Maranhão 2022: o estupro do (e)leitor

Para além do voto consciente, baseado em critérios éticos, o ambiente eleitoral costuma ser dominado pelas paixões, crenças e os diversos tipos de pragmatismo.

Apaixonada é uma fatia do cidadão comum, sem interesse pessoal em determinado resultado eleitoral, mas dominado pelas sensações de amor e ódio desencadeadas no processo de mobilização dos afetos.

Existe ainda o apaixonado artificial. Esse tipo adere a certo grupo e passa a defendê-lo intensamente porque tem negócios e favores no universo da política. É o apaixonado pelos seus interesses privados.

Já o crente (não no sentido religioso) é um perfil do eleitorado cativo, no sentido da prisão ou cativeiro da sua opção de voto, amarrada a uma convicção inabalável por qualquer tipo de argumento ou dado concreto da realidade.

Todos os perfis são direta ou indiretamente alcançados pelas técnicas de marketing, da publicidade, da propaganda e do jornalismo, antes e durante as campanhas propriamente ditas.

Noticiário, opiniões, pesquisas, interpretações e análises desfilam no mesmo palco onde circulam distorções e desinformação nos diversos formatos do jornalismo e da propaganda eleitoral.

Em algumas situações, a fronteira entre o jornalismo, a publicidade e a propaganda fica diluída.

Nesse emaranhado, as indústrias de produção de conteúdo de comunicação operam para ativar percepções, fortalecer convicções, movimentar opiniões e consolidar apoios, obviamente com o fim de persuadir o eleitorado para determinado partido, candidato ou causa.

Toda eleição tem doses de sinceridade do campo político ético, mas ocorrem também as overdoses de manipulação, desinformação e distorção de todos os tipos.

Assim, a realidade mascarada interfere em diferentes níveis e intensidades nas escolhas do eleitorado.

Nas eleições 2022 no Maranhão estamos diante de uma polaridade emergente do grande campo político caudatário dos dois mandatos (quase oito anos) do ex-governador Flávio Dino (PSB), agora dividido em duas candidaturas: a do Palácio dos Leões (Carlos Brandão-PSB) e a outra representando um segmento das oposições (Weverton Rocha-PDT).

Ambos buscam formar alianças amplas, reunindo espectros da extrema direita à esquerda, com o objetivo de ganhar as eleições e governar.

Porém, tentam estabelecer diferenças.

Carlos Brandão, originário do sarneísmo e do coronelismo, é apresentado como projeto do campo progressista, aliado de Flávio Dino e “o candidato de Lula”.

Weverton Rocha, mais próximo do discurso progressista, recebe o carimbo do “candidato de Bolsonaro”.

As estratégias das candidaturas visam transformar Carlos Brandão em lulista e Weverton Rocha em bolsonarista, embora o primeiro seja um tipo da direita tradicional e o segundo tenha se movimentado no campo democrático.

A polaridade é meramente eleitoral. Não tem qualquer relação com programas de governo ou planos de desenvolvimento para o Maranhão.

Nesse contexto, o eleitorado será alcançado por intensa propaganda das duas candidaturas e uma parte tende a ser convencida por caminhos distorcidos da comunicação.

Política nem sempre é movida por argumentos, ideias e propostas.

A tomada de decisão do (e)leitor ocorre, em parte, como resultado da violência.

2 comentários em “Maranhão 2022: o estupro do (e)leitor”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.