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Governo do Maranhão/SECMA e o apoio da Prefeitura de São Luís e Restaurante Malagueta.

SHOWS

Considerado pela crítica e pelos especialistas como um dos maiores violonistas clássicos da atualidade, Turíbio Santos vai se apresentar no primeiro dia do Fivis (24). Instrumentista com carreira internacional, ele regravou a obra completa de Heitor Villa-Lobos para violão, em 1999, ao lado de compositores como Edino Krieger, Sérgio Barboza, Nicanor Teixeira, Chiquinha Gonzaga, E. Nazareth. Seus discos “12 Estudos para Violão de Heitor Villa-Lobos e Choro do Brasil” marcaram época no lançamento da música brasileira no mercado europeu. Comemorando seus 65 anos, em 2008, Turíbio Santos lançou seu 65º CD: “Mistura Brasileira”, com músicas autorais, de Villa-Lobos, Tom Jobim e de Ricardo Santos.

Gian Correa e Rogério Caetano

O primeiro dia do Fivis terá como atração internacional a violonista, compositora e professora de violão, Elodie Bouny, que nasceu em Caracas (Venezuela) e cresceu em Paris (Franca), onde estudou violão erudito nos conservatórios de Boulogne-Billancourt e de Estrasburgo. É mestre em Educação Musical e doutora em Processos Criativos e atualmente é professora de violão (Universidade de Juiz de Fora). Já se apresentou em inúmeros festivais nacionais e internacionais, ganhando várias premiações. Orquestrou diversas peças em parceria com o violonista brasileiro Yamandu Costa, produtor artístico do primeiro CD de Elodie Bouny, intitulado “Terra Adentro”.

Na sexta-feira (25), as atrações nacionais do Fivis são os violonistas Gian Correa (SP) e Rogério Caetano (RJ), com o duo de violão lançando o “Álbum 7”, em homenagem aos 100 anos do mestre Dino 7 Cordas. Em 2019, o álbum entrou na lista dos melhores discos do ano pelo Jornal Folha de São Paulo; foi indicado ao IMA (Independent Music Awards), em duas categorias Best instrumental Album e Best Tribute Album; e está indicado no Prêmio Profissionais da Música, nas categorias Artista Instrumental e Artista de Choro.

Alessandro Penezzi

Shows dos violonistas do Maranhão marcam o segundo dia do festival (24). Sobe ao palco nessa noite o consagrado instrumentista João Pedro Borges, que iniciou carreira internacional em 1973, ministrando cursos, conferências e concertos no continente Africano; realizou turnê pela Argentina e Paraguai, com Turíbio Santos; fez recital ao lado de Léo Brouwer, Turíbio Santos e Baden Powell (Martinica); além de disco gravado na França. Como solista foi pioneiro do disco independente gravando, em 1977, seu primeiro LP, com obras de Bach, Barrios e Villa-Lobos, seguido de “João Pedro Borges interpreta Cimarosa, Sanz, Sor, Giuliani, Albéniz e Granados” (1983); e da “Obra para Violão de Paulinho da Viola” (1985).

Orquestra de Violões de Teresina (PI)

A programação de sexta-feira (25) traz, ainda, o jovem virtuose do violão Endro Fádell, natural de Brasília (DF), mas morando em São Luís, onde é professor de violão erudito da Escola de Música do Maranhão. Formado em violão e pós-graduado em Educação Musical, na Escola de Música e Belas Artes do Paraná, traz na bagagem premiações em concursos de violão. Na mesma noite sobe ao palco do Fivis outro jovem violonista: Tiago Fernandes, graduado em música pela Universidade Federal do Maranhão e formado em violão pela EMEM, pesquisador da obra violonística de compositores maranhenses do século XX e idealizador do grupo ’Tiago Fernandes Trio’’.

Tiago Fernandes

A primeira edição do Fivis termina no sábado (26), com o show  do multi-instrumentista e compositor Alessandro Penezzi (SP). Formado em Música Popular pela Unicamp, ele  já realizou concertos  em mais de 17 países; atuou e gravou ao lado de artistas consagrados como Dominguinhos,  Hermeto Pascoal e Beth Carvalho, D. Ivone Lara, além de orquestras como Jazz Sinfônica de São Paulo e Sinfônica de Londres. Tem vários discos gravados, entre eles  Abismo de rosas (2001) e  Velha Amizade (2015).  

Antes do paulista Penezzi, quem faz show para o público do Fivis no sábado (26) são outros dois violonistas do Maranhão, em apresentações solos. Mano Lopes, também cantor e compositor, é graduando do curso de Música da UEMA, professor de violão e educador musical em escolas da rede pública. Luiz Júnior, com seu violão 7 cordas, já  percorreu o mundo apresentando seu trabalho, em países como Grécia, Alemanha, Inglaterra e China. Filho e neto de músicos piauienses,  seu envolvimento com a música vem desde os oito anos e sua carreira profissional começou aos 14 anos;  estudou violão na  Escola de Música do Maranhão e no Conservatório Souza Lima (SP) e está concluindo o curso de música na UFMA. Como violonista, foi vencedor de 10 edições do Prêmio Universidade FM (UFMA), tem um CD instrumental gravado;  integra o  grupo de choro Tira Teima; além de ser produtor e diretor musical.

A abertura e o encerramento do Fivis serão marcados também pelas apresentações de orquestras. No primeiro dia (24) o público vai assistir ao concerto da Orquestra de Violões da UEMA-EMEM, formada por alunos e ex-alunos da Escola de Música do Estado e do Curso de Música da Universidade Estadual do Maranhão. O grupo interpreta obras que vão do renascimento à contemporaneidade, transitando entre o erudito e o popular. No sábado (26) abre a programação da noite do festival a Orquestra de Violões de Teresina (PI), com 13 integrantes, alunos e professores do Projeto Violão na Escola, realizado pela Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves (FMC), com o apoio da Prefeitura de Teresina

Festival BR135 celebra a música brasileira no Maranhão

Evento chega ao 7º ano de realização consolidado como um dos mais importantes festivais de música independente do país; edição 2018 reúne Zeca Baleiro, Patrick Tor4, Rubel, Tássia Reis, Maglore, Academia da Berlinda e mais 12 selecionados

O maior festival de música e mercado do Maranhão está para começar. Dias 29 e 30 de novembro e 1º de dezembro, o BR135 volta a ocupar o centro histórico da capital maranhense com um poderoso painel de sonoridades nos palcos, atividades formativas, rodada de negócios e mercado de arte e gastronomia. Sob o comando da dupla Criolina, formada por Alê Muniz e Luciana Simões, a festa reúne os artistas convidados Zeca Baleiro (MA), Rubel (RJ), Tássia Reis (SP), Maglore (BA) e Academia da Berlinda (PE), além de 12 bandas selecionadas (ver quadro) entre mais de 300 inscritas de todo país, nos palcos das praças Nauro Machado e do Reggae.

No que já se tornou uma tradição do BR135, cada uma das noites do festival será aberta por uma atração da cultura popular do Maranhão. A Família Menezes faz o ritual de abertura dos trabalhos com Cânticos e Toques Sagrados, na quinta-feira, 29. O Tambor de Crioula de Mestre Felipe e o Boi de Santa Fé apresentam-se na sexta e no sábado, respectivamente. “Temos muito orgulho das nossas tradições e acreditamos na força desses rituais. Neste momento eles são ainda mais necessários porque reúnem arte e fé, as verdadeiras armas de que precisamos para resistir”, afirma Alê Muniz.

BR135 mantém suas ações de fomento ao mercado da música em dois eixos principais: Shows de bandas locais e nacionais que se destacam no cenário da música independente e o eixo Formação, contemplado nas atividades do Conecta Música, com oficinas, painéis, rodas de conversa e rodadas de negócios. Essas atividades serão realizadas no Casarão Tech e na Casa do Tambor de Crioula (ambos na Rua da Estrela). O projeto BR135, que inclui o Conecta Música, foi aprovado pela Lei Estadual de Incentivo à Cultura da Secretaria de Estado da Cultura e têm patrocínio da Budweiser.

Como espaço de troca de saberes e tecnologias, esta edição reúne os temas imaginário popular, inovação e tecnologias no contexto da economia criativa e suas estratégias de resistência por meio da arte. Está confirmada a presença de representantes dos mais importantes festivais de música independente do país, como o Festival de Inverno de Garanhuns (PE), Psicodália (SC) e Porto Musical (PE), do Centro Cultural Dragão do Mar (CE) e Casa da Música (Portugal) e também jornalistas das rádios Sul América –  Faro MPB (RJ), Frei Caneca (PE), plataforma Catraca Livre e do site Hypeness. Entre os convidados estão João Severo, do Uhuuu! Music Management (NY), Verônica Pessoa, do Janela Aceleradora Natura Musical, e Luciana Adão, da Oi Futuro (RJ).

“Essas ações conectam-se com o que acontece nos palcos e traduzem o espírito do BR135, que é fomentar o mercado da música, promover o intercâmbio de experiências e mostrar a cena rica e diversificada da música independente que se faz no Maranhão”, diz Luciana Simões. “Além disso, o fato de todas as ações serem realizadas na Praia Grande reafirma o compromisso que temos de ocupar o centro histórico da cidade, que é o nosso lugar de pertencimento, onde estão fincados os valores de nossa cultura: para nós o palco é a rua, espaço de todos”, completa.

Ainda no eixo de shows o evento conta com a programação da Kombi Music, palco aberto montado na área da Vida é Uma Festa (Beco dos Catraeiros), na sexta, dia 30, e de um espaço para a música eletrônica na Escadaria do Giz, com o coletivo de DJs Meludo – Movimento Eletrônico Ludovicense, durante os três dias do evento.

Na Praça da Casa do Maranhão será montado o Mercado BR135 – Arte + Gastronomia, que reúne pequenos negócios, como foodtruck, bikefood, comércio de camisetas, cervejas artesanais e produtos ligados ao mundo da arte. O lounge ambientado com móveis produzidos a partir de pallets, fruto de parceria com o REDLAB – Laboratório de Design e Arquitetura da Universidade CEUMA, está garantido nesta edição.

Para ampliar o acesso de pessoas com dificuldade de locomoção, o BR135 contará com um espaço destinado a essas pessoas, próximo ao palco da Praça Nauro Machado, para que possam aproveitar os shows em segurança, além de um banheiro adaptado, com acesso por rampa. Além disso, toda a programação dos palcos principais terá interpretação simultânea em libras e as informações do evento na internet contam com dispositivo de audiodescrição.

A programação completa está disponibilizada no site www.festivalbr135.com.br e também vem sendo divulgada nas redes sociais oficiais do evento.

FESTIVAL BR135

Com shows de Zeca Baleiro (MA), Rubel (RJ), Tássia Reis (SP), Maglore (BA) e Academia da Berlinda (PE), além de 12 bandas selecionadas

Quando: 29 e 30/11 e 1º/12

Onde: Praia Grande (centro histórico de São Luís)

Programação completa: www.festivalbr135.com.br

TODAS AS ATIVIDADES SÃO GRATUITAS

Mais informações: Assessoria de imprensa 9 81791113

 

PALCO NAURO MACHADO

 

29/11 – QUINTA

30/11 – SEXTA

1º/12 – SÁBADO

Família Menezes – Cânticos e Toques Sagrados (MA)

Tambor de Crioula de Mestre Felipe (MA)

Boi de Santa Fé (MA)

Cantautores – Sfânio, Lucas Ló e Regiane (MA)

Boys Bad News (MA)

Afrôs (MA)

Guitarrada das Manas (PA)

Ornitorrincos do Sertão Turu (MA)

Núbia (MA)

DJ Patrick Tor4 (PE)

Rubel (RJ)

Maglore (BA)

Zeca Baleiro (MA)

Tássia Reis  (SP)

Academia da Berlinda (PE)

                    PRAÇA DO REGGAE

30/11 – SEXTA

1º/12 – SÁBADO

Gugs (MA)

A Cuscuzeira (MA)

Paulão (MA)

Tiago Máci (MA)

Casaloca (MA)

Getúlio Abelha (CE)

Fonte: Assessoria de Comunicação BR135

Imagem / divulgação: Academia da Berlinda será uma das atrações.

Liberdade realiza festival e busca reconhecimento de quilombo urbano junto ao MinC

A concepção de território é o ponto de partida para entender a proposta pedagógica do 3° Festival de Belezas Negras da Liberdade Quilombola, evento político e cultural que terá uma vasta programação com 17 atividades, na semana de 20 a 25 de novembro, em diversos pontos de São Luís.

O evento é organizado pelo Centro de Integração Sociocultural Aprendiz do Futuro (Cisaf), uma associação civil, sem fins lucrativos, de caráter educacional, cultural e beneficente.

Com o tema “Enfrentando o racismo com arte” e o lema “Racismo: eu sinto na pele”, a terceira edição do festival tem como foco o reconhecimento do território Liberdade como quilombo urbano, reivindicação que vem amadurecendo entre as lideranças dos movimentos sociais, produtores culturais e os moradores desta importante região na capital maranhense, erguida às margens do rio Anil, compreendendo os bairros Liberdade, Fé em Deus, Camboa, Diamante e adjacências.

Durante a programação, que terá palestras, rodas de conversa, oficinas, ações educativo-culturais e apresentações artísticas, o 3° Festival de Belezas Negras da Liberdade Quilombola visa reforçar o sentimento de território entre os moradores, visto que a Liberdade e os bairros vizinhos já são considerados, no conjunto, um dos maiores quilombos urbanos do Brasil, devido às marcantes características africanas presentes na sua população de aproximadamente 160 mil pessoas.

A proposta de realização do 3° Festival de Belezas Negras da Liberdade Quilombola é problematizar questões de cunho racial, com atividades preparadas para debater sobre as formas de enfrentamento do racismo e a construção de uma identidade quilombola, resgatando a ancestralidade da população negra do território.

Para obter o reconhecimento oficial de quilombo urbano, o trâmite formal passa pela certificação da Fundação Cultural Palmares, entidade vinculada ao Ministério da Cultura (MinC).

Uma das atividades do festival será a audiência pública na Câmara dos Vereadores. As lideranças e os moradores da Liberdade e adjacências pretendem sensibilizar os parlamentares municipais sobre o reconhecimento do território como quilombo urbano.

A transformação do território em quilombo urbano vai permitir a conquista de políticas públicas para a infraestrutura, geração de empregos e renda, moradia, esporte e lazer fundamentais para atender uma expressiva população de São Luís, dotando-a de melhores condições para trabalhar, qualificar, elevar a autoestima, reforçar laços de identidade e construir a cidadania.

Segundo a organização do 3° Festival de Belezas Negras da Liberdade Quilombola, o evento é uma afirmação de diversidade e valorização do quilombo urbano no intuito de reforçar a construção de uma identidade positiva desta população que, historicamente, foi e é desvalorizada por causa do seu tom de pele.

Saiba mais sobre o festival ouvindo aqui a entrevista dos organizadores do evento, Raquel Santos Almeida e Maykon Lopes. Eles foram entrevistados no Jornal Tambor.

Com informações do Blog Buliçoso