Entidades cobram a homologação imediata do resultado das eleições do Sindeducação

As centrais sindicais, entidades sindicais e de movimentos sociais, coletivos políticos e de pesquisadores e educadores militantes parabenizam a eleição da Chapa 2 “Da unidade vai nascer a novidade” que venceu as eleições do Sindeducação, com 482 votos(48%), obtendo um grande apoio da categoria, que necessita de uma direção classista e que defenda os seus direitos e amplie suas conquistas.

Ao mesmo tempo em que reivindicam, urgentemente , que a Comissão Eleitoral homologue, em ata, o resultado oficial das eleições, concluídas no dia de ontem, respeitando a vontade da maioria  dos professores e professoras da rede municipal de ensino, de acordo com o que prevê  o artigo 83 do estatuto da entidade, que

 diz: “Encerrada a apuração, o Presidente da Comissão Eleitoral proclamará eleita a chapa que

obtiver a maioria simples dos votos apurados e fará lavrar a ata dos trabalhos eleitorais”. Até o presente momento, às 19h55, ainda não havia sido disponibilizada para a categoria.

Conforme nota da própria direção da entidade em seu site oficial , publicada  às 16h26, (“a votação que ocorre ao longo desta terça-feira, das 7 às 19h, prossegue em clima de tranquilidade”), o processo eleitoral ocorreu dentro da normalidade, mesmo  com as limitações da pandemia da Covid-19.

Reafirmamos nosso compromisso com a direção eleita e estaremos juntos nas lutas reivindicatórias da categoria e dos trabalhadores.

São Luís , 25 de novembro de 2020

Assinam

Central Sindical e Popular CSP CONLUTAS

Central Única dos Trabalhadores – CUT

Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – CTB

Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal e MPU no Maranhão – Sintrajufe /MA

Apruma – Seção do Andes Nacional

Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado- PSTU

Resistência/PSOL

Sindicato dos Bancários do Maranhão

Quilombo Urbano do Maranhão

Coletivo Úrsula

Coletivo Mosaico

Coletivo Travessia

Coletivo MOPE

Coletivo Professores pela Base

HISTEDBR – Grupo de Estudos e Pesquisas ” História, Sociedade e Educação no Brasil

Sindicato dos Funcionários e Servidores Públicos De São Luís – SINFUSP

Sindicato dos Trabalhadores Municipais de Caxias

Sindicato dos Trabalhadores da Assembleia Legislativa do Maranhão – SINDSALEM

Sinasefe Monte Castelo

Carreata “Fora Bolsonaro” será realizada em São Luís no Dia Nacional de Lutas

Na próxima sexta-feira, 10 de julho (Dia Nacional de Lutas), centrais sindicais, partidos políticos, movimentos sociais, coletivos e estudantes vão realizar manifestações contra as medidas econômicas e a irresponsabilidade do governo Jair Bolsonaro diante da pandemia do novo coronavírus.

A carreata “Fora Bolsonaro” é convocada pela CUT (Central Única dos Trabalhadores), CSP Conlutas, CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), Força Sindical, Nova Central, CSB (Central dos Sindicatos Brasileiros) e UGT (União Geral dos Trabalhadores).

A concentração acontecerá a partir das 8 horas, na praça da Bíblia, em frente à sede da Fetiema (rua Senador João Pedro), onde os veículos serão paramentados com adesivos até o início do deslocamento.

Em seguida será realizada uma parada na porta do prédio do Ministério da Fazenda para um grande buzinaço contra as medidas econômicas do governo federal (Paulo Guedes), seguindo pela rua Grande, rua do Passeio e Cajazeiras, retornando à praça Deodoro, onde haverá o encerramento com um ato simbólico, sem aglomeração.

Diante da pandemia do novo coronavírus, as entidades protagonistas da carreata reivindicam a ampliação do auxílio emergencial sem redução de valor até dezembro e pela desburocratização das linhas de crédito para os micros e pequenos empresários.

“Chegou a hora de tomar as ruas contra o governo genocida de Bolsonaro! A epidemia do coronavírus se agrava a cada dia no Brasil. São mais de 1,5 milhão de infectados e mais de 65 mil mortes, sem contar as subnotificações. O Brasil deveria estar em quarentena para salvar vidas. Ao contrário de buscar soluções, o governo Bolsonaro aplicou medidas que permitiram o rompimento de contratos de trabalho, redução de direitos, demissões, sem que sequer tenha garantido uma renda digna para que todos possam enfrentar a pandemia”, explica a convocatória da carreata.

Representantes das organizações que lideram a carreata serão entrevistados nesta quinta-feira, 9 de julho, na rádio web Tambor, a partir das 11 horas, para apresentar mais detalhes sobre as motivações da carreata e os impactos do governo Jair Bolsonaro na vida dos brasileiros.

A organização do evento chama atenção para as medidas de proteção recomendadas pelas autoridades de Saúde, como o uso obrigatório de máscaras, álcool gel e do distanciamento social entre os participantes.

“Muitos vivem diante da escolha entre morrer de Covid-19 ou de fome. Bolsonaro, Mourão e o ministro da Economia, Paulo Guedes, estão preocupados em agradar banqueiros e grandes empresários. Esta situação calamitosa somente reforça a necessidade nos unirmos e irmos às ruas, respeitando as orientações de segurança, e gritarmos em uníssono #Fora Bolsonaro!”, argumentam as centrais sindicais.

Centrais sindicais repudiam cortes na Educação e convocam manifestações

NOTA DAS CENTRAIS SINDICAIS CONTRA OS CORTES NAS VERBAS DA EDUCAÇÃO

Reunidas no dia 6 de maio de 2019, as Centrais Sindicais – CUT, Força Sindical, CTB, UGT, CSP-Conlutas, CGTB, CSB, NCST, Intersindical Instrumento de Luta e Intersindical Central, declaram-se absolutamente contrárias aos cortes de mais de 30% na educação superior, ensino técnico e ensino básico, anunciados pelo MEC.

Frente às medidas de cortes contra a educação, os estudantes, docentes, professoras e professores do ensino básico e técnico, juntamente com servidores e técnicos administrativos iniciaram inúmeras mobilizações pelo país como, por exemplo, no Colégio Pedro II –RJ, na UFPR (Universidade Federal do Paraná), UFBA (Universidade Federal da Bahia), entre outras instituições de ensino. As Centrais Sindicais declaram total apoio a essas manifestações.

As Centrais Sindicais aproveitam o ensejo para reafirmar seu compromisso e apoio ativo à Greve Nacional da Educação, convocada para o próximo dia 15 de maio (quarta-feira).

Vamos juntos à Greve Geral dia 14 de junho de 2019.

Em defesa de nossa aposentadoria. Basta de desemprego! 

Assinam:

Vagner Freitas, Presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT)

Miguel Torres, Presidente da Força Sindical (FS)

Adilson Araújo, Presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB)

Antônio Neto, Presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB)

José Calixto Ramos, Presidente da Nova Central Sindical dos Trabalhadores (NCST)

Atnágoras Lopes, Secretaria Executiva Nacional da CSP-CONLUTAS

Ubiraci Dantas, Presidente da CGTB

Ricardo Patah, Presidente da UGT

Mané Melato, Intersindical instrumento de Luta

Edson Carneiro- Intersindical Central