Estudantes com deficiência visual avaliam a receptividade e assistência no cotidiano da UFMA

O blog publica hoje a terceira entrevista da série “pessoa com deficiência”. A entrevista, realizada no Laboratório de Rádio, é uma atividade prática da disciplina Produção e Direção de Programas de Rádio, do curso de Rádio e Televisão (RTV) da UFMA.

Nesse programa, apresentado pelo estudante de RTV e deficiente visual Jeckson Ferreira, foram convidados dois estudantes cegos: Mauricio Marques, do curso de RTV; e Ronilson Almeida, graduando em Jornalismo.

Ouça o programa aqui

Eles abordaram a receptividade e o tratamento que vêm recebendo na Universidade Federal do Maranhão (UFMA). O programa procurou explorar as qualidades e as dificuldades enfrentadas pelos estudantes com deficiência no dia a dia do campus do Bacanga.

Mauricio Marques e Ronilson Almeida fizeram referência à solidariedade dos estudantes e dos professores, que vêm buscando se aproximar dos alunos com deficiência para integrá-los nas atividades pedagógicas e sociais.

Eles também apontaram algumas carências no atendimento do Núcleo de Acessibilidade (Nuaces), vinculado à pró-Reitoria de Ensino, que tem a missão de garantir o ingresso e a permanência da pessoa com deficiência na UFMA.

Mauricio Marques é músico happer e Ronilson Almeida é atleta de goalball. Saiba mais sobre esse esporte aqui.

Sala de Rádio

O programa “Sala de Rádio” é um recurso didático criado pelo professor do curso de RTV, Ed Wilson Ferreira Araújo, com o objetivo de conectar os conteúdos teóricos às atividades práticas, utilizando os equipamentos disponíveis no Laboratório de Rádio.

Durante a disciplina Produção e Direção de Programas de Rádio, no semestre 2018.1, os estudantes exercitam a técnica de apresentação de programa jornalístico, precedido das atividades de produção: seleção e enquadramento do tema, contato com a fonte, recepção da fonte, condução da entrevista e direção.

Ao longo deste semestre (2018.01), os estudantes da disciplina Produção e Direção de Programas de Rádio planejam, executam, acompanham e avaliam a produção de programa com pautas focadas no tema “pessoa com deficiência”.

Os alunos são responsáveis pela apresentação e edição das entrevistas e/ou programas.

Além de Mauricio Marques e Ronilson Almeida, outras fontes vinculadas ao tema “pessoa com deficiência” já foram entrevistadas pelos estudantes e os arquivos de áudio estão sendo disponibilizados neste blog.

Ao final da disciplina, os alunos vão produzir programas especiais sistematizados a partir das informações colhidas nas entrevistas realizadas durante o semestre.

Descrição da imagem: portal da entrada principal do campus do Bacanga, com uma coluna central que funciona como guarita e duas colunas laterais. Da estrutura central estendem-se duas marquises sustentadas pelas estruturas laterais.

Imagem baixada neste site

Cáritas capacita lideranças populares para a participação e o controle social de políticas públicas

Dando continuidade ao processo de formação e de mobilização para o controle social de políticas públicas, a Cáritas Brasileira Regional Maranhão realiza, dias 11 e 12 de maio, o segundo módulo do curso em políticas públicas e direitos humanos.

Esta etapa acontecerá na Casa de Formação das Irmãs de São José, no bairro do Filipinho, em São Luis e contará com a participação de 40 representantes de grupos populares do meio rural e da cidade, além de representantes das equipes locais de Cáritas de oito dioceses do Maranhão.

Na primeira etapa do curso, realizada em setembro de 2017, os cursistas debateram o tema das políticas públicas e os espaços de participação e controle social a partir das realidades dos seus municípios.

Neste segundo módulo serão abordadas as temáticas do orçamento público e a participação popular; os conselhos como instrumentos de controle social e o combate à corrupção eleitoral.

Como assessores, além do assessor regional da Cáritas para a temática, Ricarte Almeida Santos, a entidade contará com as contribuições de Ed Wilson Araujo, professor universitário e jornalista, e de Douglas Martins, juiz de direito.

Turnê do musical João do Vale percorre Caxias, Codó, Coroatá e finaliza em Pedreiras

Estreia neste sábado (12) a turnê “De Teresina a São Luís” do musical “João do Vale, o gênio improvável”, produzido pelo Teatro Arthur Azevedo, com o apoio do Governo do Maranhão, por meio da Secretaria da Cultura e Turismo. A primeira parada é na cidade de Caxias, onde a apresentação gratuita será realizada em frente ao Centro de Cultura da cidade, rua São Pedro, 133, às 20h.

Após a apresentação em Caxias o espetáculo seguirá para Codó, no dia 19 de maio, Coroatá, no dia 26 de maio, São Luís, nos dias 01,02 e 03 de junho, Teresina, no dia 16 de junho, e por fim, em Pedreiras, terra de João do Vale, no dia 23 de junho.

“Oportunizar a apresentação de espetáculos com tanta qualidade como o musical João do Vale em municípios maranhenses é uma das metas da política de descentralização cultural do Governo do Maranhão. Neste caso, em especial, além de levarmos o teatro, estamos levando esse grande artista maranhense que é João do Vale. Não poderia ser melhor”, destacou o secretário de estado da Cultura e Turismo, Diego Galdino.

O espetáculo

Idealizado e produzido por Celso Brandão, diretor do Teatro Arthur Azevedo, o espetáculo “João do Vale, o gênio improvável” foi sucesso de bilheteria e aprovado pela crítica durante suas duas temporadas realizadas em dezembro na capital maranhense.

O processo de inscrição, seleção de elenco e ensaios durou aproximadamente um ano. O elenco é composto por: Vicente Melo (João do Vale), Tiago Andrade (Zé Keti), Nicole Meireles (Nara Leão), Millena Mendonça (Domingas), James Pierre (Zé Gonzaga), Juliana Cutrim (Dorinha), Marconi Rezende (Chico Buarque) e Victor Silper (Luiz Vieira). A direção geral é assinada pelo carioca Vinicius Arneiro e a direção musical é de Luiz Junior.

O musical passeia pela trajetória artística do maranhense do século XX, João do Vale, abordando sua saída do Maranhão até o ápice do sucesso. É caracterizado pela linguagem coloquial do caboclo nordestino, expressando sutilmente a riqueza da cultura nordestina e maranhense.

Para mais informações sobre as apresentações acesse o site do teatro Arthur Azevedo (cultura.ma.gov.br/taa) e nossas redes sociais.

PTB no cravo e na ferradura

Enquanto a reforma política não chega, os partidos vão se arrumando de todas as formas possíveis, rasgando as cartas-programa e as resoluções, que não passam de meros textos decorativos.

O PTB, por exemplo, apoia tucanos e comunistas, simultaneamente: Geraldo Alckmin presidente e Flávio Dino governador.

Pedro Fernandes e o novo aliado Flávio Dino

A peripécia eleitoral é obra do deputado federal Pedro Fernandes (PTB), que desembarcou da nau de José Sarney e já está de malas e cuias no barco do governador do PCdoB no Maranhão.

Seu filho, o vereador Pedro Lucas, já faz parte da gestão comunista desde 2017, como titular da Agência Metropolitana.

Atraído pela força gravitacional do Palácio dos Leões, o PTB é um dos 14 partidos da coligação governista que disputa a reeleição, com Flavio Dino na cabeça.

Indefinição de Roseana Sarney emperra a candidatura de Eduardo Braide

Os diversos naipes da oposição conservadora no Maranhão apostam suas fichas no segundo turno. O plano consiste em lançar várias candidaturas contra o governador Flávio Dino (PCdoB) e empurrar a disputa para adiante.

Mas, existe um cenário real para a decisão logo no primeiro turno.

Neste momento a candidatura de Roseana Sarney (PMDB) é dúvida. Até agora não houve um ato público que assegure a filha de José Sarney (PMDB) na disputa.

Se tivesse certeza, ela já estaria em campo há muito tempo, se movimentando junto aos presidenciáveis, deputados e prefeitos em pré-campanha aberta.

Nada disso está em curso.

O recuo de Roseana Sarney tem um reflexo imediato no projeto de candidatura governamental do deputado estadual Eduardo Braide (PMN).

Ele sonha em ir para o segundo turno, repetindo o fenômeno eleitoral de 2016, quando disparou no debate eletrônico e quase toma a reeleição do prefeito de São Luís Edivaldo Holanda Junior (PDT).

Mas Braide só pode pensar no segundo turno se Roseana for candidata. E ela parece não ser….

Além dessa dificuldade, o deputado não tem sequer três partidos médios que possam lhe assegurar coligação e tempo de propaganda.

A opção do PSDB pela candidatura do senador Roberto Rocha ao governo, anunciada pelo tucano-presidenciável Geraldo Alckmin, foi uma pá de cal nas pretensões de Braide.

Diante deste cenário ele deve refazer o cálculo e disputar o mandato de deputado federal agora em 2018, pavimentando a estrada para tomar a Prefeitura de São Luís em 2020.

Na posição de deputado federal ele terá mais condições de arregimentar forças para 2020 e 2022. Ainda jovem, Braide sabe que a prefeitura da capital é o caminho para ser governador.

E sem ele na disputa de 2018, Flavio Dino fica mais perto da reeleição em primeiro turno.

Professor com baixa visão fala sobre as dificuldades de enxergar e as suas limitações no cotidiano

O blog publica hoje a segunda entrevista da série “pessoa com deficiência”. A entrevista, realizada no Laboratório de Rádio, é uma atividade prática da disciplina Produção e Direção de Programas de Rádio, do curso de Rádio e Televisão (RTV) da UFMA.

Nesse programa o estudante de RTV, Pablo Habibe, já graduado em Jornalismo, entrevistou Junerlei Dias de Moraes, professor do Departamento de Comunicação Social, no curso de RTV.

O professor Junerlei Moraes tem “baixa visão”. Diferente do cego, que não enxerga, a pessoa com baixa visão possui de 5% a 30% de visão em seu melhor olho mesmo após intervenções cirúrgicas ou uso de óculos comuns. As pessoas com baixa visão têm 70% da visão comprometida por algum motivo.

Junerlei Moraes foi diagnosticado com um tipo de catarata denominada “opacificação do cristalino mononuclear retroversa”, que provoca várias limitações na visão e consequentemente no desempenho das atividades como professor e na vida cotidiana.

Ouça o programa integral aqui

Sala de Rádio

O programa “Sala de Rádio” é um recurso didático criado pelo professor do curso de RTV, Ed Wilson Ferreira Araújo, com o objetivo de conectar os conteúdos teóricos às atividades práticas, utilizando os equipamentos disponíveis no Laboratório de Rádio.

Durante a disciplina Produção e Direção de Programas de Rádio, no semestre 2018.1, os estudantes exercitam a técnica de apresentação de programa jornalístico, precedido das atividades de produção: seleção e enquadramento do tema, contato com a fonte, recepção da fonte, condução da entrevista e direção.

Ao longo deste semestre (2018.01), os estudantes da disciplina Produção e Direção de Programas de Rádio planejam, executam, acompanham e avaliam a produção de programa com pautas focadas no tema “pessoa com deficiência”.

Os alunos são responsáveis pela apresentação e edição das entrevistas e/ou programas.

Além de Junerlei Dias de Moraes, outras fontes vinculadas ao tema “pessoa com deficiência” já foram entrevistadas pelos estudantes e os arquivos de áudio serão brevemente disponibilizados neste blog.

Ao final da disciplina, os alunos vão produzir programas especiais sistematizados a partir das informações colhidas nas entrevistas realizadas durante o semestre.

Descrição da imagem: a imagem capturada na web contém a mão de uma pessoa segurando uma lupa sobre um livro.

Políticos e amigos dão adeus a Reginaldo Telles

Desde as primeiras horas desta segunda-feira (7), familiares, militantes, parlamentares, gestores públicos e amigos compareceram ao velório do ex-vereador de São Luís Reginaldo Teles, que faleceu aos 92 anos de idade, vítima de falência múltipla de órgãos. Ele estava internado no hospital São Domingos.

Homem de vasta biografia, com atuação no jornalismo e na vida pública, Reginaldo Telles deixa um legado na política do Maranhão. O enterro será nesta terça-feira (8), às 10 horas, no cemitério do Gavião, na Madre Deus.

Veja abaixo a biografia de Reginaldo Telles, com informações de Davi Telles, neto de Reginaldo e atual secretário de Ciência e Tecnologia (Secti) no governo do Maranhão.

Reginaldo Telles (15/11/1925 – 06/05/2018) foi jornalista, advogado e um dos mais destacados militantes políticos da esquerda no Maranhão. Em 1945, com 20 anos, já era um dos redatores do Jornal “O Combate”, função que exerceu até 1950, momento em que funda, junto com Neiva Moreira, o famoso e combativo “Jornal do Povo”, do qual passa a ser editor-chefe.

A partir de sua atividade jornalística e política, se elege vereador de São Luís em 1951 pelo antigo PSP de Neiva Moreira.

Alguns anos mais tarde, se casa com Maria Lúcia, com quem teve 13 filhos e continuou a seguir uma longa vida de lutas democráticas e populares. Juntos, fundam a Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de São Luís.

No final da década de 1970, Reginaldo foi o primeiro presidente da seção maranhense do Comitê da Anistia, organização responsável por trazer do exílio militantes políticos como Neiva Moreira. É fundador do PDT de Leonel Brizola e foi membro da Comissão Provisória que deu origem ao partido.

Poeta apaixonado, deixou para lançar seu primeiro e único livro de poemas, recentemente, aos 87 anos, o qual, para ele, é uma síntese do que pensa da vida e do amor.

Envolveu-se quase a vida toda com a questão da agricultura familiar, tendo fundado a Cooperativa Mista dos Agricultores de São Luís, dentre outras muitas atividades na área.

Foi Secretário Executivo do Fundo de Revenda do Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Estado do Maranhão, de 1970 a 1971; Assessor de Comunicação da Prefeitura de São Luís, na gestão municipal de Jackson Lago, de 1990 a 1992;  e diretor do antigo Sioge (Serviço de Imprensa e Obras Gráficas) na década de 1960.

Reginaldo Teles também foi candidato a governador pelo PDT, em 1982. A convite de Leonel Brizola, durante o primeiro mandato do pedetista como Governador do Rio de Janeiro, exerceu o cargo superintendente da Região Norte do Banco do Estado do Rio de Janeiro (Banerj).

Imagem: print TV Mirante

Conheça o perfil do eleitorado maranhense em 2018

Artigo do professor mestre Ricardo Costa Gonçalves apresenta um mapeamento dos eleitores no pleito de 2018 no Maranhão

De acordo com dados oficiais do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o Brasil tem hoje 146.988.142 eleitores aptos a votar no dia 7 de outubro. No Maranhão, são 4.583.849 eleitores aptos, o que representa 3,12% do total de eleitores em situação regular com a Justiça Eleitoral do país. A capital do Maranhão, São Luís, tem 674.958 eleitores aptos, o que corresponde a 14,7% do eleitorado maranhense que está pronto para escolher presidente, governador, senador, deputado federal e estadual.

No Maranhão, o número de eleitores aptos aumentou em 1,9% em relação às últimas eleições gerais, em 2014, quando estavam aptas a votar, em todo o país, mais de 4.497.869 de pessoas. O eleitorado maranhense é formado por 2.374.378 mulheres (51,8%) e 2.208.727 homens (48,2%).

Gráfico 01 –Eleitores por Sexo – Maranhão – 2018

A maioria do eleitorado maranhense tem entre 25 a 34 anos que corresponde a 1.103.501(24,1%), seguido por aqueles entre 45 a 44 que corresponde a 932.269 (20,3%) e 21 e 24 anos, que corresponde 462.820 (10,1%).

Gráfico 02 – Eleitores por Faixa Etária – Maranhão – 2018

Dos 4.583.849 eleitores aptos a votar nestas Eleições 2018 no Maranhão, 1.275.209 (28,4%) tem o ensino fundamental incompleto como grau de instrução e 913.090 (20,3%) só leem e escrevem. Os analfabetos somam 592.006 (13,2%) e apenas 126.047 (2,8%) completaram o ensino superior.

Gráfico 03 – Eleitores por Grau de Instrução

A capital do Maranhão, São Luís, tem 674.958 eleitores aptos a voltar nas eleições de 2018. Destes 305.580 (45,3%) são homens e 369.378 (54,7%) são mulheres.

Gráfico 04 – Eleitores por sexo – São Luís – 2018

A maioria do eleitorado da capital maranhense tem entre 25 a 34 anos, faixa que corresponde a 166.965 (24,7%), seguido por aqueles entre 45 a 59 que corresponde a 158.047 (23,4%) e 35 e 44 anos, que corresponde 152.304 (22,6%).

Gráfico 05 – Eleitores por Faixa Etária – São Luís – 2018

No que tange ao grau de instrução, a capital maranhense, tem 288.384 (42,7%) com ensino médio completo e 89.437 (13,3%) tem o ensino médio incompleto. Além disso, 89.066 (13,2%) têm o ensino superior completo, e 88.237 (13,1%) tem o ensino fundamental incompleto. Os analfabetos somam 7.474 (1,1%).

Gráfico 06 – Eleitores por Grau de Instrução – São Luís – 2018

A maioria do eleitorado maranhense é de mulheres (3,63% a mais que os homens), está na faixa etária de 25 a 34 anos e tem apenas o ensino fundamental incompleto. Na capital maranhense a diferença entre mulheres e homens é 9,4%, mais significativa do que no Estado. A maior parte dos eleitores está entre a faixa etária dos 25 a 34 anos, que corresponde a 24,7%.  Além disso, 42,7% dos eleitores da capital têm apenas o ensino médio completo, e apenas 13,2% dos eleitores tem ensino superior completo. Outro dado positivo dos eleitores da capital em relação aos eleitores do Estado é quanto ao analfabetismo, na capital é de 1,1%, e no Estado é 13,2%.

Ricardo Costa Gonçalves é graduado em Matemática, professor, técnico do Núcleo de Extensão e Desenvolvimento – Labex/Uema, Mestre em Estado Governo e Políticas Públicas pela FLACSO (Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais).

Professor da UFMA Antonio Gonçalves concorre à presidência do Andes

Docente no curso de Medicina, Antonio Gonçalves lidera a chapa 1 “Andes Autônomo e de Luta”, que disputa as eleições à diretoria do Sindicato Nacional para o biênio 2018/2020.

Saiba mais sobre a chapa 1 aqui

A eleição ocorre no momento de maior ataque aos direitos dos trabalhadores e de ameaças à Universidade em várias dimensões: cortes nos orçamentos destinados ao ensino, pesquisa e extensão, terceirizações, conservadorismo político e mecanismos já existentes de privatização.

Ex-presidente da Apruma (Associação dos Professores da UFMA), seção sindical do Andes – Sindicato Nacional, na gestão 2014-2018, Antonio Gonçalves integra o coletivo “Andes de Luta e pela Base”.

Também compõem a chapa 1 “Andes Autônomo e de Luta” os docentes Claudio Mendonça (Colégio Universitário), que disputa o cargo de 2º tesoureiro; Rosilda Dias (Enfermagem) e Aurean D’Eça Junior, escolhidos para representar a Regional Nordeste 1 (MA, PI e CE).

A votação será realizada dias 9 e 10 de maio. Nessa entrevista, Antonio Gonçalves fala sobre a conjuntura que ameaça direitos trabalhistas e apresenta as diretrizes gerais da chapa 1.

Blog – Como você avalia a gestão atual do Andes?

Antonio Gonçalves – A atual gestão do Andes Sindicato Nacional, que tem à frente a professora Eblin Farage, da Universidade Federal Fluminense, tem cumprido um papel fundamental na defesa dos direitos dos/das docentes das Universidades públicas e seus Colégios de Aplicação, assim como de Institutos federais e Cefet, na defesa da carreira única de professor federal, no combate à precarização do trabalho docente e do produtivismo que tem levado ao adoecimento físico e mental um grande número de professores/as. Cabe destacar ainda o protagonismo exercido pelo Andes-SN na organização da nossa categoria, em articulação com a CSP-Conlutas, que é a Central Sindical da qual fazemos parte, para o enfrentamento a todas as políticas que retiram direitos: teto no orçamento público, reforma do ensino médio, reforma trabalhista, lei da terceirização e a reforma da Previdência. Foi essa articulação que permitiu a construção da greve geral de 28 de abril de 2017.

Blog – Quais foram as conquistas do Andes na UFMA?

Antonio Gonçalves – O Andes-SN, através da Apruma Seção Sindical, contribuiu para adequar resoluções que interferem diretamente na atividade laboral docente, como aquela que estabelece os critérios para progressão e promoção na carreira do Magistério Superior; elaboração de análises críticas que nos permitiram construir planos de lutas, através dos diversos grupos de trabalho, que incluem políticas educacionais, seguridade social e assuntos de aposentadoria, política ambiental, agrária e urbana, política de ciência e tecnologia; combate a todas as formas de opressões: assédio moral, racismo, machismo, LGBTfobia, xenofobia e capacitismo, através do grupo de trabalho políticas de classe para questões etnicorraciais, de gênero e diversidade sexual; defesa jurídica de vários sindicalizados para a garantia de direitos e combate ao assédio moral. Enfim, várias têm sido as contribuições do Andes-SN na defesa dos/as docentes e da Educação pública.

Blog – A Universidade pública está na mira da privatização?

Antonio Gonçalves – Sim, essa indicação já constava no Consenso de Washington (1989) como uma política a ser implementada nos países do capitalismo periférico como o Brasil. Esclareço que a privatização pode ocorrer de várias formas não-clássicas: cobrança por cursos de especialização, parcerias público-privadas com venda de serviços pela universidade, entrega dos hospitais universitários para os ditos “novos modelos de gestão”, como a EBSERH, etc.

Blog – De que forma a Apruma, seção sindical do Andes, pretende atuar na UFMA?

Antonio Gonçalves – Tive a honra de presidir a Apruma no período de 2014-2018 e de ter contribuído para a manutenção de nosso sindicato independente em relação a governos, partidos políticos e administrações locais. Nossa organização tem sido pela base, são os/as professores/as que ditam os rumos do sindicato, cabe à diretoria executar tais determinações votadas em assembleias gerais. Tenho muita confiança na atual gestão da Apruma e sei que esses princípios históricos do nosso sindicato serão mantidos. Os/as docentes da UFMA reconhecem a Apruma como sua legítima organização sindical e a tem fortalecido como um espaço democrático e de luta.

Blog – Como foi o processo de definição da sua candidatura a presidente do Andes?

Antonio Gonçalves – Faço parte do “Andes de Luta e pela Base” que é um coletivo político que atua no Andes-SN. O núcleo Apruma fez a indicação do meu nome que foi votado e escolhido na convenção eleitoral do coletivo para disputar o cargo de presidente do sindicato, uma tarefa de muita responsabilidade diante da importância do Andes-SN no cenário político nacional. Sinto-me mais seguro e confiante nessa disputa por contar com valorosos/as apoiadores/as localmente e Brasil afora, e ainda por ter como companheiro/a de chapa o professor Claudio Mendonça (Colun) para o cargo de 2º tesoureiro; a professora Rosilda Dias e o professor Aurean D’Eça, que foram escolhidos para representar a Regional Nordeste 1 (MA, PI e CE).

Blog – Qual a sua mensagem aos professores da UFMA nesta eleição?

Antonio Gonçalves – Quero aqui assumir o compromisso na defesa por uma carreira estruturada, pela recomposição salarial e por melhores condições de trabalho. Dirijo-me ao conjunto dos /as docentes da UFMA para pedir o voto e o apoio nas eleições dos dias 09 e 10 de maio de 2018. Esta é a primeira vez, em seus quase 40 anos de existência, que um docente da Apruma disputa a direção nacional do sindicato. Nossa luta é em defesa da educação pública, nos seus diferentes níveis, gratuita, com financiamento público, com um padrão unitário de qualidade, laica, inclusiva e socialmente referenciada, que receba indistintamente os filhos e filhas da classe trabalhadora numa perspectiva emancipatória.

Blog – Na atual conjuntura politica do Brasil, qual é o impacto do governo Michel Temer sobre o ensino, a pesquisa e a extensão?

Antonio Gonçalves – A atual conjuntura política decorre de um golpe parlamentar, jurídico e midiático impetrado contra o povo brasileiro, pois diante de mais uma grande crise do capitalismo como a de 2008, não era mais possível garantir as altas taxas de lucratividade do mercado, era preciso para isso retirar mais direitos da classe trabalhadora.  Esse foi o desfecho de um período de governos de conciliação de classes. Para lograr esse intento é que foram aprovadas medidas como a Emenda Constitucional 95, que impôs um teto ao orçamento público, historicamente disputado pelo capital rentista; a reforma trabalhista, a terceirização ampla, geral e irrestrita e ainda pretendem nos retirar o direito à aposentadoria. A educação também é alvo dos golpistas, por isso aprovaram a reforma do ensino médio que busca impedir uma educação mais crítica e reflexiva, priorizando a formação de mão-de-obra para o mercado.

Nas universidades, o objetivo é a privatização por dentro, com todas as suas implicações danosas, tornando o acesso às universidades um privilégio para poucos que poderão pagar, por isso impõem um sucateamento perverso que compromete a qualidade de do ensino; cortam os recursos públicos da pesquisa e da extensão, abrindo caminho para o financiamento privado e a desresponsabilização do Estado na garantia de tais políticas públicas.

MOB organiza campanha para pessoas com deficiência

A Agência de Mobilidade Urbana e Serviços Públicos (MOB) vai realizar no próximo domingo (6) o lançamento da campanha “Patrulha do Acesso”. A ação consiste em aplicar a “multa moral”, que tem por objetivo conscientizar a sociedade na fiscalização do uso das vagas reservadas e de outras estruturas acessíveis, chamando a atenção de todos para a importância da acessibilidade, cidadania e inclusão social.

O lançamento será realizado na avenida Litorânea, nº 455, Calhau (próximo à descida do Barramar, em frente a estação do Inclusive Praia).

De acordo com o presidente da MOB, Lawrence Melo, a “multa moral” propõe o envolvimento da sociedade para o entendimento das questões voltadas para acessibilidade e direito da pessoa com deficiência. “Essa atividade é de caráter participativo e voluntário, feita por meio de panfletagem e diálogo, de forma educativa para toda a população maranhense”, disse.

Para a coordenadora do Serviço Travessia, Cricielle Muniz, a “multa moral” abre um chamado à sociedade em geral para uma reflexão sobre a temática da acessibilidade e inclusão social. “Vamos envolver a sociedade na prática da fiscalização das vagas reservadas em estacionamentos, outros serviços e informações, aplicando a multa moral por meio da ação, buscando um resultado positivo na conscientização da sociedade e no cumprimento da legislação”, afirmou.