Sobre amigos e princesas

Eloy Melonio é professor, escritor, poeta e compositor

Se o dengoso sambista Martinho da Vila cantou as suas musas (“Já tive mulheres de todas as cores”), eu também quero cantar os nossos melhores amigos. Porque com eles, — como dizia o pernambucano Gilberto (participante do BBB-2021) — nosso dia a dia se transformou numa verdadeira “cachorrada”. E, nesse caso, o termo em destaque pode ser tomado em sua acepção literal.

Há muito ouço dizer que “o cão é o melhor amigo do homem”. E, ao longo do caminho, pude comprovar que essa máxima faz todo o sentido.

Hoje, esses amigos são mais chegados do que nunca. Também são mais cuidados, mais valorizados. Ganharam nome internacional e já dispõem de um sem-número de facilidades (clínicas, hospitais, hotéis). E não vai demorar muito, estarão cheios de direitos. Em deveres, por enquanto, não se fala…

Revivendo uma situação que já me foi peculiar, eis que de repente — “nossos amigos” surgiram como uma onda gigante que quebra na praia. E aí, achamo-nos cercados de “pets” por todos os lados. Digo “nós” porque falo da minha família e parentes mais próximos. Esses novos amiguinhos chegaram quase ao mesmo tempo em nossas vidas. Daí em diante, só festa, só alegria.

Nossas princesas são, por ordem de idade, a Hope, a Nina, a Fany e a Zoey. Quatro cadelinhas que valem por uma boiada. E, quando se encontram, a festa vira mesmo é uma “cachorrada”.

Tudo começou em plena pandemia, no segundo semestre de 2020, quase simultaneamente. As “figurinhas” aportaram em quatro lares (duas casas e dois apartamentos). Cada uma com sua carinha de sapeca, com sua raça, com sua graça e nobreza. E, principalmente, com suas manias e traquinagens.

Sempre tive animais em casa. Inicialmente, de guarda. Só mais recentemente concebi-os como pets, no sentido estrito desse charmoso termo. Dos primeiros, guardo as melhores recordações. Porque marcaram seu território com coragem e — sem nenhum exagero — com muito barulho e peraltice.

Dos pioneiros, seus nomes podem dar uma ideia de suas características: Buck Rogers, Capeto, Lassie, Penélope. Mais tarde, — cada um a seu tempo — Foguinho, Capitão, Cindy, Barão, Kika e Minie. E, agora, a super charmosa Fany.

O mundo dos pets é um mundo de afetos e cuidados. Mundo de alegrias. E o mais importante: de amizade sincera. Um mundo que cabe dentro das nossas casas, dos nossos corações. E que, às vezes, dói um pouquinho no bolso.

É tanto encanto que já cheguei a sonhar com um show dos Pet Shop Boys só para eles e seus donos. Nesse caso, eu, minha família e meus parentes (hehehe).

Do mundo dos sonhos para a realidade: existem eventos especialmente pensados para os pets. Não exclusivos, é óbvio, porque os bichinhos precisam de acompanhantes. Entre eles, a Cãominhada, um desfile de moda e beleza, organizado por uma pet shop de nossa cidade. O mais interessante é que, enquanto seus donos ou condutores (dog walkers) se esforçam para “chamar a atenção”, eles não estão nem aí para essa coisa de “roupinhas e pelos estilizados”. O que querem mesmo é “curtir” essa tão inusitada pet-loucura.

Nos grupos de conversa na Internet, eles são os protagonistas. Quando voltam da tosa e do banho, sessão de fotos para as redes sociais. Alguns pets têm até Instagram, com milhares (e até milhões!) de seguidores. Mas do que gostam mesmo é das brincadeiras e das provocações. A Fany, por exemplo, sente-se uma verdadeira Brooke Shields em sua lagoa azul quando se apodera da minha almofada sobre o sofá. Exatamente na hora em que quero assistir ao JN. E ai de quem tentar tirá-la de lá.

Não há limite para tanta reciprocidade de carinho e amizade. Mesmo assim insisto em citar algumas do meu povo: “É uma companheira”; “Nosso pacotinho de amor”; “Mudou a rotina de todos nós”; “Mesmo que vc brigue com ela, basta um sinal e ela já se derrete toda”.

Nesse cenário festivo, vez por outra, a dor também se manifesta. Recentemente um amigo me ligou para dar uma notícia triste, apesar de já esperada. Com voz embargada, quase não conseguia dizer: “Petrucci não resistiu”.

Verdade seja dita: vida de dono de pet não é só alegria e diversão. Também há “o cão que o diabo enganou” (fuga, doença, morte).

Não sei se já existe, mas (em caso negativo) não vai tardar para criarem o Dia do Pet ou PET DAY (em inglês, para ficar mais chamativo). Se minha previsão se concretizar, nosso país — que já parou para ver o desfile militar de 7 de setembro — então vai parar para ver o desfile dos pets.

E aí, nossas cadelinhas serão, verdadeiramente, nossas mais preciosas princesas.

Imagem destacada / Mensário das quatro cadelinhas de minha família. Da esquerda para a direita: Maureen, com sua Zoey; Stephanie, com sua Hope; Alicia, com sua Fany; e Maria Beatriz, com sua Nina

Os cachorros da era Bolsonaro & Guedes

Os efeitos agressivos da política econômica liderada por Paulo Guedes são percebidos de várias maneiras na vida comum das pessoas e dos bichos. Basta observar como estão os cachorros nas periferias das cidades e na zona rural: tristes e esqueléticos.

Quando o pobre comia carne, os cachorros roíam os ossos. Essa síntese traduz a importância do programa de segurança alimentar e nutricional implantado nas últimas duas décadas, que proporcionou a inclusão de milhões de brasileiros em padrões civilizatórios.

Fazer três refeições por dia, comer proteína, beber leite, ter direito a uma sobremesa de goiabada e levar a família a um restaurante uma vez por mês passaram a fazer parte da vida dos mais pobres. Os cachorros e as galinhas nos quintais saboreavam as sobras da comida farta na mesa do povo.

Uma série de políticas transversais viabilizou a chegada do capitalismo aos grotões. O dinheiro do Bolsa Família aqueceu a microeconomia no Brasil profundo. O Luz para Todos proporcionou um insumo fundamental – energia – para os pequenos e médios produtores e ao comércio.

Assim, o dono da quitanda na zona rural comprou o sonhado freezer para armazenar carne, leite e outros produtos porque havia consumo. Esses princípios básicos da economia fizeram girar a roda da indústria e dos transportes vinculados ao comércio de bens e serviços.

Os cachorros também foram beneficiários dos programas sociais com as sobras da mesa farta do povo.

Dessa forma, a prosperidade chegava ao Brasil profundo.

Mas, o preconceito de classe das elites nacionais, submissas ao capital internacional, impediram a escalada de desenvolvimento humano vivenciada no Brasil.

O golpe de 2016 e na sequência a radicalização do modelo ultraliberal, sob a chibata de Paulo Guedes, decretaram guerra aos direitos trabalhistas, à previdência e o extermínio da assistência social.

Somado ao preconceito, o ódio disseminado nos meios de comunicação e nas redes sociais tratou de estigmatizar o Bolsa Família como esmola aos pobres parasitas ou um programa de inspiração comunista (!).

De maneira subliminar, esse discurso já vinha sendo fartamente pronunciado pela boca de personagens como Caco Antibes, interpretado por Miguel Falabela, na série televisiva Sai de Baixo, da TV Globo.

A eleição de Jair Bolsonaro ampliou a discriminação e o preconceito contra os pobres, transformados em um dos principais alvos do Gabinete do Ódio.

Vieram, nessa perspectiva, uma série de medidas ultraliberais para impedir qualquer mobilidade social no Brasil.

A tirania econômica de Paulo Guedes vem tirando não só os empregos e os direitos do povo. Algo mais grave e violento acontece: corta da mesa dos mais pobres a o leite e a carne, deixando os cachorros sem o direito de roer os ossos.

Imagem destacada capturada neste site