“Acreditar, eu não”

Eloy Melonio

Acreditar ou não acreditar é, hoje, um dos dilemas mais difíceis dos usuários das redes sociais.

Não resta dúvida que “acreditar” é o verbo do momento. Compete com alguns poucos ao posto de “o mais importante” do universo digital. Entre eles, “empoderar” (que só consta em versões atualizadas dos dicionários), “seguir”, “pontuar”… e “coach” (sem versão em português). Este, inclusive, chamou minha atenção numa placa na parede de um prédio que dizia: I am coaching kids.

E assim, numa das acepções do Aurélio, acreditar é “confiar”. E é exatamente aí que mora o problema: confiar em quem, ou confiar em quê?

A torcida do Atlético-MG adotou o lema “Eu acredito” a partir da Copa Libertadores das Américas de 2013. E quando esse grito ecoava nas arquibancadas, torcida e time se fortaleciam para superar situações adversas e se enchiam de confiança na conquista do tão sonhado título inédito. E não é que deu certo!

Não obstante, acreditar, especialmente em coisas veiculadas nas redes sociais, não é tão simples ou seguro. É que hoje pisamos em terreno fértil para a disseminação de notícias falsas. Com o advento da comunicação digital, a verdade anda meio perdida num cipoal de dúvidas e confusão. Mente-se com a cara de pau de um malandro do bar da esquina. Planta-se uma mentira como quem planta uma semente de girassol.

Na propaganda gratuita na TV, a fala solta dos candidatos a presidente se enche de promessas que, sem nenhum filtro, chegam a milhões de lares por todo o país. Não estou dizendo que mentem antecipadamente, mas apenas lembrando que o que dizem hoje já foi dito ontem. Daí a dúvida dos eleitores. Se fizerem 50% do que prometem, nosso país entrará, em apenas quatro anos, para a rol dos desenvolvidos.

Com a mesma percepção, Tadeu Schmidt, apresentador dos Gols do Fantástico (9-9-2018), depois de ouvir algumas promessas do cavalinho do Internacional, forte candidato ao título do Campeonato Brasileiro, retrucou cético: “Qué isso, cavalinho? Parece até candidato!”

Minha inquietação é com a facilidade com que as pessoas, nas famigeradas redes sociais, repassam notícias sem nenhum filtro ou verificação da fonte. As “fake news” viajam na velocidade da luz em todas as direções. É com razão que o poeta detona: “Desconfio que estou ficando louco… /Tanta coisa me passa na cabeça,/ Que se senso me resta é já bem pouco.” (Via-Sacra e Outros Poemas, Marcelo Gama). Parece que o velho bom senso anda mesmo sumido nestes tempos de “passa-repassa”.

Um contato do WhatsApp me enviou um texto, pedindo que eu o repassasse. Respondi-lhe prontamente: “Não creio que este texto seja do juiz Sérgio Moro. Por dois motivos simples: ele não se inclinaria a falar abertamente sobre um assunto tão baixo, e o texto contém erros gramaticais secundários, o que não seria típico de um juiz de sua categoria”. E alfinetei: fake texto é fake news. Sua resposta, curta e seca: “É. Pode ser”.

Esse “pode ser” revela que ele não tinha certeza do que estava repassando. E, mesmo assim, não se limitou a verificar se o texto (e o contexto) fazia mesmo algum sentido. Ao contrário, de forma compulsiva e inescrupulosa, empenhou-se em “repassar” e pedir aos destinatários que fizessem o mesmo. E assim, mais uma vez recorro à poesia para elucidar tal atitude: “Enquanto a mentira berra, a verdade sussurra” (poema “A verdade e a mentira”, de Augusto Pellegrini).

As celebridades ― e agora os “digital influencers” ― gabam-se de ter milhares ou milhões de seguidores, cifras de dar inveja a Jesus Cristo. E com esse poder em seus dedinhos, vendem seus conteúdos (se possível, exagerando) para propagar pontos que visam a empoderar seus contratantes, em geral políticos e partidos. E de tal forma, o poder das palavras (e sua reputação) nunca esteve em tão alta evidência! Hoje todo mundo sabe tudo sobre todo mundo e sobre todas as coisas.

E assim, arrisco-me apenas a, de forma irônica, parafrasear uma citação de Latino Coelho: “De todas as artes a mais influenciadora, a mais empoderada, a mais lucrativa, é sem dúvida a arte da mentira”*.

Recorrendo mais uma vez à poesia, exalto o primeiro verso de um grande samba da saudosa Dona Ivone Lara: “Acreditar, eu não”. Dito isto, seria de bom alvitre se não nos deixássemos enganar por notícias que não têm raízes em fonte fidedigna, no bom senso ou na coerência.

Acredite ou não, confiar no que se lê e no que se ouve por aí está ficando cada vez mais perigoso.

Eloy Melonio é professor, escritor, compositor e poeta

______

(*) “De todas as artes a mais bela, a mais expressiva, a mais difícil, é sem dúvida a arte da palavra.” (Latino Coelho, A Oração da Coroa)

Ramon Zapata recebe documento “Mais que promessas: compromissos reais com a infância e a adolescência no Brasil”

O candidato ao governo do Maranhão pelo PSTU, Ramon Zapata, sua vice Nicinha Durans, o candidato ao senado federal Saulo Arcangeli e a candidata a deputada estadual Conceição estiveram presentes na sede da Unicef assinando o documento “Mais que promessas: compromissos reais com a infância e a adolescência no Brasil”.

O documento foi apresentado pela coordenadora da Unicef na Amazônia, Anyoli Senabria. Na ocasião Ramon Zapata apresentou o programa do PSTU voltado para a criança e o adolescente, além de apontar as lutas que o PSTU travou contra a proposta de redução da maioridade penal e a defesa e garantia do Estatuto da Criança e do Adolescente, as diversas denúncias de trabalho escravo infantil e contra o genocídio da juventude negra.

O PSTU se comprometeu com o documento que apresenta propostas de políticas públicas voltadas para este público, mas enfatizou que a raiz do problema está no modelo de sociedade que visa o lucro em detrimento da vida.

Foto: divulgação

Federação de Umbanda e Cultos Afros pede investigação sobre vandalismo em terreiro no Sá Viana

A Federação de Umbanda e Cultos Afros do Maranhão, através do presidente interino – Givanilson Santos Avelar – emitiu nota de repúdio para lamentar o ato ocorrido nas primeiras horas da manha desta segunda feira (3), que resultou na depredação do Terreiro de Matão Deus é Quem Guia, localizado no bairro Sá Viana.

“É inadmissível que, na atualidade, sejamos surpreendidos com o comportamento de pessoas intolerantes e preconceituosas em relação aos cultos afro descentes. Enquanto entidade só nos resta lamentar, denunciar e acompanhar o trabalho das autoridades competentes para que um ato criminoso como esse não fique impune”, declarou o presidente.

Registrado na Delegacia da Vila Embratel pelo pai Jorge, de pronto o caso foi  levado ao conhecimento da Secretaria de Segurança Pública, na pessoa do próprio secretário – Jefferson Portela. Bastante indignado, o secretário determinou que a Delegacia Geral adotasse todos os procedimentos cabíveis a fim de que o baderneiro seja identificado e responda pelos prejuízos materiais ocasionados.

É oportuno salientar que a Constituição prevê a liberdade de religião, e a Igreja e o Estado estão oficialmente separados, sendo o Brasil um Estado laico. A legislação brasileira proíbe qualquer tipo de intolerância religiosa, sendo a prática religiosa geralmente livre no país, cuja Lei nº 7.716/89, alterada pela Lei nº 9.459/97 considera crime a prática de discriminação ou preconceito contra religiões. Veja abaixo na íntegra a nota emitida pela entidade.

Foto: depredação no Terreiro de Matão Deus é Quem Guia / divulgação

NOTA DE REPÚDIO

A Federação de Umbanda e Cultos Afros do Maranhão – através do seu presidente interino – Givalnilson Santos Avelar – vem de público repudiar o ato de vandalismo ocorrido na madrugada de segunda feira (3), que teve como vítima o terreiro de Matão Deus é Quem Guia, localizado no bairro do Sá Viana, sob o comando do Pai Jorge.

O caso já foi denunciado às autoridades competentes e enquanto entidade estaremos de perto acompanhando a apuração e punição dos responsáveis ou responsável.

São Luís, 03 de setembro de 2018.

Givanilson Santos Avelar.

O talento musical de Fernando Atalaia

O cantor, compositor, músico, poeta, jornalista e produtor cultural maranhense Fernando Atallaia lançou seu mais novo sucesso, “A Noite”, balada que já vem fazendo a cabeça dos apreciadores da boa música do Maranhão. Fernando é autor de mais de 400 canções, nos mais variados ritmos e estilos.

Editor-chefe do site Agência de Notícias Baluarte, “A Noite” já pode ser ouvida e vista no canal da B Music, no Youtube.

O disco do artista sai nas lojas especializadas de todo o país em dezembro.

Fonte: Blog Daniel Matos

Hertz Dias, maranhense candidato à vice-presidência pelo PSTU, faz campanha em São Luís

O professor e rapper Hertz Dias de 47 anos, candidato a vice presidente pelo PSTU chega em São Luís nesta quinta para agenda de campanha. Ele é companheiro de chapa de Vera, operária sapateira de 50 anos e juntos formam a única chapa 100% negra que disputa a Presidência do país.

Na quinta ele participa de panfletagem na feira do João Paulo e de lançamento da candidatura de Saulo Arcangeli para o Senado do Maranhão. Na sexta faz campanha na Rua da Vala, local onde mora a outra candidata do PSTU ao Senado, Preta Lu.

Hertz e Vera possuem 2% dos votos no Estado segundo pesquisa Ibope e recentemente polemizaram com as falas racistas do vice de Bolsonaro que atribui o atraso do país aos negros e indios. O PSTU ajuizou representação junto ao Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos, da Saúde e da Proteção Social do Ministério Público do Rio Grande do Sul contra o General Mourão, pré-candidato a vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), por crime de racismo.

“Repudiamos a fala do General. Esse tipo de postura reforça o preconceito, o racismo e a injustiça contra os indígenas e o povo negro. Seu comentário demostra que, assim como Bolsonaro, Mourão não conhece a história do Brasil. Temos uma dívida histórica com os índios e com os negros escravizados. A fala do General é racista e demonstra preconceito étnico. Exigimos apuração e que sejam tomadas as providências cabíveis”, afirmaram Vera e Hertz.

Hertz Dias finaliza a visita ao Maranhão com caminhada no bairro negro da Liberdade no domingo com a presença dos candidatos ao Governo do Estado Ramon Zapata e Nicinha Durans.

Foto / divulgação: Chapa do PSTU Vera e Hertz

Encontro com apaixonados por Flávio Dino e Roseana Sarney

No mesmo lugar, em momentos distintos, encontrei duas pessoas apaixonadas por suas respectivas candidaturas: Flávio Dino (PCdoB) e Roseana Sarney (PMDB).

Cada uma elogiava efusivamente a sua escolha e defendia o voto na volta da “guerreira” ou na continuidade da mudança.

Eleição é isso, momento de exacerbação das paixões e enaltecimento dos afetos.

Após ouvir meus interlocutores, elaborei esse texto para indagar os leitores sobre o real interesse de uma eleição fundamental para o Maranhão.

Fundamental por dois motivos: 1) pode impor uma derrota quase sem volta à pessoa José Sarney (devido ao tempo), mas não ao sarneísmo; 2) no caso da reeleição do governador Flávio Dino (PCdoB), implica em especular sobre o futuro do Maranhão pós-segundo mandato dinista.

Vendo os links de blogs em grupos de whats app, quase todas das candidaturas disponibilizam notícias sobre eventos dos mais variados tipos.

O candidato “x” fez isso e aquilo, o “y” recebeu apoio deste ou daquele prefeito, o “z” celebra a adesão de deputados e lideranças… e por aí vai.

Outra parte do noticiário dedica-se aos ataques pessoais, algumas vezes emoldurados em “fake news”, com o objetivo de atingir a honra das pessoas.

O Maranhão de 2018 ainda guarda resquícios do passado, da política anacrônica, dos maus hábitos que só prejudicam o interesse público.

O que tem a dizer Roseana Sarney, depois de quase 50 anos em que sua família dominou o Maranhão?

Roberto Rocha cresceu em mordomias. Filho de governador, tem convicção de que o Palácio dos Leões tem de ser a sua morada, novamente, por obrigação do povo.

A eleição polarizada entre Flávio Dino e Roseana Sarney oculta outras candidaturas relevantes, como as do PSOL e PSTU, por exemplo. Eles têm o que dizer e propor e precisam ser ouvidos e noticiados, a bem do interesse público e da democracia.

O PCdoB do governador Flávio Dino reeditou os “Diálogos pelo Maranhão” de 2014 e fez as “Escutas Territoriais”. Espera-se que destes eventos saia um programa de governo consistente e amplamente divulgado.

Mas, até agora, ganharam visibilidade a política de alianças, o jogo da demonstração de forças das coligações que reúnem o maior número de partidos, os insultos e as agressões, fake news e todas as outras armas de antigamente.

Ter muitos partidos aliados nem sempre é o caminho da vitória com sucesso. Veja-se o exemplo de Lula/PT com o PMDB, ainda por cima achando que as Organizações Globo eram amigas do PT…

Josimar Maranhãozinho está engajado em qual mudança?!

Enfim, o que menos se debate é programa de governo, as diretrizes, caminhos e metas para o Maranhão se desenvolver.

Priorizam-se as fórmulas mágicas dos programas de TV, as famosas maquetes e promessas de sempre, desprezando o debate essencial para o interesse público.

Penso que nesta eleição devemos exigir o bom debate, pautado em programas de governo, como deve ser uma eleição.

Deixar que a terra arrasada domine o pleito só serve para despolitizar a política.

Voltando aos meus interlocutores apaixonados do início do texto, disse a eles que não sou obrigado a escolher entre os candidatos ao Senado Edison Lobão/Sarney Filho x Roberto Rocha Eliziane Gama, sob o argumento de que precisamos derrotar o coronel de qualquer jeito.

Esse pragmatismo e as paixões exacerbadas resultaram no golpe e em outros despautérios.

É óbvio que entre Flávio Dino e a volta de Roseana Sarney existem diferenças abissais e não há qualquer chance de votar no passado. Aposto na reeleição do governador.

Mas, não basta um ajuste ao pragmatismo eleitoral. Queremos de fato e concretamente, no programa de governo e na condução da gestão, um contraponto real a José Sarney e à sua herança maldita – o sarneísmo.

PT volta atrás e mantém calendário original do Encontro de Tática Eleitoral no Maranhão

A política é dinâmica.

Em 24 horas o PT nacional mudou novamente a data do Encontro de Tática Eleitoral.

Está valendo, portanto, o calendário inicial e a data de 27 de julho e não mais dia 2 de agosto.

Segundo o presidente do PT no Maranhão, Augusto Lobato, a decisão de retomar o calendário original foi resultado de um pedido dele à presidente do PT nacional, Gleisi Hoffman.

Até a presente hora e data está valendo o dia 27 de julho para o PT do Maranhão decidir sobre coligação e definição de candidaturas.

A tendência da maioria das forças petistas no Maranhão é apoiar o governador Flávio Dino (PCdoB) no projeto da reeleição.

Candidatura própria do PT não passa de boato.

PT nacional adia decisão sobre coligações no Maranhão e mais 7 estados

O Encontro de Tática Eleitoral do PT no Maranhão seria realizado em 27 de julho, véspera da convenção que vai homologar a chapa liderada pelo governador Flávio Dino (PCdoB), mas foi adiado para 2 de agosto.

A postergação ocorre para acertar a negociação nacional entre o PT, o PCdoB e o PSB em torno da candidatura presidencial petista. A mudança de data visa mexer no tabuleiro e pressionar os comunistas e os socialistas a desistirem do apoio ao presidenciável Ciro Gomes (PDT).

Segundo a nota da Comissão Executiva Nacional do PT, a negociação nacional pode afetar os acertos nos estados, mudando as alianças locais.

O PT vai lutar até o fim para registrar o nome de Lula na disputa presidencial e quer a adesão do PCdoB e PSB à candidatura petista, mesmo que Lula seja trocado por outro candidato durante a campanha.

Apesar do adiamento do Encontro de Tática Eleitoral, no Maranhão a maioria do PT defende aliança com o governador Flávio Dino e a hipótese de candidatura própria está descartada.

Veja abaixo a resolução da Executiva Nacional do PT.

Resolução sobre Adiamento dos Encontros Estaduais dos Estados do Amazonas, Amapá, Maranhão, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Tocantins e Rondônia,

Considerando que o processo de negociação com PSB e PCdoB quanto ao apoio formal à candidatura do PT à Presidência da República ainda está em andamento, sem perspectivas de conclusão no curto prazo;

Considerando que os Encontros Estaduais que podem ser afetados por esta negociação devem ser realizados após a conclusão da mesma;

A Comissão Executiva Nacional do PT decide:

Os Encontros Estaduais de Tática Eleitoral e Definição de Candidaturas do PT nos Estados do Amazonas, Amapá, Maranhão, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Tocantins e Rondônia, ficam transferidos para o dia 02/08/2018.

São Paulo, 20 de julho de 2018.

Comissão Executiva Nacional do PT

Imagem retirada neste site

Organizações da sociedade civil repudiam suspeição de juiz pelo TJ do Maranhão para favorecimento de empresa

Mais de uma centena de organizações entre sindicatos, associações de juristas e de magistrados do Brasil, pesquisadores, produtores culturais, povos e comunidades tradicionais, associações de moradores, comunicadores, ONGs, defensores de direitos humanos, entre outras instituições, divulgaram nota pública, na qual se dizem “surpresas e indignadas” com a decisão da maioria dos desembargadores das Segundas Câmaras Cíveis do Tribunal de Justiça do Maranhão que, “a pedido da WPR São Luís Gestão de Portos, afastou o juiz titular da Vara de Interesses Difusos, Douglas de Melo Martins, da condução dos processos relativos à construção do porto no Cajueiro”.

A nota cita que “não há precedente no Judiciário” para tal caso. Ao contrário: “uma rápida pesquisa na internet most6ra que desembargadores e juízes participam de dezenas de eventos organizados por entidades empresariais, como Fiema, Associação Comercial, Sinduscon, entre outras”, sem jamais terem sido declarados suspeitos por tal motivo.

Confira, a seguir, a íntegra do documento, bem como, ao final, link para baixá-lo em sua versão em pdf, com a lista de todos os signatários até o momento.

Para quem serve a suspeição de um magistrado pelo Tribunal de Justiça do Maranhão?

Nós, cidadãos, movimentos sociais, populares, culturais, estudantis e sindicais, povos e comunidades tradicionais, associações e uniões de moradores, organizações não-governamentais, grupos de pesquisa universitários, dentre outras organizações da sociedade civil, vimos, através desta Nota Pública, demonstrar nossa surpresa e indignação com a decisão dos Desembargadores Luiz Gonzaga Almeida Filho, Jamil de Miranda Gedeon Neto, Cleonice Silva Freire, Anildes de Jesus Bernardes Chaves Cruz, Jaime Ferreira de Araújo, Marcelino Chaves Everton e José Joaquim Figueiredo dos Anjos que, a pedido da WPR São Luís Gestão de Portos, afastou o juiz titular da Vara de Interesses Difusos, Douglas de Melo Martins, da condução dos processos relativos à construção do porto no Cajueiro.

A referida decisão acatou a tese de que o magistrado possui parcialidade ao analisar as causas que tem como parte a empresa WPR por possuir relações de amizade íntima com o Defensor Público Alberto Tavares de Araújo e Silva e com sua esposa Silvana dos Reis Gonçalves de Araújo e Silva.

É fato que Juiz e Defensor foram membros do Conselho de Defesa dos Direitos Humanos no mesmo mandato e esta seria a prova da amizade íntima entre os dois. Além disso, a imparcialidade do juiz decorreria de sua participação em evento organizado pela Central Sindical e Popular CSP CONLUTAS, esta supostamente contrária à WPR.

Não há precedente no judiciário de algum juiz ou desembargador ter sido declarado suspeito por ter participado de algum órgão ou entidade com alguma parte ou ter participado de algum evento com entidades de representação de classe empresarial.

Ao contrário: uma rápida pesquisa na internet mostra que desembargadores e juízes participam de dezenas de eventos organizados por entidades empresariais, como Fiema, Associação Comercial, Sinduscon e outras. Nenhum jamais foi declarado suspeito por tal motivo.

Com tal declaração de suspeição o judiciário quer dar um recado aos juízes e à sociedade de que só é possível manter relações institucionais com entidades empresariais e que os juízes devem manter distância dos movimentos sociais de trabalhadores?

Por medida de justiça, se existe proibição de comparecimento a eventos organizados por entidades de trabalhadores, igual proibição deveria vigorar para o convívio institucional também com entidades patronais. Ao que parece, os desembargadores não querem se submeter a tal proibição.

Diante disso, solicitamos que seja revista esta posição do TJ/MA, pois participação de magistrados em eventos, seja da classe patronal ou de trabalhadores, nunca foi motivo para declaração de suspeição e não pode ser apenas neste caso para beneficiar uma empresa.

Essa decisão abre um precedente bastante perigoso e uma verdadeira censura velada à magistratura maranhense.

Assinam:

Agência de Notícias Tambor

Apruma Seção Sindical do Andes Sindicato Nacional

Articulação Nacional de Quilombos – ANQ

Associação Agroecológica Tijupá

Associação Brasileira de Educadores Marxistas – ABEM

Associação Brasileira de Juristas pela Democracia, Núcleo Maranhão

Associação da Casa das Águas, Taim, Resex Tauá Mirim

Associação de Capoeira Aruandê/Pólo Maiobão/Paço do Lumiar

Associação de Combate aos Poluentes – ACPO

Associação de Defesa do Meio Ambiente – AMAR

Associação de Economia Familiar Povoado Sítio do Meio/Santa  Rita/MA

Associação de Moradores do Res.Cajueiro, Paço do Lumiar

Associação de produtores Hortifrutigranjeiro de Tendal Mirim

Associação de Proteção ao Meio Ambiente – APROMAC

Associação dos Produtores Rurais Quilombolas de Santa Rosa dos Pretos

Associação Juízes para a Democracia – AJD

Associação Nacional de Ação Indigenista – ANAÍ

Associação Quilombola do Cumbe/Aracati – CE

Blog Combate Racismo Ambiental

Cáritas Brasileira Regional Maranhão

CEBs – MA (Comunidades Eclesiais de Base)

Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente Marcos Passerini – CDMP

Centro de Documentação Eloy Ferreira da Silva – Cedefes/MG

Centro de Estudos Bíblicos CEBI-MA

Comissão de Direitos Humanos da OAB/MA

Comissão de Justiça e Paz

Comissão Nac. de Fortalecimento do Extrativismo Costeiro e Marinho (CONFREM)

Comissão Pastoral da Terra CPT/MA

Comitê Defesa dos Campos Naturais de Santa Rita e Baixada Maranhense

Comunidades Eclesiais de Base

Conselho Indigenista Missionário CIMI/MA

Conselho Regional de Serviço Social do Maranhão, 2ª Região

Conselho Tutelar da Área Rural, São Luís

Criola – Promoção dos Direitos das Mulheres Negras

CSP Conlutas – Central Sindical e Popular

FASE – Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional

FEAATREFEMA – Federação das Associações Agropesqueiras e Similares do MA

Força Sindical

Fundação Barros

GEDMMA/UFMA

GEPOLIS/UFMA

GESPE – Grupo de Estudos em Sociologia e Pesquisa em Educação/UFMA

Grupo de Estudo “Cidade, Território e Meio Ambiente” – UEMA

Grupo Estudo de Desenvolvimento, Política e Trabalho – GEDEPET/PPDSR/UEMA

Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação Matemática (GEPEM/IFMA Monte Castelo

Grupo de Estudo, Pesq. e Ext. Lutas Sociais Igualdade, Diversidade – LIDA/UEMA

Grupo de Estudos Afro-Brasileiros e Culturais – Geabrac IFMA

Grupo de Estudos de Hegemonia e Lutas na América Latina (GEHLAL)

Grupo de Estudos de Políticas Econômicas e Sociais (GEPES/UFMA)

Grupo de Estudos e Pesquisa em Trabalho e Sociedade (GEPTS/UFMA)

Grupo de Estudos e Pesquisas das Formas Sociais – GEPFS/UFMA

Grupo de Estudos em Temáticas Ambientais –  GESTA-UFMG

Grupo de Estudos, Pesq. e Debate em Serviço Social e Mov. Social GSERMS/UFMA

Grupo de Mulheres Preta Anastácia

Grupo de Pesquisa em Dinâmica Territorial GEDITE/PPDSR/UEMA

Grupo de Pesquisa Estado Multicultural e Políticas Publicas/UFMA

Grupo de Pesquisa Histedbr – MA/UFMA

Grupo de Pesquisa História, Cultura e Patrimônio do IFMA/CCH

Grupo de Pesquisa sobre Geografia, Territórios e Sociedades – IFMA/CNPq

Grupo Política, Economia, Mineração, Ambiente e Sociedade (PoEMAS)

Instituto Palmares de Promoção da Igualdade

Irmãs de Notre Dame de Namur

Jornal Vias de Fato

Laboratório de Pesquisa em Psicanálise e Ciências Sociais – Psicanacs/UFMA

Laboratório de Saúde, Ambiente e Trabalho – Lasat Fiocruz /PE

Licenciatura Interdiscip. em Estudos Africanos e Afrobrasileiros-LIESAFRO-UFMA

MO.VA.SE -Movimento de Valorização dos Servidores da Educação, Paço do Lumiar

Moquibom – Movimento Quilombola do Maranhão

Movimento de Defesa da Ilha

Movimento de Saúde dos Povos MSP/MA

Movimento dos Sem Terra MST/MA

Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu MIQCB

Movimento Mulheres em Luta – MML

Movimento Reocupa

NEabi – IFMA Centro Histórico

NEABI – IFMA Pinheiro/MA

NEAB-UFMA

NERA/UFMA

NETHE (Núcleo de Estudos sobre Trabalho, História e Educação)  – IFMA

Núcleo de Etnologia e Imagem/UFMA

Núcleo de Extensão e Pesquisa com Populações e Comunidades Rurais, Negras, Quilombolas e Indígenas (NuRuNI), Programa de Pós-Graduação em Saúde e Ambiente (PPGSA) da UFMA

Núcleo de Investigações em Justiça Ambiental (NINJA)

NUPPI (Núcleo de Produção e Pesquisa em Imagem) – IFMA

Observatório de Políticas Públicas e Lutas Sociais/UFMA

Ong Arte-Mojó

Organização Ambiental Água Viva

Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado/ PSTU

Povo Akroá-Gamella, Território Taquaritiua/Viana-MA

Programa de Assessoria Jurídica Universitária Popular – PAJUP

Programa de Educação Sala Verde Água Viva – Depto. de Geografia da UFC

Programa de Pós-graduação em Desenv. Socioespacial e Regional PPDSR/UEMA

Quilombo Raça e Classe

Quilombo Urbano

Rede Justiça nos Trilhos – JnT

Rede Sindical Internacional de Solidariedade e Lutas

Resistência/PSOL

Sinasefe Maracanã

Sinasefe Monte Castelo

Sindicato dos Bancários do Maranhão – SEEB/MA

Sindicato dos Trab. Judiciário Federal e MPU no Estado do Maranhão – Sintrajufe/MA

Sindicato dos Trabalhadores em Entidades Sindicais, Órgãos Classistas, Entidades Não Governamentais e Partidos Políticos no Estado do Maranhão – SINTES/MA

SINPESAR – Sindicato dos(a), criadores (a) de peixe, marisco e trabalhadores (a) na pesca do Município de Santa Rita/MA

Sociedade Maranhense de Direitos Humanos SMDH

TOXISPHERA Associação de Saúde Ambiental

União de Moradores do Taim

Vamos/PSOL

***

Alejandro Schweitzer , Juan Manuel Sandoval e Daniel Núñez – coordenadores do Grupo de Trabalho “Fronteras, regionalización y globalización en América”, do Conselho Latinoamericano de Ciências Sociais (CLACSO)

Arleth Santos Borges, Departamento de Sociologia e Antropologia, UFMA

Beatriz Ensabella – Córdoba/Argentina (GT CLACSO)

Debora Alcântara Rodrigues, defensora pública

Karina Borges Diaz Nery de Souza, Departamento de Ciências Sociais, UEMA

Marcus Patrício Soares Monteiro, Núcleo de Moradia e Defesa Fundiária da Defensoria Pública do Estado do Maranhão DPE/MA

Maria de Fátima Batista Barros, Articulação Nacional de Quilombos

Mariana Olívia Santana dos Santos – Núcleo de Ciências da Vida/UFPE

Osmarino Amâncio, líder seringueiro do Acre

Rodrigo Lima de Sousa, defensor público estadual

Rosana Mesquita, conselheira tutelar área rural de São Luís

Tânia Pacheco, jornalista, pesquisadora bolsista Fiocruz, editora blog Combate Racismo Ambiental.

Link para o arquivo da Nota:

nota Para quem serve a suspeição de um magistrado pelo Tribunal de Justiça do Maranhão

Cine Praia Grande vai exibir documentário sobre zeladoras e encantados

Será lançado no dia 12 de julho, às 20h, no Cine Praia grande, em São Luís, o documentário Zeladoras e Encantados, dirigido pela professora da Universidade Federal do Maranhão Ilka Pereira e pelo documentarista Paulo do Vale.

Aprovado pelo 2º edital de audiovisual do Maranhão, lançado pelo Governo do Estado, o projeto de pesquisa já vinha sendo realizado desde 2013, através da realização de pesquisas e registros dos trabalhos afrorreligiosos realizados pelas Zeladoras na cidade de Codó.

O documentário foi filmado no Quilombo de Santo Antônio dos Pretos e registra através das narrativas de sete zeladoras, das filmagens dos festejos das suas casas e dos seus ritos, os saberes e os fazeres de cada casa e cada Zeladora na manutenção da tradição, bem como a relação que estabelecem com os seus encantados.

As filmagens foram realizadas no quilombo de Santo Antônio dos Pretos, na Tenda Santa Bárbara Glorioso Santo Antônio, com entrevistas a Sra. Vanda Moreira e a Sra. Conceição de Maria Viana (Dona Concita), a quem o filme, é dedicado in memorian. Na cidade de Codó, os registros foram feitos na Tenda Espírita Santo Antônio, cuja Zeladora é a Sra. Maria Iracema Conceição; a Tenda Espírita Santa Bárbara, cuja zeladora é a Sra. Maria dos Santos Sardinha; a Tenda Santa Helena dos Milagres sendo a Zeladora a Sra. Teresinha de Jesus Cruz e, finalizando, o terreiro Ilê Axé cuja Zeladora é Nilza Moreira Viana e a Mãe Pequena Ana Ruty Evangelista da Silva.

Para maior socialização do trabalho, o filme dispõe das formas de acessibilidade como linguagem em libras e audiodescrição. Além disso, foram feitas cópias de DVD para socialização em museus, escolas, institutos, universidades, etc.

A programação de lançamento do documentário começou pela cidade de Codó-MA, no dia 11 de junho e, agora, será exibido em São Luís. Após a exibição haverá um bate-papo entre o público e os diretores do filme.

 Sobre os diretores

Ilka Pereira é docente do Curso de Licenciatura em Ciências Humanas (Campus VII- Codó) e Doutoranda em educação pela UFF.

Paulo do Vale atua realizando documentários etnográficos, filmes, DOC.TV e projetos de capacitação de jovens na área de audiovisual. Dirigiu o documentário “Zemuishi Ohaw- Festa do Mel, Festa do Cervero, e atuou como Diretor de fotografia” no  “Tribuna do gueto “; “Dono da capoeira” (2014); “Cantiliana e os herdeiros do mal de Lázaro” (2017), dentre outros trabalhos.

Sinopse

Este documentário é fruto de um longo processo de pesquisa sobre a relação das Zeladoras com o seus encantados, no quilombo de Santo Antônio dos Pretos e na cidade de Codó – MA. Ao longo de cinco anos, frequentamos alguns salões e terreiros da cidade, documentando o fazer e o saber dessas mulheres, na manutenção das tradições afrorreligiosas que povoam o lugar.

Através das narrativas de sete zeladoras, das filmagens dos festejos das suas casas e dos seus ritos, foi possível adentrar nesses espaços sagrados e registrar particularidades de cada uma.  Acreditamos que este documentário, contrariando omissões históricas sobre o trabalho religioso de mulheres negras no nosso país, possa constituir-se em um importante instrumento de reflexão e luta contra preconceitos, infelizmente, ainda praticados na nossa sociedade.

Ficha Técnica:

Direção: Paulo do Vale e Ilka Pereira

Argumento, pesquisa e roteiro: Ilka Pereira

Direção de fotografia e câmera: Paulo do Vale

Montagem, finalização, acessibilidade, autoração e capa: Marcelo Souza

Assistente de direção: Inaldo Aguiar

Produção Executiva: Ilka Pereira

Som direto: Felinto Reis e Inaldo Aguiar

Designer cartaz: Diego L. Couto

Tradução libras: Claudiane Araújo

Tradução inglês/espanhol: Diego L. Couto

Patrocínio: Secretaria da Cultura e Turismo do Maranhão

Apoio: BRDE (Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul), FSA (Fundo Setorial do Audiovisual), Ancine (Agência Nacional de Cinema).

SERVIÇO

Lançamento do documentário “Zeladoras e Encantados”

Dia: 12 de julho de 2018 (quinta-feira)

Horário: 20h

Duração: 26 minutos

Local: Cine Praia Grande

Rua Rampa do Comércio, 200 – Praia Grande – São Luis -MA

Entrada Franca

Informações: (98) 98205-8919 / ilkdinizpereira@gmail.com

Imagem em destaque no topo do texto: ritual no terreiro Ilê Axé/divulgação