Despedida do professor Antonio José, fundador da rádio comunitária Diamantina FM, leva comoção às ruas de Governador Edison Lobão

Estudantes, professores e autoridades participaram dos atos de despedida do educador. A prefeitura de Governador Edison Lobão decretou ponto facultativo nas escolas e luto de três dias

Uma comoção marcou o enterro do professor Antônio José da Silva, 46 anos, um símbolo da Educação em Governador Edison Lobão, cidade da região tocantina, localizada a cerca de 30 km de Imperatriz, no Maranhão.

Reconhecido por várias gerações pela sua dedicação ao trabalho nas áreas de Educação e Cultura, o professor foi um dos precursores da rádio comunitária Diamantina FM, emissora de referência na cidade.

“Ele é sócio fundador da rádio Diamantina FM. A rádio foi criada há 19 anos e sete meses e a assinatura do António José é a de número 16 no livro ata, para você ver a importância que ele tinha”, declarou o jornalista Nardele Oliveira, diretor da emissora.

Cobertura da Diamantina News narra a despedida do professor Antonio José

Moradores do município de Governador Edison Lobão foram às ruas para a despedida do professor Antônio José da Silva, 46 anos, natural de São Luis-MA. Ele morreu em um acidente de trânsito na rodovia Belém-Brasilia, no dia 19 de maio. Órfão de mãe, ele foi para a região Tocantina quando ainda era criança.

Formado em Letras, Antônio José é o autor da letra do hino do município. Poeta, escreveu diversas obras. Como educador, levou estudantes do município a participar do Programa Soletrando, da Rede Globo. Na política foi candidato a vereador e era formador de opinião na cidade.

Acidente

O professor morreu na noite de domingo (19.mai) vítima de acidente de trânsito na BR 010, após a motocicleta em que ele e uma amiga estavam ser atingida por uma caminhonete que seguia na contramão da pista, conduzida por um motorista embriagado. Edileia Silva, amiga de Antônio José, também morreu.

Com informações da rádio comunitária Diamantina e Diamantina News

Veiculado na rádio comunitária Bacanga FM, novo episódio de “Fôlego curto, dramas para ouvir” está disponível em plataformas digitais

“Sobre ovos, galinha e revolução” é o quarto episódio da série “Fôlego Curto, dramas para ouvir”, projeto do dramaturgo e escritor Igor Nascimento, contemplado pelo Rumos Itaú Cultural 2017-2018, uma adaptação dos textos do livro “Fôlego Curto”, publicado em 2017.

Sobre ovos, galinha e revolução teve a primeira transmissão ao vivo nesta segunda-feira (20), dentro do programa Cantinho do Rei, apresentado pelo locutor Roberto Nilton. Haverá reprise na quarta-feira (22/05). A transmissão pode ser acessada no dial 106,3 FM (restrita ao alcance da área Itaqui-Bacanga) ou também via streaming pelo canal do projeto no Youtube.

Sobre ovos, galinha e revolução conta a história de Patrick e Bruno, dois intelectuais que querem derrubar o sistema capitalista e traçam uma estratégia de marketing para convencer os ignorantes. O logotipo que derrubará a ordem vigente é uma galinha. 

Com interpretação de Al Danúzio e Nuno Lilah Lisboa, o episódio tem classificação indicativa de 16 anos. Ao todo, nove peças radiofônicas integram a série veiculada na Bacanga FM até o dia 24 de junho, com narrativas inspiradas em dramas da vida real e experiências do cotidiano na comunidade do Itaqui-Bacanga.

Além do produto sonoro, o projeto conta com desdobramentos e visualidades que ampliam o imaginário das narrativas criadas por Igor Nascimento. O artista visual Waldeir Brito assina o trabalho de ilustração das nove peças.

Sobre o Rumos Itaú Cultural – Um dos maiores editais privados de financiamento de projetos culturais do país, o Programa Rumos, é realizado pelo Itaú Cultural desde 1997, fomentando a produção artística e cultural brasileira. A iniciativa recebeu mais de 64,6 mil inscrições desde a sua primeira edição, vindos de todos os estados do país e do exterior. Destes, foram contempladas mais de 1,4 mil propostas nas cinco regiões brasileiras, que receberam o apoio do instituto para o desenvolvimento dos projetos selecionados nas mais diversas áreas de expressão ou de pesquisa.

Os trabalhos resultantes da seleção de todas as edições foram vistos por mais de 6 milhões de pessoas em todo o país. Além disso, mais de mil emissoras de rádio e televisão parceiras divulgaram os trabalhos selecionados.

Nesta edição de 2017-2018, os 12.616 projetos inscritos foram examinados, em uma primeira fase seletiva, por uma comissão composta por 40 avaliadores contratados pelo instituto entre as mais diversas áreas de atuação e regiões do país. Em seguida, passaram por um profundo processo de avaliação e análise por uma Comissão de Seleção multidisciplinar, formada por 21 profissionais que se inter-relacionam com a cultura brasileira, incluindo gestores da própria instituição. Foram selecionados 109 projetos, contemplando todos os estados brasileiros.

Datas de veiculação da radionovela:

29/04 – Fora do Ar

06/05 – Sobre Ovos, Galinha e Revolução

13/05 – Carne Moída

20/05 – Sobre Ovos, Galinha e Revolução

27/05 – Você não me Conhece

03/06 – Crônicas do Esquecimento

10/06 – Ruídos da Pele

17/06 – Tempestade

24/06 – Um Dedo por um Dente

Reprise às quartas-Feiras

01/05 – Fora do Ar

08/05– Sobre Ovos, Galinha e Revolução

15/06 – Carne Moída

22/05 – Sobre Ovos, Galinha e Revolução

29/05 – Você não me Conhece

05/06 – Crônicas do Esquecimento

12/06 – Ruídos da Pele

19/06 – Tempestade

26/06 – Um Dedo por um Dente

Links:

http://www.radiobacangafm.com/

http://ouvir.radiobacangafm.com/

https://www.facebook.com/folegocurto/

https://www.instagram.com/folegocurto/

https://www.youtube.com/channel/UCLRtYDST9RL4iCDo9JMmRrw

Sobre ameaças e intimidações: “Eu não tenho medo nem nada a temer”, afirma professora Marizélia Ribeiro

Profª Marizélia Ribeiro.

Depois dessa reportagem feita pelo meu companheiro Ed Wilson Araújo, jornalista e professor, recebemos um post sugerindo algum ato de corrupção de minha parte e de outros professores quando participamos em alguma gestão anterior na Universidade. CONSIDERAMOS AMEAÇA A NÓS DOIS.

Segundo soubemos, esse post circulou nos zaps de jornalistas chamados para divulgar um candidato nas próximas eleições. Isso aconteceu um dia após essa matéria feita por Ed Wilson. Possivelmente para que alguém fizesse alguma denúncia sobre minha pessoa. Meu nome estava marcado no post.

Esse candidato não tem nossa simpatia. Eu e Ed Wilson nunca votamos nem votaríamos jamais nele.

Eu e outros professores não sabíamos ou não lembramos de entregar o Imposto de Renda para o Relatório de Gestão. Convocados pela Universidade, resolvemos o problema em 2014. Como nada têm a falar contra meu trabalho ou conduta, aproveitaram isso para nos intimidar.
Só não mostro o post porque tem os nomes de outros professores.
Vai o recado que já dei faz tempo: EU NÃO TENHO MEDO.

Abaixo, o link da reportagem do Blog do Ed Wilson

Além do corte de quase R$ 27 milhões, a Ufma sofre com obras mal executadas e abandonadas.

No âmbito administrativo, a reitora Nair Portela anunciou a instalação de Processo Administrativo Disciplinar (PAD) e tomada de contas especial para apurar a execução das construções nos campi de São Luís e Balsas. A reitora informou que a Ufma atendeu às recomendações do relatório da Controladoria Geral da União (CGU) sobre o andamento das edificações na administração anterior. O Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal (mediante inquérito) também investigam a execução das obras contratadas e não concluídas na gestão passada.

Ouça a reportagem em áudio e leia mais no Blog do Ed Wilson

Além do corte de quase R$ 27 milhões, a Ufma sofre com obras mal executadas e abandonadas

A reitora da Universidade Federal do Maranhão (Ufma), Nair Portela, concedeu entrevista coletiva na manhã de quinta-feira (16) para apresentar um panorama da situação financeira da instituição frente ao anúncio do arrocho orçamentário de 30% na área da Educação, anunciado pelo governo federal.

Segundo a gestora, a Ufma sofrerá um corte de R$ 26 milhões e 900 mil. A medida pode paralisar as atividades na capital e nos campi do continente no segundo semestre de 2019, caso o governo federal mantenha o arrocho orçamentário.

Sonho dos alunos e professores dos cursos de Artes, Música e Teatro, o Núcleo de Artes é um dos cemitérios de dinheiro público na Ufma. Foto: Marizélia Ribeiro

Além do corte no orçamento para o funcionamento das atividades básicas, como pagamento das contas de água e luz, a Ufma não tem recursos para retomar as obras paralisadas na gestão anterior, como a construção do novo prédio da Biblioteca Central e do Núcleo de Artes. As duas obras foram orçadas em aproximadamente R$ 12 milhões cada e estão abandonadas.

Ouça aqui a reportagem da Agência Tambor

O desperdício de dinheiro público foi um dos temas comentado pela reitora na entrevista coletiva. Portela anunciou duas medidas para apurar as responsabilidades sobre as construções paralisadas desde a gestão anterior.

No âmbito administrativo, ela anunciou a criação de comissão para instalar Processo Administrativo Disciplinar (PAD) e outra comissão de Tomada Especial de Contas com o objetivo de verificar a aplicação de recursos nas edificações em São Luís e também na obra de construção do campus de Balsas, cidade localizada a 815 Km da capital, na região Sul do Maranhão.

Obra atrasada no campus de Balsas já foi motivo de protesto da comunidade universitária. Foto: Diário Sul Maranhense

A reitora informou que a Ufma atendeu às recomendações do relatório da Controladoria Geral da União (CGU) sobre o andamento das edificações na administração passada. O Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal também investigam a execução das obras contratadas e não concluídas.

Segundo Portela, faltou acompanhamento nas construções, o planejamento não foi adequado e o trabalho mal efetuado. A Ufma já prestou esclarecimentos à CGU e à PF, que abriu inquérito para investigar a situação.

Ouça aqui a entrevista coletiva completa com a reitora Nair Portela

Foto destacada: Marizélia Ribeiro

Greve nacional repudia os cortes na Educação e o desmonte da Previdência Social

Centrais sindicais, estudantes e movimentos sociais em todo o Brasil estão mobilizados para a Greve Nacional da Educação, que será realizada quarta-feira, 15 de maio. O objetivo da greve é combater os cortes no orçamento da educação, anunciados pelo governo federal. No Maranhão as manifestações estão confirmadas nas cidades de Imperatriz, Açailândia e São Luís.

Na capital haverá manifestação na porta da Ufma (Universidade Federal do Maranhão), no campus do Bacanga, dia 15 (quarta-feira), a partir das 6 horas da manhã. Às 14 horas, estudantes e professores do Ifma (Instituto Federal) seguirão em caminhada do campus do Monte Castelo até a praça Deodoro, onde haverá a concentração geral às 15 horas, seguida de caminhada pela rua Rio Branco, Beira-Mar e ato público na praça dos Catraieiros, no Centro Histórico de São Luís.

Em Imperatriz haverá um ato unificado às 8 horas, na praça Brasil, organizado por estudantes e professores da rede estadual de ensino e das instituições Ufma, Uemasul, Instituto Federal e rede municipal. Na cidade de Açailândia várias entidades estão organizando ato público às 14 horas, na praça do Pioneiro.

As mobilizações desta quarta-feira são um aquecimento (“esquenta”) para a greve geral da classe trabalhadora convocada para 14 de junho pelas centrais sindicais, estudantes e os movimentos sociais.

A greve nacional da educação tem como principais reivindicações a defesa da educação pública e da aposentadoria, contra a reforma da Previdência, valorização das instituições públicas e suspensão do corte de 30% no orçamento da Educação.

O corte de 30% para a área da Educação ameaça o funcionamento de universidades, institutos federais e escolas técnicas em todo o país. Algumas instituições de ensino chegaram a anunciar que podem fechar as portas, caso a redução do orçamento seja mantida pelo governo federal.

A Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), uma das principais entidades que fomenta pesquisas de pós-graduação no Brasil, corre o risco de sofrer um corte de pelo menos R$ 580 milhões no orçamento de 2019.

A redução suspende o pagamento de bolsas na pós-graduação e também prejudica pesquisas em diversas áreas, como a produção de vacinas, medicamentos, na agricultura, formação de mão de obra e geração de empregos.

Evento debate os 7 anos de existência da Lei de Acesso à Informação

Fonte: Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo)

No próximo 16.mai.2019, data em que a entrada em vigor da Lei de Acesso a Informações completa sete anos, sete organizações da sociedade civil realizam em São Paulo o evento “Transparência a Sete Chaves: como romper as barreiras do acesso à informação no Brasil”. O seminário é gratuito e acontece na FGV (R. Itapeva, 432), das 19h às 22h. Para participar, é necessário fazer a inscrição por meio do formulário on-line até às 12h do dia 16.

Em dois momentos ao longo da noite, os participantes e palestrantes debaterão os avanços e retrocessos do acesso à informação no Brasil de 2012 até o presente. Ao final, todos serão convidados a apontar caminhos para aprimorar e defender esse direito. A programação é preliminar e está sujeita a confirmações de convidados.

Como peças fundamentais na elaboração e aprovação da Lei de Acesso a Informações, as organizações que realizam o evento – Artigo 19, Abraji, Conectas Direitos Humanos, Instituto de Governo Aberto, Open Knowledge Brasil, Rede Pela Transparência e Participação Social (RETPS) e Transparência Brasil – consideram fundamental manter o debate sobre transparência dos poderes na pauta pública.

“Em um cenário como o atual, com frequentes retrocessos na transparência pública e no cumprimento da Lei de Acesso à Informação, é urgente e importante reunir a sociedade em torno do tema e elaborar uma estratégia de enfrentamento a partir de dados e diálogos”, declaram os representantes do coletivo.

Programação

19h às 20h – 7 anos depois, o que funciona e o que não funciona no acesso à informação?

Serão apresentadas brevemente diferentes análises e pesquisas de avaliação sobre o acesso à informação no Brasil nos últimos anos (transparências ativa e passiva, acessibilidade das informações, transparência sobre o sigilo).

Artigo 19 – Relatório “e-sic + sigilos” feito em parceria com Instituto Governo Aberto  e ICV;

Abraji – Resultados parciais do relatório sobre o uso da LAI por jornalistas;

Transparência Brasil – Diagnóstico de efetividade de pedidos via LAI para nível local e o impacto no controle social pelo cidadão;

Open Knowledge – Justa;

Fiquem Sabendo – como lidar com negativas da LAI;

RETPS – Diagnóstico do cumprimento da LAI nos Estados
Controladoria-Geral da União em São Paulo – Gargalos e soluções no acesso a informações

20h às 21h – Desafios para o acesso à informação: sigilo x privacidade

Nesta etapa, serão apresentados os principais debates sobre o tema do sigilo e da privacidade frente ao cenário atual, mostrando casos de violação do acesso à informação e os retrocessos observados.

Rafael Zanatta – Visão geral da Lei Geral de Proteção de Dados

Fernanda Campagnucci – Sigilo e privacidade sob a perspectiva da LAI

Mediação: Camille Moura 

21h às 22h – Como reagir aos retrocessos e atuar para o aprimoramento da Lei?

Neste momento final, o público é convidado a participar da discussão sobre perspectivas para aprimorar a implementação da LAI e as articulações da sociedade civil para reagir aos retrocessos.

Convidados a confirmar

Serviço
Transparência a sete chaves: Como romper as barreiras do acesso à informação no Brasil
16/05/2019 – 19h às 22h
FGV São Paulo – R. Itapeva, 432
Inscrições via formulário on-line
Gratuito

Palestra sensibiliza sobre observatórios sociais

Você sabia que os cidadãos podem monitorar as ações da gestão pública para garantir os direitos da população e a correta e transparente aplicação dos recursos públicos? Você sabia que existem entidades que realizam esse trabalho?

Entre elas estão os Observatórios Sociais do Brasil, que compõem o maior sistema de controle social do país. No próximo dia 22 de maio, quarta-feira, às 15h30, o integrante do Sistema Observatório Social do Brasil (OSB), Ney da Nóbrega Ribas, presidente do OSB Nacional, realizará uma palestra de aproximação com a comunidade do município São Luís, no auditório da Associação Comercial do Maranhão, na praça Benedito Leite, 264, Centro.

A palestra visa trazer informações sobre o Observatório Social do Brasil, Sistema OSB de Controle Social e o dia-a-dia de um Observatório Social, com o objetivo de motivar a constituição de um observatório da cidade e ampliar o número de observatórios sociais em todo o brasil. Este evento tem a realização das entidades: CFC/CRC-MA, respectivamente, Conselho Federal e Conselho Regional de Contabilidade.

O Sistema OSB é composto por cidadãos brasileiros que, voluntariamente, entregam-se à causa da justiça social e transformam o seu direito de indignar-se em atitude a favor da transparência e da qualidade na aplicação dos recursos públicos.

Atualmente, mais de 137 municípios, espalhados por 16 estados brasileiros, já contam com um observatório social. Saiba mais sobre o trabalho no site: http://osbrasil.org.br.

SERVIÇO

O que: Palestra de sensibilização sobre o Observatório Social

Quando: 22 de Maio de 2019

Onde: Auditório da ACM – Pça. Benedito Leite 264, Centro.

Horário: 15h30

Entrada franca.

42º Festival Guarnicê terá 98 filmes em competição

A curadoria do 42º Festival Guarnicê de Cinema divulgou os 98 trabalhos pré-selecionados para as mostras nacionais competitivas Guarnicê de filmes de longas e curtas metragens, competitivas Guarnicê de filmes maranhenses de longas e curtas e, exclusiva a realizadores maranhenses, as competitivas Guarnicê de curtíssimas metragens, videoclipes, reportagens televisivas e de filmes publicitários. Veja a lista completa dos 98 trabalhos em: www.cultura.ufma.br/42guarnice.

Maior evento do cinema nacional no Maranhão, o festival será realizado no período de 14 a 21 de junho/19, na cidade de São Luís/MA. Aberto ao público, o Guarnicê é uma realização da Universidade Federal do Maranhão (Ufma), por meio da Pró-Reitoria de Extensão, Cultura e Empreendedorismo (Proexce), via Departamento de Assuntos Culturais (Dac), com apoio de organizações públicas e empresariais.

Foram selecionados seis filmes para a Mostra Nacional Competitiva Guarnicê de Filmes de Longa-Metragem; 18 filmes para a Mostra Nacional Competitiva Guarnicê de Filmes de Curta-metragem; Cinco filmes para a Mostra Competitiva Guarnicê de Filmes Maranhenses de Longa-metragem; 17 filmes para a Mostra Competitiva Guarnicê de Filmes Maranhenses de Curta-metragem; Dez filmes para a Mostra Competitiva Guarnicê de Filmes de Curtíssima-Metragem; 27 produções para a Mostra Competitiva Guarnicê de Videoclipes; Quatro matérias para a Mostra Competitiva Guarnicê de Reportagem Televisiva e 11 comerciais para a Mostra Competitiva Guarnicê de Filme Publicitário.

Os filmes não selecionados para competitivas poderão compor a programação oficial do evento, em mostras paralelas e alternativas. O Festival terá ainda ações formativas, apresentações culturais, pré-estreias e bate-papos com realizadores e convidados. A curadoria é formada pelo roteirista Di Moretti; a roteirista e produtora Isa Albuquerque; o professor do Curso de Comunicação Social da Ufma, Carlos Benalves; a produtora de conteúdos do Festival Guarnicê, Thais Fonseca Nunes; o crítico de cinema, Marcio Sallem, e a professora da Uema, Rose Panet.

Amigo da onça

Eloy Melonio

Professor, escritor, compositor e poeta

Gosto dos pássaros que têm nomes engraçados. Especialmente dos que soam igual a uma frase ou palavra. Ou seja, os onomatopéicos. Uma pronúncia que imita o som natural que eles produzem quando cantam. Nesse momento, lembro de dois: a fogo-pagou, que é uma espécie de rolinha, e o bem-ti-vi. Coincidentemente, esses dois são meus amigos, pois estão sempre lá na minha casa. Ela, catando migalhas no chão do quintal, e ele… Bem, ele é um caso à parte.

Todo o mundo sabe que o bem-ti-vi é um pássaro muito esperto e atrevido. Em seu currículo, muitas histórias e piadas sobre ele. Nosso conterrâneo Josué Montelo fala deles em seu livro Os Tambores de São Luís. Até eu fiz um poema sobre esses “pestinhas”.

Mas vamos ao nosso bem-ti-vi particular. Ele geralmente chega depois do almoço para catar as sobras da comida da Minie, a minha cachorrinha, e do Leo, o meu papagaio: ovo cozido ou frito, ração etc. Vai chegando de mansinho, como quem não quer nada. E, atento, observa tudo ao redor. Se acha alguma coisa, fica quietinho. E mete o bico! Se não acha nada, solta seus gritos estridentes e ameaçadores.

Um dia, ― só pra sacanear ― resolvi dar um susto no meu amigo. Escondi-me atrás da porta da sala, e fiquei observando seus movimentos. Ele pousou no murinho do terraço bem ao lado da bacia de comida. Olhou ao redor e só viu a Minie, que ― roncando como uma louca! ― nem percebeu sua presença. Aí o meu amigo pulou ao chão e foi direto ao alvo. Subiu na beirada da bacia e já se preparava para bicar a comida.

Chegou a hora, pensei comigo. Abri a porta e dei um grito: Eu tô te vendo, seu bem-ti-vi duma figa!

O pobrezinho passou uns dias sem aparecer. Ontem, depois do almoço, eu ouvi novamente o seu canto no terraço da minha casa. Se era meu amigo, eu não sei. Mas era um bem-ti-vi, e disso eu tenho a mais viva certeza.

Carta da Intercom expressa indignação sobre os cortes no orçamento da Educação

“Mais que preocupação, indignação é o sentimento causado pelos recentes anúncios feitos pelo Governo Federal de cortes orçamentários a instituições federais de ensino superior e básico, inicialmente atrelados ao conteúdo da produção acadêmica realizada em tais instituições – sob a ignominiosa justificativa de “balbúrdia”, critério este que levaria a reduções catastróficas na dotação orçamentária de prestigiadas e produtivas universidades brasileiras. “

A Diretoria da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (INTERCOM), mandato 2017-2020, divulga carta aberta dirigida ao Governo Federal, na figura do presidente Jair Bolsonaro e seus ministros. Leia a íntegra abaixo ou clique aqui e acesse o documento oficial.

São Paulo, 7 de maio de 2019

Excelentíssimo Senhor Presidente da República,

Senhores Ministros de Estado,

A Diretoria da INTERCOM – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, composta por professores mestres e doutores de universidades brasileiras eleitos democraticamente para representar os cerca de 1.300 pesquisadores, docentes, estudantes e profissionais do campo da Comunicação ligados à entidade, expressa sua profunda preocupação com as políticas públicas anunciadas recentemente no Brasil. Com convicção inabalável nos cinco fundamentos da República Federativa do Brasil, definidos na Constituição Federal de 1988 – soberania, cidadania, dignidade da pessoa humana, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa, pluralismo político –, pontuam-se a seguir os principais focos de tal preocupação.

Primeiramente, destacamos que a Constituição Federal de 1988 estabelece que: “é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença” (art. 5º, inc. IX); “são direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o transporte, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados” (art. 6º); “é competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios proporcionar os meios de acesso à cultura, à educação, à ciência, à tecnologia, à pesquisa e à inovação” (art. 23, inc. V); “a educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho” (art. 205). Reforçamos também três dos princípios que regem o ensino no Brasil, conforme o artigo 206 da Constituição: igualdade de condições para o acesso e permanência na escola; liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber; pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas, e coexistência de instituições públicas e privadas de ensino. Caberia, ainda, citar muitos outros artigos constitucionais, porém não é nossa pretensão obstaculizar a leitura desta carta.

Mais que preocupação, indignação é o sentimento causado pelos recentes anúncios feitos pelo Governo Federal de cortes orçamentários a instituições federais de ensino superior e básico, inicialmente atrelados ao conteúdo da produção acadêmica realizada em tais instituições – sob a ignominiosa justificativa de “balbúrdia”, critério este que levaria a reduções catastróficas na dotação orçamentária de prestigiadas e produtivas universidades brasileiras.

A combinação da perseguição ao livre pensamento com a asfixia econômica das instituições de ensino e pesquisa, somada à priorização de determinadas áreas do conhecimento e regiões brasileiras em detrimento de outras, é inconcebível em um Estado Democrático de Direito que pretende sair de uma profunda crise político-econômica e promover o desenvolvimento social e econômico de sua população. Justamente o acesso à educação superior gratuita de qualidade, o fomento à pesquisa e à produção de conhecimento, o estímulo à pluralidade de ideias e à promoção da diversidade (em todos os seus aspectos) na universidade brasileira são meios imperiosos para o Brasil cumprir os cinco fundamentos de sua República e atingir seu grande potencial.

Sendo assim, a INTERCOM, que está entre as principais e maiores organizações de pesquisadores da Comunicação do Brasil e da América Latina, defende a revogação do bloqueio na verba destinada às instituições federais de ensino. Tal bloqueio ameaça inviabilizar o funcionamento dessas instituições já no ano letivo de 2019, com prejuízos incalculáveis à vida e ao trabalho de docentes, funcionários e, principalmente, estudantes de graduação e pós-graduação.

É também com extrema preocupação que recebemos, diariamente, notícias sobre políticas notadamente enviesadas nas mais diversas áreas, como direitos humanos, meio ambiente, relações internacionais e agricultura. Tais notícias incluem não só a publicização de medidas de governo por meios oficiais, como também opiniões pessoais publicadas por representantes governamentais nas mídias sociais. Seria impraticável mencionar a lista completa de tais notícias , porém é possível citar os principais temas abrangidos por elas no que se refere à educação, à ciência e à comunicação no Brasil:

1. Perseguição ao pensamento livre e aos críticos do governo, em similaridade com outros momentos históricos em que a educação, os educadores, os estudantes, o jornalismo e os jornalistas foram atacados pelo poder do Estado;

2. Asfixia econômica das instituições de ensino superior federais, prejudicando diretamente a população e com o risco de inviabilizar a pesquisa e o avanço científico no Brasil;

3. Menosprezo em relação a determinadas áreas do conhecimento, mais precisamente as Humanidades, cujo ensino é essencial para a formação de cidadãos plenos e cuja produção acadêmica tem gerado retornos inestimáveis à sociedade;

4. Aval e incentivo ao acossamento e assédio a professores em todos os níveis do ensino;

5. Estímulo à perseguição e criminalização a movimentos sociais legítimos, inclusive os presentes nas instituições de ensino superior;

6. Deslegitimação contínua da atividade jornalística, fundamental à realização da democracia.

A INTERCOM – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação foi fundada em 1977, sob a liderança do saudoso professor José Marques de Melo – considerado um dos maiores pensadores da América Latina e reverenciado internacionalmente por seu trabalho como professor, pesquisador e congregador em prol da universidade de qualidade. O intuito da INTERCOM é fomentar a pesquisa e o ensino no campo da Comunicação no Brasil, missão que, ao longo de seus 42 anos, tem cumprido com respeito inabalável à diversidade e à pluralidade de pensamento.

Todos os anos, o Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação e os cinco congressos regionais realizados pela INTERCOM reúnem em torno de 10 mil pesquisadores, docentes, estudantes e profissionais, promovendo o diálogo e mostrando o panorama de pesquisa, ensino e extensão. A INTERCOM também atua para o fortalecimento da pesquisa em Comunicação por meio do relacionamento institucional com organizações brasileiras e internacionais, tais como a Federação Brasileira das Associações Científicas e Acadêmicas de Comunicação (Socicom), a Federação Lusófona de Ciências da Comunicação (Lusocom) e a Associação Latino-Americana de Investigadores em Comunicação (ALAIC), entre muitas outras.

Respeitando o legado de José Marques de Melo e cumprindo sua missão, a Diretoria da INTERCOM assina esta carta com a esperança de que o Brasil venha a ser um país justo com todos e todas, soberano e produtor de conhecimento e tecnologia, e ciente de seu papel protagonista no futuro do planeta.


Cordialmente,

Diretoria INTERCOM – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação

Mandato 2017-2020