O fantasma do VLT ronda Neto Evangelista

Uma das maiores aberrações da campanha eleitoral para a Prefeitura de São Luís, em 2012, o VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) volta à pauta da disputa de 2020. E dessa vez vai respingar no candidato a prefeito Neto Evangelista (DEM)

À época, o então prefeito João Castelo (PSDB), candidato à reeleição, enfiou uns metros de trilhos e um vagão às pressas no Aterro do Bacanga, mediante a promessa de que iria implantar o VLT.

Neto Evangelista, candidato a vice-prefeito na chapa de João Castelo, participou da propaganda eleitoral respaldando a promessa. “Com o VLT São Luís ganha um transporte público igual das principais cidades do Brasil e do mundo. Parabéns, povo de São Luís. O VLT é nosso”, dizia Evangelista na TV.

O prometido VLT virou chacota na cidade e nem os próprios eleitores de Castelo acreditaram. Ele acabou perdendo a eleição para Edivaldo Holanda Junior (PDT), que governa a cidade por dois mandatos (2013-2016 e 2017 – 2020).

Cerca de um ano depois da eleição, em pronunciamento na Assembleia Legislativa, o mesmo deputado Neto Evangelista voltou a defender o VLT e disse que o então prefeito João Castelo tinha um projeto técnico elaborado para implantar o equipamento.

Evangelista aproveitou a oportunidade para cobrar o prefeito Edivaldo Holanda Junior sobre a execução do projeto. A pergunta, agora, é: Neto Evangelista, candidato a prefeito, vai implantar o VLT, ressuscitando o mencionado projeto que ele garantiu ter sido preparado por João Castelo?

Coligação de Neto Evangelista reúne Roseana Sarney, o PSL bolsonarista e o PDT de Weverton Rocha

O campo conservador engorda as fileiras em São Luís. Dessa vez o “velho” MDB controlado pela família liderada por José Sarney vai compor ao lado do pré-candidato a prefeito Neto Evangelista (DEM).

A coligação até agora já tem o bolsonarista PSL, o MDB, o PTB e o PDT, controlado pelo senador Weverton Rocha.

Até pouco tempo considerado adversário dos Sarney, eleito em 2018 na chapa do governador Flávio Dino (PCdoB) com o discurso anti-oligarquia, o senador pedetista acomoda facilmente seus novos interesses ao lado de Roseana Sarney.

Com o apoio do MDB, Neto Evangelista torna-se um candidato competitivo para enfrentar o líder nas pesquisas, Eduardo Braide (Podemos), que recentemente obteve apoio do PSDB.

Do PDT Neto Evangelista vai agregar uma estrutura de poder há 30 anos enraizada na máquina administrativa de São Luís. O PSL bolsonarista soma um valioso tempo de propaganda eleitoral no rádio e na TV. E Roseana Sarney, gostemos ou não, ainda tem um certo recall eleitoral em São Luís.

Além disso, Neto Evangelista, ex-secretário de Desenvolvimento Social do Governo do Maranhão, faz parte do consórcio de postulantes à Prefeitura direta ou indiretamente vinculado ao governador Flávio Dino (PCdoB).

Assim, essa aliança heterogênea reúne partidos da extrema direita (PSL), legendas progressistas como o PDT, o velho MDB centrista e aliados de peso do governador, a exemplo do senador pedetista Weverton Rocha.

Sem Madeira

Antes de formalizar o apoio a Neto Evangelista, a ex-governadora Roseana Sarney foi cortejada duas vezes pelo ex-juiz federal e pré-candidato a prefeito Carlos Madeira (Solidariedade).

Ex-juiz Carlos Madeira ofereceu a vice e cargos ao MDB

O próprio Madeira e o secretário de Segurança do Governo Flávio Dino, Jefferson Portela (PCdoB), fizeram uma visita à ex-governadora, dia 5 de agosto.

Depois, o magistrado aposentado concedeu uma entrevista à rádio Mirante AM, dia 27 de agosto, quando fez elogios explícitos ao ex-presidente José Sarney e ofereceu a posição de vice para o MDB na chapa, além de secretarias em uma eventual vitória e composição da equipe na Prefeitura de São Luís.

Ouça aqui a entrevista completa, no programa Ponto Final, da rádio Mirante AM

Apesar dos afagos e ofertas de Carlos Madeira o MDB preferiu a aliança com Neto Evangelista.

Imagem destacada / divulgação: Roseana Sarney, ao centro, com Neto Evangelista e a cúpula de políticos do MDB