Sergio Moro queria um cadáver?

Durante a gestão de Sergio Moro no Ministério da Justiça e Segurança Pública, o servidor concursado da Fundação Nacional do Índio (Funai), Bruno Pereira, foi exonerado do cargo de coordenador-geral de Índios Isolados, em outubro de 2019.

A Funai era subordinada à pasta de Moro.

Ato contínuo, o governo federal começou a incentivar atividades exploratórias em terras indígenas, incluindo a mineração, avançando para legalizar os garimpos.

O indigenista Bruno Pereira e o jornalista Dom Phillips foram mortos quando trabalhavam em reportagens investigativas no Vale do Javari, no Amazonas, área de mineração e de pesca ilegal.

A destruição da Amazônia, o desprezo pelo meio ambiente, a vinculação de membros do governo com milicianos e toda a pauta predatória estão no contexto da necropolítica que arrasa a civilização no Brasil.

Sergio Moro teria as mãos sujas de sangue?

Imagem destacada: Agência Reuters

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.