Pária digital: “a tecnologia passou por cima de mim”, afirma idosa solitária na pandemia

O fio da conversa esticou ao longo das sucessivas tragédias em decorrência das mortes provocadas pelo novo coronavírus. Ela, uma ex-vizinha da minha infância, já beirando os 90 anos, não teve sequer a chance de se despedir dos amigos históricos do bairro onde passou a maior parte da sua vida.

A morte e o luto dos entes queridos somam às outras perdas e bloqueios na comunicação. Sem conexão à rede mundial de computadores, morando sozinha, ela tem como principal meio de comunicação um telefone fixo que, quando toca, gera uma alegria incomensurável.

É difícil imaginar que uma idosa moradora da zona urbana de São Luís nunca teve um smartfone para chamar de seu e não cogita o manejo de um computador. “A tecnologia passou por cima de mim”, desabafou, contando que até as ligações para o fone residencial escassearam porque os velhos amigos estão sendo tragados pela pandemia.

Folheando sua velha agenda de papel, rabiscada em várias páginas, deleta entre lágrimas os antigos contatos das amigas e amigos falecidos. Em meio à pandemia, com raros telefonemas, sem receber visitas ou interagir com os vizinhos, ela é um pária digital.

No mundo conectado, as pessoas on line estão isoladas, mas não solitárias. Elas interagem das mais diversas formas pelos dispositivos fixos e móveis ofertados em larga escala para proporcionar uma vivência à distância.

A pandemia criou uma esfera pública eletrônica fundamental para a sociabilidade no isolamento social, mas a vida conectada alcança uma fatia de pessoas economicamente incluídas e tecnologicamente habilitadas. Os mais pobres e os idosos solitários, em geral, estão off line.

Basta observar as filas gigantescas que se formaram recentemente nas agências da Caixa para realizar uma operação das mais simplórias – regularizar o CPF. E depois a mesma cena se repetiu para o pagamento do auxílio emergencial.

As filas revelam um Brasil dos esquecidos, fora do sistema financeiro, pessoas sem parentes importantes nem conta bancária. Diante de um efusivo discurso da conexão e da oferta interminável de dispositivos e oportunidades, fica a velha pergunta: por que os pobres não acessam essas maravilhas do mundo?

Caetano Veloso, na música Sampa, reflete sobre a “força da grana que ergue e destrói coisas belas” e a “feia fumaça que sobe apagando as estrelas”. Há, nas entrelinhas da letra, uma crítica ao progresso desenfreado da escalada capitalista na construção da capital paulista denominada a locomotiva do Brasil.

E, por falar em locomotiva, durante a Revolução Industrial na Inglaterra (1811-1812), o movimento ludista, em homenagem ao operário Ned Ludd, reunia operários radicais contra a introdução das máquinas que tomavam o lugar da mão-de-obra humana. Segundo os seguidores de Ludd, que passaram a ser denominados “destruidores de máquinas”, as inovações tecnológicas provocavam desemprego, jornadas excessivas e precarização das condições de trabalho.

O tempo voa e a tecnologia avança em todos os setores. Eis que agora em 2020 as inovações estão atropelando os direitos trabalhistas de outras maneiras. Os motoristas de aplicativos preparam a primeira greve geral porque aquela promessa de que seriam empreendedores não vingou. Os “ubeiros” descobriram que são escravos de um novo tipo de acumulação de capital que põe um exército de motoristas para trabalhar sem direitos nem proteção social, exaurindo seus corpos em jornadas desumanas.

Uma nova engenharia de reprodução do capital está em curso não só para os motoristas de aplicativos. Os entregadores de alimentação (fast food) também passam pelo processo de exploração nas plataformas digitais.

Montados em bicicletas e motos, jovens sem emprego e adultos desempregados enfrentam a frenética disputa pelas migalhas pagas em cada pizza da pronta entrega. Para esses entregadores a inovação do smartfone que facilita um bico temporário sem direitos nem qualquer proteção social é também um sinal de precarização.

Embora estejam on line eles também são párias: não têm contrato de trabalho nem as garantias básicas das relações entre patrão e empregado. São, em suma, excluídos das normas disciplinadoras do capital x trabalho. Nesse sentido, a tecnologia também passa por cima deles.

Hannah Arendt, na longa incursão sobre trabalho e tecnologia na obra “A condição humana”, afirma: “Assim, a questão não é tanto se somos senhores ou escravos de nossas máquinas, mas se estas ainda servem ao mundo e às coisas do mundo ou se, pelo contrário, elas e seus processos automáticos passaram a dominar e até mesmo a destruir o mundo e as coisas.”

Imagem destacada capturada neste site

Os últimos jornaleiros de São Luís

Ed Wilson Araújo

No vozeirão de Alcione, a música “Todos cantam a sua terra”, de João do Vale, é uma das melhores traduções sobre os pregões cantados pelos antigos vendedores de jornal naquela São Luís do passado.

“Acho bonito até / O jornaleiro a gritar / Imparcial / Diário / Olha o Globo / Jornal do Povo / descobriu outro roubo”

Profissão em fase de extinção, pelo menos no sentido formal, o jornaleiro sente no bolso o declínio das vendas dos impressos diante da oferta de publicações na internet.

Na palma da mão, os dispositivos móveis acessam jornais e revistas com facilidade, agilidade e as múltiplas ofertas do ambiente virtual, como os hiperlinks, capazes de levar o consumidor a navegar por muitas janelas de informação.

Embora a opção pelo digital seja avassaladora, em São Luís ainda persistem uns poucos vendedores de jornal impresso, distribuídos em alguns pontos da cidade.

De bicicleta, Humberto ainda faz entregas de jornal para os clientes antigos

Um dos jornaleiros mais antigos, ainda em atividade, é Humberto Rodrigues Garcia, com anos 30 dedicados à comercialização dos diários impressos. Natural de Pinheiro, ele veio para São Luís com apenas 17 anos de idade e logo passou a vender jornais. Atualmente tem um ponto na rua dos Bicudos, no Renascença II, mas já vendeu na Curva do 90 e no Cohafuma.

A rotina de trabalho começa ainda na madrugada, quando sai de casa no bairro Gapara (na área Itaqui-Bacanga) e recebe os jornais. A partir das 5h30 ele começa a fazer entregas de bicicleta para os clientes fixos nos condomínios do Renascença II e depois concentra a venda no ponto onde já é bastante conhecido há décadas.

“Os leitores antigos são fieis. Entrego para 25 clientes por semana. Tem deles que compram até três jornais por dia e ainda faço as vendas direto aqui no local permanente”, detalhou Garcia.

No rol dos veteranos está Carlos Augusto Alves Sousa, o popular “Careca”, jornaleiro há três décadas e atualmente fixado no retorno do Calhau. Durante 25 anos viveu exclusivamente da venda de jornal, mas a procura caiu muito com a internet. “Na época que saia o listão dos aprovados no vestibular eu cheguei a vender 800 jornais por dia”, registrou.

Careca vendia bem nos bons tempos do “listão” do vestibular

Mas, a procura caiu vertiginosamente. Careca soma a venda de 20 jornais nos dias úteis e aos domingos comercializa até 80 exemplares. “Já foi muito melhor. Domingo eu chegava a vender até 300 jornais”, recordou. Ele mensurou que nos últimos cinco anos não é mais possível viver apenas da comercialização de jornal e por isso tem uma atividade paralela no turno vespertino para completar a renda.

Da RFFSA à feira do João Paulo

Outro antigo no ramo dos impressos é José Ribamar Araújo, 49 anos, conhecido pelo codinome “Buiú” em toda a feira do João Paulo, onde já vende jornais há 25 anos, ao lado de uma pequena banca onde também comercializa limão. “As vendas não são mais como antes, caiu muito, mas ainda tem uns clientes que compram todo dia”, explicou.

“Buiú” vende limão e jornal na feira do João Paulo

Alguns casos atravessam gerações. Na feira do João Paulo, Fábio “Secreta” herdou a venda de jornais da sua avó e ainda mantém o ofício de jornaleiro misturado com vários bicos, entre eles a venda de verduras, frutas e hortaliças, junto com os jornais pendurados em um fio por cima das outras mercadorias.

A venda de jornal só persiste devido à fidelidade dos leitores, alguns sem qualquer contato com os dispositivos digitais e ainda vinculados ao consumo das notícias na plataforma analógica – o papel.

Entre eles está o aposentado José Braga Cantanhede. Apaixonado por política, lê o jornal paulatinamente durante o dia e não perde a “Coluna do Sarney”, publicada aos domingos no jornal “O Estado do Maranhão”. Como os jornais acabam transbordando os interesses dos proprietários ou grupos empresariais controladores das linhas editoriais, os leitores também se alinham às posições políticas dos seus impressos prediletos.

Seu Braga, leitor fiel, é fã da Coluna do Sarney

Alguns jornaleiros são também leitores assíduos e manifestam suas preferências. É o caso de “Considerado”, fã do governador Flávio Dino. “Ele comprou jornal comigo na campanha para prefeito de São Luís em 2008 e ainda vai ser presidente do Brasil”, profetizou.

“Considerado” é o apelido de Pedro Luís Nascimento, 54 anos, desde 2007 vendendo impressos na área da RFFSA, no Centro Histórico. Cearense de Juazeiro do Norte, ele ganhou o apelido de “Considerado” porque trata todas as pessoas por essa palavra.

“De tudo que eu já fiz a venda de jornal é uma das melhores coisas porque eu aprendi muito. Você se apaixona por isso, faz amizades e tem uma fonte de conhecimento sobre política, economia e outros assuntos”, enfatizou.

Para “Considerado”, Flávio Dino ainda vai ser presidente do Brasil

Pedro da RFFSA, o “Considerado”, tem consciência do declínio das vendas do impresso. “Não dá para viver de jornal como antes. Com a internet caiu em 90% a venda dos jornais de papel. Tem de ter um complemento, um bico para sobreviver”, afirmou.

Rotina e dedicação

Acordar muito cedo é a condição essencial para a profissão de jornaleiro. “Buiú” pega no batente todos os dias logo às 4h da madrugada na feira do João Paulo. “Careca” recebe os jornais às 6h da manhã e Humberto começa a fazer as entregas para os clientes às 5h30, pedalando na sua bicicleta.

No João Paulo tem ainda um ponto de vendas na esquina da rua da Cruz com a avenida São Marçal, onde há 15 anos o casal Francivaldo Lucas do Nascimento e Waldicleia Melo Barbosa comercializa jornais.

Quando iniciou a venda, Francivaldo Nascimento trabalhava em uma loja de móveis no João Paulo e viu o ponto ser passado por várias pessoas durante uns 30 anos, até que surgiu a oportunidade para ele assumir a venda juntamente com a esposa. Todos os dias, faça chuva ou sol, estão na lida.

Ambos reconhecem a dificuldade do impresso com a expansão da internet e conseguiram outros trabalhos fixos. Hoje vendem jornal apenas entre 6h e 8h da manhã para a freguesia já consolidada. “É mais um bico para nós. Ficaram poucos clientes, apenas os tradicionais”, lamentou Barbosa.

Francivaldo e Waldicleia fazem “bico” vendendo jornal em um antigo ponto do João Paulo

O gazeteiro do Vias

Diferente dos tradicionais vendedores de jornal, o artesão Elmo Cordeiro foi um dos principais ativistas do “Vias de Fato”, impresso criado em 2009 por um coletivo formado pelos jornalistas, educadores, artistas e entusiastas da mídia alternativa.

Elmo Cordeiro era estudante de História na Universidade Federal do Maranhão (Ufma) e nas horas de folga sempre panfletava e vendia o “Vias de Fato” nos corredores do campus do Bacanga. “Eu fazia ativismo político, era militante da causa do jornalismo alternativo e da democratização da comunicação”, conceituou.

Incorporado à equipe do jornal, ele explicou que participava do processo de produção, tinha assento nas reuniões de pauta e da tomada de decisões, não era apenas um vendedor de jornal.

Além da distribuição no campus do Bacanga, Cordeiro fazia o jornal circular em manifestações públicas, nos eventos fechados, agitações políticas e culturais junto com a equipe do Vias de Fato. Ele ainda percorria grande parte dos prédios comerciais do São Francisco e do Renascença, fazendo a venda e panfletagem nos lugares estratégicos para um público formador de opinião.

Sobre a migração dos jornais para a internet e os dispositivos móveis, ele avaliou que o produto impresso sempre terá importância. “O livro e o jornal de papel são imortais, principalmente para os conteúdos da mídia alternativa, que deve persistir. Ainda tem espaço para o jornal de papel, não para o jornalismo de negócio, de mercado e de conveniências. Acho que este modelo está com os dias contados”, ponderou.

Transformações na indústria de notícias

Pesquisadores e professores universitários avaliam as mudanças do jornal de papel para as plataformas digitais como algo pertinente à própria história dos meios de comunicação, sendo agora as mudanças cada vez mais rápidas. A professora doutora do Departamento de Comunicação Social – Jornalismo da Ufma, Rakel de Castro, aponta o contexto da convergência tecnológica, profissional, empresarial e de conteúdo como características principais de uma permanente renovação. “A internet potencializa as conexões e coproduções no texto noticioso e, mais recentemente, a emergência da mobilidade na era dos smatphones”, pontuou.

Segundo Castro, no comparativo entre o analógico e o digital, as diferenças se apresentam em transformações no mundo do trabalho diante da formação de grupos empresariais multimidiáticos. Se algumas funções desapareceram nos jornais impressos, como tipógrafos e fotocompositores, outras atividades surgiram no ambiente das novas profissões, como o moderador de conteúdo para as redes digitais em um ritmo de produção fortemente marcado pela instantaneidade.

O aspecto geracional da sustentabilidade também é apresentado pela pesquisadora como um fator de análise na era digital. “Neste caso, o papel do jornal impresso, por exemplo, além de ser extremamente mais caro para circular em grandes proporções, requer muito mais sacrifício do meio ambiente do que a distribuição digital de informação via Internet, sem falar na rapidez. Nesse cenário, não dá para definir quando o jornalismo impresso terá data para findar, mas há uma certeza: a forma como o conhecemos hoje vai deixar de existir em breve, por uma questão estrutural demandada por novas formas de se comunicar dessa geração atual.”, explicou Rakel de Castro.

Jorge Santos ainda não está adaptado às “modernidades”

Entre os leitores, embora escassos, paira o gosto pelo papel. Francisco Silva Moreira, 56 anos, compra os impressos até cinco vezes por semana direto nos jornaleiros, há 25 anos. Quando não tem tempo para ler durante o dia, guarda o exemplar para consumir à noite e até coleciona alguns números antigos, principalmente quando tem notícia sobre seu time predileto – o Sampaio Correia – ou da seleção brasileira. Moreira tem preferência por esporte e futebol, gosta do colorido do jornal de papel e dificilmente lê no celular.

Os próprios jornaleiros são leitores assíduos. “Considerado” avalia o jornal como uma grande fonte de conhecimento. Já Humberto Garcia diminuiu as leituras porque tem muita notícia de violência. “Depois que eu virei evangélico prefiro ler a bíblia e os hinos de louvor”, justificou.

Professor doutor do Departamento de Comunicação Social – Jornalismo e coordenador do Labcom/Ufma, Marcio Carneiro dos Santos interpreta o cenário digital do Jornalismo como uma tendência não à extinção do jornal de papel “e sim para a reconfiguração do impresso em uma atividade de nicho, reduzida e específica”, sintetizou.

Cliente fiel compra jornal na Beira-Mar

Ele visualiza esse cenário com base nos vetores econômico, tecnológico e cultural. Como atividade econômica o impresso tem um custo de produção e distribuição elevado (maquinário, insumos e mão de obra), além da logística para fazer o produto final circular. “O meio digital eliminou a maior parte desses itens e tornou-se a resposta natural para a sobrevivência das organizações jornalísticas que tem visto seu faturamento cair, em virtude da fragmentação das audiências e da explosão de emissores no ecossistema dos meios de comunicação”, enumerou Carneiro.

O vetor tecnológico, segundo o pesquisador, está fundamentado na ampliação da infraestrutura de internet, preço baixo, aumento da oferta dos dispositivos móveis e das suas funcionalidades. Esse conjunto de fatores alterou as lógicas de consumo, onde predominava um ambiente de escassez da produção dos grandes veículos de mídia para a “explosão de emissores”, empoderados por redes e numa disputa de atenção marcada pela fragmentação da audiência.

Nos seus estudos o professor observa também nesse contexto a precarização do trabalho dos jornalistas em muitos casos; ou seja, nem tudo é benefício com nesse novo cenário de automatização da produção de conteúdo. Por um lado, a multiplicação dos meios viabiliza a alternância de vozes e pontos de vista, com maior facilidade para a distribuição de conteúdos. “Entretanto, as fakenews, a difusão da intolerância, as polarizações instransponíveis e a violência explicitada pelos canais digitais constituem o lado sombrio da mesma moeda”, ponderou o pesquisador.

Marcio Carneiro dos Santos sugere uma visada não determinista sobre o futuro. “Talvez a situação do jornalismo impresso siga o mesmo caminho ou, como acreditamos, siga o pensamento de McLuhan que dizia que os velhos meios se transformavam em obras de arte, de consumo restrito, num processo já percorrido pelos discos de vinil, por exemplo.”, ilustrou.

Arnaldo Garcia sempre para nas bancas para ler as manchetes

Aproximado a essa forma de ver o impresso, como se fosse um vinil sofisticado, o superintendente de produção de “O Imparcial”, Célio Sergio, pensa na sobrevivência do jornal de papel com as devidas adaptações aos novos tempos. “A tendência do impresso é ser um produto mais opinativo, interpretativo e analítico, enquanto o jornal online já é mais focado no factual”, diferenciou. Quanto ao formato, o suporte de papel deve seguir a tendência do tablóide, mais fácil de manusear e com um tipo de diagramação aproximado do estilo de revista, mas com a periodicidade diária, projetou Sergio.

Focar no conteúdo opinativo também é a visão do diretor do “Jornal Pequeno”, Lourival Bogéa. Questionado sobre o processo de extinção do impresso, refutou esta perspectiva. Para ele, jornal tem importância como formador de opinião. “Acredito em fórmulas capazes de proporcionar vida longa ao jornal no papel, como, por exemplo, dando a ele um formato mais de revista, com textos aprofundados e que possam levar, principalmente sociedades em desenvolvimento, a uma grande reflexão sobre o mundo que vive hoje. Vejo o impresso como agente de contextualização de fatos jogados a esmo no dia a dia, via online, e que não permitem à opinião pública ter uma noção exata do que acontece. Vejo o impresso, consequentemente, como aprofundador desses fatos, numa contextualização altamente interessante e favorável ao físico”, detalhou Bogéa.

Para o jornalista Emilio Azevedo, um dos fundadores e o editor do jornal “Vias de Fato”, a ameaça de morte do impresso é evidente. “O desafio do Jornalismo, tão velho quanto necessário, tem sido se manter como referência na internet. O chamado mundo digital é povoado por mentiras. Sendo assim, a fonte da notícia é fundamental. É aí que entra o Jornalismo”, pontuou.

Referência em comunicação alternativa, o Vias de Fato, fundado em 2009, circulou mensalmente durante cerca de oito anos. Embora ancorado no papel, a reverberação do produto impresso teve na internet uma aliada natural e muito importante. Nessa perspectiva do digital, Azevedo vislumbra saídas para a mídia independente. “No caso do jornal Vias de Fato, ficou inviável manter a circulação. Nossa alternativa foi buscar uma nova forma de organização. E nessa busca, nós juntamos com novos parceiros na Agência Tambor, que a partir de um site (com uma web rádio) e de diferentes redes sociais, converge som, imagem e texto. Assim como o “velho” Vias, a repercussão da ação alternativa da Tambor também é evidente”, registrou.

A jornalista Claudia Santiago, por sua vez, pensa o jornal impresso como arma da luta de classes. Inspirada no filósofo e ativista Antonio Gramsci, ela afirma que os trabalhadores precisam ter os seus próprios meios de comunicação.

Fundadora e coordenadora do Núcleo Piratininga de Comunicação (NPC), escola de formação especializada em comunicação sindical, ela assegura que o instrumento mais importante nesse segmento está no corpo do sindicalista ou da sindicalista: os olhos e a língua no contato direto com as suas bases, sendo imprescindível o jornal de papel, entregue de mão em mão.

Fabio “Secreta” herdou o ponto da sua avó, na feira do João Paulo

“Nada substitui o momento da entrega do jornal. Principalmente agora, que se usa cada vez mais a Internet para tudo e estamos perdidos em uma floresta de informações. O jornal do sindicato passa a ser recebido como uma figura importante. Se antes ele já era o único jornal que entrava na casa da maioria dos trabalhadores, imagina agora. E se o povo não sabe ler, desenhe. Ter poucos anos de escola não significa não ser tremendamente sensível e inteligente. Então, continuo defendendo que sindicatos façam jornais de papel. Se não souber como fazer, me procura que eu ajudo”, provocou Santiago.

Jornal no quilo

Enquanto as mudanças acontecem, Hamilton Pereira, 52 anos, está ganhando mais dinheiro vendendo jornais “velhos”, armazenados com as sobras da sua banca, localizada no Mercado Central, em São Luís.

Jornais antigos são vendidos no quilo na banca de Hamilton

Depois de quatro décadas trabalhando como jornaleiro ele percebeu, há cinco anos, que somente a venda de jornais diários não rendia mais e decidiu agregar valor ao seu negócio. Assim, além dos diários, passou a vender exemplares antigos que são comprados para usos diversos. Ele percebeu que as pessoas pediam encomendas de jornais velhos e faz dessa demanda parte de seu comércio. Também começou a vender CD com reggae, sofrência e outros ritmos musicais, caça-palavras e DVDs.

“É mais negócio, hoje em dia, vender jornal velho, rende melhor que o novo”, afirmou Pereira. O quilo do usado custa R$ 4,00. Os clientes preferenciais, nos últimos anos, são os donos de bichos de estimação, principalmente cachorros. “Compram para forrar espaços onde os animais domésticos dormem ou ficam mais tempo. Para eles é mais prático, econômico e higiênico. Forrando com jornal, fica fácil de limpar o local dos bichos”, explicou.

Os exemplares antigos são comprados também para empacotamento de produtos em lojas e quitandas, com o objetivo de acomodar o transporte de peças frágeis como louças e ovos; limpar vidraças; revestir caixa de isopor com peixe para viagens; forrar gaiolas com passarinho, entre outras finalidades. “Tem muitas utilidades, sai bem e todo dia”, computou Pereira, que começou vendendo jornais avulsos pelas ruas, no início da adolescência e, logo depois, se fixou no Mercado Central.

Ele se orgulha ao dizer que somente com a profissão de jornaleiro criou os seus três filhos. “Todos estão independentes e trabalhando”, comemorou.

Diferente dos diários focados em notícias e reportagens do cotidiano, os jornais alternativos com periodicidade mais elástica geralmente têm artigos e reportagens com textos longos, analíticos e interpretativos, que acabam se transformando em documentação e referência para estudos acadêmicos.

O Vias de Fato, por exemplo, tem uma coleção com todas as edições arquivadas e o acervo impresso é fonte de pesquisa para estudantes e professores. “Ironicamente, também existe uma cobrança pra que se faça a digitalização do acevo”, avisou Emilio Azevedo.

Se ir a uma banca ou ao jornaleiro para buscar um produto jornalístico e pagar por ele tornou-se algo até estranho para a maioria da população, ainda é um hábito cultivado por fiéis amantes do “velho” jornal de papel.

Os jornaleiros sentem na pele as transformações na indústria da notícia. Todos os vendedores de impressos ouvidos pela reportagem estão apreensivos e de certo modo pessimistas com o fim do jornal de papel.

Entre mudanças, transformações e ressignificações, o mais importante de tudo é que o Jornalismo siga aperfeiçoando as suas finalidades – informar, instruir, educar, esclarecer, buscar a verdade, provocar, polemizar, prestar serviço e, sobretudo, produzir conhecimento sobre a realidade. Eis o papel do jornal, mesmo que seja digital.