Live debate apartheid, liberdade de imprensa e violência contra jornalistas

As jornalistas Aylan Carvalho e Lucia Helena Issa participam nessa quinta-feira (2 de junho) de uma live sobre liberdade de imprensa, milícias internacionais e o desafio do jornalismo independente em tempos de fascismo e sob a ocupação israelense na Palestina. 

Aylan Carvalho é coordenadora colegiada da Aliança Palestina-Maranhão e Lucia Helena Issa Embaixadora da Paz pela ONU (veja abaixo currículos completos). Elas vão dialogar sobre o tema “Apartheid, liberdade de imprensa e o assassinato jornalistas: a resistência com rosto de mulher.” 

O papel do Jornalismo tem sido cada dia mais imprescindível num mundo onde imperam o ocultamento da informação e a disseminação de fake news. E sob este signo, o da liberdade de imprensa e seu papel de justiçamento social contra o autoritarismo, não podemos esquecer os mártires, heróis e heroínas desta importante profissão que deram suas vidas em prol da verdade. 

O mundo não pode assistir impunemente a matança e perseguição de trabalhadores da comunicação, tais quais Jamal Kashoggi, Julian Assange e, mais recentemente, Shireen Abu Akleh, bem como centenas de jornalistas mundo afora compromissados com a notícia imparcial e esclarecida. 

SERVIÇO

O que?

Apartheid, liberdade de imprensa e o assassinato jornalistas: a resistência com rosto de mulher. 

Quem?

Aylan Carvalho, jornalista, bailarina, atriz e coordenadora colegiada da Aliança Palestina-Maranhão. 

Lucia Helena Issa, jornalista e colunista do site Monitor do Oriente, Embaixadora da Paz pela Divine Academie Française des Letters et Culture de Paris, autora de “Quando amanhece na Sicília” (obra sobre a máfia italiana) e ativista pela causa Palestina. 

Onde? Página da Aliança Palestina-Maranhão no Facebook. 

Quando? Dia 2 de Junho, quinta-feira, às 18h.

Em memória de Shireen Abu Akleh, jornalista palestina assassinada pela ocupação sionista em Jenin (Palestina)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.