Apruma convida: palestra de Agostinho Marques aborda a democracia e o fascismo contemporâneo

“A encruzilhada da democracia: violência, autoritarismo e o fascismo contemporâneo” é o tema de palestra do professor Agostinho Ramalho Marques Neto, nesta terça-feira (23), às 17h, no auditório principal do Centro Paulo Freire, no campus do Bacanga (UFMA).

A programação é promovida pela Apruma (Associação dos Professores da Ufma, seção sindical do Andes-SN). O evento será transmitido via internet para as seções sindicais do Andes da Regional Nordeste I. Em recente encontro em São Luís, as seções sindicais encamparam o evento como atividade da luta em combate às ameaças ao Estado Democrático de Direito.

A Apruma convoca os docentes à participação nesta atividade imprescindível para entender a conjuntura atual e construir a resistência democrática no Brasil. Será uma oportunidade de ouvir, refletir, participar e organizar o enfrentamento da comunidade universitária e dos movimentos sociais diante da escalada autoritária.

Agostinho Marques é uma referência nas áreas do Direito e da Psicanálise. Não há inscrição prévia para participar da palestra. A lista de presença preenchida de modo legível no dia e no local do evento dará direito ao certificado.

Visões de Sousândrade em cena

No fechar das cortinas do mês de outubro, o Núcleo de Criações Caé traz à cena teatral maranhense uma proposta inusitada. Trata-se do espetáculo “O Guessa Errante – Canto Terra”, que foi contemplado com o edital Ocupa 2018 do Centro de Cultura Vale do Maranhão – CCVM.  A encenação acontece nos dias 23, 24, 30 e 31/10, às 19 horas nas instalações do CCVM, na Praia Grande. A entrada é franca.

A peça, que tem a direção de Vinicius Viana, é uma livre adaptação do livro “O Guesa Errante”, do escritor e poeta maranhense Joaquim Manuel de Sousa Andrade, mais conhecido por Sousândrade, que viveu no final do século XIX e início do XX, considerado por muitos estudiosos como o precursor da poesia moderna no Brasil.

Com duração de 50 minutos, a espetáculo aborda 6 dos 13 cantos do livro de Sousândrade, cantos que se espelham na natureza e nos rituais dos povos indígenas: incas, amazônicos e os timbiras maranhenses, contados na saga do Errante. Para alguns pesquisadores, “O Guesa Errante” é uma ópera.

O diretor e também ator do espetáculo, Vinicius Viana, atualmente mestrando em Teatro pela Universidade do Estado de Santa Catarina, conta que a inspiração para o espetáculo começou em 2003, quando a escola de samba Favela, de São Luís, levou para avenida o enredo com o tema. “De Sousândrade e louco – todos nós temos um pouco, mais genial e errante, só o Guesa”.  Neste ano, a escola foi campeã.

Segundo Vinicius esse enredo ficou marcado em sua mente. No trabalho de conclusão de curso de Teatro da UFMA, ele e o elenco do Núcleo de Criações Caé aprofundaram a pesquisa sobre a obra de Sousândrade, em seus processos criativos, desenvolveram a dramaturgia e roteiro de apresentação. A pré-estréia aconteceu para uma plateia selecionada, sendo apresentada nas ruínas do Sítio do Físico.

Compõem o elenco do Núcleo de Criações Caé Ana Raquel Fárias, Daniel Monteiro, Heidy Ataides, Hudson Bianckinni, Idalina Moraes, Victor Mendes e Vinicius Viana.

Sousândrade

O Guesa Errante – escrito entre 1858-1888 – é considerada a principal  obra de Sousândrade. Além desta obra destacam-se Harpas Selvagens (1857), Harpa de Ouro (1888/1889) e Novo Éden (1893).

Sousândrade era filho de comerciantes de algodão, estudou em Paris e trabalhou em Nova York. Em 1877, ele mesmo escreveu:

“Ouvi dizer já por duas vezes que o “Guesa Errante” será lido 50 anos depois; entristeci – decepção de quem escreve 50 anos antes”.

Ele faleceu em 1902. Até hoje sua obra é pouco conhecida e muito valorizada por seletos apreciadores de literatura e poesia. Os poetas e irmãos Augusto e Haroldo de Campos publicaram “Revisão de Sousândrade”, em 1960. Para os irmãos Campos, Sousândrade foi o precursor da poesia moderna no Brasil.

No final de sua vida, Sousândrade foi considerado louco e abandonado pela família. Aos 69 anos morreu sozinho e miserável, em São Luís.

Imagem / Acorrentado / Divulgação

Flávio Dino e Haddad arrastam multidão durante ato em São Luís

O candidato a presidente Fernando Haddad (PT) e o governador do Maranhão Flávio Dino (PCdoB) arrastaram uma verdadeira multidão pelos bairros do Anil, em São Luís, na manhã deste domingo, 21. Milhares de pessoas acompanharam o ato e reforçaram a campanha do petista no estado e a luta pela democracia.

Mais votado no Maranhão no primeiro turno com 61,26% dos votos, Fernando Haddad foi recebido com carinho e palavras de assentimento da população ludovicense durante todo o percurso pelo bairro do Anil. Ao lado de Flávio Dino, ele agradeceu o apoio e garantiu que os maranhenses terão um amigo no Palácio do Planalto.

“Assim como quando eu era ministro da Educação nunca faltou nada para o Maranhão”, ressaltou Haddad. Ele anunciou que, a partir do dia 1º de janeiro de 2019, caso ele seja eleito, em nenhum lugar do Brasil o gás de cozinha custará mais do que R$ 49. Além disso, ele informou que o programa Bolsa Família terá um acréscimo de 20%.

Sobre o seu adversário Jair Bolsonaro (PSL), Haddad foi duro nas palavras afirmando que ele “não honra a farda que já vestiu, tanto que teve que sair do exército”. O petista fez um desafio para alguém mostrar o que Bolsonaro já fez em 28 anos como deputado federal. “Só vomitou violência contra o povo, negro, mulher, nordestino”, respondeu.

Fernando Haddad demonstrou preocupação com a intenção do filho de Bolsonaro de fechar o STF e disse que o brasileiro hoje tem para escolher quem bate continência para a bandeira americana ou quem tem como proposta de governo o livro em uma mão e a carteira de trabalho na outra.

“É com trabalho e educação que a gente muda esse país. Não é com armas. O Nordeste está dando uma resposta”, enfatizou, ao exaltar o ato ocorrido em São Luís e outros realizados nos últimos dias no Piauí, Ceará, Bahia e outros estados da região.

Em seu discurso, Flávio Dino sublinhou que o povo não pode se curvar às manipulações que estão sendo feitas nesta campanha e destacou que Bolsonaro está fugindo dos debates porque tem medo da verdade. “Aqui no Maranhão nós vamos dar uma surra no soldado covarde, no fascismo, na ditadura e defender a democracia”, ressaltou o governador.

Flávio Dino lembrou as raízes históricas do Maranhão na luta pela democracia, como a Revolta de Beckman, ocorrida em 1684, a primeira contra a coroa portuguesa. Ele também enalteceu a lutas das mulheres maranhenses contra a candidatura de Jair Bolsonaro. “Aqui não tem vez pra ele”, finalizou Dino.

Também participaram do ato em São Luís a presidente nacional do PT, Gleise Hoffmann, o senador eleito Weverton, os deputados federais eleitos Márcio Jerry e Bira do Pindaré, além do reeleito Rubens Júnior, vereadores da capital maranhense, líderes de movimentos sociais e população em geral.

Foto: Ricardo Stuckert

Rumo à vitória: Haddad em São Luís neste domingo

Participe da caminhada com Haddad, o governador Flávio Dino e os senadores Weverton e Eliziane, os deputados federais e estaduais e os movimentos sociais, em favor da democracia e dos direitos sociais, como aposentadoria e 13º salário.

Ponto de concentração: Praça do Coreto (próximo ao Colégio Padre Antônio Vieira e do CINTRA), no bairro do Anil, no domingo, 21 de outubro, às 8h30.

Convide os seus amigos, colegas e conhecidos. E vamos à vitória!

Sábado: mulheres realizam ato pela democracia, em São Luís

O movimento Mulheres Unidas Contra Bolsonaro convoca todos e todas para o ato “Mulheres pela Democracia – Haddad e Manu sim!”, que acontece neste sábado (20), às 16h, na Praça dos Catraieiros, centro de São Luís.

A manifestação, pacífica, democrática e suprapartidária, reunirá pessoas de todos os gêneros, extratos sociais, orientações sexuais, crenças religiosas e etnias, em favor da democracia, da liberdade de expressão e em defesa do Estado Democrático de Direito.

Em plenária realizada no último dia 16, o movimento decidiu pela modificação do eixo do evento, de forma a incluir setores mais amplos e, ao mesmo tempo, demarcar a pauta das mulheres contra Bolsonaro no cenário do segundo turno das eleições presidenciais.

O ato político contará com atrações culturais como Afrôs, Luciana Pinheiro, Preta Lu, Regiane Araújo, entre outros, e está previsto para terminar às 20h30. Toda a manifestação acontecerá na Praça dos Catraieiros, Praia Grande.

Venha fazer parte dessa luta pelos direitos das mulheres, negros e negras, indígenas, LGBTIQs e todos que defendem a democracia brasileira.

#EleNão #HaddadManuSim

Repórter da Folha sofre assédio e ameaças após a reportagem que denuncia campanha contra o PT pelo WhatsApp

Fonte: Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji)

Desde a manhã desta quinta-feira (18.out.2018), a jornalista Patricia Campos Mello (Folha de S.Paulo) é alvo de assédio direcionado, ofensas em massa e ameaças nas redes sociais. As ações tiveram início logo após a publicação da reportagem “Empresários bancam campanha contra o PT pelo WhatsApp”, assinada por ela.

Perfis com grande número de seguidores, apoiadores da candidatura de Jair Bolsonaro (PSL-RJ), publicaram postagens com questionamentos à credibilidade da repórter. Centenas de usuários, seguindo as postagens, fazem comentários depreciativos e ofensivos, além de ameaças nas redes da jornalista, em especial em sua conta no Twitter.

Patrícia Campos Mello é uma das mais importantes jornalistas do país. Repórter experiente, cobre relações internacionais, economia e direitos humanos há 18 anos. Cobriu conflitos como o da Síria e foi a única profissional brasileira a cobrir in loco a epidemia de Ebola em Serra Leoa em 2014 e 2015.

A Abraji condena a ofensiva contra Patricia Campos Mello. Retaliar jornalistas em função de sua atividade profissional não atinge apenas o(a) comunicador(a) em questão; traz prejuízos à sociedade como um todo, inclusive aos que praticam os ataques.

Diretoria da Abraji, 18 de outubro de 2018

Flávio Dino defende frente ampla contra o extremismo

O governador reeleito no Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), defende o apoio de partidos e candidatos de esquerda em torno de Fernando Haddad para enfrentar Jair Bolsonaro no segundo turno das eleições à presidência.

“Movimentos de aliança em torno do Haddad ajudam a demonstrar de que se trata de uma frente ampla contra uma posição extremista de direita, ditatorial, que ataca pessoas no meio da rua”, frisou Flávio Dino.

Para ele, a candidatura do PT não é mais exclusiva do partido, pois expressa anseios de vários setores sociais. Segundo Flávio, os desafios da frente ampla estão em desconstruir a falsa polarização entre as duas candidaturas, e defender uma agenda positiva, de propostas e soluções para a vida prática da população, onde o candidato do PT obteria vantagens.

“Nós temos que fugir do lugar comum que Haddad e Bolsonaro são dois extremos. Não são”, enfatiza. “A candidatura extremista, sem dúvida alguma, é demostrada pelo uso da violência, por ataques à liberdade de imprensa, por ideias esdrúxulas”, completou, se referindo à campanha de Bolsonaro.

Dino reforçou, ainda, o compromisso de Haddad com à democracia, na esteira dos demais governos progressistas desde a redemocratização. “Todas as vezes que a esquerda chegou ao governo foi por intermédio do voto popular e nunca houve uma virada de mesa”.

O mesmo, reitera, não pode se dizer em relação a Bolsonaro e seu vice, o general Hamilton Mourão, “que tem demonstrado, por intermédio de declarações, que é contra a Constituição de 88”, que deve ser preservada, por se tratar de “um pacto civilizatório fundamental”.

Agenda positiva

Dino enfatizou a importância de promover uma agenda próxima do cidadão atualmente preocupado com questões práticas fundamentais, como emprego e segurança pública. Essa agenda real da campanha tem sido desviada pelas fake news, na opinião do governador.

“Nós temos que trazer o debate para esses pontos concretos, porque aí se evidencia que o Haddad tem propostas, claras e muito melhores, do que aquelas que o candidato Bolsonaro pode apresentar”, afirmou.

Em relação à segurança, Flávio Dino sugere a criação de uma força nacional permanente para auxiliar as polícias estaduais, como contraproposta ao armamentismo defendido pela chapa adversária.

“Segurança pública precisa de armas, a questão é nas mãos de quem. Existem profissionais treinados para manusear armas. Qualquer sociedade que optou por outro caminho aumentou a violência”, finalizou o governador do Maranhão.

Fonte: PCdoB São Luís.

Imagem: divulgação / PCdoB

Semelhanças no Comunismo e Cristianismo

Marizélia Ribeiro – professora UFMA
Doutora em Políticas Públicas e ex-aluna de escola católica

O Comunismo parece ser o maior inimigo para alguns cristãos que decidiram votar no 17 nessas eleições presidenciais de 2018. Talvez ainda acreditem que “comunistas comem crianças”, estratégia anticomunista disseminada pela burguesia europeia do Século XIX.

“Sua Excelência Benito Mussolini, Chefe de Governo, Duce do Fascismo e Fundador do Império” usava o cartaz “Papá, salvami” com o símbolo comunista para aterrorizar famílias italianas sobre o falso perigo de suas crianças serem raptadas e levadas para a antiga União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. Mussolini estava longe de ser um bom cristão, embora tenha criado o Estado do Vaticano e tornado obrigatório o ensino religioso em escolas italianas.

O Comunismo que Mussolini tanto temia vem do latim communis, que significa universal, comum. Antes de Karl Marx, já se falava de sociedade sem classes, onde indivíduos ou grupos não se exploravam pelo trabalho e não havia acumulação de riquezas.

Viver em harmonia com os irmãos, em fraternidade, é um princípio comum aos cristãos e comunistas.

Igualdade e solidariedade em prol de um bem comum são ensinamentos de Jesus amplamente divulgados pelos apóstolos Mateus, Marcos, Lucas e João no Novo Testamento da Bíblia Sagrada. Nesse Livro, o apóstolo Paulo, no capítulo 11 de sua Segunda Carta, diz o que se segue:

“12 Porque, se há prontidão de vontade, é aceitável segundo o que alguém tem, e não segundo o que não tem.
13 Pois digo isto não para que haja alívio para outros e aperto para vós,
14 mas para que haja igualdade, suprindo, neste tempo presente, na vossa abundância a falta dos outros, para que também a abundância eles venha a suprir a vossa falta, e assim haja igualdade;
15 como está escrito: Ao que muito colheu, não sobrou; e ao que pouco colheu, não faltou.”

O Comunismo saiu da clandestinidade com o Manifesto Comunista de Marx e Engels, panfleto que virou livro e traz no seu início: “Um espectro ronda a Europa – o espectro do comunismo. Todas as potências da velha Europa unem-se numa Santa Aliança para conjurá-lo: o papa e o czar, Metternich e Guizot, os radicais da França e os policiais da Alemanha.” E segue dizendo que partidos da direita e da esquerda acusam uns aos outros de comunistas.

Segundo o Manifesto Comunista, a exploração da classe trabalhadora e a luta de classes estiveram presentes nas histórias de todas as sociedades: “Homem livre e escravo, patrício e plebeu, barão e servo, mestre de corporação e companheiro, numa palavra, opressores e oprimidos, em constante oposição, têm vivido numa guerra ininterrupta, ora franca, ora disfarçada; uma guerra que terminou sempre, ou por uma transformação revolucionária, da sociedade inteira, ou pela destruição das duas classes em luta.”
.
A histórica exploração da classe trabalhadora também é narrada em Êxodo, Segundo Livro do Antigo Testamento:

“11 E os egípcios puseram sobre eles maiorais de tributos, para os afligirem com suas cargas. E edificaram a Faraó cidades de tesouros, Pitom e Ramessés.
12 Mas, quanto mais os afligiam, tanto mais se multiplicavam e tanto mais cresciam; de maneira que se enfadavam por causa dos filhos de Israel.
13 E os egípcios faziam servir os filhos de Israel com dureza;
14 assim, lhes fizeram amargar a vida com dura servidão, em barro e em tijolos, e com todo o trabalho no campo, com todo o seu serviço, em que os serviam com dureza.”

O Comunismo se aproxima mais uma vez do Cristianismo na afirmação do Manifesto Comunista: “O comunismo não retira a ninguém o poder de apropriar-se de sua parte dos produtos sociais, apenas suprime o poder de escravizar o trabalho de outrem por meio dessa apropriação.”

Para que possa haver essa igualdade é preciso segundo o Comunismo o fim do Estado Capitalista Burguês que legitima as desigualdades e a exploração de uma maioria que trabalha por uma minoria dona dos meios de produção com o uso da força. Isso só poderia acontecer com a luta de classes revolucionária com o proletariado vitorioso em prol da maioria da população.

Esse pensamento do comunismo é próximo do que está escrito no Velho Testamento da Bíblia Sagrada sobre o fim da exploração do povo de Deus pelos egípcios e sua libertação não sem luta e sacrifícios.

“19 Eu sei, porém, que o rei do Egito não vos deixará ir, nem ainda por uma mão forte.
20 Porque eu estenderei a minha mão e ferirei ao Egito com todas as minhas maravilhas que farei no meio dele; depois, vos deixará ir.
21 E eu darei graça a esse povo aos olhos dos egípcios; e acontecerá que, quando sairdes, não saireis vazios,
22 porque cada mulher pedirá à sua vizinha e à sua hóspeda vasos de prata, e vasos de ouro, e vestes, os quais poreis sobre vossos filhos e sobre vossas filhas; e despojareis ao Egito.”

Esse pequeno texto não dá conta de explicar o Comunismo e o Cristianismo, mas apenas chamar atenção de que trazem em suas essências princípios muito comuns. Os dois são também usados para oprimir, ainda que não se proponham para tal finalidade. São de libertação dos oprimidos.

#elenão! Sindicato dos Bancários em defesa da democracia e dos direitos da classe trabalhadora

Nota do SEEB repudia Jair Bolsonaro, orienta o voto em Fernando Haddad, mas reafirma críticas ao PT. Veja abaixo o texto integral.

O Sindicato dos Bancários do Maranhão (SEEB-MA), por meio de sua Diretoria, posiciona-se contra o candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL), neste 2º turno das eleições. É preciso impedir que uma candidatura que ameaça a existência  dos sindicatos, contrária à igualdade de gênero e que coloca em risco as liberdades democráticas vença as eleições.

Para o SEEB-MA, defender o fim dos “ativismos” significa atacar as organizações dos trabalhadores que lutam por seus direitos e garantias básicas, como: férias, 13º salário e carteira assinada. A vitória de Jair Bolsonaro intensificará a implementação da Reforma Trabalhista, a terceirização (apoiadas pelo candidato do PSL) e a destruição da Previdência Social pública, planos propostos pelo seu economista e eventual superministro da Fazenda, Paulo Guedes.

O discurso machista do candidato vai de encontro a toda luta que o SEEB-MA já travou em defesa da igualdade entre homens e mulheres. Por isso, o Sindicato não irá tolerar retrocessos. Em suas falas, Bolsonaro diz que  tem mulher que nem merece ser estuprada. Disse, também, que elas devem ganhar menos que homens, porque engravidam. Tais declarações expressam claramente seus pensamentos sobre o tema. Logo, uma vitória do candidato do PSL fortalece ainda mais este sentimento machista em nossa sociedade.

A possibilidade de dar um auto golpe, como apresentado pelo seu vice, General Mourão, representa uma ameaça às liberdades conquistadas às duras penas pelos trabalhadores na luta contra a ditadura militar, período este, marcado por  ataques a direitos dos trabalhadores, assassinatos e torturas.

Por tudo isso, o SEEB-MA orienta o voto no candidato do Partido dos Trabalhadores (PT), Fernando Haddad, entendendo que o voto nulo, neste momento, beneficiará a vitória do autoritarismo, da intolerância e do ódio.

Contudo,  o Sindicato reafirma a falta de confiança no PT e na Central Única dos Trabalhadores (CUT), que traíram as lutas de classe como, recentemente, na Greve Geral para derrubar Temer e suas reformas.

Mesmo numa eventual vitória de Fernando Haddad (PT), o SEEB-MA continuará a combater seus ataques e traições, assim como fizemos nos 13 anos de governo de Lula e Dilma, organizando greves, manifestações e chapas de oposição à Contraf/CUT pelo país afora. 

Os bancários do Maranhão precisam continuar mobilizados para enfrentar qualquer um que ganhe as eleições em 28 de outubro, pois as duas candidaturas preparam junto com os banqueiros e os grandes empresários, a retirada de direitos.

Em defesa das liberdades democráticas! Ditadura nunca mais! Para combater o machismo, o racismo e a homofobia! Pela liberdade de organização dos trabalhadores! Greve Geral por uma Previdência Social Pública!

Pastor Damasceno, devolva os cargos de capelão!

A disputa eleitoral de 2018 mexeu nas profundezas abissais da Assembleia de Deus. Em um áudio amplamente divulgado, o pastor Pedro Aldi Damasceno, presidente da Ceadema (Convenção Estadual das Igrejas Evangélicas Assembleias de Deus no Maranhão), censurou a senadora eleita, evangélica Eliziane Gama (PPS), após ela ter declarado apoio no segundo turno ao presidenciável do PT, Fernando Haddad.

O pastor utiliza linguagem agressiva para demonizar Haddad e conclamar os evangélicos a votarem no candidato do PSL, Jair Bolsonaro, defensor da tortura e principal inimigo dos princípios cristãos de igualdade, tolerância e solidariedade.

Deputada federal e militante da Assembleia de Deus, Eliziane Gama foi eleita senadora na chapa do governador reeleito Flávio Dino (PCdoB). A aliança entre comunistas e cristãos era de amplo conhecimento da comunidade evangélica e avalizada inclusive pelo presidente da Ceadema.

Durante o primeiro mandato do governador do PCdoB, a Assembleia de Deus foi beneficiária dos cargos de capelão distribuídos a várias denominações religiosas e à Igreja Católica. “Apoiamos o governador, trabalhei a favor dele, votamos, elegeu no primeiro turno com apoio do povo evangélico” disse Damasceno, para em seguida repudiar o apoio de Eliziane a Haddad.

O presidente da Ceadema afirmou que vai mobilizar a cúpula da Assembleia de Deus e o seu rebanho contra a declaração da senadora eleita. “Eu vou pedir o apoio de todos os pastores da Mesa Diretora, do Conselho de Ética e Disciplina, do Conselho Consultivo, de todas as comissões e de todas as missionárias para se posicionar contrário ao pronunciamento de apoiar o Haddad”, ameaçou o pastor.

Pastor Cavalcante e Mical, eleitos na base do governador do PCdoB

Nesta campanha há eleitores de todos os tipos. Tem aqueles marombados que bradam “fora PT” e estacionam na vaga do idoso no supermercado. E tem pastores que aceitam cargos do governo do PCdoB e demonizam o petista Haddad.

Assim, a fala do principal líder religioso da Assembleia de Deus no Maranhão é recheada de hipocrisia. O pastor sempre soube que o PT e o PCdoB são aliados desde 1989 e caminharam juntos com Lula em todas as disputas presidenciais. Ele também tinha pleno conhecimento de que o governador foi um dos principais defensores da presidenta Dilma Roussef (PT) durante o processo do impeachment.

Hipocrisia tem limite

A filha do pastor Pedro Aldi Damasceno, Mical (PTB), foi eleita deputada estadual na coligação da base do governo comunista, formada pelos partidos PPL/PTB/PROS/PPS, a mesma que também elegeu para a Assembleia Legislativa o pastor José Alves Cavalcante, presidente da Convenção dos Ministros das Igrejas Evangélicas Assembleias de Deus no Maranhão (Comadesma).

Eliziane Gama, senadora eleita, é filha do pastor Newton Gama. Aldi sempre soube que ela concorreu ao Senado sob as bênçãos do governador do PCdoB.

O presidente da Ceadema também faz uso de falsas informações para justificar o repúdio a Haddad, acusando o candidato petista de querer “fechar as igrejas” e a vice Manuela Dávilla de ter feito referência homossexual a Jesus Cristo. “Um cara desse que a vice disse que Jesus é gay é uma miséria”, desqualificou Aldi.

Todo o discurso do pastor é um péssimo exemplo aos seus fiéis. Na condição de líder da Assembleia de Deus, onde há crentes honrados, ele deveria pedir desculpas e mandar de volta ao Palácio dos Leões os cargos de capelão ofertados pelo governador comunista.

É o mínimo que poderia fazer, além de se desculpar também pela disseminação de falsas informações sobre a vice Manuela Dávila e o presidenciável Haddad.

Deus, na sua infinita misericórdia, haverá de julgar essas atitudes e as palavras do pastor, que finaliza a sua pregação comandando o voto dos evangélicos no defensor da tortura. “Nós vamos votar no Bolsonaro, porque é um homem que tem umas proposta (sic) que vai dar continuação o direito de liberdade de nossa igreja e a pregação do santo evangelho de Jesus Cristo”, enfatizou.

Por fim, façamos justiça a Eliziane Gama. Ela foi muito hostilizada durante a campanha eleitoral por ter votado “sim” no impeachment e ter sugerido a convocação de Lula na CPI da Petrobras. Com esses gestos, atraiu a ira petista e foi carimbada de “golpista”.

No segundo turno, diante da polarização Haddad x Bolsonaro, declarou apoio ao petista. A senadora eleita pode até ser conservadora, mas está longe do fascismo e não declararia apoio a quem defende torturadores.

Agora, é aguardar os movimentos futuros para saber se o pastor que hoje censura amanhã será beneficiário de outros favores no governo e até mesmo da senadora eleita e censurada.

De imediato, este líder religioso que se locupletou com as benesses do governo do PCdoB deveria fazer um gesto de grandeza – devolver os cargos de capelão da Assembleia de Deus.

O tempo dirá se o antipetismo de Aldi Damasceno é coerente ou apenas da boca para fora, usando o nome de Deus em vão!

Imagem do topo/divulgação: Eliziane e Aldi em conflito