Bolsonaro busca sair do isolamento oferecendo novo ministério à direita tradicional

Ainda é cedo para especular sobre as eleições de 2022, mas um desenho começa a ficar mais nítido, indicando a formação de três blocos políticos.

O primeiro é a extrema direita que vai marchar com Jair Bolsonaro. Esse eleitorado, pelas características do fanatismo, não muda de opinião. É o gado…

O segundo bloco é formado pelo campo democrático-popular, reunindo PT, PDT, PSB, PSOL e PCdoB. Se essas legendas construírem a unidade, podem atrair outros partidos, como a Rede, por exemplo.

A terceira frente é a direita tradicional, que deve reunir na liderança o PSDB e o DEM, agregando outras legendas, a depender das negociações.

Um caso a parte é o Centrão – legião de partidos mercenários que vai se movimentar de acordo com os interesses do mercado da política.

Embora o Centrão tenha assegurado vitórias na presidência da Câmara dos Deputados e do Senado, não há garantia de fidelidade canina ao presidente.

O Centrão faz negócios e pode até mesmo abandonar o governo, caso seja uma posição lucrativa.

Nesse contexto, Jair Bolsonaro tenta atrair ao seu campo uma parte da direita tradicional. A entrega do Ministério da Cidadania a um aliado de ACM Neto, agora no controle do DEM, é um sinal de que o presidente busca sair do isolamento da extrema-direita.

Na disputa de 2018 a vitória do bolsonarismo ocorreu inflada no discurso “contra o sistema”. Em 2022 é outro jogo e ele vai precisar dos partidos e dos políticos para tentar a reeleição.

O farto mercado das emendas parlamentares para ganhar a Câmara e o Senado escancarou o nível de pragmatismo do “mito”.

A má conduta do governo durante a pandemia covid19 acendeu o farol amarelo. Bolsonaro et caterva sofreram o desgaste do negacionismo e tentam reverter a queda de popularidade fazendo até acenos favoráveis à vacinação.

Ele opera um recuo tático no combate à pandemia, acena com um bônus para substituir o auxílio emergencial e distribui cargos buscando cooptar o que estiver ao seu alcance.

Bolsonaro já percebeu que o seu isolamento na extrema direita vai deixá-lo encurralado em um eventual segundo turno de 2022, quando a tendência pode ser uma aliança entre a direita tradicional, o campo democrático e até uma fatia do Centrão, se esta sentir o cheiro do poder.

Embora a política não seja uma ciência exata como a Matemática, a conta no eleitorado é mais ou menos essa:

1/3 dos votos (o gado fanático) vota em Jair Bolsonaro de qualquer jeito;

1/3 deve ficar com a direita tradicional;

1/3 vota na candidatura do campo democrático (esquerda e parte do centro);

O esforço de Jair Bolsonaro, abrindo o cofre do governo, visa atrair 1/3 da direita tradicional.

Mas, a tentativa pode acabar frustrada porque o PSDB e o DEM já começam a descolar do bolsonarismo. Eles são apenas ficantes agora…

Os sinais indicam que em 2022 os tucanos e os democratas queiram reeditar a Nova República; ou seja, a velha burguesia no poder, sem a escória bolsonarista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *