O rádio cada vez mais vivo

Hoje é o “Dia do Rádio”, em homenagem ao nascimento do educador, médico e antropólogo Edgard Roquette-Pinto, fundador da Rádio Sociedade do Rio de Janeiro. 

Quando ouço um podcast jornalístico, de humor ou ficção fico cada vez mais animado com a ideia de que as mudanças nas produções do mundo sonoro incorporam os “velhos” gêneros e formatos do rádio convencional.

Um dos melhores podcast da minha lista é o “Café da Manhã”, da Folha de São Paulo. Simples, curto, direto no assunto, o programa tem uma dupla de apresentadores e todos os dias aborda um tema no “velho” formato de entrevista jornalística.

O “Café da Manhã” é o rádio vivo em mutação, disponível para escutar a qualquer tempo, de acordo com a demanda do ouvinte, em uma plataforma digital.

Embora tenha o suporte tecnológico diferente e agregue a vantagem de ouvir sob demanda, o melhor podcast da Folha de São Paulo é uma deliciosa entrevista convencional.

Novas mudanças estão em curso do mundo sonoro. A migração do AM para o FM já é uma realidade. E breve teremos o rádio digital no Brasil.

Mas, por enquanto, o “velho” meio demonstra sua força.

No Maranhão, por exemplo, o Governo do Estado está veiculando aulas preparatórias ao Enem nas “velhas” rádios AM, enquanto as atividades presenciais não voltam à normalidade devido à pandemia covid19.

Roquette-Pinto sempre pensou o rádio como um meio eminentemente educativo e essa perspectiva segue atualizada.

O jornalismo local e a prestação de serviços ganharam força com o advento das rádios comunitárias. Espalhadas em todo o Brasil, elas conversam diretamente com a população das cidades. Nos pequenos municípios essas emissoras são, na maioria das vezes, o único meio de comunicação. As comunitárias desempenham um papel fundamental na divulgação da produção cultural local, fazem as transmissões esportivas dos campeonatos intermunicipais, dos eventos e campanhas educativas de interesse público.

Quantos talentos musicais nos grotões do nosso país são revelados pelas rádios comunitárias! Durante a pandemia, elas tiveram um papel fundamental na educação da população, veiculando conteúdos sobre as medidas protetivas.

As inovações tecnológicas são sempre bem-vindas. A experiência da Rádio Web Tambor é auspiciosa em vários sentidos. Antes da pandemia tínhamos sede com estúdio físico e transmissão ao vivo pelo Facebook.

Quando a pandemia agravou, nós suspendemos as atividades presenciais e o principal programa diário – Jornal Tambor – passou a ser transmitido pelo Instagram.

Recentemente voltamos ao Facebook e abrimos um canal no YouTube com transmissão simultânea. Toda a equipe da Rádio Web Tambor continua trabalhando em suas casas.

Parte do Jornal Tambor é uma entrevista ao vivo. Depois da transmissão, o áudio é convertido em podcast – o TamborCast – disponibilizado no Spotfy e panfletado eletronicamente pelo WhatsApp.

O rádio é uma boa referência para pensar como o velho e o novo dialogam sempre, transformando as suas matrizes culturais em formatos industriais, como diria Jesús Martín-Barbero.

Aquele verso da música cantada por Lulu Santos … “tudo muda o tempo todo no mundo”… encaixa bem para pensar o rádio e as suas mutações.

Imagem destacada / Antes da pandemia os programas eram apresentados no estúdio físico da Rádio Web Tambor

Indignação! Cultura de São Luís com prejuízo milionário!

Fonte: Agência Tambor, em 26/08/2020

São quase oito milhões de reais que os artistas e demais produtores culturais de São Luís têm direito e já foi disponibilizado pelo governo federal. Isso a partir da Lei Aldir Blanc, aprovada no Congresso Nacional, com os votos da bancada de oposição a Bolsorano.

Mas o Secretário de Cultura da Prefeitura de São Luís, Marlon Botão, disse simplesmente que não tem previsão de quando os recursos serão repassados para a classe artística e os demais trabalhadores da cultura de nossa cidade.

Mesmo sendo um recurso emergencial (é emergencial!), simplesmente não existe um calendário da prefeitura de São Luís para que a Lei seja aplicada e o recurso seja disponibilizado a quem de direito.

A afirmação de Marlon foi dada em entrevista realizada hoje (26/08), no Rádiojornal Tambor. Ao longo da entrevista, concedida a jornalista Flávia Regina, foram feitos mais de 400 comentários da classe artística e cultural de São Luís, todos eles indignados com a fala de Marlon e com a gestão da cultura na atual administração do município. Segundo a maioria dos comentários Marlon “apenas enrolou” na entrevista.  É isso que está registrado no Facebook da Agência Tambor.

O secretário de Cultura foi convidado a falar na Rádio Tambor porque, na segunda-feira (24/08), nós recebemos representantes da classe artística de São Luís que criticaram o secretário e a política cultural da prefeitura de São Luís.

A Agência Tambor seguirá acompanhando esse caso, de grande importância para nossa cidade. Seguiremos ouvindo os dois lados e deixando bem claro que apoiamos a reivindicação e a pressão dos artistas e produtores culturais.

Como dissemos no início dessa matéria, são quase oito milhões já disponibilizados para São Luís. É um direito! É um auxílio emergencial!

Ouça a entrevista com Marlon Botão aqui

Pão e água para Jesus Cristo

Ed Wilson Araújo

Sou católico, mas adepto do ecumenismo. Jesus é um só, mas tão abundante que as pessoas professam a sua fé de variadas maneiras. O ecumenismo ensina a tolerar o diferente. Tem o sentido pleno da comunhão, de estar junto com os irmãos e partilhar a vida.

Com esse entendimento frequentei o Encontro de Evangélicos e Evangélicas Fome e Sede de Justiça, nos dias 4 e 5 de outubro/2019, evento organizado pelo coletivo Papo de Crente, que toca o programa homônimo na rádio web Tambor, vinculada à Agência Tambor.

Os irmãos e irmãs de São Luís do Maranhão juntaram-se aos de outros estados que vieram de longe para dar seus testemunhos inspirados no evangelho, na vida e nas obras de Jesus Cristo.

Sobre qual justiça os evangélicos e evangélicas conversaram?

O encontro foi, sobretudo, uma demonstração de respeito e admiração por um homem que abraçou a causa dos pobres, combateu os opressores, tratou com dignidade uma prostituta, respeitou as mulheres, confortou os doentes, pregou igualdade e solidariedade. Jesus é um dos pioneiros e mais representativos inspiradores dos direitos humanos.

Jesus é amor. Nele não cabem o ódio e a intolerância. Os relatos dos pastores e pastoras nos dois dias do evento fazem valer a fé viva no abraço ao irmão necessitado de alimento, amor, esperança e de ações concretas em prol da justiça.

Pastores(as) imbuídos(as) desses princípios atuam com dedicação missionária por todo o país, nas cidades, zonas rurais e áreas de conflito mais perigosas, como nas favelas ou em meio aos sem teto do Rio de Janeiro, onde ocorre um verdadeiro genocídio contra a população pobre e negra.

De todo o aprendizado ao longo do evento foi possível sistematizar que o Reino dos Céus, feito por gente de carne e osso aqui na terra, passa necessariamente pela distribuição da riqueza, do poder e do conhecimento.

A maioria da população brasileira que tem sede e fome de justiça precisa de trabalho com direitos, alimento, moradia, educação, acesso aos serviços públicos e acolhida na velhice com aposentadoria digna.

E como foi bom saber que em meio a tantas denominações hegemonizadas pelos setores conservadores existem pastores e pastoras atuando junto aos excluídos com a perspectiva de uma fé transformadora.

Um dos ensinamentos do Encontro de Evangélicos e Evangélicas Fome e Sede de Justiça refletiu sobre o sentido do perdão, quando José, tornado governador do Egito, diante de tanto poder, com muitas razões para se vingar dos seus próprios irmãos que o venderam como escravo, foi capaz de desculpá-los.

Por isso não faz sentido tratar como inimigos os evangélicos que momentaneamente votaram em um falso messias, influenciados, na maioria das vezes, pelas denominações que abandonaram o trabalho pastoral e construíram templos de ouro para cultuar o espírito neoliberal.

Precisamos entender os evangélicos vulneráveis aos mercadores da fé no contexto histórico do Brasil. A onda conservadora que varreu o país tem um lastro em 400 anos na escravidão, no patrimonialismo, na brutal concentração de renda e nas interferências diretas do imperialismo econômico e cultural, usando equivocadamente Jesus Cristo para traduzir o cristianismo em capitalismo.

O econômico é central no religioso. No Brasil atual, uma tese é real: os evangélicos ultraconservadores estão inseridos na cúpula do governo, nos parlamentos, nas gestões estaduais e municipais e nas raízes profundas dos meios populares.

“Brasil acima de tudo. Deus acima de todos” é um bordão complexo para expressar essa etapa diferenciada na vida política nacional, com um fato concreto: as denominações “neo” e pentecostais estão no coração do poder, confundindo democracia com uma espécie de “teocracia”.

Por dentro das igrejas conservadoras a “teocracia” se dissemina com uma forte dose de messianismo em torno de juízes e procuradores enviados por Deus para salvar o Brasil da corrupção.

Uma das principais revelações do Encontro de Evangélicos e Evangélicas Fome e Sede de Justiça trouxe à luz a informação sobre as ligações mais profundas entre a “República de Curitiba” e a Igreja Batista.

A igreja frequentada pelo procurador-chefe da Lava Jato, Deltan Dallagnol, foi sede do instituto Mude, um dos tantos braços ongueiros do lavajatismo fundamentalista.

A Igreja Batista é um campo de elite do conservadorismo evangélico. As neopentecostais são complementares, mas não menos importantes. Somadas, as denominações controladas pela ultradireita convergem os interesses do capital e do cristianismo.

Mas, o pensamento econômico não é suficiente para dar conta da tarefa. A onda conservadora, nas suas diversas matizes, vem turbinando na base da sociedade os elementos característicos do fascismo, sendo um deles mais visível – a construção de um inimigo que deve ser eliminado. Para isso, é fundamental disseminar o ódio. Se em outros tempos os culpados foram os judeus, agora são os petistas, os supostos comunistas e a esquerda de um modo geral, com tudo que ela representa, inclusive a concepção dos direitos humanos.

Ocorre que, às avessas de José, que perdoou os seus irmãos, a onda conservadora constrói culpados, espalha ódio, prega a intolerância e cultua o pensamento único neoliberal sistematizado nas promessas de salvação e prosperidade.

Nesse modo de ver, quem são os culpados pelo mundo que não deu certo?

Os culpados, além da esquerda, são os pobres mesmo, os de baixo da pirâmide, os inferiores, os beneficiários do Bolsa Família, os homoafetivos e todos aqueles que não foram capazes de vencer/prosperar ou de se adaptar aos padrões. Por isso precisam ser eliminados.

O ódio e a intolerância, na contramão dos ensinamentos de Jesus de Nazaré, legitimam a desigualdade e a lógica cultural do capitalismo e da injustiça.

Não foi à toa que a República de Curitiba, no âmbito da Lava Jato, tratou de destruir a política, a democracia e as instituições republicanas, maquinando para exterminar um projeto de nação, o Estado Democrático de Direito e as prerrogativas fundamentais dos cidadãos, em alguns casos.

Munidos desse discurso, montados em uma gigantesca máquina de propaganda nos meios de comunicação, o lavajatismo desencadeou uma violenta campanha para culpar, estigmatizar, responsabilizar e pregar a eliminação da esquerda e dos “petistas”.

O ano de 2018 foi um divisor de águas, quando a política passou a ser tratada como cruzada religiosa, liderada por um messias com gesto de revólver nos dedos.

Vivemos a expansão de uma base cultural entranhada no topo da pirâmide e nos grotões do Brasil. Na cúpula opera a elite e na base chegam as denominações alcançando setores médios e populares.

A destruição da política provocou um cenário de terra arrasada. Quando não ficar mais pedra sobre pedra só haverá uma saída – Deus! A salvação chega aos fiéis nas palavras dos pastores coach, youtuber, digital influencer que transformaram parte das igrejas evangélicas em negócio.

Essa não é a fé transformadora. Jesus é solidariedade e compaixão. Por isso ele condenou os fariseus. Está em Mateus 23:

“Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, hipócritas, porque percorrem terra e mar para fazer um convertido e, quando conseguem, vocês o tornam duas vezes mais filho do inferno do que vocês.”

 “Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, hipócritas! Vocês limpam o exterior do copo e do prato, mas por dentro eles estão cheios de ganância e cobiça. Fariseu cego! Limpe primeiro o interior do copo e do prato, para que o exterior também fique limpo.”

Tem um cristo agonizando na cruz e as suas feridas sangram. Ele está com sede e fome de justiça.