Sobre amigos e princesas

Eloy Melonio é professor, escritor, poeta e compositor

Se o dengoso sambista Martinho da Vila cantou as suas musas (“Já tive mulheres de todas as cores”), eu também quero cantar os nossos melhores amigos. Porque com eles, — como dizia o pernambucano Gilberto (participante do BBB-2021) — nosso dia a dia se transformou numa verdadeira “cachorrada”. E, nesse caso, o termo em destaque pode ser tomado em sua acepção literal.

Há muito ouço dizer que “o cão é o melhor amigo do homem”. E, ao longo do caminho, pude comprovar que essa máxima faz todo o sentido.

Hoje, esses amigos são mais chegados do que nunca. Também são mais cuidados, mais valorizados. Ganharam nome internacional e já dispõem de um sem-número de facilidades (clínicas, hospitais, hotéis). E não vai demorar muito, estarão cheios de direitos. Em deveres, por enquanto, não se fala…

Revivendo uma situação que já me foi peculiar, eis que de repente — “nossos amigos” surgiram como uma onda gigante que quebra na praia. E aí, achamo-nos cercados de “pets” por todos os lados. Digo “nós” porque falo da minha família e parentes mais próximos. Esses novos amiguinhos chegaram quase ao mesmo tempo em nossas vidas. Daí em diante, só festa, só alegria.

Nossas princesas são, por ordem de idade, a Hope, a Nina, a Fany e a Zoey. Quatro cadelinhas que valem por uma boiada. E, quando se encontram, a festa vira mesmo é uma “cachorrada”.

Tudo começou em plena pandemia, no segundo semestre de 2020, quase simultaneamente. As “figurinhas” aportaram em quatro lares (duas casas e dois apartamentos). Cada uma com sua carinha de sapeca, com sua raça, com sua graça e nobreza. E, principalmente, com suas manias e traquinagens.

Sempre tive animais em casa. Inicialmente, de guarda. Só mais recentemente concebi-os como pets, no sentido estrito desse charmoso termo. Dos primeiros, guardo as melhores recordações. Porque marcaram seu território com coragem e — sem nenhum exagero — com muito barulho e peraltice.

Dos pioneiros, seus nomes podem dar uma ideia de suas características: Buck Rogers, Capeto, Lassie, Penélope. Mais tarde, — cada um a seu tempo — Foguinho, Capitão, Cindy, Barão, Kika e Minie. E, agora, a super charmosa Fany.

O mundo dos pets é um mundo de afetos e cuidados. Mundo de alegrias. E o mais importante: de amizade sincera. Um mundo que cabe dentro das nossas casas, dos nossos corações. E que, às vezes, dói um pouquinho no bolso.

É tanto encanto que já cheguei a sonhar com um show dos Pet Shop Boys só para eles e seus donos. Nesse caso, eu, minha família e meus parentes (hehehe).

Do mundo dos sonhos para a realidade: existem eventos especialmente pensados para os pets. Não exclusivos, é óbvio, porque os bichinhos precisam de acompanhantes. Entre eles, a Cãominhada, um desfile de moda e beleza, organizado por uma pet shop de nossa cidade. O mais interessante é que, enquanto seus donos ou condutores (dog walkers) se esforçam para “chamar a atenção”, eles não estão nem aí para essa coisa de “roupinhas e pelos estilizados”. O que querem mesmo é “curtir” essa tão inusitada pet-loucura.

Nos grupos de conversa na Internet, eles são os protagonistas. Quando voltam da tosa e do banho, sessão de fotos para as redes sociais. Alguns pets têm até Instagram, com milhares (e até milhões!) de seguidores. Mas do que gostam mesmo é das brincadeiras e das provocações. A Fany, por exemplo, sente-se uma verdadeira Brooke Shields em sua lagoa azul quando se apodera da minha almofada sobre o sofá. Exatamente na hora em que quero assistir ao JN. E ai de quem tentar tirá-la de lá.

Não há limite para tanta reciprocidade de carinho e amizade. Mesmo assim insisto em citar algumas do meu povo: “É uma companheira”; “Nosso pacotinho de amor”; “Mudou a rotina de todos nós”; “Mesmo que vc brigue com ela, basta um sinal e ela já se derrete toda”.

Nesse cenário festivo, vez por outra, a dor também se manifesta. Recentemente um amigo me ligou para dar uma notícia triste, apesar de já esperada. Com voz embargada, quase não conseguia dizer: “Petrucci não resistiu”.

Verdade seja dita: vida de dono de pet não é só alegria e diversão. Também há “o cão que o diabo enganou” (fuga, doença, morte).

Não sei se já existe, mas (em caso negativo) não vai tardar para criarem o Dia do Pet ou PET DAY (em inglês, para ficar mais chamativo). Se minha previsão se concretizar, nosso país — que já parou para ver o desfile militar de 7 de setembro — então vai parar para ver o desfile dos pets.

E aí, nossas cadelinhas serão, verdadeiramente, nossas mais preciosas princesas.

Imagem destacada / Mensário das quatro cadelinhas de minha família. Da esquerda para a direita: Maureen, com sua Zoey; Stephanie, com sua Hope; Alicia, com sua Fany; e Maria Beatriz, com sua Nina

Luto no Apeadouro: pandemia leva vizinhos históricos do bairro

O bairro do Apeadouro, um dos mais tradicionais de São Luís, perdeu hoje o aposentado José Braga Cantanhede, o popular “Caju” ou “Seu Braga”, aos 87 anos de idade.

Morador da rua Sousândade, era um assíduo leitor de jornal impresso e ouvinte de rádio AM, flamenguista roxo e torcedor do Maranhão Atlético Clube, o MAC, em São Luís.

“Seu Braga” era leitor assíduo de jornais e admirava a “Coluna do Sarney”

“Seu Braga” trabalhou durante muito tempo na Oleama (Oleaginosas Maranhense SA). Deixa filhos, esposa, netos e uma saudade imensa.

Um dos seus assuntos prediletos era a política. Antes da pandemia, foi entrevistado pelo repórter Thiago Bastos, do jornal O Estado do Maranhão, para a produção de uma das suas belas reportagens especiais sobre memórias de São Luís.

A família Braga é muito querida no Apeadouro, território afetivo de São Luís, visitado em 2020 para uma das produções do teatro multimídia “Pão com Ovo”. Durante o bate-papo com os moradores, os artistas conheceram “Seu Braga” ou “Caju” e o primogênito José Braga Cantanhede Filho, o também popular “Braga” ou “Braguinha”.

A pandemia covid19 já fez várias vítimas no bairro. No primeiro semestre do ano passado faleceram, na mesma rua Sousândrade, o querido casal Norberto Guimarães (89 anos) e Maria da Conceição Ferreira Guimarães (89 anos), muito conhecidos, respectivamente, como ‘O Bala” e “Dona Cocota”, moradores lendários que deixam filhos e netos com raízes no Apeadouro.

Dona Cocota e “O Bala”, duas lendas no Apeadouro

Perdemos também Terezinha de Jesus Coutinho, aos 82 anos, uma das moradoras igualmente querida e antiga, ainda com familiares morando na mesma rua.

Terezinha Coutinho deixa saudades

Todos os óbitos mencionados acima foram por covid19 de moradores da mesma rua Sousândrade.

Em janeiro de 2020 foi a óbito a minha mãe, Terezinha Ferreira Araújo, aos 89 anos. Ela não foi vítima de covid19, mas era uma das residentes mais antigas do bairro, na famosa Sousândade, juntamente com meu pai, Raimundo Nonato Araújo, falecido em 2002.

Em outras vias do bairro tivemos perdas muito sentidas. Nas ruas Astolfo Marques e Manoel da Nóbrega perdemos “Zé do Bar”, proprietário de um dos botecos mais frequentados no bairro e ainda hoje em funcionamento.

A pandemia covid19 tem sido devastadora no Apeadouro, ficando nas nossas lembranças os bons tempos da convivência que atravessaram a infância, juventude, maturidade e as atualidades tristes.

Terezinha Araújo e “Dona Cocota”, amizade da vida inteira, agora no céu

Vamos rezar pelos entes queridos perdidos e pedir mais proteção, saúde e esperança de reencontro para que possamos nos encontrar quando tudo isso passar.

Leia mais sobre o Apeadouro aqui, aqui e aqui.

Imagem destacada: turma do Apeadouro na porta da antiga quitanda do Bala. Na sequência da esquerda para a direita: Bala, Eduardo, Maria, Cocota, Neilma, Ernildo, Solange, dona Silvia, Apolo e Lady Laura. Ao fundo: Benigno, Gugu, Guimarães e Danilo.