Pão com Ovo: a sátira do Brasil

Ed Wilson Araújo

Depois de “um feixe e uma carrada” de apresentações em praças públicas de 70 municípios do Maranhão, em teatros de São Luís, Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Salvador, Teresina e na Europa (Portugal), a comédia Pão com Ovo retornou ao palco em curta temporada com o espetáculo “A convenção”.

A derradeira apresentação desse período será realizada quarta-feira (28), no Oito Bar, ao ar livre, no hotel Blue Tree Towers.

Sucesso nos tablados e nas redes sociais, Pão com Ovo tem uma longa estrada percorrida na dramaturgia brasileira. O protagonismo decorre de vários fatores, entre eles muito estudo e trabalho para construir identidades junto ao público.

Um dos achados performáticos dos atores é a imersão nos falares do povo maranhense, frequentando os espaços onde os gestuais e os linguajares são capturados e transformados em texto dramático. Assim, as expressões regionais são facilmente reconhecidas pelo auditório, apanhadas no mergulho profundo na vida real.

Embora tenha o regionalismo como um dos pontos fortes, Pão com Ovo extrapola a cena local porque a arte é universal. Clarisse Milhomem (Cesar Boaes) está para a Península ou Leblon assim como Dijé (Adeílson Santos) emerge da área Itaqui-Bacanga ou da Baixada Fluminense.

Afinal, “coá, eu hein!”, “hum hum”, “hehem”, “tá”, “te toca”, “marminino”, “tô é tu” e outras dezenas de murmúrios e tiradas irônicas do maranhês são ditas de outras formas pelo povão Brasil afora.

No espetáculo “A convenção” a trama percorre um processo eleitoral com todos os vícios de uma disputa marcada pelo pragmatismo e clientelismo tão comuns no cenário político-partidário nacional.

Dijé e Clarisse Milhomem dividem a comédia, desta feita, com uma trupe de atores igualmente talentosos: Davyd Dias (Maçarico), Ricco Lima (Carlos Alberto Ferrari Milhomem), Marluce Emily (Iarde), Magno de Jesus (Mundica Fuçura), João Carvalho (Otávio Gabriel) e Dênia Correia (Jacierma).

Antes e depois do espetáculo o público saboreia o show especial da cantora Luciana Pinheiro.

Pão com Ovo foca no “conflito amigável” entre a socialite “Clarisse Milhomem” e a mulher guerreira de periferia: “Dijé”. Elas atritam porque são de classes sociais distintas, mas se abraçam nas suas diferenças, sem Clarisse incorporar o tom preconceituoso do tipo “eu odeio pobre”.

Quanto à retórica, vale ainda registrar alguns tons do discurso educativo da peça sobre a tolerância e respeito às diferenças de gênero e uma clara posição de combate à homofobia.

Não conto mais detalhes para evitar o spoiler e “estragar o prazer” de quem ainda não assistiu ao espetáculo.

Dou apenas uma dica. Depois da peça fique mais um pouco para apreciar o show de Luciana Pinheiro e, quem sabe, saborear as canjas maravilhosas de Dijé fazendo solo de jazz e rufando o som ancestral dos cantadores de bumba-meu-boi do Maranhão.

Eu vejo Pão com Ovo pensando nas tiradas teóricas de Jesus Martín-Barbero sobre as pulsações estéticas advindas do meio popular como práticas culturais de enfrentamento e resistência diante da arte cultuada nos espaços fechados e reservados a um público refinado, cult.

Em sua obra “Dos meios às mediações”, Martín-Barbero faz um apanhado das variadas pulsações do ambiente popular ressignificadas na dinâmica das transformações culturais. Os cegos violeiros, os pregoeiros das feiras livres, os cantores de rua, o teatro cara a cara nos palcos improvisados a céu aberto, as comédias animadas pelos urros e apupos da plateia exaltada e outras tantas modelagens estéticas dão vida à usina de emoções criativas não oficiais.

Todas essas ousadias de outrora vigoram no tempo presente quando um espetáculo de perfil popular vai aos grandes teatros do país.

Pão com Ovo tem um pouco de tudo isso e algo mais. Incorpora elementos da tragédia grega, do folhetim, da radionovela e da teledramaturgia contemporânea. Pão com Ovo é “Pão com (p)Ovo”.

A sofisticada elite intelectual de São Luís pode até não gostar do estilo popular, mas a maioria adora. Eu estou entre esses milhões de brasileiros encantados com as habilidades retóricas, os movimentos corporais e as elegantes interpretações sonoras da nossa tribo tupiniquim que um dia promete virar Paris.

Deitando e rolando

Eloy Melonio*

Falar, ler e escrever.

Essas são nossas mais básicas habilidades comunicacionais. A primeira é inata, e se desenvolve em casa, logo nos primeiros meses de vida. Para as outras, a gente precisa de ajuda especializada. Mesmo assim, depois de anos e anos na escola, muitos alunos morrem de medo da prova de redação do ENEM. E, entre uma habilidade e outra, elas estão lá, juntas e misturadas, no maior “auê”.

Isso mesmo! Estou falando das palavras. E foi nelas que, aos 52 anos, encontrei minha primeira e inesquecível lição de poesia, guardada num livro que ganhei de minha nora: “Penetra surdamente no reino das palavras…”.

Apesar de já iniciado na ciência das palavras, só agora, com outro livro, pude apreender a mensagem da primeira lição: “(…) gostava das palavras quando elas perturbavam o sentido normal das ideias”.

Carlos Drummond de Andrade e Manoel de Barros, respectivamente. A eles agradeço essas lições inspiradoras. Dois gigantes das letras que imergiram neste fantástico “reino” de fantasia, beleza e loucura. E, mesmo ausentes, levaram-me com eles nessa imersão poética. Depois disso, não havia como não ser tomado por esse inabalável apego às palavras.

Senti-me ainda mais encantado quando descobri esta outra preciosidade: “De todas as artes a mais bela, a mais expressiva, a mais difícil, é, sem dúvida, a arte da palavra” (Latino Coelho, em A Oração da Coroa).

Pois é, as palavras estão por aí desde que Deus tocou seu bombo, dando início à criação do mundo: bing, bang/ bing, bang. E, com elas, a luz. Com a luz, o dia e a noite. Com o dia, o trabalho. Com a noite, o descanso… e o sexo. E toda a humanidade.

Na narrativa bíblica, tudo era apenas um monólogo: Deus falando consigo mesmo. E aí não entendo por que minha mulher pega no meu pé quando percebe que estou falando sozinho. Mas eu lhe perdoo, porque só mesmo quem cria entende certas manias de outros criadores.

Não se sabe exatamente em que língua Deus falava. Mas, falando, Ele criava e criava. Em cada “obra”, uma palavra para nomeá-la, e outras para definir sua razão de ser. Lulu Santos e Nelson Mota têm razão quando nos advertem: “nada do que foi será/ De novo do jeito que já foi um dia”.

Essa é uma verdade absoluta no mundo das palavras. Porque, antes delas, não existia nada. Tudo era caos. Sem elas, nada do que foi criado teria ganhado personalidade. E, subservientes, sempre cumpriam as ordens do Criador. E, nesse momento primordial, a mais usada era o incansável verbo “haver”. Era Deus falar, e suas ideias tornavam-se reais.

Infelizmente, esse exemplo perdeu-se ao longo do tempo, pois, hoje, especialmente na seara política, a criatura de Deus fala, fala… As promessas dos candidatos no horário eleitoral gratuito na TV e no rádio parecem reprise dos filmes da “Sessão da Tarde”, na Rede Globo. E aí pensamos: já ouvi essa história antes!

Segundo a tradição judaico-cristã, Adão foi o primeiro homem a ouvir a voz do Criador. E parece que se entendiam bem. Talvez porque até então a criatura só ouvia. Quando pôde falar, foi para criticar seu interlocutor e acusar sua companheira: “A mulher que me deste por esposa…” (Gn 3.12).

Criado o mundo, os homens logo descobriram o poder da palavra. E achavam que também podiam tudo. Nessa ilusão, resolveram tirar uma onda com Deus. E construíram sua própria destruição. Não demorou muito, e a sua grande obra, a Torre de Babel, desmoronou, e veio tudo por terra abaixo. De solução, as pobres palavras passaram a ser uma grande “confusão”. Quanto mais falavam os homens, menos se entendiam.

Saltemos no tempo: da Babel do Gênesis para a babel das redes sociais, ou seja, para além das palavras, se é que isso é possível.

Nesse novo cenário, a comunicação ganhou “carinhas”, “mãozinhas”, “dedinhos”, “figurinhas” e “letrinhas” (blz, bjs, rs, mt). Só não se sabe exatamente aonde tudo isso vai nos levar. O salto tecnológico é real e a cada dia lança sobre nós um monte de “novidades”. Um amigo me confidenciou que espera ansiosamente o dia em que possa fazer sua habitual “confissão” por um aplicativo, sem ter de “encarar” o padre.

Apesar de tanta inovação, o homem não evoluiu tanto assim, e está “velhinho em folha”. Quando reflito sobre isso, tenho a mesma indignação de Belchior: “Ainda somos os mesmos/ E vivemos como os nossos pais”.

Não dá para disfarçar que somos muito parecidos com a galera da torre de Babel, porque “em toda a terra havia apenas uma linguagem” (Gn 11.1). Milhões de pessoas nos quatro cantos do planeta já amanhecem conectadas numa rede de “interação” jamais imaginada pelos nossos pais.

Felizmente, não mexo com tudo o que a tecnologia digital oferece. Sou um tanto technophobe (termo inglês para “pessoa que não gosta ou evita nova tecnologia”). Não dou conta de tanta informação e interação. Sou mais admirado e respeitado numa mesa de bar ( rsrsrs). Com isso, tento evitar aquela reclamação que a mulher faz ao marido, que soa igual à música dos “Paralamas do Sucesso”: Por que você não olha pra mim? E, assim, sobrevivo (e bem!) entre o WhatsApp, o Facebook e o Instagram. E só aí já são muitas carinhas e letrinhas para a minha sopa comunicativa.

Nunca vi nada no Tweeter. E tal qual o Zeca Pagodinho em relação ao caviar, eu também só “ouço falar”. Tenho cada vez menos intenção de abrir uma conta nessa rede de intrigas. Porque, segundo alguns amigos, é lá que as “tretas” e os “mimimis” deitam e rolam. E nesse bate-rebate, não há arma mais poderosa que a palavra. E também nunca houve tempo em que ela, como uma prostituta, fosse tão acessível e disponível. É, por assim dizer, uma “influencer” de alto padrão democrático.

E é assim que, de tanto digitar, as pessoas estão se ajustando a esse novo jeito de deitar e rolar em sua comunicação. Parece até que, como digo numa canção, antes de “ir dormir” já estão é “querendo acordar”. E o grande palco para isso, no Brasil, parece que fica mesmo nos gabinetes de Brasília. Dizem que por lá, assim como o “dinheiro” cabem em malas e cuecas, as “palavras” se dão muito bem num habeas corpus. Grande parte do conteúdo digital (blogs, podcasts) se nutre das migalhas dos homens de terno e gravata.

Ao longo da história da comunicação inteligente, homem e mulher vão deitando aqui e rolando ali. Da fofoca para o fuxico, do fuxico para os boatos, dos boatos para as “fake news”.

Quanto a mim, só em “Sapiens, uma breve história da humanidade”, de Yuval Noah Harari (Ed. LP&M), entendi melhor essa coisa de “fake news”. Harari revela: “Nossa linguagem evoluiu como uma forma de fofoca”. E acrescenta que o homo sapiens queria mesmo era saber “quem em seu bando odeia quem, quem está dormindo com quem, quem é honesto e quem é trapaceiro”. Um estilo de vida bem moderno, não acha?

Pois eu acho que nunca fomos tão sapiens como hoje. Parece que o jeito é mesmo se ajustar a este novo padrão de interação em que as pessoas (em lados opostos da conexão on-line) se afagam, se insultam e se lisonjeiam com elogios fáceis.

Imitando o sambista, deixo aos sapiens mais novos minha indagação final: e se as palavras nos deixarem sem voz e resolverem deitar e rolar em outra galáxia?

*Eloy Melonio é professor, escritor, poeta e compositor