Categorias
notícia

Blog de luto

Devido ao falecimento da minha mãe, Terezinha Ferreira Araújo, o blog ficará sem atualização por uns dias. Volto segunda-feira 10 de fevereiro.

Categorias
notícia

Energia solar e eólica: moradores das ilhas de Cururupu utilizam os recursos naturais para o cotidiano e turismo

Nos lugares distantes dos grandes centros urbanos, isolados pelas condições geográficas, o uso do sol e do vento pode ser alternativa para a geração de energia e melhoria na vida de pescadores, moradores em geral, do comércio e outras atividades como o turismo.

É o que acontece em duas ilhas da Reserva Extrativista Marinha (Resex) de Cururupu, composta por 17 unidades insulares no litoral ocidental do Maranhão.

Na ilha de Lençóis, famosa pela lenda do sebastianismo, um projeto da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) utiliza a energia do sol e do vento para iluminar as casas, ligar aparelhos eletrodomésticos e até mesmo para a iluminação das poucas ruas da vila.

Fernando Gonçalves fala sobre melhorias no turismo em Lençóis. Imagens: Marizélia Ribeiro

O proprietário da pousada Recando das Aves, Fernando Gonçalves, explicou que antes do sistema de energia híbrida (solar e eólica) o funcionamento da hospedagem era limitado porque não tinha o conforto pleno para os turistas.

A energia na ilha de Lençóis era originada de um motor a diesel que só funcionava em horário limitado.

Já na comunidade Taboa, localizada na ilha de Mangunça, a geração de energia solar é bem mais artesanal e as instalações foram feitas pelos próprios moradores de uma residência. O casal Nalva e Nildo vendeu um porco e com o dinheiro comprou uma placa solar, de muita utilidade para eles.

Nalva vendeu um porco e comprou a placa solar. Imagens: Marizélia Ribeiro

Taboa, onde moram apenas seis famílias, é desprovida de qualquer sistema de energia. Não tem sequer motor a diesel. Os pescadores têm de ir até a sede do município de Cururupu em uma viagem de 3 horas de barco para comprar gelo e acondicionar os produtos do mar.

Sem acesso fácil ao gelo, a maior parte da produção é colocada ao sol para secar.

A única alternativa dos moradores é a utilização de placas de energia solar adaptadas a outros equipamentos que permitem iluminar a casa e funcionar eletrodomésticos.

Controvérsias

Um dos entraves no uso dos recursos naturais para a geração de energia é a gestão e o interesse empresarial. Na ilha de Lençóis o projeto inicial era da UFMA e a taxa paga pelos moradores, simbólica. Quando passou para a gestão da Cemar, os preços foram para a estratosfera (veja o vídeo).

O crescente uso da energia solar abriu recentemente uma polêmica sobre “taxação do sol”, proposta pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

A “taxa do sol” consiste em diminuir os subsídios do consumidor que utiliza um painel fotovoltaico em casa, por exemplo. Na prática, essa medida, se aprovada em definitivo, vai tornar mais cara a energia obtida com o recurso natural do sol.

Categorias
notícia

Fórum de Mulheres convoca ato contra o feminicídio e propõe diálogo com a imprensa

Após a publicação de uma nota de repúdio (veja abaixo) sobre o assassinato de Bruna Alícia, o Fórum Maranhense de Mulheres convoca os movimentos sociais e a população em geral para um ato público dia 29 de janeiro (quarta-feira), às 15 horas, em frente à Casa da Mulher Brasileira, no bairro Jaracaty.

A manifestação tem o objetivo de repudiar o crime, caracterizado como feminicídio, e dialogar com os profissionais de mídia sobre a cobertura do fato pelos meios de comunicação.

O Fórum Maranhense de Mulheres propõe uma reflexão educativa sobre o papel da imprensa no combate à violência e criminalização da mulher vítima.

Veja abaixo a Nota de Repúdio do Fórum Maranhense de Mulheres

FEMINICÍDIO E O ATO COVARDE DO ASSASSINO DE BRUNA ALICIA

Mais uma mulher vítima de feminicídio. Desta vez foi Bruna Alícia, uma jovem de pouco mais de 20 anos, assassinada de forma cruel, torpe, violenta, pelo seu marido. A crueldade se faz mais monstruosa ainda em virtude da forma como estão sendo veiculadas matérias sobre o caso nas redes sociais. Grande parte delas destruindo a imagem da vítima, que passa a ser responsabilizada pela sua morte.

Que é isso? Em que mundo estamos? Ainda estamos vivendo na idade média? Porque as mulheres continuam sendo vítimas desta cultura patriarcal que nos oprime e nos reduz a um órgão sexual que tem como finalidade apenas procriar e dar prazer aos homens, ao marido em especial.

Bruna Alícia está sendo destruída na sua moral e na sua integridade de ser humano. Mesmo sendo violentamente assassinada, ainda assim, não está sendo vista com humanidade que todo cristão merece. Sua morte  não lhe dá paz, sua morte é justificada por um possível adultério que teria praticado. 

Com esse argumento o assassino, seus amigos e uma parte da sociedade conservadora, machista, patriarcal e misógina, explica e justifica sua morte. “Foi merecida” dizem alguns e algumas que passam a inocentar o feminicida, naturalizando o crime hediondo praticado por este policial. O mais cruel de tudo isso é a lista que circula nas redes de amigos do assassino fazendo vaquinha para contratar um advogado para livrar este bandido da cadeia que merece. 

Com esse tipo de prática os policiais demonstram o quanto são coniventes com a violência praticada contra as mulheres e o feminicidio. É surpreendente esta atitude, onde se viu uma coisa dessas, uma corporação estimulando a impunidade. 

Nós, mulheres, que integram O FÓRUM MARANHENSE DE MULHERES, protestamos! Queremos justiça! Queremos uma policia preparada e não policiais desequilibrados que não sabem controlar seus impulsos assassinos.

Categorias
notícia

Carnaval: Abraço divulga músicas de autores maranhenses para as rádios comunitárias

A riqueza de ritmos do Carnaval produzida por cantores e compositores do Maranhão está disponibilizada para tocar nas rádios comunitárias espalhadas nos 217 municípios do estado.

A iniciativa é da Abraço (Associação Brasileira de Rádios Comunitárias) no Maranhão com o objetivo de valorizar, divulgar e encantar os ouvintes com a grande e criativa produção musical dos artistas locais.

Na nuvem distribuída pela Abraço Maranhão estão disponíveis 1,5 giga de músicas carnavalescas e também do bumba-meu-boi.

Qualquer rádio comunitária pode acessar e baixar no seguinte endereço:

https://mega.nz/login

Basta entrar com o e-mail abracomamusicas@gmail.com a senha abracomaranhao

Todas estas músicas foram encontradas na internet. Caso queiram contribuir com outros sucessos regionais, basta fazer upload nesta plataforma https://mega.nz/login  

O repertório tem desde músicas dos antigos carnavais, passando por sucessos memoráveis até escolas de samba, blocos e também bumba-meu-boi.

As produções musicais novas dos grupos e bandas que pretendem disponibilizar suas composições podem procurar a Abraço Maranhão e enviar suas músicas para colocarmos na nuvem.

Basta entrar em contato pelo email: fcemoraes@gmail.com

Categorias
notícia

Os últimos jornaleiros de São Luís

Ed Wilson Araújo

No vozeirão de Alcione, a música “Todos cantam a sua terra”, de João do Vale, é uma das melhores traduções sobre os pregões cantados pelos antigos vendedores de jornal naquela São Luís do passado.

“Acho bonito até / O jornaleiro a gritar / Imparcial / Diário / Olha o Globo / Jornal do Povo / descobriu outro roubo”

Profissão em fase de extinção, pelo menos no sentido formal, o jornaleiro sente no bolso o declínio das vendas dos impressos diante da oferta de publicações na internet.

Na palma da mão, os dispositivos móveis acessam jornais e revistas com facilidade, agilidade e as múltiplas ofertas do ambiente virtual, como os hiperlinks, capazes de levar o consumidor a navegar por muitas janelas de informação.

Embora a opção pelo digital seja avassaladora, em São Luís ainda persistem uns poucos vendedores de jornal impresso, distribuídos em alguns pontos da cidade.

De bicicleta, Humberto ainda faz entregas de jornal para os clientes antigos

Um dos jornaleiros mais antigos, ainda em atividade, é Humberto Rodrigues Garcia, com anos 30 dedicados à comercialização dos diários impressos. Natural de Pinheiro, ele veio para São Luís com apenas 17 anos de idade e logo passou a vender jornais. Atualmente tem um ponto na rua dos Bicudos, no Renascença II, mas já vendeu na Curva do 90 e no Cohafuma.

A rotina de trabalho começa ainda na madrugada, quando sai de casa no bairro Gapara (na área Itaqui-Bacanga) e recebe os jornais. A partir das 5h30 ele começa a fazer entregas de bicicleta para os clientes fixos nos condomínios do Renascença II e depois concentra a venda no ponto onde já é bastante conhecido há décadas.

“Os leitores antigos são fieis. Entrego para 25 clientes por semana. Tem deles que compram até três jornais por dia e ainda faço as vendas direto aqui no local permanente”, detalhou Garcia.

No rol dos veteranos está Carlos Augusto Alves Sousa, o popular “Careca”, jornaleiro há três décadas e atualmente fixado no retorno do Calhau. Durante 25 anos viveu exclusivamente da venda de jornal, mas a procura caiu muito com a internet. “Na época que saia o listão dos aprovados no vestibular eu cheguei a vender 800 jornais por dia”, registrou.

Careca vendia bem nos bons tempos do “listão” do vestibular

Mas, a procura caiu vertiginosamente. Careca soma a venda de 20 jornais nos dias úteis e aos domingos comercializa até 80 exemplares. “Já foi muito melhor. Domingo eu chegava a vender até 300 jornais”, recordou. Ele mensurou que nos últimos cinco anos não é mais possível viver apenas da comercialização de jornal e por isso tem uma atividade paralela no turno vespertino para completar a renda.

Da RFFSA à feira do João Paulo

Outro antigo no ramo dos impressos é José Ribamar Araújo, 49 anos, conhecido pelo codinome “Buiú” em toda a feira do João Paulo, onde já vende jornais há 25 anos, ao lado de uma pequena banca onde também comercializa limão. “As vendas não são mais como antes, caiu muito, mas ainda tem uns clientes que compram todo dia”, explicou.

“Buiú” vende limão e jornal na feira do João Paulo

Alguns casos atravessam gerações. Na feira do João Paulo, Fábio “Secreta” herdou a venda de jornais da sua avó e ainda mantém o ofício de jornaleiro misturado com vários bicos, entre eles a venda de verduras, frutas e hortaliças, junto com os jornais pendurados em um fio por cima das outras mercadorias.

A venda de jornal só persiste devido à fidelidade dos leitores, alguns sem qualquer contato com os dispositivos digitais e ainda vinculados ao consumo das notícias na plataforma analógica – o papel.

Entre eles está o aposentado José Braga Cantanhede. Apaixonado por política, lê o jornal paulatinamente durante o dia e não perde a “Coluna do Sarney”, publicada aos domingos no jornal “O Estado do Maranhão”. Como os jornais acabam transbordando os interesses dos proprietários ou grupos empresariais controladores das linhas editoriais, os leitores também se alinham às posições políticas dos seus impressos prediletos.

Seu Braga, leitor fiel, é fã da Coluna do Sarney

Alguns jornaleiros são também leitores assíduos e manifestam suas preferências. É o caso de “Considerado”, fã do governador Flávio Dino. “Ele comprou jornal comigo na campanha para prefeito de São Luís em 2008 e ainda vai ser presidente do Brasil”, profetizou.

“Considerado” é o apelido de Pedro Luís Nascimento, 54 anos, desde 2007 vendendo impressos na área da RFFSA, no Centro Histórico. Cearense de Juazeiro do Norte, ele ganhou o apelido de “Considerado” porque trata todas as pessoas por essa palavra.

“De tudo que eu já fiz a venda de jornal é uma das melhores coisas porque eu aprendi muito. Você se apaixona por isso, faz amizades e tem uma fonte de conhecimento sobre política, economia e outros assuntos”, enfatizou.

Para “Considerado”, Flávio Dino ainda vai ser presidente do Brasil

Pedro da RFFSA, o “Considerado”, tem consciência do declínio das vendas do impresso. “Não dá para viver de jornal como antes. Com a internet caiu em 90% a venda dos jornais de papel. Tem de ter um complemento, um bico para sobreviver”, afirmou.

Rotina e dedicação

Acordar muito cedo é a condição essencial para a profissão de jornaleiro. “Buiú” pega no batente todos os dias logo às 4h da madrugada na feira do João Paulo. “Careca” recebe os jornais às 6h da manhã e Humberto começa a fazer as entregas para os clientes às 5h30, pedalando na sua bicicleta.

No João Paulo tem ainda um ponto de vendas na esquina da rua da Cruz com a avenida São Marçal, onde há 15 anos o casal Francivaldo Lucas do Nascimento e Waldicleia Melo Barbosa comercializa jornais.

Quando iniciou a venda, Francivaldo Nascimento trabalhava em uma loja de móveis no João Paulo e viu o ponto ser passado por várias pessoas durante uns 30 anos, até que surgiu a oportunidade para ele assumir a venda juntamente com a esposa. Todos os dias, faça chuva ou sol, estão na lida.

Ambos reconhecem a dificuldade do impresso com a expansão da internet e conseguiram outros trabalhos fixos. Hoje vendem jornal apenas entre 6h e 8h da manhã para a freguesia já consolidada. “É mais um bico para nós. Ficaram poucos clientes, apenas os tradicionais”, lamentou Barbosa.

Francivaldo e Waldicleia fazem “bico” vendendo jornal em um antigo ponto do João Paulo

O gazeteiro do Vias

Diferente dos tradicionais vendedores de jornal, o artesão Elmo Cordeiro foi um dos principais ativistas do “Vias de Fato”, impresso criado em 2009 por um coletivo formado pelos jornalistas, educadores, artistas e entusiastas da mídia alternativa.

Elmo Cordeiro era estudante de História na Universidade Federal do Maranhão (Ufma) e nas horas de folga sempre panfletava e vendia o “Vias de Fato” nos corredores do campus do Bacanga. “Eu fazia ativismo político, era militante da causa do jornalismo alternativo e da democratização da comunicação”, conceituou.

Incorporado à equipe do jornal, ele explicou que participava do processo de produção, tinha assento nas reuniões de pauta e da tomada de decisões, não era apenas um vendedor de jornal.

Além da distribuição no campus do Bacanga, Cordeiro fazia o jornal circular em manifestações públicas, nos eventos fechados, agitações políticas e culturais junto com a equipe do Vias de Fato. Ele ainda percorria grande parte dos prédios comerciais do São Francisco e do Renascença, fazendo a venda e panfletagem nos lugares estratégicos para um público formador de opinião.

Sobre a migração dos jornais para a internet e os dispositivos móveis, ele avaliou que o produto impresso sempre terá importância. “O livro e o jornal de papel são imortais, principalmente para os conteúdos da mídia alternativa, que deve persistir. Ainda tem espaço para o jornal de papel, não para o jornalismo de negócio, de mercado e de conveniências. Acho que este modelo está com os dias contados”, ponderou.

Transformações na indústria de notícias

Pesquisadores e professores universitários avaliam as mudanças do jornal de papel para as plataformas digitais como algo pertinente à própria história dos meios de comunicação, sendo agora as mudanças cada vez mais rápidas. A professora doutora do Departamento de Comunicação Social – Jornalismo da Ufma, Rakel de Castro, aponta o contexto da convergência tecnológica, profissional, empresarial e de conteúdo como características principais de uma permanente renovação. “A internet potencializa as conexões e coproduções no texto noticioso e, mais recentemente, a emergência da mobilidade na era dos smatphones”, pontuou.

Segundo Castro, no comparativo entre o analógico e o digital, as diferenças se apresentam em transformações no mundo do trabalho diante da formação de grupos empresariais multimidiáticos. Se algumas funções desapareceram nos jornais impressos, como tipógrafos e fotocompositores, outras atividades surgiram no ambiente das novas profissões, como o moderador de conteúdo para as redes digitais em um ritmo de produção fortemente marcado pela instantaneidade.

O aspecto geracional da sustentabilidade também é apresentado pela pesquisadora como um fator de análise na era digital. “Neste caso, o papel do jornal impresso, por exemplo, além de ser extremamente mais caro para circular em grandes proporções, requer muito mais sacrifício do meio ambiente do que a distribuição digital de informação via Internet, sem falar na rapidez. Nesse cenário, não dá para definir quando o jornalismo impresso terá data para findar, mas há uma certeza: a forma como o conhecemos hoje vai deixar de existir em breve, por uma questão estrutural demandada por novas formas de se comunicar dessa geração atual.”, explicou Rakel de Castro.

Jorge Santos ainda não está adaptado às “modernidades”

Entre os leitores, embora escassos, paira o gosto pelo papel. Francisco Silva Moreira, 56 anos, compra os impressos até cinco vezes por semana direto nos jornaleiros, há 25 anos. Quando não tem tempo para ler durante o dia, guarda o exemplar para consumir à noite e até coleciona alguns números antigos, principalmente quando tem notícia sobre seu time predileto – o Sampaio Correia – ou da seleção brasileira. Moreira tem preferência por esporte e futebol, gosta do colorido do jornal de papel e dificilmente lê no celular.

Os próprios jornaleiros são leitores assíduos. “Considerado” avalia o jornal como uma grande fonte de conhecimento. Já Humberto Garcia diminuiu as leituras porque tem muita notícia de violência. “Depois que eu virei evangélico prefiro ler a bíblia e os hinos de louvor”, justificou.

Professor doutor do Departamento de Comunicação Social – Jornalismo e coordenador do Labcom/Ufma, Marcio Carneiro dos Santos interpreta o cenário digital do Jornalismo como uma tendência não à extinção do jornal de papel “e sim para a reconfiguração do impresso em uma atividade de nicho, reduzida e específica”, sintetizou.

Cliente fiel compra jornal na Beira-Mar

Ele visualiza esse cenário com base nos vetores econômico, tecnológico e cultural. Como atividade econômica o impresso tem um custo de produção e distribuição elevado (maquinário, insumos e mão de obra), além da logística para fazer o produto final circular. “O meio digital eliminou a maior parte desses itens e tornou-se a resposta natural para a sobrevivência das organizações jornalísticas que tem visto seu faturamento cair, em virtude da fragmentação das audiências e da explosão de emissores no ecossistema dos meios de comunicação”, enumerou Carneiro.

O vetor tecnológico, segundo o pesquisador, está fundamentado na ampliação da infraestrutura de internet, preço baixo, aumento da oferta dos dispositivos móveis e das suas funcionalidades. Esse conjunto de fatores alterou as lógicas de consumo, onde predominava um ambiente de escassez da produção dos grandes veículos de mídia para a “explosão de emissores”, empoderados por redes e numa disputa de atenção marcada pela fragmentação da audiência.

Nos seus estudos o professor observa também nesse contexto a precarização do trabalho dos jornalistas em muitos casos; ou seja, nem tudo é benefício com nesse novo cenário de automatização da produção de conteúdo. Por um lado, a multiplicação dos meios viabiliza a alternância de vozes e pontos de vista, com maior facilidade para a distribuição de conteúdos. “Entretanto, as fakenews, a difusão da intolerância, as polarizações instransponíveis e a violência explicitada pelos canais digitais constituem o lado sombrio da mesma moeda”, ponderou o pesquisador.

Marcio Carneiro dos Santos sugere uma visada não determinista sobre o futuro. “Talvez a situação do jornalismo impresso siga o mesmo caminho ou, como acreditamos, siga o pensamento de McLuhan que dizia que os velhos meios se transformavam em obras de arte, de consumo restrito, num processo já percorrido pelos discos de vinil, por exemplo.”, ilustrou.

Arnaldo Garcia sempre para nas bancas para ler as manchetes

Aproximado a essa forma de ver o impresso, como se fosse um vinil sofisticado, o superintendente de produção de “O Imparcial”, Célio Sergio, pensa na sobrevivência do jornal de papel com as devidas adaptações aos novos tempos. “A tendência do impresso é ser um produto mais opinativo, interpretativo e analítico, enquanto o jornal online já é mais focado no factual”, diferenciou. Quanto ao formato, o suporte de papel deve seguir a tendência do tablóide, mais fácil de manusear e com um tipo de diagramação aproximado do estilo de revista, mas com a periodicidade diária, projetou Sergio.

Focar no conteúdo opinativo também é a visão do diretor do “Jornal Pequeno”, Lourival Bogéa. Questionado sobre o processo de extinção do impresso, refutou esta perspectiva. Para ele, jornal tem importância como formador de opinião. “Acredito em fórmulas capazes de proporcionar vida longa ao jornal no papel, como, por exemplo, dando a ele um formato mais de revista, com textos aprofundados e que possam levar, principalmente sociedades em desenvolvimento, a uma grande reflexão sobre o mundo que vive hoje. Vejo o impresso como agente de contextualização de fatos jogados a esmo no dia a dia, via online, e que não permitem à opinião pública ter uma noção exata do que acontece. Vejo o impresso, consequentemente, como aprofundador desses fatos, numa contextualização altamente interessante e favorável ao físico”, detalhou Bogéa.

Para o jornalista Emilio Azevedo, um dos fundadores e o editor do jornal “Vias de Fato”, a ameaça de morte do impresso é evidente. “O desafio do Jornalismo, tão velho quanto necessário, tem sido se manter como referência na internet. O chamado mundo digital é povoado por mentiras. Sendo assim, a fonte da notícia é fundamental. É aí que entra o Jornalismo”, pontuou.

Referência em comunicação alternativa, o Vias de Fato, fundado em 2009, circulou mensalmente durante cerca de oito anos. Embora ancorado no papel, a reverberação do produto impresso teve na internet uma aliada natural e muito importante. Nessa perspectiva do digital, Azevedo vislumbra saídas para a mídia independente. “No caso do jornal Vias de Fato, ficou inviável manter a circulação. Nossa alternativa foi buscar uma nova forma de organização. E nessa busca, nós juntamos com novos parceiros na Agência Tambor, que a partir de um site (com uma web rádio) e de diferentes redes sociais, converge som, imagem e texto. Assim como o “velho” Vias, a repercussão da ação alternativa da Tambor também é evidente”, registrou.

A jornalista Claudia Santiago, por sua vez, pensa o jornal impresso como arma da luta de classes. Inspirada no filósofo e ativista Antonio Gramsci, ela afirma que os trabalhadores precisam ter os seus próprios meios de comunicação.

Fundadora e coordenadora do Núcleo Piratininga de Comunicação (NPC), escola de formação especializada em comunicação sindical, ela assegura que o instrumento mais importante nesse segmento está no corpo do sindicalista ou da sindicalista: os olhos e a língua no contato direto com as suas bases, sendo imprescindível o jornal de papel, entregue de mão em mão.

Fabio “Secreta” herdou o ponto da sua avó, na feira do João Paulo

“Nada substitui o momento da entrega do jornal. Principalmente agora, que se usa cada vez mais a Internet para tudo e estamos perdidos em uma floresta de informações. O jornal do sindicato passa a ser recebido como uma figura importante. Se antes ele já era o único jornal que entrava na casa da maioria dos trabalhadores, imagina agora. E se o povo não sabe ler, desenhe. Ter poucos anos de escola não significa não ser tremendamente sensível e inteligente. Então, continuo defendendo que sindicatos façam jornais de papel. Se não souber como fazer, me procura que eu ajudo”, provocou Santiago.

Jornal no quilo

Enquanto as mudanças acontecem, Hamilton Pereira, 52 anos, está ganhando mais dinheiro vendendo jornais “velhos”, armazenados com as sobras da sua banca, localizada no Mercado Central, em São Luís.

Jornais antigos são vendidos no quilo na banca de Hamilton

Depois de quatro décadas trabalhando como jornaleiro ele percebeu, há cinco anos, que somente a venda de jornais diários não rendia mais e decidiu agregar valor ao seu negócio. Assim, além dos diários, passou a vender exemplares antigos que são comprados para usos diversos. Ele percebeu que as pessoas pediam encomendas de jornais velhos e faz dessa demanda parte de seu comércio. Também começou a vender CD com reggae, sofrência e outros ritmos musicais, caça-palavras e DVDs.

“É mais negócio, hoje em dia, vender jornal velho, rende melhor que o novo”, afirmou Pereira. O quilo do usado custa R$ 4,00. Os clientes preferenciais, nos últimos anos, são os donos de bichos de estimação, principalmente cachorros. “Compram para forrar espaços onde os animais domésticos dormem ou ficam mais tempo. Para eles é mais prático, econômico e higiênico. Forrando com jornal, fica fácil de limpar o local dos bichos”, explicou.

Os exemplares antigos são comprados também para empacotamento de produtos em lojas e quitandas, com o objetivo de acomodar o transporte de peças frágeis como louças e ovos; limpar vidraças; revestir caixa de isopor com peixe para viagens; forrar gaiolas com passarinho, entre outras finalidades. “Tem muitas utilidades, sai bem e todo dia”, computou Pereira, que começou vendendo jornais avulsos pelas ruas, no início da adolescência e, logo depois, se fixou no Mercado Central.

Ele se orgulha ao dizer que somente com a profissão de jornaleiro criou os seus três filhos. “Todos estão independentes e trabalhando”, comemorou.

Diferente dos diários focados em notícias e reportagens do cotidiano, os jornais alternativos com periodicidade mais elástica geralmente têm artigos e reportagens com textos longos, analíticos e interpretativos, que acabam se transformando em documentação e referência para estudos acadêmicos.

O Vias de Fato, por exemplo, tem uma coleção com todas as edições arquivadas e o acervo impresso é fonte de pesquisa para estudantes e professores. “Ironicamente, também existe uma cobrança pra que se faça a digitalização do acevo”, avisou Emilio Azevedo.

Se ir a uma banca ou ao jornaleiro para buscar um produto jornalístico e pagar por ele tornou-se algo até estranho para a maioria da população, ainda é um hábito cultivado por fiéis amantes do “velho” jornal de papel.

Os jornaleiros sentem na pele as transformações na indústria da notícia. Todos os vendedores de impressos ouvidos pela reportagem estão apreensivos e de certo modo pessimistas com o fim do jornal de papel.

Entre mudanças, transformações e ressignificações, o mais importante de tudo é que o Jornalismo siga aperfeiçoando as suas finalidades – informar, instruir, educar, esclarecer, buscar a verdade, provocar, polemizar, prestar serviço e, sobretudo, produzir conhecimento sobre a realidade. Eis o papel do jornal, mesmo que seja digital.

Categorias
notícia

Organizações de jornalistas e juristas repudiam denúncia de procurador do MPF contra Glenn Greenwald

A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) publicaram notas críticas sobre a iniciativa do procurador Wellington Divino Marques de Oliveira, do Ministério Público Federal (MPF), que acusou sem provas o jornalista Glenn Greenwuald, do The Intercept Brasil, de participar da invasão de celulares de autoridades brasileiras.

Greenwald é um dos autores da série de reportagens denominada “Vaja Jato”, publicada pelo Intercept desde 2019, revelando os diálogos travados em um aplicativo de mensagens entre figuras da Justiça como o ex-juiz e atual ministro Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol para orientar o andamento de processos da Operação Lava Jato.

De acordo com as duas entidades, a iniciativa do procurador agride a liberdade de imprensa.

“Lamentavelmente, o MPF ignora a Constituição Brasileira, que assegura a liberdade de imprensa. Ignora também decisão de 2019 do Supremo Tribunal Federal (STF) que determinou que o jornalista não fosse investigado no âmbito da Operação Spoofing, da Polícia Federal, destinada a investigar invasões de celulares de autoridades.”, diz a nota da Fenaj.

A Abraji, ao se posicionar sobre a ação do MPF, afirma: “É um absurdo que o Ministério Público Federal abuse de suas funções para perseguir um jornalista e, assim, violar o direito dos brasileiros de viver em um país com imprensa livre e capaz de expor desvios de agentes públicos. A Abraji repudia a denúncia e apela à Justiça Federal para que a rejeite, em respeito não apenas à Constituição, mas à lógica.”

O procurador também foi repudiado pela Associação Brasileira de Juristas Pela Democracia (ABJD), por meio de uma representação ao MPF sustentando que o procurador Wellington Divino Marques de Oliveira cometeu abuso de autoridade contra o jornalista Glenn Greenwald e pede que seja instaurado procedimento de investigação para apuração de conduta ilícita. 

O procurador Wellington Oliveira deve ser enquadrado na Lei de Abuso de Autoridade (nº 13.869) por denunciar sem provas Glenn Greenwald, afirma a ABJD.

Imagem destacada: Evaristo Sá/AFP

Categorias
notícia

Relatório do Iphan: dupla franco-brasileira fez escavações ilegais em quilombos no Maranhão

Documento oficial do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) reafirma na inspeção feita em Bacuri as denúncias publicadas pelo Blog do Ed Wilson sobre as violações de sítio arqueológico na comunidade quilombola São Félix. Os delitos foram praticados pela paraense Magnólia Gonçalves de Oliveira e seu comparsa francês François-Xavier Pelletier.

Leia abaixo as reportagens do Blog do Ed Wilson

A nova pirataria “francesa” em comunidades quilombolas do Maranhão

Pirataria “francesa”: Polícia Civil apreende objetos históricos furtados de comunidades quilombolas no Maranhão

A dupla franco-brasileira fez perfurações e escavações não autorizadas, furto e transporte irregular dos artefatos pertencentes às áreas quilombolas de São Félix e Mutaca. Em relação ao furto de objetos na comunidade Mutaca, o Ministério Público acionou a Justiça, que expediu mandado de busca e apreensão cumprido pelas polícias Civil e Militar na casa onde moravam Magnólia Oliveira e François-Xavier, localizada no povoado Portugal, na periferia de Bacuri, município do litoral ocidental do Maranhão.

Moradores de São Félix observam a mutilação do sítio arqueológico.
Foto: Marizélia Ribeiro.

Concluída a ação policial com ordem judicial, ficou provado que na casa alugada para a dupla franco-brasileira estavam escondidos centenas de achados arqueológicos retirados de São Félix e Mutaca. Em seguida, o Iphan realizou inspeção técnica e emitiu parecer com base em imagens, relatos e trabalho de campo feito por arqueólogo.

De acordo com o relatório do Iphan, as escavações são ilegais, feitas sem autorização, configurando mutilação de sítio arqueológico e transporte de material sem permissão.

Objetos selecionados foram encontrados na casa do povoado Portugal, onde morava a dupla François e Magnólia. Foto: relatório do Iphan

No item “Conclusão e Encaminhamento”, o relatório aponta várias irregularidades cometidas por Magnólia Oliveira e François-Xavier e, ao final, recomenda a tomada de providências contra a dupla de infratores.

O documento do Iphan lista vários trechos da legislação brasileira infringidos por Magnólia e François-Xavier, que agiram de forma ilegal. Para aliciar os moradores dos quilombos, a dupla “prometia” que os objetos retirados das escavações serviriam para implantar um museu em Bacuri e atrair turistas para o povoado Portugal.

Na casa do povoado Portugal também foram encontrados resíduos com anotações em sacos plásticos. Foto: relatório do Iphan

Segundo o relatório do Iphan, “foi elucidado que os objetos constituem artefatos configurados como patrimônio cultural brasileiro de interesse arqueológico, que, por sua vez, são portadores de referência à identidade, dos diferentes grupos que habitam ou habitaram a área em questão.”

Veja abaixo o trecho final do relatório:

“Em síntese, a partir do relatado, pode-se inferir que as escavações arqueológicas, promovidas pelos Senhores François Polletier e Magnólia Gonçalves de Oliveira, na comunidade São Felix, foram realizadas de forma ilegal. Citam-se os seguintes aspectos:

– Escavação sem portaria autorizativa, contrariando a Portaria 07 de 1988.

– Mutilação de sítio arqueológico, conforme Art. 3º da Lei 3.924 de 1961 e Art. 63 da Lei 9.605 de 1988;

– Transporte de material arqueológico sem permissão, segundo Portarias IPHAN 195, 196 e 197 de 2016.

O relatório recomenda, ainda, “tomar as devidas providências quanto à atuação irregular dos Senhores François Polletier e Magnólia Gonçalves de Oliveira.”

Colar misterioso

A brasileira e seu comparsa francês não tiveram qualquer autorização de nenhuma instituição do governo brasileiro para realizar perfurações, escavações e transporte de artefatos históricos e arqueológicos.

Na página 11 do relatório há o registro sobre um colar que teria sido retirado nas escavações, mas não foi encontrado na casa onde Magnólia Oliveira e François-Xavier escondiam os achados arqueológicos.

“Durante a conversa com os moradores da localidade foi relatado que um colar (“colar de crioula”) havia sido encontrado nas escavações da casa grande, local próximo da escavação executadas pelos “franceses” e o mesmo não se encontra entre os materiais que estão na casa, como também, uma âncora de embarcação.”, aponta o relatório do Iphan.

A divulgação do relatório, datado de 10 de dezembro de 2019, reitera técnica e institucionalmente as informações levantadas pelas reportagens do Blog do Ed Wilson desde fevereiro de 2019 sobre a violação das áreas quilombolas. A sequência de matérias sobre a violação dos quilombos foi inclusive contemplada no Prêmio de Jornalismo do Ministério Público do Maranhão, na categoria webjornalismo, em dezembro de 2019.

Jornalista e professor da UFMA Ed Wilson Araújo recebe prêmio do procurador-geral de Justiça Luiz Gonzaga Coelho pela reportagem sobre pirataria francesa em Bacuri

Após as reportagens e a repercussão em diversos meios de comunicação do Maranhão e na Teia de Comunicação Popular do Brasil as perfurações foram suspensas e a dupla de infratores não circula mais pelas áreas quilombolas de Bacuri. Segundo testemunhas, François-Xavier deixou a casa do povoado Portugal alguns dias antes da operação policial. Ele colocou no carro várias caixas e malas e nunca mais voltou.

Leia as matérias sobre a premiação do Blog do Ed Wilson no site do Ministério Público, no site Agenda Maranhão, no Jornal Pequeno e na Agência Tambor.

Categorias
notícia

Partidos devem favorecer caciques e repetir modelo do laranjal no rateio do fundão

Amparados nas frouxas regras criadas por eles próprios, os partidos políticos indicam que irão repetir nas eleições de outubro o modelo usado em 2018 para a aplicação do dinheiro público reservado para as campanhas. Em linhas gerais, R$ 2,035 bilhões distribuídos com base em apenas duas diretrizes.

A primeira é a vontade das executivas das 33 legendas. O restrito grupo de dirigentes tem poder absoluto de definir quem, dos quase 500 mil candidatos, receberá dinheiro público e quanto. A segunda é a exigência de direcionamento de ao menos 30% da verba (R$ 610 milhões) para candidatas.

A regra, criada para estimular a participação feminina, está no centro do escândalo de desvio de recursos por meio das candidaturas de laranjas, criadas para financiar outros postulantes
Leia aqui na Folha de São Paulo
Categorias
notícia

Nota Pública: confira posicionamento da Apruma em defesa da democracia interna na UFMA e de repúdio à Medida Provisória 914

APRUMA: Nota Pública sobre a Medida Provisória 914/2019

  • MP interfere na autonomia das Instituições Públicas de Ensino Superior (IES) restringindo o processo de escolha de dirigentes das Universidades, Institutos Federais e do Colégio Pedro II

Em plena véspera de Natal, Jair Bolsonaro editou a Medida Provisória (MP) 914/2019, que ataca diretamente a Educação Pública, em mais uma demonstração de autoritarismo e de desprezo pela Constituição, pela democracia e pelas universidades, institutos federais e pelo Colégio Pedro II, diretamente atingidos pela medida, que nada tem de urgente, requisito fundamental para a edição deste tipo de instrumento legal.

A referida MP restringe o processo de escolha dos dirigentes dessas instituições, impondo a adoção de lista tríplice – mesmo onde atualmente não está prevista sua formação, como é o caso dos institutos federais. Segundo a Medida Provisória, essa lista deve ser formada após consulta às comunidades com peso desigual para seus membros (peso de 70% para o voto docente, 15% o dos técnicos-administrativos e 15% para o voto discente), rompendo com a tradição democrática de diversas universidades nas quais o voto já é paritário, como historicamente defendem o Andes Sindicato Nacional e a Apruma Seção Sindical.

Além disso, ela não obriga a nomeação do primeiro colocado, constituindo elemento de aparelhamento ideológico conservador alinhado ao bolsonarismo nas universidades, institutos e no Colégio Pedro II.

Não bastasse, impõe que as direções das unidades e subunidades acadêmicas sejam escolhidas diretamente pelos reitores – estes por sua vez escolhidos pelo presidente seguindo, portanto, o alinhamento ideológico demarcado acima. Tal medida rompe com a experiência democrática no âmbito dessas instituições, pondo fim aos processos de eleição direta desses cargos, como acontece atualmente. Com isso, pretende sequestrar a Educação e a Ciência brasileiras, fazendo-as reféns de sua ideologia e de seu autoritarismo, o que representa grave ataque à autonomia universitária inscrita na Constituição Federal.

Outra grave ingerência na Academia é a previsão, nesse instrumento, da permissão ao presidente para que nomeie dirigente dessas instituições pro tempore, sem qualquer consulta à comunidade, bastando para isso que se insinue irregularidades no processo de consulta para formação da lista tríplice, o que significa a ameaça de colocar universidades e institutos sob intervenção. É o que já acontece hoje na Universidade Federal da Grande Dourados e no CEFET-RJ.

São flagrantes as inconstitucionalidades da MP, bem como as graves ameaças que representa. Na UFMA, não de hoje vem a luta da Apruma e do Andes-SN para que, em vez de restringir, amplie-se a democracia na instituição, através de eleições diretas e paritárias para a Reitoria, Centros, Campi, Colégio Universitário, Hospital Universitário e todas as suas unidades e subunidades.

Ante tudo o que foi exposto, reafirmamos nosso mais veemente REPÚDIO à Medida Provisória 914, já expressos em Nota Pública pelo Andes-SN.

Essa situação exige nossa incansável luta em defesa da democracia interna na Universidade Federal do Maranhão, bem como do Artigo 207 da Constituição Federal de 1988, onde está inscrito o princípio da Autonomia Universitária, bem como da democracia em todas as IES.

Reiteramos a defesa que fazemos de que dirigentes devem ser escolhidos através de eleições diretas, com voto paritário ou universal, e que o processo se encerre no âmbito de cada IES. Que na UFMA as eleições se encerrem no âmbito de cada órgão: Reitoria, Centros, Campi, Colégio Universitário, Hospital Universitário e todas as suas unidades e subunidades sem necessidade, portanto, de elaboração de lista tríplice ou indicação de pro tempore, respeitando-se a vontade e escolha de quem constrói o cotidiano de cada um dos setores e órgãos da UFMA.

Para tanto, conclamamos toda nossa categoria docente, a comunidade universitária e a sociedade em geral a cerrar fileiras para derrotar mais esse ataque do governo Bolsonaro às Instituições Públicas de Ensino Superior, reafirmando ainda nossa firme posição de defesa incansável da Educação Pública, Gratuita, Laica e de Qualidade ofertada pelas universidades, institutos federais e pelo Colégio Pedro II, alvos de tão autoritária medida, que procuraremos, de todas as formas, derrubar.

São Luís, 15 de janeiro de 2020

A Diretoria da Apruma Seção Sindical

Categorias
notícia

Lençóis Maranhenses será palco da primeira prévia do Tributo ao Rei do Baião 2020

Na 5ª edição, o Encontro dos Forrozeiros dos Lençóis Maranhenses na cidade de Santo Amaro do Maranhão será uma grande prévia do maior evento do autêntico forró do Estado do Maranhão (Tributo ao Rei do Baião). 

O Encontro dos Forrozeiros ocorrerá nos dias 24 (na praça principal da cidade de Santo Amaro) e 25 de janeiro (em frente à  Pousada Sol de Amaro). 

 Atrações já confirmadas: Seu Raimundinho, Grupo “Pé no Chão”, Dário Rubens, Nildo Potiguar, “Forró Pegado”, Cabo Zé, Nenem do Vale, Joãozinho da Zabumba, Mané Fanho e muitos convidados. 

Fora da alta temporada, esse evento cultural movimenta a região dos Lençóis Maranhenses e, ao mesmo tempo, representa uma grande parceria da cidade maranhense com a Comissão Organizadora do Tributo ao Rei do Baião. 

No Encontro dos Forrozeiros dos Lençóis Maranhenses, não há cobrança de ingresso. É essencialmente democrático, pois as pessoas de várias partes do Maranhão e de outros Estados participam sem restrições.

Nos dois dias, 24 e 25 de janeiro, Santo Amaro será a cidade mais forrozeira do Maranhão. 

Participe!

Informações: (98) 98823-3709 ou 99972-7051.