Abraji repudia censura do Santos ao UOL

Após ficar contrariado com a coluna escrita pelo jornalista esportivo Juca Kfouri no UOL, em 9.abr.2022, intitulada Fluminense 0, Ninguém FC 0, o presidente do Santos, Andres Rueda, proibiu que a equipe de reportagem do portal se credenciasse para acompanhar a partida do time contra a Universidad Católica, do Equador, no dia 13.abr.2022, pela Copa Sul-Americana. 

O clube publicou nota oficial em seu site exigindo que o UOL se “retratasse”, caso contrário os profissionais do portal não seriam mais atendidos pelo clube. “Uma imprensa que se sujeita a fazer isso, não merece ser recebida pelo Santos FC”, dizia a nota. A retaliação se concretizou no dia do jogo do time santista contra a equipe equatoriana, quando foi negado credenciamento aos jornalistas do portal.

Não é natural que a direção de um clube ceda a esse tipo de impulso e proíba tanto o colunista como a empresa para a qual ele trabalha de fazer a cobertura jornalística de suas partidas. Usar de seu poder para censurar o jornalismo é uma afronta ao direito fundamental da liberdade de expressão e de imprensa, além de restringir o acesso à informação da população e dos próprios torcedores. 

Vale destacar ainda que a Lei Pelé (nº 9.615/98) garante o direito de credenciamento a equipes jornalísticas devidamente inscritas nas associações de cronistas esportivos, caso do UOL. Diz o artigo 90-F da lei: “Os profissionais credenciados pelas Associações de Cronistas Esportivos quando em serviço têm acesso a praças, estádios e ginásios desportivos em todo o território nacional, obrigando-se a ocupar locais a eles reservados pelas respectivas entidades de administração do desporto.”

À Abraji, Juca Kfouri contou lembrar-se apenas de uma vez na história recente em que houve ameaça de retaliação a seu trabalho. Foi no mesmo ano da promulgação da Lei Pelé, durante a Copa da França, em 1998, em que o então presidente da Fifa, João Havelange, negou a credencial de Kfouri para o evento. A censura, no entanto, durou dias, e a credencial foi concedida.

Abraji repudiou, em ofício enviado ao clube, o ato censório do presidente do Santos: “Com esta atitude, a diretoria do clube se soma aos mais de 453 ataques contra a imprensa ocorridos no ano de 2021, segundo levantamento da Abraji, e contribui para a deterioração da liberdade de imprensa no país, que já está em situação de risco.”

Diretoria da Abraji, 18 de abril de 2022.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.