PSTU lança pré-candidaturas e defende a revolução socialista

O evento, que também lançará as pré- candidaturas ao governo do estado de Ramon Zapata e ao Senado de Preta Lu e Saulo Arcangeli, acontecerá na quarta-feira, 04 de julho, às 18h, no auditório do IFMA Monte Castelo

A operária sapateira Vera Lúcia será apresentada como a pré-candidata do PSTU à Presidência da República, ao lado de Hertz Dias, professor maranhense e ativista do Movimento Hip Hop Militante ‘Quilombo Brasil’. O evento acontece na quarta-feira, dia 04 de julho, às 18h, no auditório do IFMA Monte Castelo, na Av. Getúlio Vargas – Monte Castelo , em São Luís.

No evento intitulado “Um Chamado à Rebelião: o Brasil Precisa de uma Revolução Socialista”, o PSTU apresenta uma chapa operária, negra, nordestina e socialista. “Sabemos que as eleições nada mudam, pois são um jogo de cartas marcadas dos bancos, empreiteiras e grandes empresários. Para mudar de verdade, esse país, precisa de uma revolução socialista que o liberte da dominação dos grandes bancos, empresas estrangeiras e os governos dos países ricos, e ponha fim ao capitalismo que só traz pobreza e miséria”, afirma Vera Lúcia.

Vera Lucia e Hetz Dias

Vera Lúcia é operária sapateira natural do Sertão pernambucano. Mudou-se para Aracaju, capital de Sergipe, ainda pequena, fugindo da seca. Entrou na fábrica de calçados ainda jovem, onde organizou o sindicato e liderou as lutas da categoria. Desde então é uma lutadora social. É formada em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Sergipe.

Hertz Dias é militante do movimento negro e do hip hop há 30 anos. Fundou o movimento Quilombo Urbano do Maranhão. Formado em História, é mestre em educação e leciona na educação básica do estado maranhense. É vocalista do grupo Gíria Vermelho e coordenador do Movimento Hip Hop Militante Quilombo Brasil.

Maranhão

Também serão apresentadas as pré-candidaturas do professor Ramon Zapata ao governo do Maranhão e Nicinha Durans a vice. Para o Senado, o partido disponibiliza as pré-candidaturas da militante do Quilombo Urbano Preta Lu e do professor e militante do movimento sindical Saulo Arcangeli.

Beto Ehongue lança o EP “As armas MIDI do século XXI”

MIDI ou Musical Instrument Digital Interface é um protocolo que permite a transferência de informação entre instrumentos musicais eletrônicos e computadores. Essas armas estão prontas e apontadas para o alvo da inquietação e da busca por tempos mais melodiosos e cheios de persistência, onde a música gire com muito maior alcance.

Beto Ehongue lança seu EP com 5 músicas autorais e participações de Célia Sampaio, Dicy e Luciana Pinheiro e a bela arte do artista gráfico Pedro Férrer, algumas já conhecidas do grande público e outras totalmente inéditas.

O palco para isso não poderia ser mais apropriado, numa praça, onde transeuntes, vendedores ambulantes, turistas, boêmios e artistas passeiam toda sua diversidade de modos. O show será na praça dos Catraeiros, na Praia Grande, localizada no coração do Centro Histórico de São Luís.

Nesse dia Beto Ehongue faz um show acompanhado de seus parceiros musicais Carlo X na guitarra, Dub Black na bateria e groovebox, Zequinha Moura na percussão e Lucas Ló no violão e vocais, além dos shows da banda Garatujus, Preto Nando, Filtro de Barro, Dub Black com seu Faroeste Dub Style, do Tambor de Crioula Um Degrau de Santa Luzia e mais participações de Luciana Pinheiro, Hilton Quintanilha, Pensativo do Pandeiro e Vici de Vici e a discotecagem de Pedro Sobrinho.

“Não à toa escolhemos o dia 6 de julho, é mês de férias estudantis e a cidade ainda respira a alegria dos tambores de inspiração eterna etílica de nosso divino São João. O Governo do Estado do Maranhão apoia o evento com a infraestrutura de som, palco, luz e camarim. Sendo assim a produção está viabilizando outras demandas”, explicou a organização do show.

SERVIÇO

Lançamento do EP “As armas MIDI do século XXI”, de Beto Ehongue, com shows de Beto Ehongue, Garatujus, Preto Nando, Dub Black, Filtro de Barro, Tambor de Crioula Um Degrau de Santa Luzia e mais participações de Luciana Pinheiro, Lucas Ló, Hinton Quintanilha, Pensativo do Pandeiro, Vici de Vici e discotecagem de Pedro Sobrinho.

Dia: 06.07.18 (sexta-feira)

Hora: 21h

Local: Praça dos Catraeiros – Praia Grande

Entrada Livre

Mais informações

98-988052001/984335902 (WhatsApp)

@betoehongue – Instagram

Os bois invisíveis no São Marçal

Herbert de Jesus Santos

Nunca foram vistos matraqueando, em passagem pelo João Paulo, antes de 1973. O Boi do Encantado tem história na casa de nagô!

Transitando entre a esquina da Rua das Crioulas com a de Santiago, onde reside, em trajeto para a de São Pantaleão, Eladir (Lalá) me viu como se para a Madre de Deus, domingo desses, e se tocou pra lá, a fim de entrosar-me num assunto. Só foi encontrar-me na noite de sexta passada, na Flor do Samba, onde participei da comissão julgadora do concurso de samba-de-enredo da famosa agremiação do Desterro ao carnaval 2005. A aflição de Lalá era para eu saber que Mãe Lúcia (Maria Lúcia de Oliveira), vodunsi Lúcia de Xapanã, chefa da Casa de Nagô, no próximo 6 de janeiro,  nos brindaria  com seu aniversário natalício de 100 anos. Realçou que D. Zelinda Lima (atenciosa como sempre para com as nossas heranças mais caras) havia agendado a Missa em Ação de Graça. Mas saltava aos olhos de Lalá que o Maranhão necessitaria oferecer mais incensos ao coração de Mãe Lúcia. Perguntei pelo Boi do Invisível da Casa de Nagô (na Rua das Crioulas), após o falecimento de D. Neném (aparelho de Preto Velho, o dono do brinquedo), e ela na hora: Aguardavam a manifestação do encantado sobre quem prosseguiria a história. Quanto à Casa das Minas (na São Pantaleão e chefiada por D. Celeste Santos), desfechou que com desenlaces sentidos de vodunsis (filhas-de-santo), Zomadônu (o maioral) não desguarneceria o seu querebentã por nada deste mundo. A renovação aconteceria, como num passe de mágica, da noite para o dia.

D. LÚCIA, QUANDO MATRIARCA DA CASA DE NAGÔ E DOCEIRA DE MÃO CHEIA

Toda vez Lalá (que reverencia as tradições do culto afro) me emociona com casos em que dou um boi, para entrar na briga, e uma manada, para não sair. Uma vez, ascendeu-me à constelação de Ubiratan Teixeira (ás da crônica do jornal O Estado do Maranhão), massageando meu ego, por só apostar no taco de nós dois, em resolução de pendências assim, pela escrita, e me deixou maior. Observei, agora, nos olhos de Lalá incansável de guerra o que ela queria justo e abotoado. Estava na cara que era para o secretário da Cultura do Estado (Secma), Francisco Padilha, e o presidente da Fundação Municipal de Cultura (Func), Adirson Veloso, providenciassem comemoração do tamanho da relevância da ilustre aniversariante, no transcurso do seu centenário. Da minha telha, sugeri que sua missa fosse na Igreja de São João, onde fora batizada; a republicação da sua parte específica, com fotos, no volume I da coleção Memória de Velhos (da Secma), em que sua vida é um livro aberto. Em algum duvidoso, consultem Michol Carvalho (diretora do Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho), que tira de letra estes bem-feitos, por vocação e sabença. A população precisa conhecer muito mais este terreiro de raiz (de origem africana, na época da escravidão), assunto dissertado com maestria pelo saudoso etnógrafo maranhense Nunes Pereira e pelo casal de antropólogos Sérgio e Mundicarmo Ferretti; hora de introduzir na cachola de obtusos que o tambor-de-mina do Maranhão, com voduns e orixás, há tempos é levado a sério por estudiosos (cientistas, etc.) do universo. Mãe Lúcia, aliás, tem importância, igualmente, na doçaria e medicina caseira (beberagem), que, malgrado a ignorância de desavisados, são riqueza da nossa cultura, que nem a literatura tão desprezada nos viciosos circunstanciais, que empobreceram nosso discernimento. Já pode ser pautada pelos meios de comunicação. Aviso aos navegantes: a Mãe está Lúcida do alto do seu século.

Uma festa à parte no carnaval —  Para a minha infância, era só D. Lúcia, gente de dentro da residência de D. Iracema Borges, esta mãe de um grande  amigo meu, Cosme Nascimento Neves (Coló), na Rua do Apicum, onde morei com meus padrinhos e pais de criação Chiquito e Dedé, aos quais devo o que sou, pelos estudos viabilizados.  Os doces de D. Lúcia, no carnaval, eram uma festa à parte, na Rua do Passeio, onde se arranchava com suas guloseimas. Não fazem mais o seu saboroso coração, pois, infelizmente, não somos show em conservação de acervo; as gestões oficiais da cultura, por inobservância ou descaso, são muito mais a fatalidade árabe de assim estava escrito.

Passei a recomendação para os tuxáuas da Cultura — Em compensação, salvo melhor siso, Padilha e Adirson são sensibilizados pelo enunciado de preservação. Utilizando a viagem, peço até para ressuscitarem o Rei Momo (obeso e bonachão, personagem grotesca do carnaval, que é uma doce ilusão), a quem um desprevenido culturalmente, porque se pensava deus e era um pentelho, na extinta Secretaria Metropolitana, relaxou seu cetro bissecular. No seu lugar, apareceu um rapaz sarado de academia de ginástica, sem quê nem pra quê, ou não, quando quintas-colunas, sem percepção, ou de olho em algo inconfessável, presumiram uma revolução, mesmo à distância sideral da de Jesus, Negro Cosme, Gandhi, Sousândrade, Guevara, Santos Dumont, Maria Aragão, Marie Curie, etc. Está aí a comunicação dos teus olhos, prezada Lalá! O Maranhão, agora, espera que Padilha e Adirson não façam só trá-lá-lá para a matriarca da Casa de Nagô!…

O alicerce de uma pesquisa elucidativa — Este texto começou a ser desenhado em 27.12.2004, e publicado no Sotaque da Ilha, em 6.1.2005, quando do centenário de D. Lúcia, após conversação com Lalá ainda viva na Casa de Nagô! Usamos todas as argamassas para fazer o alicerce da história que pretendíamos erigir. Sem obedecer à coerência, quiseram o Dia de São Marçal, no João Paulo, com passagem dos bois da Ilha, na casa dos 90 anos, muito antes do tempo. Assim Encontro de Boi: “A Festa de São Marçal ou encontro de boi ocorre desde o ano de 1928. Nesta época, os grupos de localidades de São José de Ribamar se reuniram no espaço onde existe atualmente o Largo de São Marçal. Esse evento caiu nas graças do povo e o encontro se repetiu até 1949 no mesmo local, quando as brincadeiras decidiram migrar para o Monte Castelo e, logo após, para o Bairro de Fátima. No ano de 1959, a tradição de reunir grupos de matraca mudou de forma definitiva para o João Paulo”.

Dentre diversas sapiências, um joão-paulino, como cantadores famosos, assistiu ao nascimento do São Marçal, ali, com a passagem dos bois de matraca: 30.6.1973. E, na Rádio Difusora, deu a pendência por fim!

Casa d’Arte recebe Boi de Guimarães em apresentação ao pôr do sol

O Quintal Cultural, do Casa d’Arte Centro de Cultura, deste domingo, 24 de junho, recebe o Bumba-meu-boi de Guimarães e o Tambor de Crioula Benção Divina de São Benedito, para uma apresentação ao pôr do sol, neste Dia de São João.

Sobre o grupo – O Bumba-meu-boi de Guimarães, que é um dos grandes expoentes do sotaque de zabumba, é procedente do Quilombo de Damásio, localizado na zona rural da cidade de Guimarães, interior do Maranhão. O Boi de Guimarães existe há pelo menos três gerações (mais de 70 anos), quando os avós do Sr. Marcelino Azevedo, presidente do grupo falecido em 2016, brincavam o Boi, enfeitavam o novilho a ser ofertado a São João Batista como um pagamento a uma dádiva alcançada.

Essa prática ancestral afirma a importância de “brincar” (termo nativo que significa participar de um folguedo) e de representar a ascendência negro-africana de parcela significativa da população brasileira, tanto na sua constituição demográfica quanto na sua constituição cultural. Atualmente, o grupo é formado por aproximadamente 100 brincantes da comunidade, acompanhados de suas famílias que também participam do processo, seja na assistência ou na produção e apoio do grupo.

As misturas e matizes culturais de diversas etnias africanas, ameríndios e europeus foram reelaborados em saberes e fazeres no Boi de Guimarães que traduzem pertencimento a uma identidade e resistência cultural de um povo excluído dos processos sociais e econômicos dominantes.

Em 2018, o grupo completa 47 anos de existência institucional, como “Associação Cultural e Folclórica Vimarense”. Desde então, o Boi mantém a tradição de apresentar sua arte todos os anos na capital, São Luís. Enfrentando várias dificuldades (com transporte de barco e ônibus, alimentação e alojamento para os integrantes, falta de incentivo do poder público municipal, entre outros), desloca-se de Guimarães, no dia 23 de junho (véspera de São João), após o ritual de batismo realizado no terreiro da comunidade.

Campanha de Arrecadação

O Casa d’Arte Centro de Cultura criou uma campanha de arrecadação financeira para a cobrir a logística da viagem do Grupo à São Luís, que irá auxiliar no transporte, alimentação e alojamento. Para participar existem duas formas:

– doando através do site do Casa d’Arte Centro De Cultura, no link https://www.casadarte.art.br/boi-de-guimaraes

– doando pessoalmente no dia 24 de junho, durante a apresentação do grupo, no Casa d’Arte Centro de Cultura

Apresentação

A apresentação começa às 16h com o Tambor de Crioula Benção Divina de São Benedito seguida de discotecagem com o Produtor Cultural Wagner Heineck e apresentação do Bumba-meu-boi de Guimarães. A Casa ainda conta com um cardápio de “comidinhas criativas” elaborado pelo Chef Thiago Brito.

Entrada gratuita. Contribuição voluntária (Doe quanto quiser ou puder)

SERVIÇO

Quintal Cultural recebe o Bumba-meu-boi de Guimarães e o Tambor de Crioula Benção Divina de São Benedito

Data: 24/06/2018

Horário: a partir das 16h

Entrada Franca – Cachê colaborativo (doe quanto quiser/puder)

Local: Casa d´Arte Centro de Cultura. Rua do Farol do Araçagy, nº 09 – Raposa / MA (Rua em frente à clínica Ruy Palhano)

Informações: Informações: www.casadarte.art.br

(98) 99974-9366 / (98) 98160-9188

Lula continua liderando as intenções de voto para Presidência da República

Ricardo Costa Gonçalves
Mestre em Estado, Governo e Políticas Públicas pela FLACSO, professor/assessor do Núcleo de Extensão e Desenvolvimento, LABEX/UEMA.

A última pesquisa do instituto Datafolha realizada entre os dias 6 e 7 de junho aponta que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pré-candidato do PT à Presidência da República, continua liderando as intenções de voto. Lula tem 30% do total e está à frente de Jair Bolsonaro (17%), Marina Silva (10%), Ciro Gomes (6%), Geraldo Alckmin (6%), Álvaro Dias (4%) e outros candidatos que possuem 1% ou menos das menções estimuladas. O Datafolha também confirma que o PT tem a maior preferência partidária (19%), com vantagem consolidada em relação aos outros partidos: PSDB e MDB possuem 3%, cada.

Os setores que mais declaram voto em Lula são os mais jovens, de 16 a 24 anos, com 35%, os que possuem escolaridade fundamental, também com 35%, os que têm renda familiar mensal de até 2 salários-mínimos, 38%, e quase metade dos entrevistados da região Nordeste, 49%. Lula apresentou queda dentro da margem de erro na pesquisa espontânea, de 13% para 10%, a mesma pode ser explicada pela tentativa da grande imprensa em querer abafar ou esconder sua pré-candidatura, com informações falsas ou induções relativas a plano B.

Nos cenários de segundo turno, Lula vence com larga folga: na disputa com o candidato do PSDB, Lula tem 49% contra 27% de Alckmin, obtendo uma vantagem de 22 pontos, se a disputa for com a candidata da Rede, Lula tem 46% contra 31% de Marina, a  vantagem é de 15 pontos, se a disputa for com Bolsonaro Lula tem 49% contra 32% de Bolsonaro, obtendo uma vantagem de 17 pontos.

A força de votos do presidente Lula é bastante alta, uma vez que possui rejeição de 36% e seu apoio tem influência positiva para 47% dos entrevistados. Para o PSDB e PMDB, no entanto, as coisas continuam complicadas. Os pré-candidatos Alckmin e Meirelles pararam em baixos índices de intenção de voto, e seus principais cabos eleitorais, Fernando Henrique Cardoso e Michel Temer, mais atrapalham do que ajudam. Pois, 65% dos entrevistados dizem que não votariam em nenhum candidato apoiado por FHC, enquanto 92% dos entrevistados dizem que não votaria em um candidato apoiado pelo presidente golpista Michel Temer.

Meirelles só passa de 2% nos setores que ganha mais de dez salários-mínimos, o qual prefere, em sua maior parte (30%), o deputado Jair Bolsonaro. Neste grupo, que nas últimas eleições votou em grande parte nos tucanos contra o PT, as intenções de voto dos dois pré-candidatos do PSDB e do MDB, somadas, não chegam ao patamar do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Apesar do golpe parlamentar promovido pelo PSDB e PMDB, com apoio da mídia e do judiciário que retirou a presidente Dilma do governo, e que culminou com a condenação do ex-presidente lula sem provas,  o PT continua como o partido preferencial da população e Lula lidera a intenção de votos.

Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

Memória do PT Maranhão na TV: oposição a José Sarney

No começo do século 21, Lula era uma personagem central do programa do PT Maranhão no tempo reservado à propaganda dos partidos políticos (exibida fora do período eleitoral). Estávamos na véspera da eleição do petista à Presidência da República (2002).

O programa abre com um diálogo entre Washington Oliveira, Haroldo Saboia e Lula. No segundo bloco o jornalista Ed Wilson Araújo faz uma reportagem sobre a fábrica Kao-I (Rosário) e o jornalista Henrique Silva reporta os pilares do que seria uma fábrica de componentes automotivos, a Usimar, financiada com recursos da Sudam. Os dois empreendimentos foram abandonados no governo Roseana Sarney.

No bloco seguinte a deputada estadual Helena Barros Heluy fala sobre o papel do PT na Assembleia Legislativa.

O quarto bloco contém cenas do documentário Maranhão 66 (posse de José Sarney) em contraste à miséria maranhense sob o domínio oligárquico. O quinto bloco apresenta os resultados das gestões do PT nas prefeituras de Imperatriz (Jomar Fernandes) e Viana (Messias Costa).

O programa finaliza com as peças publicitárias do PT nacional. Lula apresenta as equipes que estavam preparando o programa de governo do partido, tendo em vista as eleições de 2002, quando ele foi eleito presidente.

Cáritas capacita lideranças populares para a participação e o controle social de políticas públicas

Dando continuidade ao processo de formação e de mobilização para o controle social de políticas públicas, a Cáritas Brasileira Regional Maranhão realiza, dias 11 e 12 de maio, o segundo módulo do curso em políticas públicas e direitos humanos.

Esta etapa acontecerá na Casa de Formação das Irmãs de São José, no bairro do Filipinho, em São Luis e contará com a participação de 40 representantes de grupos populares do meio rural e da cidade, além de representantes das equipes locais de Cáritas de oito dioceses do Maranhão.

Na primeira etapa do curso, realizada em setembro de 2017, os cursistas debateram o tema das políticas públicas e os espaços de participação e controle social a partir das realidades dos seus municípios.

Neste segundo módulo serão abordadas as temáticas do orçamento público e a participação popular; os conselhos como instrumentos de controle social e o combate à corrupção eleitoral.

Como assessores, além do assessor regional da Cáritas para a temática, Ricarte Almeida Santos, a entidade contará com as contribuições de Ed Wilson Araujo, professor universitário e jornalista, e de Douglas Martins, juiz de direito.

Fim a era do respeito aos direitos humanos?

José Reinaldo Martins, jornalista, mestre em Comunicação pela ECA-USP

O tempo em que o estado do bem-estar social era modelo de sociedade ideal e a Declaração Universal dos Direitos Humanos o princípio norteador dos povos e nações pode estar sendo totalmente enterrado neste início de século XXI (já caminhando para meados deste século). Esse modelo de sociedade surgiu com o fim da II Guerra Mundial, em contraposição aos horrores de bombardeios, como os atômicos a Hiroshima e Nagasaki, no Japão, e genocídios, como o Holocausto Judeu.

Evidente que, no tempo do chamado pós-guerra, aconteceram tragédias e, principalmente, ‘silêncios’ inexplicáveis. Entre os ‘silêncios’, chama a atenção o tempo de duração do Apartheid, regime de segregação racial que vigou na África do Sul, de 1948 a 1994 e da Ditadura do fascista Francisco Franco, na Espanha, que durou 36 anos, desde a guerra, adentrando, sem problemas, o pós-guerra.

Isso, sem fala nas ditaduras militares na América Latina (de 1954 a década de 1980), Guerra do Vietnã, conflitos nos Balcãs, o massacre de 1951 na Coreia etc.

Só que, em grande parte, esses conflitos e regimes de exceção tinham como pano de fundo a Guerra Fria, entre os EUA e a União Soviética e seis respectivos aliados. E, também, pouco afetava as estáveis democracias ocidentais pautadas no estado do bem-estar social e ideais humanitários, o que permitiu avanços, como conquistas de direitos civis a negros, mulheres e gays.

Behring Breivik faz a saudação nazista

Hoje, a ascensão de governos visivelmente de tendência racista em países ‘centrais’, como o de Trump, nos EUA e o afloramento de movimentos de ódios a imigrantes que resultaram na instituição de partidos como o ‘Alternativa para a Alemanha’, fundando em 2013, não tem mais relação com a Guerra Fria e, ao que indicam, não serem casos isolados.

Outro detalhe é que a ocorrência de fenômenos, como a fortificação de um partido de tendência nazista na Alemanha, parecia totalmente improvável, até o ano 2000, por ai, quando ainda se respirava os velhos tempos pós-guerra, do bem-estar social e culto aos Direitos Humanos. O ‘Alternativa para a Alemanha’, obteve, nas eleições de 2017, 94 dos 709 assentos no parlamento, sendo o terceiro maior partido alemão na atualidade.

Esse avanço de forças contra imigrantes podem tá indicando duas tendências: são variantes possíveis, dentro de um mundo democrático, ou estão decretando o fim da vida democrática Era Pós-Guerra e anunciando um novo tempo.

A avaliação mais contundente, no momento, é que fenômenos como Governo Trump e ‘Alternativa para a Alemanha’, entre outros, são passageiros e normais no mundo democrático de respeito à alternância no poder. Seriam tendências que vão sucumbir, em breve, por meio das vias democráticas, em sucessivas eleições nas quais se alternarão no poder ao lado de sociais democratas, trabalhistas, verdes etc., mas não prevalecerão como fenômeno que indica uma nova mentalidade de época. Uma nova versão do ‘pós-guerra’ prevalecerá.

Só que fatos com o Governo Trump e o avanço do partido ‘Alternativa para a Alemanha’, entre outros, também, podem não ser somente acidentes possível e normal dentro das regras democráticas.

Esses fatos podem estar indicando uma nova possibilidade de relações sócias, diferentes das vigentes no pós-guerra. Até agora, essa possibilidade é apenas uma especulação.

O que se pode afirmar, no memento, é que as violações aos direitos humanos não causa mais tanta indignação como era há 20 anos.

Um marco simbólico dessa mentalidade onde predomina, cada vez mais, a indiferença a atos de intolerância a imigrantes, a torturas e situações de miséria foi os atentados na Noruega, em 22 de julho de 2011. Esse ato foi praticado por uma pessoa, mas parece ter atendido aos anseios de uma, até então, silenciosa camada da população contrária a imigração, as liberdades democráticas, ao respeito aos direitos das minorias, ao pensamento plural e aos direitos humanos, em geral.

A impressão é que ‘essa gente’, e suas aspirações, sempre existiram, mas permaneceram adormecidas, esperando o momento propício para vir a tona. Do fim da II Guerra até o ano 2000, por ai, foram sufocadas e, agora, aprimoradas e atualizadas, ganham espaço de expressão pública, por meio de práticas de intolerância e ódio.

O autor dos atentados na Noruega, Anders Behring Breivik, condenado a 21 anos de prisão pelo massacre de 77 pessoas, demonstrou claramente, durante aparições em seus julgamentos, que não se arrependeu. Recusou-se ser considerado deficiente mental, o que abrandaria a sua culpa. Optou em demonstrar que e mentalmente saudável e, sem medo ou vergonha, fez questão de fazer a saudação nazista. E ficou assim: poucos indignados e muitos silenciosos e indiferentes.

Behring Breivik praticou explosões na zona de edifícios governamentais da capital, Oslo, com oito mortos, e tiroteio na ilha de Utøya, durante encontro organizado pela juventude do Partido Trabalhista Norueguês, com 69 mortos com tiros na testa, a maioria adolescente. Isso sem contar os que ficaram com sequelas, incluindo familiares dos mortos.

Ele disse considerar o Governo Noruega e membros do Partido Trabalhista ‘brancos traidores’ por serem amistosos com imigrantes islâmicos. Nesta manifestação delimitou uma fronteira política: passou a considerar os democratas, brancos, tão inimigos e ameaçadores quantos os imigrantes etc.

A partir daí, o que muitos chamando de ‘ultradireita’ passaram a ter coragem de desafiar a mentalidade vigente deste o pós-guerra. Não consigo identificar um nome para esse fenômeno, mas, ultradireita não atende mais como denominação exata, pois, entre eles, há o que vou chamar aqui de ‘contradições’.

Veja que o ‘Alternativa para a Alemanha’ é visivelmente a favor de total igualdade entre homens e mulheres. Por outro lado, setores ultraconservadores dos EUA, o homem é o ‘cabeça’ da família. Uns defendem o ateísmo; outros são cristãos praticantes e por ai vai.

O certo é que, hoje, o odioso Holocausto, que era o sinal a todos os povos, de que a legalidade de massacres e extermínios é impraticável, não causa mais tanta comoção. Temo que chegue o tempo que esse odioso descaso contra todo o SER HUMANO, no futuro, seja lembrado somente pelos judeus.

No Japão, a sociedade, neste momento, é simpática a revisão da Constituição de 1947, que instituiu, no pós-guerra, um Japão da paz, sem armas e amplas liberdades de religião, das mulheres etc.

O atual primeiro-ministro japonês, Abe Shinzô, foi enfático ao afirmar que é necessário estabelecer um novo “regime” no Japão. Ele afirmou que a Constituição de 1947 é “um ato de contrição por parte dos vencidos perante os vencedores”, e que este texto precisa, agora, ser “moldado pelas nossas próprias mãos” [dos japoneses]. Até por volta do ano 2000, um primeiro ministro japonês jamais teria a coragem de falar isso.

No Brasil, qualquer cidadão, hoje, nas ruas, ônibus, mercados, nos halls dos hotéis etc. culpa os que eles chamam de ‘direitos humanos’ pela violência no país. Não há mais comoção com a miséria, com o massacre de uma geração de jovens nas periferias das grandes cidades, de índios etc.

Na Índia, a direita nacionalista, que está no poder atualmente, faz vista grossa para ataques aos cristãos, a estupros coletivos de mulheres etc.

Na Russia, que vai sediar a Copa do Mundo deste ano, casos de demonstração de racismo contra jogadores negros estão recorrentes nos estádios. Em jogo no dia 27 de março deste ano, na tradicional São Petersburgo, segunda mais importante cidade do país, jogadores negros da Seleção da França foram hostilizados durante jogo contra a Seleção Russa. E a FIFA só se pronunciou com relação ao assunto porque foi pressionada.

É na mesma Russia, homossexuais não tem direito de expressão e o Presidente Vladimir Putin instituiu lei por meio da qual o homem tem liberdade, com limites, de bater na esposa e filhos.

No campo das relações de trabalho, o fim de direitos trabalhistas, resultantes do bem-estar social instituído depois da II Guerra Mundial, parecem que estão morrendo, também. Começa a ganhar corpo, em âmbito mundial a máxima da alta produtividade a preços de mão de obra a custos baixíssimos.

Enfim, há dois caminhos: a ascensão da ‘ultradireita’ e apenas uma possibilidade entre as várias dentro do mundo democrático ou é um indicativo de novos tempos.

O certo é que o tempo de bonança do pós-guerra está, cada vez, mais distante. A era da pintura de Pablo Picasso, da Hollywood de Marlene Dietrich, do balé clássico, da bossa nova, da Disney, de Pelé e Martin Luther king, do U2 e The Beatles e Bob Marley estão dizendo adeus entre algoritmos e rotatividade de aplicativos.

Prorrogado prazo para inscrição em editais de incentivo a pesquisa e ciência

O Governo do Maranhão prorrogou o prazo para que estudantes e professores de escolas de Ensino Médio se inscrevam nos editais ‘Geração Ciência’ e ‘Juventude com Ciência’, que têm como objetivo apoiar projetos de pesquisa científica e tecnológica para alunos do Ensino Médio, Técnico, EJA e Programa de Educação Indígena, bem como incentivar o envolvimento de professores da rede pública de ensino com o sistema de Ciência e Tecnologia, por meio de bolsas de incentivo à pesquisa e à iniciação científica.

As inscrições das propostas de projetos, que seriam encerradas nesta sexta-feira (27), agora podem ser feitas até o dia 7 de maio. A divulgação das propostas aprovadas ocorrerá no dia 13 de julho. Para inscrever-se e submeter o projeto, o professor/proponente deve fazer seu cadastro no Sistema Patronage (www.fapema.br/patronage).

Com investimento de mais de R$ 1 milhão, o edital é realizado pelo Governo do Estado, através da parceria entre as Secretarias de Estado Extraordinária da Juventude (Seejuv), da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) e da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema).

O valor total dos recursos financeiros disponibilizados é de R$ 1.235.000,00 por meio da linha de ação ‘Mais Ciência’ e no âmbito do programa ‘Mais inclusão’. O valor máximo de cada projeto, que tem duração de um ano, é de R$ 16 mil, sendo R$ 4 mil do valor máximo da proposta para despesas de auxílio (custeio e capital) e o restante para o pagamento de bolsas (sendo 1 professor/proponente e no mínimo 2 e no máximo 4 estudantes). Cada estudante recebe uma bolsa mensal de R$ 150 e o professor uma bolsa de R$ 400 por mês, durante os 12 meses de execução do projeto.

Release Secap