Abraji se une aos esforços para localizar jornalista inglês e indigenista desaparecidos no Amazonas

Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) se une aos esforços para que sejam localizados o jornalista britânico Dom Philips e o indigenista Bruno Pereira. Os dois desapareceram no domingo, 05.jun.2022, no trajeto entre a comunidade de São Rafael e a cidade de Atalaia do Norte, no Amazonas. Colaborador regular do jornal Guardian no Brasil, Dom Philips está na Amazônia para a cobertura de conflitos de terra e questões indígenas. Bruno Pereira é um experiente indigenista daquela região amazônica, que concentra o maior número de povos isolados do país. Os dois haviam sofrido recentes ameaças em decorrência do trabalho.

De acordo com as organizações indígenas Univaja e OPI, Philips e Pereira se deslocaram com uma lancha para o Lago do Jaburu, numa base próxima do posto de observação da Funai, onde Philips teria feito entrevistas. Os dois estavam retornando ao município de Atalaia do Norte e fizeram uma parada na comunidade de São Rafael por volta das 6h da manhã de domingo e partiram logo em seguida, mas ainda não retornaram a Atalaia do Norte ainda naquela manhã.

As frentes indígenas de busca foram acionadas imediatamente, assim como as autoridades foram avisadas, entre elas o Exército, a Polícia Federal e o Ministério Público Federal. A Abraji enviou ofícios às autoridades se juntando aos pedidos de prioridade na elucidação do caso e no resgate do jornalista e do indigenista desaparecidos.

Em nota, a Polícia Federal declara acompanhar o caso e ter formado as primeiras diligências para investigar o desaparecimento de Philips. O caso foi encaminhado à delegacia da PF em Tabatinga-AM (a 1.107 km de Manaus).

À Abraji, o MPF-AM informou que instaurou um procedimento administrativo para apuração e acionou a Polícia Federal, a Polícia Civil, a Força Nacional, a Frente de Proteção Etnoambiental Vale do Javari e a Marinha do Brasil. Esta última já confirmou ao MPF que conduzirá as atividades de busca na região, por meio do Comando de Operações Navais.

Também via comunicado, a Funai declarou acompanhar o caso e está em contato com as forças de segurança que atuam na região. A comunidade de São Rafael, último local em que o barco de Philips e Pereira foi avistado, fica a cerca de 10 minutos de barco da base da Funai na confluência entre os rios Javari e Ituí e a duas horas de Atalaia, para onde eles deveriam ter retornado no domingo.

A Funai informou ainda que o indigenista Bruno Pereira integra o seu quadro de servidores, mas não estava na região em missão institucional. Pereira está licenciado para tratar interesses particulares.

A Abraji se solidariza com as famílias e amigos de Philips e Pereira e faz votos para que eles sejam localizados rapidamente e em segurança.

Diretoria da Abraji, 6 de junho de 2022

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.