Rádio Educadora AM dá exemplo de tolerância religiosa e diversidade cultural

O programa “Trem das CEBs*”, apresentado todos os sábados à tarde, na rádio Educadora AM 560 Khz, fez hoje uma significativa demonstração sobre a convivência entre pessoas e práticas religiosas diferentes.

No estúdio, para dialogar sobre a Páscoa, estavam representantes do catolicismo, de religião de matriz africana e um pastor luterano. Todos expuseram seus pontos de vista sobre os sentidos da ressurreição de Jesus Cristo.

Apresentado por Cesar Soeiro, Ramon Alves e Neguinho, o “Trem das CEBs” promoveu um diálogo saudável, dando oportunidade para a audiência compreender a Páscoa e as interpretações de variadas concepções e práticas religiosas sobre esse tema celebrado em todo o mundo.

Em tempos de fundamentalismo político e religioso, a rádio Educadora AM, pertencente à Igreja Católica, deu uma significativa demonstração de tolerância, ecumenismo e respeito às diferenças.

O programa “Trem das CEBs” reforça o sentido pleno do rádio como uma plataforma de comunicação educativa.

Fica a sugestão para que o exemplo da Educadora AM seja seguido pelas emissoras controladas por evangélicos. A audiência ganha muito quando um tema religioso é abordado por padres, pastores e pais de santo em diálogo sobre fé e História, admitindo a diversidade.

O que é Comunidade Eclesial de Base

Segundo o site Vida Pastoral, as Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) surgiram no Brasil como um meio de evangelização que respondesse aos desafios de uma prática libertária no contexto sociopolítico dos anos da ditadura militar e, ao mesmo tempo, como uma forma de adequar as estruturas da Igreja às resoluções pastorais do Concílio Vaticano II, realizado de 1962 a 1965. Encontraram sua cidadania eclesial na feliz expressão do Cardeal Aloísio Lorscheider: “A CEB no Brasil é Igreja — um novo modo de ser Igreja”.

Imagem retirada deste site

A Páscoa dos bem-te-vis de São Luís

O pássaro bem-te-vi é tão significativo em São Luís que deveria ser informalmente declarado patrimônio imaterial da sonoridade na Ilha do Amor

Meu bairro da infância e adolescência, o Apeadouro, é um laboratório para a vida inteira. Sempre que vou lá visitar a minha mãe, na rua Sousândrade, tenho lembranças. Uma delas é o hábito de botar apelido nos outros. Naquela época, o bullying ainda não tinha a visibilidade dos tempos atuais, embora já fosse uma prática muitas vezes grosseira.

No Apeadouro tinha apelido para todos os gostos. Eu era menino magrelo demais, parte da genética e também por queimar muitas calorias jogando bola na rua até escurecer. De tão franzino, ganhei apelido de bem-te-vi, carimbado por um homem grisalho, de voz grave, onde eu sempre levava sapatos para consertar. Ele próprio tinha apelido – Chapolion – e eu nunca soube seu nome de batismo.

Toda vez que eu ia entregar ou receber sapatos e sandálias na oficina de Chapolion, ele me recebia com um sorriso e a característica saudação “fala, bem-te-vi”. Nunca me incomodei com aquele codinome, talvez por isso o apelido não tenha colado.

Fato é que carreguei essa lembrança a vida toda e um carinho especial por esse pássaro, cantado em tantas músicas, narrado na literatura de Josué Montello e nome de um jornal importante na Balaiada – “O Bem-Te-Vi” – porta-voz das forças políticas urbanas que se opunham ao poderio dos comerciantes portugueses e proprietários de terras, na primeira metade do século XIX.

O pássaro bem-te-vi é tão significativo em São Luís que deveria ser informalmente declarado patrimônio imaterial da sonoridade na ilha do amor.

Nesta sexta-feira Santa de 2018, nos primeiros clarões do dia, eles já estavam quebrando o silêncio e nos convidando a refletir sobre a Paixão de Cristo e o significado da cerimônia do lava pés.

Fiquei uns minutos ouvindo o canto deles, aprendendo com os pássaros o sentido da humildade num tempo de tanta arrogância, fundamentalismo, agressões e intolerância.

O canto do bem-te-vi inspira o sentido do diálogo. É sempre responsivo, se proclama no encontro com o outro, em sintonia.

Há sempre uma doação na cantoria deles. Sábado de Aleluia e Domingo de Páscoa são dias bons para ouvir os bem-te-vis e capturar deles o sentido da solidariedade.

Imagem capturada neste site