Paulo Freire receberá condecoração máxima do Governo do Maranhão

O filósofo brasileiro receberá, em memória, a Medalha Timbira

O Governo Estado do Maranhão concederá em memória a Medalha Timbira ao educador Paulo Freire, principal educador brasileiro e um dos escritores mais citados no mundo entre a comunidade acadêmica, informou o governador Flávio Dino (PCdoB).

“Resolvi conceder ao Prof. Dr. Paulo Freire (in memoriam) a condecoração máxima do Estado do Maranhão. Reconhecimento à importância de sua monumental obra para a educação em todo o mundo. Claro que também no nosso Estado, pois agimos inspirados em suas lições, que são eternas”, afirmou Dino.

A declaração do governador do Maranhão acontece após o presidente Jair Bolsonaro (PSL) declarar que pretende retirar o educador Paulo Freire o título de patrono da educação brasileira. O assunto “Paulo Freire” ficou entre os mais comentados do twitter na última terça-feira (30).

Na segunda-feira (29), em uma agenda em Ribeirão Preto, interior de São Paulo, Bolsonaro concedeu “entrevista” à youtuber-mirim Esther Castilho, que mantém o canal “Esther e famosos”. Na conversa, o presidente sugere a possibilidade de a criança ser a patrona da educação e emenda: “quem sabe nós temos uma patrona da educação e não mais um patrono, muito chato, não precisamos dizer quem é, mas vai ser mudado”.

O educador e filósofo pernambucano foi nomeado patrono da educação brasileira em 2012, pela Lei 12.612, sancionada pela ex-presidenta Dilma Rousseff (PT). A homenagem foi proposta pela deputada federal Luiza Erundina (PSOL) que, quando prefeita de São Paulo (1989 – 1993), o nomeou como Secretário de Educação.

brasileiro é um dos autores mais citado no mundo na área de ciências humanas, superando nomes como Karl Marx e Michel Foucault. Ele se tornou conhecido a partir do início dos anos 1960, quando desenvolveu um método de alfabetização de adultos baseado “nos contextos e saberes de cada comunidade, respeitando as experiências de vida próprias do indivíduo”. Freire aplicou o modelo pela primeira vez em um grupo de 300 trabalhadores de canaviais em Angicos, no sertão do Rio Grande do Norte. De acordo com os registros da época, a alfabetização ocorreu em tempo recorde: 48 horas.

Estudado em universidades de todo o mundo, principalmente em países que são tidos como referências no quesito educação, Freire foi homenageado com escultura na Suécia e recebeu nome de centro de estudos na Finlândia, que desde 2007 mantém um espaço dedicado a discutir a obra do educador brasileiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *