Livro sobre migração do rádio AM para FM será lançado em dois eventos nacionais

O livro Migração do rádio AM para o FM – Avaliação de impacto e desafios frente à convergência tecnológica será lançado durante a realização de dois eventos: o 28º Congresso Brasileiro de Radiodifusão, no dia 22 de agosto, em Brasília e o 41º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, dia 7 de setembro, em Joinville. A obra, coordenada pelas professoras Nair Prata (UFOP) e Nélia Del Bianco (UnB/UFG), apresenta os resultados de uma pesquisa nacional que busca entender o impacto da migração do rádio AM para o FM no Brasil.

A investigação contou com a participação de quase uma centena de pesquisadores de todo o país, que entrevistaram 238 emissoras de rádio migrantes. Os resultados são apresentados em três capítulos do livro. No primeiro, é traçada uma linha do tempo do processo de construção da política pública da migração do AM para o FM. A análise dos resultados da investigação em âmbito nacional está no segundo capítulo. E, por fim, no terceiro capítulo, 77 autores interpretam os dados de cada estado à luz da história da formação do mercado de radiodifusão regional.  Participam da pesquisa os seguintes estados: Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins, além do Distrito Federal.

A investigação é fruto do projeto de pesquisa “Migração do rádio AM para o FM: análise do processo, sustentabilidade, audiência e impacto no conteúdo, programação, profissionais e estratégias de relacionamento com a audiência”, do Grupo de Pesquisa Rádio e Mídia Sonora da Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. Foi desenhado a partir de duas situações: emissoras AM que assinaram o termo de outorga e estão transmitindo em FM e emissoras AM que assinaram o termo de outorga, mas ainda não iniciaram as transmissões em Frequência Modulada.

O objetivo principal da pesquisa foi entender o processo de migração sob os aspectos relacionados ao processo de mudança – investimentos necessários à mudança; expectativa de aumento de faturamento e audiência; reconfiguração do conteúdo e da programação para se adaptar à nova frequência; mudanças na equipe de profissionais; construção de  estratégias de relacionamento com a audiência; e reposicionamento da marca da rádio no FM.

A coleta dos dados foi feita por meio de questionário online aplicado junto às emissoras. De novembro de 2017 a abril/maio de 2018 os pesquisadores saíram a campo para o preenchimento do instrumento de pesquisa e, em maio/junho, os grupos de cada estado analisaram os dados coletados e escreveram os textos que compõem o livro.

O livro, publicado pela Editora Insular (www.insular.com.br), tem dois prefácios: um da coordenadora do Grupo de Pesquisa Rádio e Mídia Sonora da Intercom, professora Valci Zuculoto (UFSC) e o outro do diretor geral da ABERT, Luís Roberto Antonik.

Segundo uma das coordenadoras do projeto, professora Nair Prata, “fazer pesquisa empírica com tal extensão não é uma tarefa simples, mas os dados que vêm à luz compensam todo o empenho na investigação”. A outra coordenadora, professora Nélia Del Bianco, explica: “Com este trabalho, desvelamos um rádio que se esforça nas tentativas de se reinventar, buscando novos públicos, novas formas de sustentabilidade e novos modos de sobrevivência em um ecossistema midiático em profunda reconfiguração”.

Autores

 

Coordenação

Nair Prata

Nélia R. Del Bianco

Acre

Mônica Iurk

Fátima Bandeira

Alagoas

Lídia Ramires

Amapá

Paulo Vitor Giraldi Pires

Patrícia Teixeira Azevedo Wanderley

Amazonas

Edilene Mafra

Eliena Monteiro

Manoela Moura

Bahia

Eliana Albuquerque

Distrito Federal

Carlos Eduardo Esch

Espírito Santo

Edgard Rebouças

Goiás

Nélia R. Del Bianco

Mauro Celso Feitosa Maia

Maranhão

Carlos Benedito Alves da Silva Junior

Ed Wilson Ferreira Araujo

Jefferson Saylon Lima de Sousa

Nayane Cristina Rodrigues de Brito

Robson Silva Corrêa

Rodrigo Nascimento Reis

Roseane Arcanjo Pinheiro

Rosinete de Jesus Silva Ferreira

Mato Grosso do Sul

Hélder Samuel dos Santos Lima

Daniela Cristiane Ota

Minas Gerais

Cândida Borges Lemos

Debora Cristina Lopez

Kamilla Avelar

Paula de Souza Paes

Waldiane Fialho

Luana Viana

Pará

Netília Silva dos Anjos Seixas

Jessé Andrade Santa Brígida

Paraíba

Norma Meireles

Olga Tavares

Goretti Sampaio

Paraná

Ana Carolina de Araújo Silva

Claudia Irene de Quadros

Elaine Javorski

Flavia Lúcia Bazan Bespalhok

Graziela Bianchi

Lidia Paula Trentin

Pernambuco

Andrea Trigueiro

Daniel Ferreira

Elano Barbosa Lorenzato

Piauí

Evandro Alberto de Sousa

Orlando Berti

Rio de Janeiro

Helen Pinto de Britto Fontes

Rhanica Evelise Toledo Coutinho

Rio Grande do Norte

Adriano Lopes Gomes

Alexandre Ferreira dos Santos

Ana Lúcia Gomes

Ciro José Peixoto Pedrosa

Deyse Alini de Moura

Edivânia Duarte Rodrigues

Emanoel Leonardo dos Santos

Hélcio Pacheco de Medeiros

Jeferson Luís Pires Rocha

Rio Grande do Sul

Dulce Mazer

Diego Weigelt

Rondônia

Evelyn Íris Leite Morales Conde

Roraima

Pedro Henrique da Silva Ribeiro

Antonia Costa da Silva

Santa Catarina

Valci Regina Mousquer Zuculoto

Karina Woehl de Farias

Beatriz Hammes Clasen

Guilherme Gonçales Longo

Ediane Mattos

São Paulo

Roberta Baldo Bacelar

Maria Aparecida de Paiva da Cruz

Adriana Maria Donini

Marcos Júlio Sergl

Misaki (Mii Saki) Tanaka

Lenize Villaça

Sergipe

Mario Cesar Pereira Oliveira

Paulo Victor Melo

Tocantins

Valquíria Guimarães da Silva

Marluce Zacariotti

Comissão de Acessibilidade do CCSo/UFMA é um espaço de interlocução para as pessoas com deficiência, explica a professora Carolina Libério

O blog publica hoje a quarta entrevista da série “pessoa com deficiência”. A entrevista, realizada no Laboratório de Rádio, é uma atividade prática da disciplina Produção e Direção de Programas de Rádio, do curso de Rádio e Televisão (RTV) da UFMA.

Nesse programa, os estudantes Ricardo Cadilhe e Naasson Junior dialogam com a professora Carolina Libério, representante do Departamento de Comunicação Social na Comissão de Acessibilidade do Centro de Ciências Sociais (CCSo) da UFMA.

Ouça a entrevista aqui

Segundo Carolina Libério, a Comissão de Acessibilidade do CCSo pode ter um importante papel na negociação em busca da melhoria nas condições de acessibilidade na UFMA. “Acredito que a gente se organizando, não apenas os docentes, mas também uma organização dos discentes, a gente consiga chamar a atenção para alguns setores da Universidade sobre aspectos da infraestrutura. Infelizmente dentro da instituição pública a gente tem que lidar com a burocracia, às vezes com a dificuldade de conseguir recursos e às vezes com uma certa displicência de parte dos setores da Universidade na aplicação desses recursos”, detalhou.

Carol Libério reconhece o esforço político na sociedade brasileira para incluir as pessoas com deficiência e avalia que esse processo é refletido dentro da universidade. Ela foi motivada a participar da Comissão de Acessibilidade do CCSo porque está ministrando aula para três alunos com deficiência em duas disciplinas diferentes e sentiu a necessidade de buscar interlocução sobre a situação desses estudantes fora da sala de aula.

A professora referenciou o aprendizado coletivo que vem tendo na comissão e junto à comunidade universitária e enfatizou o desafio metodológico de aproximar ao máximo os conceitos de sala de aula dos alunos com deficiência. Para Libério, é fundamental desconstruir o preconceito sobre os limites no trato das pessoas que apresentam algum tipo de deficiência.

Carol Libério falou também sobre a atuação da Comissão de Acessibilidade do CCSo e destacou o papel dessa instância como espaço de interlocução e reivindicação da comunidade universitária para construir ambientes de sociabilidade e infraestrutura adequada para as pessoas com deficiência.

Sala de Rádio

O programa “Sala de Rádio” é um recurso didático criado pelo professor do curso de RTV, Ed Wilson Ferreira Araújo, com o objetivo de conectar os conteúdos teóricos às atividades práticas, utilizando os equipamentos disponíveis no Laboratório de Rádio.

Durante a disciplina Produção e Direção de Programas de Rádio, no semestre 2018.1, os estudantes exercitam a técnica de apresentação de programa jornalístico, precedido das atividades de produção: seleção e enquadramento do tema, contato com a fonte, recepção da fonte, condução da entrevista e direção.

Ao longo deste semestre (2018.01), os estudantes da disciplina Produção e Direção de Programas de Rádio planejam, executam, acompanham e avaliam a produção de programa com pautas focadas no tema “pessoa com deficiência”.

Os alunos são responsáveis pela apresentação e edição das entrevistas e/ou programas.

Além da professora Carolina Libério, outras fontes vinculadas ao tema “pessoa com deficiência” já foram entrevistadas pelos estudantes e os arquivos de áudio estão sendo disponibilizados neste blog.

Ao final da disciplina, os alunos vão produzir programas especiais sistematizados a partir das informações colhidas nas entrevistas realizadas durante o semestre.

Descrição: duas mulheres estão em fila indiana. A mulher que está atrás põe uma venda nos olhos da que está à frente. Foto: Marcus Elicius