Categorias
notícia

Carta do X Fórum Social Pan-Amazônico alerta para a ameaça de caos no planeta

Com informações do Sindsep Amapá / Foto: Nielton Trindade

O encerramento da 10ª edição do Fórum Social Pan-Amazônico (Fospa) realizado no campus da Universidade Federal do Pará, em Belém, no dia 31 de julho, foi regado pelo forte simbolismo de combate a destruição da natureza entre as mais de dez mil pessoas que participaram dos três de dias de evento, vindas dos nove países que compõem a parte de cima da América Latina: Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Peru, Venezuela, Guiana, Guiana Francesa e Suriname.

Ao final do evento foi sistematizada a DECLARAÇÃO PAN-AMAZÔNICA DE BELÉM, um documento contendo o resultado dos debates, oficinas, palestras e rodas de conversa ao longo de três dias, às margens do rio Guamá.

Nos três primeiros tópicos, a declaração assinala:

  1. Abraçados em frente ao Rio Guamá, no grande encontro de toda a diversidade que habita a Pan Amazônia, nós, indígenas, negros, quilombolas, camponeses, ribeirinhos, urbanos, de todos os gênero e faixas etárias dos nove países da Bacia Amazônica: Brasil, Bolívia, Peru, Equador, Colômbia, Venezuela, Guiana, Suriname e Guiana Francesa, reafirmamos a viagem que começamos há 20 anos, desde o Primeiro Encontro como Fórum Social Pan Amazônico, com a esperança de um “Outro mundo possível”. Não podíamos imaginar, na época, que hoje o mundo seria ainda pior.

  2. Hoje, a Amazônia está no seu pior momento, devastada por governos para os quais a natureza é uma mercadoria e os direitos dos povos não têm validade. Até hoje, nenhum governo tem garantido o pleno exercício dos direitos dos povos amazônicos na defesa da Mãe Natureza. Nesta situação, é necessário chamar os movimentos sociais, apelar para a criatividade, aprender com os erros e continuar a luta.

  3. O que percebemos ontem como ameaças são hoje realidades derivadas de um sistema de opressão múltipla: patriarcal, racista, capitalista e colonial, que localizou a grande Bacia Amazônica como sua mais recente fronteira de expansão, colocando em risco todas as formas
    de vida e aqueles que as defendem.

    Veja o texto integral aqui
Categorias
notícia

Agosto de choros e encantamentos

Joãozinho Ribeiro, poeta e compositor

Sem apegos maiores ao sentido literal do título, o mês de agosto escancara uma belíssima janela para os apreciadores do gênero musical, com várias apresentações públicas, juntando diferenciados grupos, intérpretes e compositores, em diversificados espaços comunitários da cidade encantada de São Luís.

O vitorioso projeto RicoChoro ComVida na Praça, liderado pelo estimado parceiro Ricarte Almeida Santos, cujo nome já diz tudo, oferece-nos três edições nos dias 06 (Praça do Letrado, Vinhais), 20 (Praça Nossa Senhora de Nazaré, Cohatrac) e 27 (Largo da Igreja do Desterro). Sucesso antecipado de palco e de público, só podemos desejar vida longa ao projeto RicoChoro ComVida na Praça, e parabenizar toda equipe de produção do vitorioso evento.

A novidade da temporada é o lançamento no dia 13/08 (um sábado), às 19h, no Convento das Mercês, do projeto “Choro (en)Cantado”. Este, coordenado pelo poeta e compositor Joãozinho Ribeiro, conta com a cumplicidade cultural de vários parceiros, com destaque para a Academia do Show, a Fundação Memória Republicana do Brasil, a Dupla Criações e os aguerridos companheiros da Feira da Tralha. 

Lena Santos assina a produção cultural. A direção musical é do consagrado maestro Arlindo Pipiu, que integra o Regional Roda de Choro no Céu, tocando violões de 6 e 7 cordas. No trombone e na flauta, respectivamente, contamos com o auxílio sonoro dos músicos Jovan Lopes e João Neto. Na percussão, o auxílio luxuoso do Mestre Carbrasa e de Madson Peixoto. No cavaquinho, a gentileza solidária de Gustavo Belan. Nos vocais, e também em algumas interpretações solos, as afinadas vozes de Mariana Rosa e Kátia Espíndola.

Para esta edição do dia 13/08, o “Choro (en)Cantado” terá como convidadas e convidado especiais as cantoras Anna Cláudia e Fátima Passarinho; os professores e pianistas Rose Fontoura e Daniel Lemos, expressando um dos seus principais objetivos, que é:

“Gerar e/ou consolidar espaços de convivências solidárias e musicais, onde possamos divulgar, por meio de apresentações, produções criativas do gênero (choro e assemelhados), combinando obras instrumentais com outras lítero-musicais. Sempre que possível, promovendo diálogos intergeracionais com os apreciadores, intérpretes, compositores e músicos que divulguem e valorizem a chorografia do Maranhão e do Brasil.”

“O projeto também propiciará uma abertura para pequenos recitais poéticos, performances e exibições de curtas; lançamentos de livros, desde que os parceiros interessados se responsabilizem por todos os detalhes de suas apresentações específicas.”

Nesta edição do dia 13/08 contaremos também com a participação especialíssima da jovem e criativa escritora Camila Cutrim, nascida no Bairro do Desterro, Mestre em Letras pela UFMA, lançando o seu primeiro livro “Letras e silêncio: o caos sentimental”. Do Desterro também contaremos com os quitutes da Didica e com uma pracinha de alimentação organizada pelos próprios moradores das comunidades do Centro Histórico.

Desta feita, o espaço de realização do evento não será a tradicional quadra do Convento das Mercês, porém um belíssimo terraço, com uma vista panorâmica para a paisagem da área Itaqui-Bacanga, além de um jardim maravilhoso que fazem parte do conjunto arquitetônico deste centenário espaço cultural.

Somado a tudo isso, temos ainda o engajamento social do evento, através da parceria com o Pacto pelos 15% com Fome, encabeçado pela Ação pela Cidadania, materializado na doação de um quilo de alimentos não perecíveis, como forma de ingresso ao show de lançamento do projeto “Choro (en)Cantado”. 

“Roda de choro é uma brincadeira

Brinca com a gente uma vida inteira

Toca bem fundo nossa lembrança

Vibra o acorde da esperança”

Categorias
notícia

Causos de campanhas eleitorais: a família renegada

O blog estreia hoje uma seção de causos baseados em relatos de situações inusitadas em campanhas eleitorais. Segue o primeiro episódio:

Era tão pouca gente no comício, nos anos 1990, em uma cidade da Baixada maranhense, que os poucos correligionários revezavam entre o palanque e a plateia, de tal maneira que enquanto um candidato discursava os outros da coligação desciam da carroceria do caminhãozinho para fazer volume na praça esvaziada.

Entre os poucos presentes estava o típico eleitor hilário que adora um comício para zombar dos políticos.

Um dos oradores desatou a falar em ética, seriedade, compromisso e outros quetais da sua plataforma de campanha e eventual governo. E fazia questão de dizer que não praticaria nepotismo. “Se eu ganhar a eleição, não vou nomear nenhum parente na prefeitura, ninguém da minha família vai ser empregado, meu mandato será isento de parentes ou aderentes no governo”, destacava.

Ao ouvir aquela retórica, eis que tipo jocoso sai com essa: “Esse candidato nunca vai ter meu voto e de ninguém aqui na cidade. Se ele não tem consideração com a própria família, se ele não vai ajudar nem as pessoas próximas, imagine as outras pessoas que não são parentes dele.”

Foi dito e certo. O tal candidato ético ficou minguado de votos. Foi uma derrota tão acachapante que nunca mais ele tentou nenhuma eleição.

Categorias
notícia

Carta do II Seminário Comunicação e Poder no Maranhão

Nós, organizações que participamos do II Seminário de Comunicação e Poder no Maranhão, dias 27 e 28 de julho de 2022, reafirmamos a importância do debate e da ação em torno da democratização da mídia. Trata-se de um tema fundamental no Brasil, gerando dois eventos em nosso estado, num intervalo de cinco anos.

E estamos convictos da necessidade de começar a pensar, desde já, num terceiro seminário de Comunicação e Poder no Maranhão, a ser realizado no segundo semestre de 2023. 

Ao fazer o debate, levamos em conta que o Brasil hoje é marcado por uma extrema-direita que avançou, assumindo um protagonismo num campo político conservador.  Esse avanço se deu por uma estratégia de comunicação que, a partir de modernas tecnologias e muito dinheiro investido, vem disseminando violência, incluindo ódios e mentiras.  

É uma comunicação que mobiliza parte da sociedade brasileira, atingindo questões fundamentais,  passando por todo tipo de  ataque às possibilidades democráticas, incluindo as tentativas de apagamento de uma memória dolorosa da nossa história.

Essa comunicação de extrema direita ganha força num país marcado por um cartel de comunicação empresarial, com grandes emissoras de TV, que são de direita, movidas por interesses econômicos dos ricos, que defendem privilégios, em clara oposição as pautas de cunho popular.  

E ao tratar de Comunicação e Poder, particularmente no Maranhão, apontamos algumas prioridades: 

1 – Organização e consolidação de projetos jornalísticos que possam produzir conteúdos comprometidos com a classe trabalhadora, com justiça social, direitos humanos, igualdade racial,  gênero e orientação sexual, preservação do meio ambiente e reforma agrária. Isso significa ter referências sólidas de uma comunicação contra-hegemonica.    

2 – Seguir investindo e tentando ampliar o trabalho de formação política, com a produção coletiva de conhecimento e troca de experiências, na perspectiva de formar novos e antigos comunicadores populares, para ocupação de diferentes espaços.

3 – Estimular a comunicação oriunda das periferias, dos povos e comunidades tradicionais, comprometida com a diversidade da classe trabalhadora, das lutas por terra-território e bem viver, a partir de suas múltiplas organizações, movimentos e coletivos. 

4 – Avançar na ampliação de uma rede de solidariedade, com ações conjuntas de comunicação.

5 – Democratizar o orçamento público. Comunicação é um direito. E é inaceitável que o suado dinheiro do contribuinte, de um povo empobrecido, seja quase que exclusivamente destinado aos cofres de poderosos grupos comerciais, que já são naturalmente financiados pelo agronegócio, bancos privados, mineração, grandes empresas. O investimento público tem que garantir liberdade de expressão, pluralidade de vozes, possibilitando a quebra do silêncio diante das diferentes formas de violência, rotineiramente promovidas por elites econômicas, estruturas oligárquicas, latifúndio, agronegócio.

Núcleo Piratininga de Comunicação (RJ)

Agência Tambor

Associacão Brasileira de Rádios Comunitárias do Maranhão — ABRAÇO-MA

Teia de Povos e Comunidades Tradicionais do Maranhão

Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultoras e Agricultores Familiares do Maranhão – FETAEMA

Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST)

Sindicato dos Bancários do Maranhão

Fóruns e Redes de Cidadania do Maranhão

Sindicato dos Urbanitários do Maranhão

Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias do Maranhão Pará e Tocantins – STEFEM

Associação Nacional de História – Sessão Maranhão

Caritas Brasileira Regional Maranhão

Movimento pela Soberania Popular na Mineração

Rede de Agroecologia do Maranhão – RAMA

Forum Maranhense de Mulheres

Carabina Filmes

Levante Popular da Juventude

Sindicato dos Servidores da Assembleia Legislativa do Maranhão – Sindisalem

APRUMA – Seção Sindical do ANDES-SN

Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Estado do Maranhão – SINDSEP/MA

Sindicato dos Servidores do Judiciário Federal e do MPU no Maranhão – SINTRAJUF

Sindicato dos Profissionais do Magistério da Rede Pública Municipal de São Luís – Sindeducação

Sindicato dos Trabalhadores em Saúde e Previdência no Estado do Maranhão – SINTSPREV

Central Única dos Trabalhadores (CUT-MA)

Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB-MA)

CSP Conlutas

Movimento de Defesa da Ilha

São Luís, 28 de julho de 2022.

Categorias
notícia

Esperteza ou traição? Lahesio não assume Bolsonaro pra valer no Maranhão

O ex-prefeito de São Pedro dos Crentes e candidato ao Governo do Maranhão, Lahesio Bonfim (PSC), vem adotando um discurso de paz e amor.

Em suas mais recentes entrevistas ele desvia o foco quando a pergunta é sobre polarização esquerda x direita.

Na rádio Mirante AM, ao ser indagado sobre a sua afinidade com o presidente Jair Bolsonaro, Bonfim saiu pela tangente.

Disse que é apenas um eleitor do presidente, mas respeita cada pessoa que prefira votar em Lula, Ciro etc.

Bem orientado por marqueteiros, o candidato evangélico sabe que no Maranhão Lula tem um histórico de ótima votação, por isso evita a chamada polarização.

Existe aí um misto de esperteza, hipocrisia e traição, visto que ele é o candidato terrivelmente evangélico da ultradireita mais identificada com Jair Bolsonaro.

Com esse perfil, soa muito estranho que nas entrevistas ele não defenda o presidente com unhas e dentes e nem afronte Lula, como é praxe das candidaturas de extrema direita.

Coloca-se no cenário também a desconfiança de que Lahesio já esteja a serviço do Palácio dos Leões, servindo como laranja dos candidatos a governador, Carlos Brandão (PSB); e a senador, Flávio Dino (PSB), as maiores representações do campo político de Lula no Maranhão.

Categorias
notícia

Oportunidade para a formação em música clássica percorre o Maranhão


A Academia Jovem Concertante está de volta ao Maranhão e desenvolve uma série de atividades em São Luís e em mais seis cidades no estado: Santa Inês, Pindaré Mirim, Igarapé do Meio, Buriticupu, Bom Jesus das Selvas e Miranda do Norte. Em cada uma delas serão realizados concertos didáticos e sociais em escolas e instituições de ensino, até 8 de agosto, sob a direção artística da pianista Simone Leitão (foto), além de concertos abertos ao público, com acesso gratuito.

O diferencial da etapa maranhense é uma equipe de três jovens mentores artistas, com a presença do maestro paraibano Marcos Arakaki, que rege e prepara a orquestra. No programa estão obras de Heitor Villa-Lobos, J.S. Bach, Edvard Grieg, Clovis Pereira e Guerra-Peixe.

A Academia Jovem Concertante Maranhão 2022 é patrocinada pelo Instituto Vale, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, numa realização do Ministério do Turismo, Secretaria Especial de Cultura do Governo Federal, Brasil Classical e Olga Produções. Para esta rodada de atividades no Maranhão a Concertante conta com 26 jovens músicos, na sua maioria maranhenses.

Mapa de talentos

A AJC foi fundada em 2012 pela pianista e doutora em Música, Simone Leitão, com a missão de qualificar jovens músicos clássicos de todo o país e levar a música sinfônica a localidades que naturalmente não são expostas a esse idioma artístico. Nesses 10 anos, o projeto visitou 15 estados do país em 18 etapas, duas delas no Maranhão (em 2014 e 2015).

“O talento não tem CEP”, afirma Simone Leitão, doutora em Música e criadora do projeto da Orquestra Jovem Concertante. “Acreditamos que o Maranhão tem muitos talentos e poucas oportunidades de treinamento, por isso estamos de volta. Mais do que oferecer conhecimento de forma horizontal, o projeto propõe o intercâmbio entre a região Sudeste e outros estados do Brasil”, completa.

Em cada etapa são selecionados jovens de 16 a 28 anos de idade – estudantes de música ou em fase de profissionalização – para um programa de qualificação com base em prática orquestral intensa, em um sistema de clínica imersiva e música de câmara.

“A Academia Jovem Concertante é um incrível projeto de orquestra, que não só ajuda jovens músicos a alavancarem suas carreiras, mas também leva a música de concerto a lugares e pessoas que não tem um fácil acesso a esse tipo de música ao vivo. É o meu 8° ano de AJC e já tocamos em obras, praças de cidades em interior, teatros e salas de concertos”, diz Carol Santa Rosa, atual spalla da orquestra (principal violinista), selecionada em edição anterior do projeto.

Os instrumentos são violino, viola, cello, contrabaixo e flauta. Cada selecionado tem todas as despesas pagas e recebe uma bolsa incentivo.

SERVIÇO

Agenda de Concertos da Academia Jovem Concertante
 
03/08 – 20h – Buriticupu – Praça da Cultura

04/08 – 20h – Bom Jesus das Selvas – Praça João Fabricante

06/08 – 20h – São Luís – Teatro Arthur Azevedo

07/08 – 17h – Miranda do Norte – Igreja Católica de Nossa Senhora Aparecida

Patrocínio: Instituto Vale por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura

Realização: Ministério do Turismo, Secretaria Especial de Cultura do Governo Federal, Brasil Classical e Olga Produções

SIMONE LEITÃO

Recitalista, camerista e solista de orquestras nas Américas, Europa e Ásia, é uma das mais atuantes pianistas brasileiras. Levou a música clássica brasileira ao exterior por meio do projeto Brasil Classical Series e idealizou programas que popularizam a música erudita no Brasil, como a Academia Jovem Concertante e a Semanas Internacional de Música de Câmara do Rio de Janeiro e de Belo Horizonte. Possui D.M.A. (Doctor of Musical Arts) em Piano Performance e História da Música pela Universidade de Miami (Estados Unidos), Mestrado pela Norges Musikkhögskole (Academia de Música da Noruega, Oslo) e Bacharelado em Música pela Uni-Rio. É especialista nas obras para piano e orquestra de Vil la-Lobos.

MARCOS ARAKAKI

Regente da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, tem passagens pela Orquestra Sinfônica Brasileira Jovem e Orquestra Sinfônica da Paraíba, onde atuou como regente titular e, no exterior, dirigiu a Filarmônica de Buenos Aires, a Sinfônica de Xalapa, Orquestra da American Academy of Conducting, em Aspen, a Filarmônica da Universidade Autônoma do México, a Kharkiv Philharmonic da Ucrânia e a Boshlav Martinu Philharmonic da República Tcheca. Desde 2008 vem desenvolvendo um trabalho à frente da Orquestra Sinfônica Brasileira Jovem.

Categorias
notícia

Mercado de games cresce no Maranhão

Dois jogos maranhenses participaram do Big Festival, maior festival de games, criação e negócios e networking da América Latina.

O mercado de games vem crescendo significativamente no Maranhão. De acordo com mapeamento realizado pela Associação de Desenvolvedores de Jogos do Maranhão (AMAGAMES), o faturamento do setor saltou de 100 mil em 2019 para 500 mil no ano passado. São nove empresas no segmento e cerca de 130 desenvolvedores de jogos atuando no estado.

O crescimento no mercado e a qualidade dos jogos desenvolvidos no Maranhão têm se destacado e conquistado projeção nacional e internacional.

Big Festival disponibilizou mais de 200 jogos para o público. Foto: Ascom / Sebrae

Pelo segundo ano consecutivo, dois jogos maranhenses foram selecionados para participar do Big Festival (Best International Games Festival), que aconteceu no período de 7 a 10 de julho, em São Paulo.

Em 17 categorias diferentes, foram selecionados para participar do Big Festival 92 jogos de 31 países, sendo 24 de produtoras brasileiras.

Os jogos maranhenses que participaram do evento como finalistas foram o UniDuni, do Studio Clops – que concorreu na categoria Melhor Multiplayer, e o Undergrave, desenvolvido pelo Wired Dreams Studio, participando do Panorama Brasil, uma mostra não competitiva.

A gestora de projetos de Economia Criativa do Sebrae no Maranhão, Danielle Abreu, explicou que a atividade de jogos eletrônicos faz parte desse segmento, que no Brasil tem experimentado um crescimento forte não só na receita, mas também no número de usuários. “O faturamento da indústria de games representa hoje mais do que as indústrias de cinema, música e literatura que, somados, geram divisas bastante expressass”, afirmou ela.

Ações com foco na formalização, capacitação para a gestão empreendedora e de acesso a mercado, como a participação das duas empresas no Big Festival, são iniciativas empreendidas pelo Sebrae Maranhão, que desde 2018 vem apoiando esse segmento. “O Maranhão tem um potencial fantástico e o Sebrae tem ajudado a consolidar isso, por meio de ações de planejamento empresarial, modelagem de negócios, gestão de projetos de equipes, finanças, marketing, com atenção para a propriedade intelectual”, constata a gestora Danielle Abreu. “Nos honra muito saber que o segmento tem crescido tanto a ponto de ter um destaque em nível nacional e internacional”, disse ela.

Heitor Dias, cofundador do Clops Game Studio, ressaltou o apoio do Sebrae para o segmento. “O Sebrae Maranhão é um dos parceiros mais importantes e atuantes do ecossistema de desenvolvimento de jogos no estado. A atuação vai desde a capacitação dos estúdios, incentivo e ampliação da formalização dos empreendimentos e também a contribuição para que as empresas consigam maturidade o suficiente para a atuação no mercado internacional. Somos muito gratos por sua atuação e faremos de tudo para que essa experiência se aprimore e continue ajudando cada vez mais o mercado local”, afirmou Heitor.

Região Nordeste concentra 14% dos desenvolvedores de jogos do Brasil.

De acordo com os dados divulgados pelo site Forbes, houve um crescimento de mais de 160% na quantidade de estúdios nacionais em atuação, na comparação com o ano de 2019, quando eram 375, pulando para 1009 em 2022. A Pesquisa Nacional da Indústria de Games foi publicada pela Associação Brasileira dos Desenvolvedores de Jogos Digitais (Abragames), em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportação e Investimentos (ApexBrasil), constando a evolução do segmento.

Ainda segundo os dados da pesquisa, a região Nordeste concentra 14% do número de desenvolvedores do Brasil. A maior concentração permanece na região Sudeste (57%), seguida da região Sul (21%), Centro-Oeste (6%) e Norte (3%).

Imagem destacada: Heitor Dias apresenta o UniDuni, um dos jogos finalistas na categoria Multiplayer. Foto: Ascom /Sebrae

Categorias
notícia

RicoChoro ComVida na Praça retoma apresentações presenciais

Projeto terá três edições presenciais em agosto, em parceria com a Ação da Cidadania na campanha “Pacto pelos 15% com fome”

Por Zema Ribeiro*

15% da população brasileira não têm o que comer atualmente, no maior retrocesso da história do país. É pensando nestes mais de 33 milhões de brasileiros que a Ação da Cidadania lançou, no último dia 15 de julho, a campanha “Pacto pelos 15% com fome”, que visa “promover uma grande aliança entre entidades da sociedade civil e empresas, grupos de mídia, agências de comunicação e publicidade, pessoas físicas, artistas e influenciadores, para atuarem na linha de frente no combate à fome e às desigualdades sociais”. O objetivo é “viabilizar doações diretamente para as instituições do Pacto e cadastrar voluntários na luta contra a insegurança alimentar”.

No Maranhão, a primeira iniciativa a abraçar a causa é o projeto RicoChoro ComVida na Praça, que terá três edições presenciais em agosto: dias 6, 20 e 27, nas praças do Letrado (Vinhais), Nossa Senhora de Nazaré (Cohatrac) e Largo da Igreja do Desterro, respectivamente, sempre às 19h. Os eventos são gratuitos e abertos ao público.

“Este evento sempre prezou pelo diálogo e pela diversidade, além do afeto. Palco e plateia em comunhão no exercício de fazer e fruir boa música, alimento para a alma. Agora, diante da tragédia social brasileira, irmanamo-nos a esta importante iniciativa da Ação da Cidadania, sempre lembrando o início de tudo, com os ideais do sociólogo Herbert de Souza, o Betinho. É colocar em prática a máxima dos Titãs: “a gente quer comida, diversão e arte”, aproveitando ainda para agradecer à sensibilidade do deputado Bira do Pindaré, pelo apoio ao projeto”, comenta o sociólogo e radialista Ricarte Almeida Santos, idealizador e coordenador de RicoChoro ComVida na Praça.

No primeiro sarau, as atrações são a dj Josy Dominici, o Regional Caçoeira e os cantores Vinaa e Djalma Chaves; depois é a vez do dj Marcos Vinícius, Instrumental Tangará, a cantora Bia Mar e o cantor Carlinhos da Cuíca; e na última edição desta temporada, o sarau terá como atrações o dj Jorge Choairy, o Quarteto Crivador e o cantor Cláudio Lima, com a participação especial da cantora Dicy.

RicoChoro ComVida na Praça é uma produção de RicoChoro Produções Culturais e Girassol Produções Artísticas. O evento garante acessibilidade cultural para pessoas com deficiência, com assentos prioritários, banheiros acessíveis, audiodescrição e tradução simultânea em libras, a língua brasileira de sinais.

  • Zema Ribeiro é jornalista. Coordenador de produção da Rádio Timbira AM, produz e apresenta, aos sábados, na emissora, o Balaio Cultural, com Gisa Franco. Escreve no Farofafá
Categorias
notícia

Carta em defesa do Estado Democrático de Direito supera meio milhão de adesões

Já passa de 500 mil assinaturas a “Carta às brasileiras e aos brasileiros em defesa do Estado Democrático de Direito”

A iniciativa do movimento ‘Estado de Direito Sempre!’ foi criada na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. É inspirada na Carta aos Brasileiros de 1977, um texto de repúdio ao regime militar, redigido pelo jurista Goffredo Silva Telles e lido também na faculdade do Largo de São Francisco.

O documento defende o sistema eleitoral e o respeito ao resultado das eleições de outubro e condena “as ameaças aos demais poderes e setores da sociedade civil e a incitação à violência e à ruptura da ordem constitucional”.

A carta e os seus apoiadores e apoiadoras reúnem pessoas públicas, organizações corporativas, movimentos sociais diversos, magistrados e parlamentares, professores, lideranças populares, entidades dos direitos humanos e afins.

Você pode ler e assinar aqui

Categorias
notícia

Achados e perdidos

Eloy Melonio

“Amigo é aquele que, antes do ombro, dá o coração.”

(Mhario Lincoln)

Para anunciar a escalação do nosso timaço ― da forma como ele realmente merecia ― só mesmo chamando Galvão Bueno, com sua voz inconfundível. Não sem antes impor uma condição: ele deve anunciar seus nomes como se fossem os craques da Seleção Brasileira.

E, se quiser, pode consultar seu “VAR” particular, ou seja, “o Velho Arnaldo”, para uma consideração técnica (Pode isso, Arnaldo?).

Esse “isso” não tem nada a ver com as posições ou qualidades dos “jogadores”, mas com os nomes pelos quais eram chamados quando estavam no campinho de peladas onde nos encontrávamos quase todas as tardes.

Então, vamos lá! Imagine-se agora ouvindo a narração de Galvão Bueno: O time da COHAB-Anil vai de Farinha, Magriça, Pé de Bicho, Maguari, Maior, Dentadura de Galinha, Gringo, Elefante, Natal, Via e Bombom.

Não são nomes tão estrambóticos assim, não é mesmo? Eram, na verdade, apelidos que nasciam de flagrantes inusitados que a galera não deixava escapar. E, raramente, alguém se chateava com isso. Apenas uma explicaçãozinha para sustentar a leveza das nossas intenções: “Via” era o apelido de um “estrábico” do elenco. Os outros deixo por conta da imaginação de vocês. Ah, e vou logo avisando: não vou revelar o meu.

Espero que não se decepcionem com esta informação: esse time nunca existiu no sentido de agremiação futebolística. Podia ser esse ou outro qualquer. Ou seja, era mais que um time de peladeiros dos primeiros anos da COHAB-Anil (conjunto residencial de classe média baixa, entregue em 1967). Era um time de amigos. Amigos que eu não vejo há muito, muito tempo. Amigos que inscreveram seus nomes nos anais de minha saudade. E que talvez já não estejam mais neste nosso mundo.

Esta conversa toda só para falar ― isso mesmo! ― sobre “amizade”. De amigos que se perdem e que se acham. E também por causa dessa “roda viva” de que nos fala Chico Buarque: “Tem dias que a gente se sente/ Como quem partiu ou morreu”. Nessa canção, as estrofes sempre terminam com os versos: “Mas eis que chega a roda-viva/ E carrega (destino/saudade) pra lá”.

Em se tratando de amizade, a “roda-viva” ― sem aviso prévio ― pode “trazer ou levar” as pessoas a quem nos ligamos pela afeição, simpatia, estima. Como disse antes, imagino que a galera do time anunciado por Galvão Bueno já está (quase) toda “perdida”.

Mas eis que ― depois de cerca de vinte anos ― chegou o Ricardo para entrar no time dos “achados” (ou “reencontrados”) na curva do vento. Um amigo com quem convivi por cerca de oito a dez anos. E com ele, a inspiração para esta crônica. Eita roda-vida danada!

Amigos, todos os temos. E o bom da vida é que temos todos os tipos de amigos. Generosos, confiáveis, amáveis, problemáticos. Um sem-número de adjetivos se aplica a essa categoria social. Temos o “médico-amigo” das campanhas eleitorais. Os best-friends das redes sociais. Já tivemos até “O Amigo da Onça”, um típico malandro brasileiro criado pelo cartunista Péricles de Andrade, que foi sucesso na Revista O Cruzeiro (1928–1975).

A arte sempre reserva um cantinho para a amizade. Milton Nascimento, por exemplo, revela o melhor lugar para se guardar os amigos. O grupo Fundo de Quintal achou os versos mágicos para amplificar esse lado bonito da vida: “A amizade/ Nem mesmo a força do tempo irá destruir / Somos verdade / Nem mesmo este samba de amor pode nos resumir”. Um hino cristão, aproveitando a sabedoria do provérbio 18:24, refere-se a Jesus como “um amigo mais chegado que um irmão”.

Hoje os meus amigos são outros. Outros senhores, outros perfis, outros humores. Igual mesmo só o “laço” que nos une. E, entre “achados e perdidos”, a galera da COHAB-Anil sempre estará guardada no lado esquerdo do meu peito.

_____

Eloy Melonio é contista, cronista, ensaísta, letrista e poeta.