Abraji repudia ameaça sofrida por editor-chefe do Intercept Brasil

Fonte: Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo)

O Editor-chefe do site Intercept Brasil, jornalista Leandro Demori, foi ameaçado por um homem domingo (09/01), ao caminhar por um bairro turístico com a esposa e o filho de três anos, em Balneário Camboriú (SC).

O homem, que o seguiu desde a saída de um mercado local, chegou por trás, colocou a mão em seu ombro e disse algo como: “te liga que a vida do teu filho depende de ti”. Depois da frase ameaçadora, o homem saiu rapidamente.

A Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo) repudia com veemência a ameaça sofrida por Leandro Demori, ocorrida em um momento de fragilidade, quando o jornalista estava ao lado da esposa e do filho pequeno.

Confira a nota abaixo, na íntegra:

Editor-chefe do site Intercept Brasil, o jornalista Leandro Demori foi ameaçado por um homem neste domingo (9.jan.2022), ao caminhar por um bairro turístico com a esposa e o filho de três anos, em Balneário Camboriú (SC). O homem, que o seguiu desde a saída de um mercado local, chegou por trás, colocou a mão em seu ombro e disse algo como: “te liga que a vida do teu filho depende de ti”. Depois da frase ameaçadora, o homem saiu rapidamente. Por estar em férias com a família e por ter saído apenas para fazer compras perto da casa onde estava hospedado, Demori não estava com seguranças naquele momento. 

O jornalista registrou um boletim de ocorrência. A Polícia Militar (PM) recolheu os vídeos de segurança do mercado na segunda-feira (10.jan.2022). Demori afirmou à Abraji que reconheceu na polícia o homem como um dos clientes que estavam no local no momento em que sua família fazia compras. O delegado de Balneário Camboriú, Davi Queiroz, afirmou à Abraji que foi instaurado um inquérito policial e que as investigações estão em andamento.

Abraji repudia com veemência a ameaça sofrida por Leandro Demori, ocorrida em um momento de fragilidade, quando o jornalista estava ao lado da esposa e do filho pequeno. O trabalho jornalístico está sujeito ao escrutínio da sociedade, mas é preocupante a escalada da agressividade direcionada aos profissionais em razão do trabalho que realizam de informar, apurar e fiscalizar o poder público, as figuras de interesse público e as instituições.

A PM foi rápida em identificar o suspeito e a Abraji espera que todo o caso seja apurado com rigor e rapidez em Santa Catarina. A entidade se solidariza com Demori e sua família e com os profissionais de imprensa que têm sofrido ataques por seu trabalho, sejam eles desferidos por agentes públicos do alto escalão ou por anônimos nas ruas. A Abraji acompanha e monitora essas ameaças e ofensas em todo o país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.