Coligação de Neto Evangelista reúne Roseana Sarney, o PSL bolsonarista e o PDT de Weverton Rocha

O campo conservador engorda as fileiras em São Luís. Dessa vez o “velho” MDB controlado pela família liderada por José Sarney vai compor ao lado do pré-candidato a prefeito Neto Evangelista (DEM).

A coligação até agora já tem o bolsonarista PSL, o MDB, o PTB e o PDT, controlado pelo senador Weverton Rocha.

Até pouco tempo considerado adversário dos Sarney, eleito em 2018 na chapa do governador Flávio Dino (PCdoB) com o discurso anti-oligarquia, o senador pedetista acomoda facilmente seus novos interesses ao lado de Roseana Sarney.

Com o apoio do MDB, Neto Evangelista torna-se um candidato competitivo para enfrentar o líder nas pesquisas, Eduardo Braide (Podemos), que recentemente obteve apoio do PSDB.

Do PDT Neto Evangelista vai agregar uma estrutura de poder há 30 anos enraizada na máquina administrativa de São Luís. O PSL bolsonarista soma um valioso tempo de propaganda eleitoral no rádio e na TV. E Roseana Sarney, gostemos ou não, ainda tem um certo recall eleitoral em São Luís.

Além disso, Neto Evangelista, ex-secretário de Desenvolvimento Social do Governo do Maranhão, faz parte do consórcio de postulantes à Prefeitura direta ou indiretamente vinculado ao governador Flávio Dino (PCdoB).

Assim, essa aliança heterogênea reúne partidos da extrema direita (PSL), legendas progressistas como o PDT, o velho MDB centrista e aliados de peso do governador, a exemplo do senador pedetista Weverton Rocha.

Sem Madeira

Antes de formalizar o apoio a Neto Evangelista, a ex-governadora Roseana Sarney foi cortejada duas vezes pelo ex-juiz federal e pré-candidato a prefeito Carlos Madeira (Solidariedade).

Ex-juiz Carlos Madeira ofereceu a vice e cargos ao MDB

O próprio Madeira e o secretário de Segurança do Governo Flávio Dino, Jefferson Portela (PCdoB), fizeram uma visita à ex-governadora, dia 5 de agosto.

Depois, o magistrado aposentado concedeu uma entrevista à rádio Mirante AM, dia 27 de agosto, quando fez elogios explícitos ao ex-presidente José Sarney e ofereceu a posição de vice para o MDB na chapa, além de secretarias em uma eventual vitória e composição da equipe na Prefeitura de São Luís.

Ouça aqui a entrevista completa, no programa Ponto Final, da rádio Mirante AM

Apesar dos afagos e ofertas de Carlos Madeira o MDB preferiu a aliança com Neto Evangelista.

Imagem destacada / divulgação: Roseana Sarney, ao centro, com Neto Evangelista e a cúpula de políticos do MDB

Gleisi Hoffmann afirma que o PT tem vontade e nome para compor a chapa majoritária de Flávio Dino

Em jantar no Palácio dos Leões, quinta-feira (19), presidentes de 14 partidos foram comunicados sobre a chapa majoritária que busca a reeleição do governador Flávio Dino (PCdoB). Os pré-candidatos a vice e ao Senado são, respectivamente, Carlos Brandão (PRB); Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PPS).

O presidente do PT no Maranhão, Augusto Lobato, que é também assessor especial do governo, participou da cerimônia de anúncio da chapa.

Apesar do precioso tempo de propaganda eleitoral, do simbolismo de Lula e da militância fiel ao governador, o PT não está contemplado na chapa majoritária.

Porém, a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, concedeu entrevista hoje (20) pela manhã ao jornalista Roberto Fernandes (na rádio Mirante AM) e afirmou que o partido tem planos para o Senado no Maranhão. Segundo Hoffmann, a chapa majoritária ainda pode sofrer modificações, a depender das decisões internas do petismo.

Presidentes dos partidos ouviram o governador, mas a chapa pode mudar

Na entrevista, Gleisi elogiou o governador Flávio Dino e assegurou que ele tem sido fiel à defesa da esquerda, da democracia e do presidente Lula.

No entanto, a presidente afirmou que o partido tem vontade e nome para compor a chapa majoritária, citando Marcio Jardim como pretendente ao Senado.

“Eu tenho acompanhado mais de longe, ainda não decidimos. É algo que vamos decidir discutindo com o partido aí e também no âmbito nacional, mas sei que tem para compor a chapa majoritária do governador o nome do Marcio, que está à disposição aí para o Senado. Isso tudo mostra que a gente tem a vontade de participar, queremos integrar essa chapa e ajudar o Maranhão e o Brasil”, frisou Hoffmann.

Uma parte do PT no Maranhão ainda não digeriu a deputada federal Eliziane Gama (PPS) para o Senado.

Considerada “golpista”, a deputada fez vários movimentos para encurralar o governo Dilma Roussef no transcurso do impeachment, até o voto final pela derrocada petista.

Embora aceite outros golpistas e direitistas na base e em áreas influentes do governo Flávio Dino, parte do PT maranhense veta o nome de Eliziane Gama.

Como as decisões no PT do Maranhão sempre são tomadas em obediência à direção nacional, a entrevista de Gleisi Hoffmann deixa uma dúvida no ar.

Além disso, os partidos da base governista ainda terão encontros estaduais e congressos para tomar decisões sobre a tática eleitoral de 2018. Uma nova reunião com as legendas aliadas ao governador será realizada em maio para fazer os ajustes finais da chapa majoritária.

No jantar dos Leões o governador bateu o martelo, mas ainda não virou a ponta do prego.