A Vale e as tragédias ambientais no Maranhão

Justiça nos Trilhos divulga nota pública sobre navio carregado de minério da Vale encalhado próximo à costa maranhense

A Justiça nos Trilhos (JnT), associação de pessoas, comunidades, movimentos sociais, igrejas, sindicatos e grupos de pesquisa, que atuam em defesa dos direitos das comunidades que vivem nas áreas atravessadas pela Estrada de Ferro Carajás (EFC), nos estados do Pará e do Maranhão, se manifesta publicamente sobre a real ameaça de naufrágio do navio MV Stellar Banner carregado de minério da Vale e que encontra-se encalhado próximo à costa do Maranhão desde o início desta semana. Externamos nossa preocupação com o acidente, tanto pelo risco ambiental às águas e ecossistemas locais como em relação à integridade física e vida dos trabalhadores da cadeia de mineração e logística.

Segundo informações da imprensa, da mineradora Vale e da Capitania dos Portos do Maranhão, o navio Stellar Banner, operado pela empresa sul-coreana Polaris com destino a um comprador em Qingdao, na China, sofreu uma avaria na proa, apresentando “ao menos dois locais com entrada de água nos compartimentos de carga por volta das 21h30 desta terça (25) e começou a afundar no Oceano Atlântico”, a causa pode ter sido uma fissura no casco. A embarcação de 340 metros de comprimento com capacidade para 300 mil toneladas de minério de ferro, encontra-se encalhada em um banco de areia há cerca de 100 km de São Luís, após uma manobra do comandante afim de evitar o naufrágio.

A Marinha disse, em nota, que “instaurou um inquérito administrativo para apurar causas, circunstâncias e responsabilidades do incidente”. E informou que um gabinete de crise foi estabelecido “para tratar os possíveis danos ambientais advindos do encalhe da embarcação ‘Stellar Banner’ e dos planos de desencalhe e salvatagem para a retirada desta embarcação do local”.

Exigimos da empresa Vale e Marinha do Brasil que forneçam informações atualizadas sobre o plano de salvatagem e que sejam adotadas medidas rápidas e eficazes  para controle dos efeitos do vazamento de combustível já detectado e com imagens amplamente divulgadas na mídia. Exigimos informações atualizadas sobre as medidas tomadas pelo IBAMA sobre o caso.

O acidente na costa maranhense gera muita preocupação e questionamento quanto à segurança adotada no transporte de minério da Vale, uma vez que não é o primeiro caso envolvendo esse tipo de embarcação. Em 2011, também no Maranhão, o supercargueiro Vale Beijing, estaleiro sul coreano STX com capacidade para 400 mil toneladas de minério de ferro, também apresentou problemas e risco de afundar no litoral do Estado. No ano de 2017, um navio cargueiro com capacidade para mais de 260 mil toneladas de minério afundou com 24 tripulantes na costa do Uruguai, causando a morte de 22 pessoas. O navio era um Stellar Daisy, operado pela Polaris Shipping, da Coreia do Sul, que transportava minério de ferro carregado no terminal da Ilha Guaíba, da mineradora Vale, no Rio de Janeiro, com destino à África do sul. O jornalista R.T. Watson em reportagem de maio de 2017 para o site Bloomberg, relata que após o naufrágio fatal, navios que atendiam a Vale foram inspecionados e que pelo menos dois deles necessitaram de reparos. As embarcações em questão eram do tipo Stellar, chamados de VLOCs (Very Large Ore Carriers), que eram navios-petroleiros antes de serem convertidos.

O site Portos MA traz histórico dos maiores acidentes já registrados no Complexo Portuário do Estado do Maranhão, um deles causados pela Vale, em 1994, quando ainda era estatal. Em 11 de novembro, o navio Trade Daring partiu ao meio em pleno procedimento de carga, duas partes da embarcação afundaram parcialmente, bloqueando o píer I por mais de um mês. Foi necessária uma “mega operação para liberar o terminal que ficou completamente parado por exatos 35 dias”.

Vale lembrar também o naufrágio da Plataforma Sep Orion no canteiro de obras do Pier IV do Terminal Portuário Ponta da Madeira (TPPM/Vale), ocorrido no dia 30 de setembro de 2012. Esse componente da expansão do sistema Carajás foi construído para aumentar a capacidade de exportação de minério de ferro. Na ocasião, o Ministério Público Federal (MPF) ajuizou uma Ação Civil Pública (ACP 0011645-58.2013.4.01.3700 8 ª Vara da Justiça Federal do Maranhão) contra a Vale S.A e Eusung O&C CO Ltda, na qual houve condenação da Vale a “retirar integralmente as estruturas” que se encontravam submersas na Baía de São Marcos e a recuperar o ambiente da área degradada. A ACP com pedido de liminar foi proposta pelo MPF, em abril de 2013, em “razão da demora na execução do plano de retirada do material submerso”. Havia se passado cinco meses do naufrágio e o material não havia sido removido, trazendo risco à segurança e ameaçando o equilíbrio e preservação do meio ambiente.

Até quando a empresa Vale vai continuar se envolvendo em tragédias ambientais? Como confiar numa empresa que está envolvida nos principais desastres ambientais do Brasil e detém o maior projeto de mineração do pais? Quando a prática empresarial da Vale irá de fato apresentar uma atuação sustentável como a apresentada em suas propagandas? Como o governo ainda permite que essa empresa envolvida em todos esses fatos atue sem uma fiscalização severa e sem ser responsabilizada pelas violações que provoca?

Nós, da Justiça nos Trilhos, seguimos atentos e atentas ao caso e consideramos imprescindível que seja realizado um amplo monitoramento da situação destes navios tanto pelo histórico de acidentes como pelo porte e a potencial capacidade de danos ambientais e humanos graves.

São Luís – MA, 27 de fevereiro de 2020

Caixas misteriosas apareceram na mesma praia onde encalhou o navio Baraka, no litoral do Maranhão

A praia de Saçoitá, no município de Cedral, a 193 Km de São Luís, ficou conhecida em março de 2017, quando o navio Baraka, de bandeira desconhecida, atracou sem tripulantes e virou um mistério para as autoridades da Marinha do Brasil e da Polícia Federal, que até hoje não descobriram a origem da embarcação.

Baraka ficou conhecido como “navio fantasma” na praia de Saçoitá.
Imagem capturada de celular / Ed Wilson Araújo

Sem tripulação nem vigilância, o navio ficou vulnerável. Logo após o encalhe, o Baraka virou atração “turística” e também foi saqueado pelos moradores das proximidades. Na mesma praia, no começo de 2019, começaram a encalhar as caixas misteriosas que apareceram em várias orlas de cidades do Nordeste, inclusive São Luís, capital do Maranhão.

As caixas podem ser observadas ao longo de toda a costa de Saçoitá, algumas totalmente expostas e outras semienterradas na areia, mas não despertaram tanta curiosidade quanto o Baraka.

As caixas estão “encalhadas” ao longo de toda a orla de Saçoitá.
Foto: Marizélia Ribeiro

Revelação

O mistério das caixas emborrachadas começou a ser desvendado pelos pesquisadores da Universidade Federal do Ceará, do Instituto de Ciências do Mar (Labomar). Eles revelaram que os objetos estavam alojados em um navio alemão denominado “SS Rio Grande”, afundado em 1944, durante a II Guerra Mundial.

Caixas enfileiradas ao longo da praia de Saçoitá. Foto: Marizélia Ribeiro

O alemão SS Rio Grande usava um nome brasileiro para não ser percebido com facilidade pelos inimigos, mas foi abatido pelos Estados Unidos, naufragou em 1944 e descoberto em 1996, a cerca de 1.000 quilômetros do litoral, pelo oceanógrafo inglês David Mearns.

Os pesquisadores ainda não conseguiram descobrir a finalidade das caixas.

Mistérios de Saçoitá

Saçoitá é uma praia semideserta com uma extensão de aproximadamente sete quilômetros e pode ser acessada com a orientação de guias no povoado Pericaua, próximo à sede do município de Cedral. Apenas proprietários de ranchos de pescadores artesanais frequentam Saçoitá e os barracões de madeira e palha passam a maior parte do tempo desocupados.

Pescadores utilizam os “ranchos” como ponto de apoio em Saçoitá.
Foto: Marizélia Ribeiro

Ao longo da orla, onde já encalharam o Baraka e as caixas do navio SS Rio Grande, podem ser observados diversos objetos de variadas origens, provavelmente arrastados pelas correntes marítimas.

Os ranchos na praia de Saçoitá são mais utilizados nos dias de pescaria.
Foto: Marizélia Ribeiro

Embora seja uma praia sem fluxo de moradores e turistas, acumula bastante lixo trazido pelo mar como sobras de eletrodomésticos, colchões, metais, plástico e um sem número de pequenos artefatos ao longo de toda a orla.

Veja abaixo outra reportagem sobre o navio Baraka.

Baraka, meses após aparecer em Saçoitá, era atração turística.