Conecta Música 2020 grava single e faz registro audiovisual de seis artistas maranhenses

Afrôs, Butantan, Hugo Gugs, Regiane Araújo, The Caldo de Cana e Pantera Bla4ck foram os selecionados. Lançamento será dia 18, nas plataformas digitais e no Chão SLZ, Praia Grande.

O Conecta Música 2020, ação do Festival BR 135, selecionou neste ano seis projetos musicais maranhenses e cada contemplado está levando um pacote de oportunidades: a gravação de um single, sessão de fotos e registro audiovisual. As gravações estão sendo feitas no estúdio Black Room, o registro em vídeo, no Mavam (Museu Audio Visual do Maranhão) e o ensaio fotográfico tem direção de Layla Razzo.

O lançamento está marcado para o dia 18, pelas redes sociais do festival, além de Spotify e Youtube. Está previsto também um encontro presencial no espaço Chão SLZ, na Praia Grande, para a exibição do material audiovisual gravado com os artistas nas duas últimas semanas.  

Em atenção às medidas de prevenção e enfrentamento impostas pela pandemia do novo coronavirus, o Festival BR135 precisou se ajustar. Por isso, neste ano o festival tem um formato diferente dos anos anteriores. “A forma possível foi por meio do Conecta Música, dentro do nosso propósito de dar visibilidade à produção local. Estamos dando oportunidade a alguns artistas de gravar pela primeira vez”, afirma a cantora e compositora Luciana Simões.

“Estamos tomando todos os cuidados para prevenção à covid-19: os selecionados estão tendo contato apenas com os profissionais do estúdio e cumprindo todos os protocolos de saúde e segurança”, afirma Alê Muniz.

O Conecta Música 2020 é uma realização do BR135, projeto da dupla Criolina, formada pelos músicos Alê Muniz e Luciana Simões, viabilizado pela Lei Aldir Blanc no Maranhão.

CONECTA MÚSICA 2020

Lançamento dia 18 de dezembro

Chão SLZ, a partir das 18h

Rua do Giz, Praia Grande, em frente à Praça Valdelino Cécio

E em todas as plataformas digitais

PERFIL DAS BANDAS SELECIONADAS

Afrôs – Banda autoral que há 12 anos utiliza sonoridades percussivas da cultura afrodiaspórica e ameríndia, em diálogo com riffs de guitarra, violão e grooves do contrabaixo. Seus shows são marcados pela presença de mulheres na linha de frente, pelas intervenções cênicas e por uma composição autoral que traz como registro a relação com a ancestralidade, o imaginário mítico e popular da cultura brasileira, a potência do feminino e as manifestações culturais do Maranhão. No repertório, referências rítmicas e imagéticas de manifestações como o Bumba-meu-boi, Maculelê, Cacuriá, Tambor de Mina, Tambor de Crioula, Salsa, Coco, Maracatu e Afoxé, embalando uma poética que canta as divindades femininas, as ancestralidades negras e indígenas e as mulheres como referências de luta e resistência. A banda tocou em grandes palcos de teatros e festivais pelo Brasil, como o Festival BR 135, Lençóis Jazz e Blues Festival, além da Feira da Música do Ceará, Fundição Progresso no RJ, e nos Centros Culturais do Banco do Nordeste. O grupo desenvolve ações de impacto sócio-cultural para além dos shows, como o projeto Eita Piquena Arteira!, um evento anual de formação e apresentação artística com mestras do saber e mulheres artistas de São Luís, além deparcerias com o Museu Histórico Artístico do Maranhão, LABORARTE, ONG NAVE, SESC, CCBNB, Instituto Gênesis/PUC-RJ, Oi Futuro, SEMU (Secretaria da Mulher- MA), Coletivos feministas e LGBTQIA da cidade de São Luís.

Butantan – Artista queer maranhense, cujo hit autoral B.O.Y, de 2017, já acumula quase 1 MILHÃO de streams em todas as plataformas digitais. O videoclipe da música venceu o prêmio especial do Júri no Festival Maranhão na Tela, foi transmitido nacionalmente em emissoras como MTV, Multishow e Canal Bis, além de ser pré-indicado a categoria Experimente do Prêmio Multishow e vencer o prêmio de Melhor Música do Ano no Prêmio Eu Faço a Diferenca.  Butantan foi eleita em 2018 a DRAG DO ANO por votação popular (Prêmio Eu Faço a Diferença) e atua desde 2015 como performer, tendo consquistado o público com irreverência, ousadia e uma mistura de ritmos, que vai do hip hop ao tecnobrega. Ganhou destaque nacional em portais como PopLine, PapelPop, RedBull, Noize, Rolling Stones e programas de TV e jornais do país, e arrastou multidões pelas ruas de São Luís nos carnavais de 2017, 2018 e 2020 com o Bloco Queer. Durante o período, lançou mais três sucessos: Kero Ver, Sarrar, e Somos Queer e comandou grandes palcos, como o trio da Uber na Parada LGBT de SP, o São João da Thay, Aldeia Sesc Guajajaras e Pátio Aberto do Centro Cultural da Vale. Butantan acumula atualmente dezenas de milhares de ouvintes e seguidores no Spotify e Instagram, além de contabilizar mais de 396.476 visualizações no Youtube.

Regiane Araújo – Iniciou seu contato com a música aos sete anos através de grupos musicais infantis da igreja.  Com 19 passou a escrever suas primeiras canções e aquilo que se limitava apenas a ambientes informais e religiosos, passou a conquistar outros espaços em eventos culturais na universidade, aberturas de shows em teatros, além de começar a trabalhar profissionalmente como cantora nas noites de São Luís. Em 2014 lançou duas canções autorais chamadas Tuas Lagrimas e Tudo Muda. Esta ganhou o segundo lugar de melhor música autoral do Maranhão no festival Made in Slz, do Amsterdam Music Pub. Em 2017 lançou seu primeiro EP –  Vista-nos – influenciado por diferentes estilos musicais como o Jazz Folk, MPB, novo MPB, Pop e Reggae. A cantora é conhecida dos internautas por viralizar suas interpretações cover no Facebook, Instagram, Twitter e WhatsApp. Regiane Araújo é também reconhecida como uma das grandes vozes da cena do Reggae no Maranhão. Em 2019, viralizou uma apresentação ao lado da banda maranhense Raiz Tribal, cantando a faixa Blessing, da jamaicana Etana. Neste mesmo ano, além de ser convidada a dividir o palco do Resistência Reggae, um dos maiores eventos de Reggae do Maranhão, com a banda Raiz Tribal e o Jamaicano Vernon Maytone, foi convidada pelo Festival BR 135 para interpretar clássicos do reggae com a Orquestra Maranhense de Reggae. Em 2020, lançou no dia 11 de setembro seu primeiro single em reggae chamado Tirem as Cercas.

Hugo Gugs – Rapper e produtor maranhense inspirado pelo rap clássico da década de 90 e que produz dentro das novas vertentes como o Trap, Drill e Grime, trazendo em seu trabalho o peso das suas vivências e a força da sua ancestralidade. Gugs já fez shows com grandes nomes do rap nacional como Racionais MC’s, MV Bill, Dexter, Djonga, Filipe Ret, Karol Konka, Síntese, Orochi etc. Com oito clipes já lançados e premiações de melhor cantor pelo site Volts, o artista lança este ano o álbum “O Beco”.

The Caldo de Cana – Um encontro entre ritmos regionais e beats eletrônicos marcam a trajetória do The Caldo de Cana, duo musical criado em 2017 pelos músicos maranhenses Benedicto Lima e Felipe Costa Cruz.Inspirados por sonoridades regionais, a dupla está perto de lançar seu primeiro álbum de estúdio, Carcará de duas cabeças.Antes, porém, lançou os singles Você me usou” e Aliciando, gravado na CASA LOCA, com produção de Adnon Soares, já disponíveis nas principais plataformas musicais. As composições ganharam um tom envolvente que reforça a proposta pensada pela dupla. Adotando o estilo Afrorróbaioquebeat, criado pelos dois – uma mistura que vai do afrobeat ao forró, passando pelo baião e ritmos caribenhos, com espaço ainda para o folk, xaxado, brega, bolero e a techno-embolada –, os primeiros singles resumem bem a alma do projeto, criando uma energia para uma grande festa. O som da The Caldo de Cana é essencialmente regional. Forró, baião, brega e xaxado, ora abordados de forma tradicional, ora cheios de experimentações ‘tropicodélicas’ e delírios sonoros diversos. Em 2020, a dupla esteve entre os 200 trabalhos selecionados, entre mais de 12 mil trabalhos inscritos, no segundo edital da série Arte como respiro: múltiplos editais de emergência, do Itaú Cultural.  

Pantera Bl4ck – O primeiro contato com batalha de hip hop foi em 2015, como expectadora na Batalha Deodoro. A ausência das mulheres naquela época era notória, uma das poucas referências foi Preta Lu, integrante do grupo Clã Nordestino que a incentivou muito. Pantera era a única mulher participante e com seu estilo autêntico foi ganhando espaço e se destacando nas batalhas da cidade e sempre dando voz para as questões sociais. Em 2017, tornou-se integrante do coletivo Ilha Clan e começou a escrever e gravar músicas. No ano seguinte já apresentava seu trabalho solo e marcava presença nos movimentos de cultura negra da ilha. Participou de show com a cantora Núbia e no ano seguinte recebeu convite para participar do grupo Criola Beat. Sentiu-se à vontade em expressar sua voz e gravou a música que abre a Mixtape Vol.02, além de participar de vários shows com o grupo. Ano passado, 2019, fez uma participação no novo álbum de Tiago Maci, Amor Delivery. Atualmente está trabalhando em sua primeira mixtape, produzida pelo studio Casaloca, que será lançada em 2021.

Imagem destacada / banda Afros / divulgação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *