Avenida Litorânea de São Luís já foi palco de três assassinatos com grande repercussão

Um dos principais pontos de turismo e lazer da capital maranhense, a avenida Litorânea é também o local onde foram registrados três crimes de assassinato contra um delegado, um jornalista e um integrante de facção criminosa.

Devido à poluição, quase todas as praias ao longo da orla margeada pela avenida Litorânea são impróprias para banho, mas recebem um público expressivo de frequentadores dos bares e restaurantes, além dos praticantes de caminhada e outras atividades físicas.

Veja os casos de execução em uma das avenidas mais famosas de São Luís:

Delegado Stênio Mendonça

Na manhã de 25 de maio de 1997 o delegado Stênio Mendonça foi executado a tiros por José Vera Cruz Soares Fonseca (o Cabo Cruz) e José Rodrigues da Silva (o Zé Julio), no calçadão da avenida Litorânea.

À época, o delegado investigava delitos relacionados ao roubo de cargas e acabou revelando uma rede criminosa envolvendo policiais, pistoleiros, empresários e parlamentares.

A execução de Mendonça desencadeou posteriormente o aprofundamento das investigações sobre roubo de cargas e pistolagem no Maranhão. A Assembleia Legislativa criou a CPI do Crime Organizado, levando à prisão de vários integrantes de quadrilhas especializadas em roubo de carretas de transportadoras e assassinatos de aluguel.

Jornalista Décio Sá

Em 23 de abril de 2012, por volta das 23h, o jornalista e blogueiro Décio Sá foi assassinato por cinco tiros (três no tórax e dois na cabeça) em um bar, na avenida Litorânea, pelo pistoleiro Jhonathan de Souza Silva.

Décio Sá editava um blog e vinha publicando várias reportagens sobre a prática da agiotagem, envolvendo cerca de 40 prefeituras no Maranhão. A investigação sobre o assassinato revelou os tentáculos de uma organização criminosa com a participação de empresários, prefeitos, agiotas e policiais.

O crime repercutiu fora do Brasil e várias entidades manifestaram pesar, a exemplo da Comissão de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), Associação Brasileira de Imprensa (ABI), Associação Nacional dos Jornais (ANJ) e Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj).

Líder de Facção Criminosa

Pelo menos dez tiros foram disparados para matar um líder de facção criminosa dia 27 de setembro de 2020 (domingo), no calçadão da avenida Litorânea.

O crime ocorreu em meio a um clima de apreensão na cidade, gerado pelo conflito entre facções rivais atuantes na região metropolitana de São Luís, entre elas o temido “Bonde dos 40”.

Segundo a Secretaria de Estado da Segurança Pública, a vítima, cuja identidade não foi revelada, comandava uma facção criminosa atuante no bairro Vicente Fialho, onde recentemente assumiu o controle do território e atiçou a rivalidade junto às outras gangs.

Imagem destacada: Honório Moreira / O Imparcial / D.A Press.

Carta de Domingos Dutra contra o novo presidente da Famem é grave e merece atenção do MP e da Justiça

O prefeito de Paço do Lumiar, Domingos Dutra (PCdoB), disparou artilharia pesada contra o novo presidente da Famem (Federação dos Municípios do Estado do Maranhão), Erlânio Xavier (PDT), eleito recentemente após um acordo que levou à desistência da reeleição Cleomar Tema.

Em carta aberta (veja no final da postagem), Dutra acusa diretamente os aliados de Erlânio Xavier de boicote à gestão comunista em Paço do Lumiar, mediante a utilização de vários expedientes não republicanos, tais como: fake news, envolvimento criminoso, uso de representações falsas no MP, Polícia Federal e tribunais de contas, entre outras graves denúncias.

No documento, o prefeito informa o motivo da desfiliação da Prefeitura de Paço do Lumiar da Famem: “V.Exa foi preso pela Polícia Federal, tendo como companheira a então Prefeita Bia Venâncio Aroso, acusados de corrupção no Município de Paço do Lumiar. Desta forma, V.Exa há de convir que torna-se incoerente manter filiado na entidade que V.Exa preside o Município em que V.Exa foi acusado de desviar recursos públicos.”

As denúncias, portanto, merecem atenção especial do Ministério Público, da Justiça, da Polícia Federal e Polícia Civil para monitorar os movimentos da política em Paço do Lumiar.

O alvo de Dutra é a aliança entre Erlânio Xavier e o grupo da ex-prefeita Bia Venâncio Aroso, que se mantém ativo para retomar a prefeitura de Paço do Lumiar em 2020.

Erlânio Xavier, hoje no comando da Famem, foi preso pela Polícia Federal em 2012, na Operação Alien, quando era vice-prefeito de Igarapé Grande, acusado de atuar diretamente no desvio de recursos públicos em Paço do Lumiar, à época sob a gestão de Bia Venâncio Aroso.

Veja abaixo a carta de Domingos Dutra

EXMO SENHOR PRESIDENTE DA FEDERAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO MARANHÃO – FAMEM

Erlânio Furtado Luna Xavier

O MUNICÍPIO DE PACO DO LUMIAR, pessoa jurídica de direito publico interno, com Sede na Praça Nossa Senhora da Luz, Centro, Paço do Lumiar, vem através de seu representante legal, DOMINGOS FRANCISCO DUTRA FILHO, CPF 098755143-49, residente e domiciliado na Avenida 09, Quadra 54, Casa 19, conjunto Maiobão, Município de Paço do Lumiar, com base no artigo 13, inciso I, dos Estatutos da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão, requerer a DESFILIAÇÃO DO MUNICÍPIO DE PAÇO DO LUMIAR do quadro de sócio desta entidade pelos motivos resumidos a seguir:

 1 – V.Exa foi preso pela Polícia Federal, tendo como companheira a então Prefeita Bia Venâncio Aroso, acusados de corrupção no Município de Paço do lumiar.

Desta forma, V.Exa há de convir que torna-se incoerente manter filiado na entidade que V.Exa preside o Município em que V.Exa foi acusado de desviar recursos públicos;

2 – Recentemente, V.Exa e outros dirigentes do PDT declararam apoio aos meus adversários políticos em Paço do Lumiar, os quais coincidentemente  também foram presos e  tiveram mandatos cassados pela Câmara Municipal e pelo Poder Judiciário por práticas de compra de votos e corrupção;

3 – Para o conhecimento de V.Exa, os seus aliados em Paço do lumiar utilizam-se de jabutis com inscrição na Ordem dos Advogados do Brasil e também de ex-presidiário  para promoverem representações falsas perante o Ministério Público Estadual e Federal; Polícia Federal e Tribunais de Contas contra a nossa gestão, bem como se utilizam de Fake News para atacarem a minha honra, de minha esposa e familiares;

4 – Também para vosso conhecimento, informo que seus aliados em Paço do Lumiar promovem uma oposição selvagem contra a nossa gestão pelo fato de terem governado o município por 36 anos e não terem feito em quase quatro décadas o que já realizei em 25 meses de administração, que se expressam e provo em dezenas de obras, ações, programas, tendo inclusive dobrado os recursos do Fundo de Participação do Município (FPM);

5 –  Aliás, após eu ter dobrado os recursos do Fundo de Participação do Município seus aliados cresceram os olhos, pois eles só pensam no valor da mufunfa, o que me dá a certeza de que as eleições de 2020 em Paço do Lumiar tenham talvez de enfrentar o crime organizado com ramificações além-mar.

Desta forma, diante do envolvimento criminal de V.Exa durante a gestão da então Prefeita Bia Aroso e considerando o apoio que V.Exa tem dispensado a políticos que transformaram Paço do Lumiar em estado de calamidade pública e que possuem idêntico histórico da ex-prefeita, sou forçado a requerer a DESFILIAÇÃO DO MUNICIPIO DE PAÇO DO LUMIAR do quadro de associados da FAMEM, para que V.Exa fique à vontade para continuar em Paço do Lumiar, apoiando seus amigos de prática política.

Termos em que pede e espera

D E F E R I M E N T O

Paço do Lumiar (MA), 31 de janeiro de 2019.

DOMINGOS FRANCISCO DUTRA FILHO

Prefeito de Paço do Lumiar

Imagem destacada: Bia Venâncio Aroso e Erlânio Xavier em evento político