Navegantes da injustiça

Jadeilson Cruz

Graduado em Filosofia e graduando em Comunicação Social/Jornalismo, na Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

De acordo com uma pesquisa do IBGE divulgada em abril de 2021 e realizada no quarto trimestre de 2019, cerca de 78,3% dos brasileiros estão conectados à internet. As pessoas utilizam o espaço virtual para pesquisas, compras de produtos, comentários em portais de notícias, acesso a plataformas e muito mais.

Nem todos que navegam na internet cometem injustiças, mas muitos praticam atos condenáveis. Há pessoas que no convívio social aparentam ser adoráveis e respeitosas; porém, na web, criam perfis falsos e descarregam todo o ódio acumulado. Elas sentem prazer em humilhar e menosprezar os outros.

O maluco da internet pode ser um vizinho, um parente, um professor, um colega de trabalho ou qualquer outra pessoa que você conheça. O ambiente virtual é uma oportunidade para que muitos pairam aquilo que por anos foi gestado odiosamente.

No Livro II da obra A República, de Platão, o personagem Glauco faz referência ao mito: Anel de Giges, ao falar sobre a justiça e a injustiça. Giges era um pastor a serviço do rei da Lídia. Certo dia se apossou de um anel mágico e conquistou o poder da invisibilidade.

Seduziu a rainha e com ela conspirou contra o monarca Lídio, matou-o e assim obteve o poder.

Antes de encontrar o anel mágico, Giges, o Lídio era um homem comum, aparentemente bom e justo, que vivia pacatamente. Também participava mensalmente da assembleia dos pastores, que levantava informações sobre os rebanhos do rei. E quase não era notado pela sociedade.

Glauco é bastante claro ao sugerir que, para o ser humano, a injustiça é muito mais vantajosa do que a justiça. Desse modo, a comparação entre Giges e o internauta não é absurda. O indivíduo que anonimamente, na internet, humilha e menospreza o outro, liberta-se de algo sufocante. No dia a dia muita gente tem medo de se expor e externar os preconceitos que carrega dentro de si. Assim, um perfil anônimo é como um anel mágico que possibilita poderes extraordinários.

A web está empesteada de pessoas raivosas e dispostas a macular a honra alheia. Esses indivíduos atacam os outros simplesmente por não aceitarem o diferente, e assim, invisíveis e poderosos tramam contra os que consideram impuros e indignos de viver na mesma sociedade que eles.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *