Luiz Pedro e a coragem de fazer a coisa certa

Guilherme Zagallo, advogado.

O ex-deputado estadual Luiz Pedro, que faleceu na madrugada de hoje, foi um político de posições corajosas. Gostaria de compartilhar um pouco desse histórico a partir de seu posicionamento de 2004 a 2007 contra a instalação de um grande empreendimento poluente na ilha de São Luís.

Luiz Pedro foi um dos poucos deputados estaduais que se posicionou contra a instalação do Polo Siderúrgico da Vale em São Luís no ano de 2004 (junto com Domingos Dutra e Helena Heluy). Na Câmara de Vereadores a situação não era diferente e somente Abdon Murad, Joberval Bertoldo e Marilia Mendonça se manifestaram contra a implantação do polo siderúrgico para produção anual de 22,5 milhões de toneladas de aço a menos de seis quilômetros do centro de São Luís.

Em discurso na Assembleia Legislativa em 13 de dezembro de 2004, quando o debate sobre o assunto estava apenas iniciando, afirmou que “ainda é tempo de salvar a nossa ilha, ao mesmo tempo que garantimos empregos e investimentos para o Maranhão, levando esses empreendimentos para a parte continental do Maranhão”.

Em 21 de fevereiro de 2005 ele explicou seu posicionamento, ao afirmar que “isso (a instalação do polo siderúrgico) não pode ser feito à custa do sofrimento, da qualidade de vida e da ameaça à saúde da população dos quatro municípios da Ilha”, para em seguida concluir que “a instalação desses empreendimentos no continente, onde não cause tanto impacto e onde a concentração populacional seja menor, mais rarefeita, é indispensável”.

Há uma frase sua de 10 de junho de 2005 em que declarou: “O que nos alegra é ver que no início éramos apenas um número reduzido de deputados nesta Casa [contrários à localização das usinas em São Luís] e foi crescendo, ganhando a simpatia de outros colegas”. Ele foi um dos motores do convencimento de alguns dos colegas deputados, que posteriormente se manifestaram contra a implantação do polo siderúrgico em São Luís, como Aderson Lago, Carlos Braide, Julião Amin e Rubem Brito.

Em 2007, já como Chefe de Gabinete do Governador Jackson Lago, participou das tratativas que deixaram claro que se a empresa pretendia avançar com o projeto, deveria cogitar sua implantação no continente e não na ilha.

Esse posicionamento firme minimizou o avanço da poluição industrial em São Luís, hoje um dos seus principais problemas, com a emissão de 48 mil toneladas anuais de poluentes tóxicos, inclusive com a ultrapassagem dos padrões legais vigentes, além da contaminação de águas superficiais e subterrâneas, e de peixes por metais pesados. A soma desses efeitos negativos da industrialização faz com que São Luís seja uma das cidades mais poluídas do Brasil, com claros e danosos efeitos sobre a saúde e vida de sua população.

Assim, no momento de sua partida devemos saudar a coragem de fazer a coisa certa quando isso era difícil e gerava críticas dos meios de comunicação, afirmando em alto e bom som: Luiz Pedro, presente!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *