Abraji e OAB repudiam ataque público de Bolsonaro à imprensa

Fonte: Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo)

Na noite de domingo, o presidente Jair Bolsonaro fez um novo ataque público à imprensa, desta vez valendo-se de informações falsas. Isso mostra não apenas descompromisso com a veracidade dos fatos, o que em si já seria grave, mas também o uso de sua posição de poder para tentar intimidar veículos de mídia e jornalistas, uma atitude incompatível com seu discurso de defesa da liberdade de expressão. Quando um governante mobiliza parte significativa da população para agredir jornalistas e veículos, abala um dos pilares da democracia, a existência de uma imprensa livre e crítica.

A onda de ataques no domingo começou antes da manifestação do presidente. Grupos que apoiam Bolsonaro difundiram e amplificaram nas redes sociais declarações distorcidas da repórter Constança Rezende, de O Estado de S.Paulo, para alimentar a narrativa governista de que a imprensa mente quando se refere às investigações sobre as movimentações financeiras atípicas de Fabrício Queiroz, ex-motorista do senador Flávio Bolsonaro. Como é comum nesse tipo de ataque, a família de Constança também virou alvo. O grave nesse episódio é que o próprio presidente instigou esse comportamento, ao citar como indício de suposta conspiração que Constança é filha de um jornalista de O Globo.

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) se unem neste momento no repúdio a qualquer tentativa de intimidação de jornalistas. Profissionais atacados por fazer seu trabalho terão sempre nosso apoio.

Diretoria da Abraji

Felipe Santa Cruz – presidente do Conselho Federal da OAB

Pierpaolo Cruz Bottini – coordenador do Observatório de Liberdade de Imprensa do Conselho Federal da OAB

Imagem deste site / Agência Lupa verificou e comprovou que a declaração atribuída à jornalista do Estadão é falsa.

Parceria entre Estácio e Abraço Maranhão oferece curso para rádios comunitárias

Começa no próximo sábado, 16 de março, a sétima turma do curso de extensão oferecido pela faculdade Estácio, destinado aos comunicadores que atuam nas rádios comunitárias vinculadas à Associação Brasileira de Rádios Comunitárias no Maranhão (Abraço-MA).

O Curso de Capacitação para radialistas de emissoras comunitárias é gratuito, as aulas acontecem aos sábados, das 9h às 12h, na sede da Estácio, no Canto da Fabril, em São Luís. A sala de aula é localizada no 2º piso.

Nesta sexta turma são oferecidas 20 vagas e para se inscrever basta enviar mensagem para o WhatsApp (98) 98124 6827 (Marcio Calvet) e repassar as seguintes informações:

– nome completo

– emissora

– município

– número da carteira de identidade

– email

– fone celular/WhatsApp

Ao final do curso os participantes receberão certificados. As aulas são ministradas pelo radialista e professor da Estácio Paulo Pellegrini. A Abraço-MA é parceira do projeto, que tem o objetivo de oferecer capacitação para melhorar o desempenho dos radialistas de emissoras comunitárias.

A carga horária é de 30 horas/aula. Ao longo do curso serão ministrados os seguintes conteúdos:

– Breve histórico do rádio / Noções de como funciona o rádio / Modulações / Tipos de rádio / Legislação radiofônica / Funções e atribuições da rádio comunitária / Técnicas de texto radiofônico / Técnicas de locução / Técnicas de entrada ao vivo / Organização de uma emissora / Organização de cobertura radiofônica / Radiojornalismo / Produção de boletins e matérias / Produção de entrevista e postura do entrevistador / Produção de campanhas para rádio / Produtos radiofônicos.

8 de Março nasceu com luta por pão e paz

A história do 8M como Dia Internacional da Mulher é muito bonita e revela a força das mulheres na luta por seus direitos

Claudia Santiago*

Brasil de Fato | Porto Alegre (RS),8 de Março de 2019 às 09:57

A data tem origem em uma manifestação organizada por tecelãs e costureiras de Petrogrado, durante a greve iniciada no dia 23 de fevereiro de 1917, na Rússia, por pão e paz. Esse movimento foi o estopim da primeira fase da Revolução Russa.

Alexandra Kollontai, em 1920, assim descreve o movimento:

“Em 1917, no dia 8 de março (23 de fevereiro), no Dia das Mulheres Trabalhadoras, elas saíram corajosamente às ruas de Petrogrado. As mulheres – algumas eram trabalhadoras, algumas eram esposas de soldados – reivindicavam “Pão para nossos filhos” e “Retorno de nossos maridos das trincheiras”. Nesse momento decisivo, o protesto das mulheres trabalhadoras era tão ameaçador que mesmo as forças de segurança tsaristas não ousaram tomar as medidas usuais contra as rebeldes e observavam atônitas o mar turbulento da ira do povo. O Dia das Mulheres Trabalhadoras de 1917 tornou-se memorável na história. Nesse dia as mulheres russas ergueram a tocha da revolução proletária e incendiaram todo o mundo. A revolução de fevereiro se iniciou a partir desse dia.”

Após o fim da Segunda Guerra mundial, em 1918, começa a ser retomado o dia da Mulher. Mas é só a partir de 1921 que o movimento de mulheres passará a celebrar o Dia Internacional da Mulher. Não que antes não fosse comemorado. Era sim. Só que não tinha uma data unitária em todo o mundo, como é hoje.

A II Conferência Internacional de Mulheres Socialistas, realizada em Copenhague, em 1910, decidiu pela realização de um dia internacional dedicado à luta das mulheres. O direito ao voto era a principal luta das mulheres em grande parte dos países no mundo naquele momento. A decisão diz o seguinte: “As mulheres socialistas de todas as nações organizarão um Dia das Mulheres específico, cujo primeiro objetivo será promover o direito de voto das mulheres.” 

Antes, já era realizado em alguns lugares. Em 3 de maio de 1908, a Federação dos Clubes de Mulheres Socialistas de Chicago realiza um ato pelo Dia da Mulher, num teatro da cidade. No ano seguinte aconteceu em Nova Iorque, em 28 de fevereiro. Em 1910, o Partido Socialista americano organiza, pela segunda vez, o Dia da Mulher, no último domingo de fevereiro, também em Nova Iorque. Foi assim em 1911, 1912 e 1913. Em 1914, foi comemorado em 19 de março.

Na Europa, a primeira celebração do Dia das Mulheres aconteceu em 19 de março de 1911, na Suécia, após a Conferência de Copenhagem. Na Itália começou no mesmo ano. Na França, o começo foi em 1914. Nesse ano pela primeira vez, na Alemanha, o ato é realizado em 8 de março. 

Em 1921, Alexandra Kollontai propõe durante a conferência das Mulheres Comunistas, realizada, em Moscou, na URSS, que se adote o dia 8 de março como data unificada do Dia Internacional das Mulheres, em homenagem à greve das tecelãs em 1917. A partir dessa conferência, a data passa a ser espalhada como data das comemorações da luta das mulheres, em todo o mundo. Assim nasceu o 8 de Março.

Na década de 1960, as manifestações pelo Dia Internacional da Mulher ganham grandes proporções. Em 1975, a ONU; e logo depois com a Unesco, em 1977; reconhecem o 8 de Março como Dia Internacional da Mulher.

Referências bibliográficas 

. Côté, Renée. La Journée Internationale des Femmes: Les Vrais faits et les Vrais dates des Mystérieuses Origines du 8 Mars Jusqu’ici  Montréal: Les Éditions du Remue-Ménage, 1984. 

. Monal, Isabel. Clara Zetkin y el Día Internacional de la Mujer. La Habana: Academia de Ciencias de Cuba, 1977. 

. Vasconcelos, Naumi A. “¿Existió realmente el 8 de marzo?”. Mujeres en Acción, n° 1, (1995): 58-60. 

. SOF – Sempre Viva Organização Feminista, “8 de março em busca da memória perdida”. São Paulo (2001)

. Santiago Claudia, Giannotti Vito, A origem socialista do dia da mulher. NPC-8 edição – 2016

* Jornalista e coordenadora do Núcleo Piratininga de Comunicação (NPC)

Edição: Marcelo Ferreira

No Dia Internacional da Mulher é hora de falar sobre futebol

Jornalista maranhense apresenta programa na plataforma digital YouTube e mostra que mulheres têm propriedade para falar sobre a paixão nacional

texto: Rafaella Rodrigues

Durante muito tempo os conceitos enraizados pelo senso comum, estabeleceram como predominante a perspectiva masculina para falar sobre futebol. Felizmente esse cenário tem se mostrado adepto a mudanças. Apresentadoras em veículos massivos de comunicação abrem portas para alterações no cenário, com a presença de Mylena Ciribelli, Glenda Kozlowski, Renata Fan, Fernanda Gentil e tantas outras, que são a prova a respeito das mudanças cabíveis e aceitas na atual sociedade.

É nesse quesito que a jornalista e apresentadora do Bate Papo Futebol Clube Quécia Carvalho tem buscado seu espaço. A youtuber de apenas 20 anos vem alcançando desde crianças a adultos, por meio de uma linguagem simples e objetiva temas centrais do canal. Esse é um momento que não pode passar despercebido. É preciso observar a representatividade feminina e jovem por trás de um veículo massivo de comunicação com grande poder de difusão.

O interesse pela área esportiva acompanha Quecia Carvalho desde a infância. “Pode parecer clichê, você falar que brasileiro já nasce em contato com o futebol, mas a verdade é que foi isso. Eu cresci assistindo jogos, os principais campeonatos e a copa do mundo. Não entendia nada de futebol na época, também não lembro um dia exato em que tudo começou. Não consigo lembrar, não tem um dia exato que eu passei a torcer para tal time. Eu sei que isso sempre fez parte da minha infância, e eu sempre acompanhei”, comenta a jornalista.

O projeto para o canal Bate Papo Futebol Clube foi a primeira experiência de imersão da apresentadora neste segmento. “Eu era uma torcedora apenas, e com o programa eu pude realmente conhecer o futebol, perceber que o futebol não é só o que a gente vê ali na TV ou ouve no rádio. O futebol tem tática, tem técnica, tem uma série de coisas. Então esse conjunto que forma a festa que é o futebol. E o programa me permite isso, me proporciona conhecimento do que é o futebol”, revela Quecia Carvalho.

De Bate Papo com o futebol

Exibido semanalmente no Youtube com a finalidade de apresentar o mundo do futebol, jogadores, os profissionais envolvidos, entusiastas das “quatro linhas”, O BPFC é produzido pela BELLL audio.visual, e tem contado com alguns colaboradores, caso da Glória Confecções (responsável pelo figurino da apresentadora), do Blog BNC Notícias e da ABRAÇO (Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária – Secção Maranhão).

Para o idealizador do canal Marcos Belfort, a abordagem por trás da elaboração do projeto “é buscar uma maneira de falar sobre futebol e o universo envolvente que esse esporte proporciona. Para isso, a linguagem é a mais popular possível. Inclusive o nome do programa se baseou nessa questão, trocar uma ideia, conversar, levar um lero, bater um papo”.

Através de feedbacks dos inscritos muitas alterações foram realizadas desde o programa piloto “é na prática que você ver o que dá certo e deve manter, e o que não é tão legal assim. Por isso, a gente sempre conversa sobre essas ideias, o que dá pra melhorar. É através dessa interatividade  que a construção do programa acontece cada vez melhor”, comenta Quecia Carvalho.

O trajeto que o Bate Papo Futebol Clube vem percorrendo tem sido promissor principalmente na questão empoderamento. Considerada por muitos, a temática futebol ainda é ligada ao gênero masculino. “É um ambiente muito dominado por homens em que você vê poucas mulheres. E as poucas que falam são muito criticadas, através de haters pelo fato de ser mulher; por isso se você quiser conquistar um público, você tem que dar o dobro do que um homem teria que dar se tivesse no seu lugar. Tem toda essa cobrança por trás, e deparar com situações como essas são muito comuns, infelizmente. O segredo é acreditar no seu potencial; A partir do momento que você passa a focar no seu trabalho e esquece um pouquinho a ‘aprovação popular’ percebe que não é preciso convencer ou agradar ninguém. O reconhecimento vem com o tempo e esforço”, esclarece a Jornalista.

De olho na telinha do YouTube

Com os avanços tecnológicos é impossível questionar a velocidade na propagação de conteúdos pelas plataformas no cyberpaço. As mídias digitais vieram para alterar a forma como as pessoas se comunicam, se relacionam, como se divertem e também como apreciam informações.

O YouTube não é uma exceção quando se aborda o assunto. Fundado oficialmente em 14 de fevereiro de 2005, o site de compartilhamento foi criado por Chad Hurley, Steve Chen e Jawed Karim e um ano depois a empreitada alcançou maiores proporções com a compra da página da Internet pela empresa Google. Desde então tem diversificado e distribuído seu conteúdo, o compartilhamento e obtido feedbacks dos produtos veiculados.

A possibilidade de um novo segmento no mercado com conteúdo reproduzido alterou os modos de consumo de mídia. O compartilhamento, produção e elaboração de vídeos acabou aceito na sociedade como profissão. Os youtubers surgem como uma reação ao consumo de conteúdo online com possibilidade de rentabilidade.

Com uma grande gama de modalidades esportivas, o espaço destinado ao segmento esportivo nos meios tradicionais não consegue abranger a totalidade. Por meio das novas plataformas e das mídias sociais atuantes a comunicação como toda é um importante fator de interatividade com o público. Uma comunicação full-time, não só rápida, mas acima de tudo de fácil acesso, com uso das novas tecnologias.

Na visão de profissionais da comunicação, o YouTube é aceito como veículo destinado ao conteúdo esportivo. Sobre o programa BPFC, o publicitário Gutemberg Silva destaca os diferenciais propostos pela plataforma como “um mercado muito grande, com uma lacuna a ser explorado pelas mulheres com todo seu profissionalismo, pois sabemos que este ainda é um nicho dominado pela gênero masculino, eu não falo de machismo, mas sim, que a cobertura do trabalho esportivo em todo mundo, ainda não possui uma equidade de gêneros no meio. Fico feliz em ver uma bancada de debate esportivo, dividida por homens e mulheres, falando do mesmo assunto com suas propriedades particulares e havendo o respeito mútuo. Bom, é louvável, ideias como essas tornarem-se exitosas, pois afinal sempre estamos buscando por novos canais de comunicação, com uma nova linguagem e também um novo olhar”.

A pesquisa recentemente divulgada pelo site Sportsvalue, empresa voltada em marketing esportivo, aponta o Brasil como um dos maiores consumidores de conteúdos associados ao futebol entre os países emergentes. Na capital maranhense a ferramenta ainda possui pouca visibilidade como propagadora de conteúdo.  Nesse contexto que o radialista Marcos Belfort observou essa possibilidade de mercado e idealizou o canal Bate Papo Futebol Clube veiculado pelo YouTube.

Esticando a rede

O Brasil é conhecido como país do futebol, mas a programação disposta na tv aberta não contempla fielmente a paixão nacional. Para o idealizador do canal, “nas tvs tradicionais abertas, o espaço é muito restrito. A verdade é que o futebol está entre as temáticas mais debatidas na cultura brasileira. Essa foi a intenção ao abordar um tema tão enraizado na cultura nacional e popular”, comenta Belfort.

Lançado no dia 21 de junho de 2018, o Bate Papo Futebol Clube é um modo divertido de se manter atualizado através de conversas em torno de torneios, ligas, curiosidades e atualidades da paixão nacional brasileira. O conteúdo é produzido em vídeos com duração média de 5-10 minutos e recebe convidados para comentar em torno das temáticas atuais do futebol.

Independente da área no mercado, muitos são os desafios enfrentados. Ser mulher não é sinônimo de vulnerabilidade ou incapacidade. O futebol é uma paixão nacional e aproveitar os novos meios de difusão de conteúdo para veicular a temática é uma excelente jogada. Pode parecer uma pequena partida amistosa, mas ninguém se torna um grande jogador de futebol sem entrar em campo.

Memórias do Carnaval: Turma do Saco homenageou o rádio AM

Em tempos de migração do rádio AM para FM rememoramos o samba tema “Nas ondas do rádio AM”, do bloco organizado “Turma do Saco”, levado à passarela no Carnaval de São Luís, em 2016.

A letra (veja ao final) faz referência à história das rádios AM, aos programas e apresentadores emblemáticos e destaca o papel das emissoras na integração da ilha de São Luís aos municípios do continente.

Já no curso da migração das rádios AM para FM, o velho radinho de pilha com chiado e os programas comunitários e jornalísticos passam por transformações. Rádio atualmente é ouvido em aplicativo de smartfone e o chiado ficará apenas na lembrança dos apaixonados.

O samba-tema da Turma do Saco em 2016 foi resultado da parceria de três compositores: coronel Franklin Pacheco, Cesar Grafite e Luís Carlos Pinheiro, o Vovô.

Ouça o samba aqui

No processo de fabricação da letra, a direção da escola e os compositores mergulharam em pesquisas na internet e consultaram especialistas, sobre o assunto.

Inspiração de Vovô

Compositor e intérprete do samba “Nas ondas do rádio AM”, Vovô é uma lenda na vida cultural de São Luís. Ex-integrante da Flor do Samba, ele foi passista, baliza, ritmista e tem a experiência de quem tocou, cantou e dançou em muitos carnavais. A identidade com o tema vem também da experiência de Vovô no rádio. Ele trabalhou como serviços gerais e porteiro na antiga rádio Ribamar AM e foi promovido aos microfones por Frank Matos, locutor veterano nas emissoras de São Luís e apresentador do carnaval na Passarela do Samba durante décadas. Vovô sempre cantarolava nos corredores da rádio e um dia foi convidado por Matos para gravar jingles de campanhas eleitorais. Frank Matos fazia os textos e Vovô cantava. “E foi então que eu comecei a aparecer dentro da cultura, quando as pessoas passaram a ouvir minha voz”, ressaltou Vovô.

A inspiração para compor o samba com os parceiros incluiu a vivência de ouvinte e radialista. “O rádio AM para mim é a matéria informativa geral. É a minha cara-metade de uma pessoa que eu não conheço. Mas, o radialista da AM fala com você com tanta intimidade que você do outro lado, ligado no seu dial, acha que ambos se conhecem. Então, o radialista passa a ser parte da tua família. O rádio AM para mim significa a informação em primeira mão, aquela informação com a linguagem que o povo gosta de ouvir”, justificou Vovô.

Sua trajetória no Carnaval inclui 14 títulos, oito seguidos, um segundo lugar e novamente seis em sequência. “Sou o intérprete que mais tem títulos no Carnaval maranhense”, celebrou Vovô. Na Turma do Saco há seis anos, ele já coleciona um vice-campeonato e um primeiro lugar. “Sou um profissional da alegria”, festejou.

Trajetória da Turma do Saco

O bloco organizado Turma do Saco surgiu da motivação de famílias e jovens do bairro Codozinho, alguns já integrantes de outras agremiações carnavalescas, remanescentes das batucadas denominadas “charangas”, que faziam arrastões pelas ruas do Centro de São Luís. O presidente da agremiação, Marcio Cavalcante, contou que o nome do bloco surgiu da rivalidade com outra brincadeira carnavalesca, sediada na Vila Gracinha.

A rivalidade entre as duas turmas foliãs ocorreu pela diferenciação da indumentária. “Certo ano eles da Vila Gracinha compraram um tecido lamê (adornado com finas lâminas prateadas) e fizeram uma espécie de abadá. O bloco do Codozinho quis se organizar, mas não tinha condição de comprar lamê. Então foram a uma padaria, juntaram uns poucos recursos e compraram sacos de trigo, cortaram, customizaram, fizeram a fantasia e batizaram Turma do Saco”, relatou Cavalcante.

Os tempos áureos da Turma do Saco remontam à década de 1980, mas nos últimos seis anos a agremiação vem se reinventando e melhorando, garantiu o presidente. Temas como a cultura africana, o circo e seus palhaços e o bairro Codozinho já alegraram os sambas na “nação sacoleira”, carinhosamente denominada entre os brincantes e simpatizantes. A Turma do Saco já coleciona 11 títulos, o último conquistado em 2013, com o samba em homenagem ao Bicho Terra.

Nas ondas do rádio AM
Samba-tema do bloco organizado Turma do Saco para 2016
Autores: Luis Carlos Pinheiro (Vovô), coronel Franklin e Cesar Grafite

Em 1941 no dial AM
Na frequência 1290
A ilha foi ligada ao Maranhão
E assim surgiu a primeira emissora para comunicação
Em 15 de agosto de 1941
Entrava no ar a PRJ.9
Com o interventor Paulo Ramos
E depois virou a rádio Timbira
É fascinante ouvir a Mirante
Difusora, Educadora
Rádio Ribamar, hoje Capital
Rádio Gurupi é a potente São Luís
Política, esporte, religião
Radionovela, cultura e informação
Tudo vira festa na programação
Quem manda é você
Debaixo do pé de cajueiro
Dona Carochinha animava a criançada
Boa tarde minha gente
Galeria musical da saudade
Canta Maranhão é descontração
Pra nossa cidade
Alô! Alô! Bom dia!
Um aviso pro interior
No programa do “Galinho”
Carlos Henrique anunciou
Me traz um cavalo com cela e outro na cangalha
Pra levar a carga
Que a Turma do Saco mandou.

Musical em homenagem ao cantor João do Vale volta ao palco do teatro Arthur Azevedo

Após o grande sucesso da última temporada, o musical ‘João do Vale, O Gênio Improvável’ encerrará a programação do GEMA – Grandes Espetáculos do Maranhão, evento promovido pelo Governo do Maranhão a partir da coordenação da Secretaria de Estado da Cultura e Turismo (Sectur), por meio do Teatro Arthur Azevedo.

Serão quatro apresentações: no dia 22 às 21h, no dia 23 às 18h e às 21h e no dia 24 às 19h. As apresentações marcam a preparação para a turnê nacional prevista para começar neste semestre.

Desde 2017, o musical já percorreu diversas cidades do interior do Estado com a turnê ‘De Teresina a São Luís’. São Luís, Caxias, Codó, Coroatá, Pedreiras e também a capital do Piauí, Teresina, estiveram no roteiro do espetáculo, que lotou praças e espaços públicos por onde passou.

‘João do Vale, o Gênio Improvável’ retrata a trajetória do cantor e compositor maranhense João do Vale, natural da cidade de Pedreiras, que ainda na adolescência abandonou a sua terra para viver o sonho de ser compositor.

Suas canções ganharam destaque nas ondas do rádio nas décadas de 60 e 70, na voz de grandes interpretes da música brasileira como Nara Leão, Zé Kéti, Chico Buarque e muitos outros.

O músico e compositor maranhense João do Vale é a inspiração do espetáculo produzido e idealizado pelo diretor do Teatro Arthur Azevedo, Celso Brandão.

“Quando assumi a direção da casa em 2016, me deparei com o enorme privilégio de estar aqui nas vésperas dos seus 200 anos. E eu pensei que precisaria fazer algo que marcasse esse bicentenário”, conta Celso Brandão.

“A fascinação por João do Vale sempre foi muito presente na minha vida e na minha carreira. Ele é uma figura excepcional, que representou o Maranhão Brasil afora e precisava de uma homenagem como essa que veio a casar com os 200 anos da maior casa de espetáculos do nosso Estado”, completa.

O projeto GEMA

Grandes Espetáculos do Maranhão trouxe para o palco do Teatro Arthur Azevedo grandes produções maranhenses.

A comédia ‘O Auto da Compadecida’ teve duas sessões lotadas nos dias 2 e 3 de fevereiro. No dia 10, foi a vez do espetáculo ‘O Miolo da Estória’, que emocionou a todos com a dramática história do operário João Miolo.

‘Chico, Eu e Buarque’ mostrou porque é considerado o melhor espetáculo de dança do Maranhão sendo sucesso com uma única apresentação no dia 15, seguida de ‘Pai e Filho’, nos dias 16 e 17, que encantou o público e foi sucesso de crítica.

Os ingressos para assistir ao musical João do Vale no GEMA estão sendo vendidos nos pontos da Bilheteria Digital (Rio Poty Hotel, Shopping da Ilha e Rio Anil Shopping), na bilheteria do Teatro Arthur Azevedo (aberta de terça a domingo, das 14h às 18h30) ou pelo site (bilheteriadigital.com).

Os valores são: plateia e frisa R$ 50,00, camarote R$ 40,00, balcão R$ 30,00 e galeria R$ 20,00.

Mais informações pelo telefone (98) 99167-2696 ou pelo site (cultura.ma.gov.br/taa) e redes sociais do Teatro Arthur Azevedo.

Foto destacada: cena do espetáculo “João do Vale, o gênio improvável” / divulgação / Secretaria de Comunicação e Assuntos Políticos (Secap)

A nova pirataria “francesa” em comunidades quilombolas do Maranhão

Ela atende pelo nome de “Magnólia”; ele, “François”. Há cerca de um ano, pilotando um automóvel surrado da marca “subaru”, branco, o casal percorre comunidades quilombolas do município de Bacuri, no Litoral Ocidental do Maranhão.

A pretexto de realizar pesquisas arqueológicas e criar um museu na região, eles se aproximaram das lideranças e moradores, especialmente crianças, até conquistar a confiança e adentrar em áreas onde estão localizados objetos e artefatos de interesse histórico vinculados ao período colonial e da escravidão.

Segundo os moradores, a dupla utiliza equipamentos sofisticados, entre eles drone e um detector de metais para fazer a varredura e identificar objetos metálicos. A mais recente intervenção ocorreu no sítio histórico localizado na área pertencente a Antônio Pereira da Silva, contígua à comunidade quilombola São Félix.

Registro de 2018 mostra o sítio histórico preservado,
antes das escavações. Foto: Klíssia Ferreira
O local foi totalmente alterado após
as escavações. Foto: Marizélia Ribeiro

Nesta localidade, de acordo com relatos de vários moradores, registros em fotografias e vídeos, o casal devastou a cobertura vegetal nativa, fez escavações e perfurações no solo e retirou grandes estruturas metálicas assemelhadas a encanações, esferas de ferro fundido parecidas com munição de canhão, vigas com características de lanças e arcos, pedras espessas quadradas e retangulares similares a piso ou assoalho para residência, lascas de madeira, restos de material cerâmico e pedregoso, além de amostras de solo.

Moradores de São Félix acompanharam a
inspeção após as escavações. Foto: Marizélia Ribeiro

No entorno da área saqueada existem vestígios do baldrame do que seria a antiga “casa grande” de uma fazenda pertencente ao português Antônio Bittencourt, cuja memória passada pelas gerações lembra um escravocrata cruel que aplicava castigos violentos nos negros.

A casa da Rua Murici

A presença de Magnólia e François nas áreas quilombolas é fartamente comentada entre os moradores e várias fontes consultadas pela reportagem convergem para a mesma narrativa: os materiais retirados de São Felix foram transportados para uma casa na periferia do povoado Portugal, na rua Murici.

A moradia de alvenaria, na via sem asfalto nem saneamento básico, onde predominam casas de taipa, passou por várias benfeitorias, principalmente a colocação de grades de ferro em todas as janelas.

Casa de tijolo na rua Murici, onde estariam guardados os
objetos retirados das comunidades São Felix e Mutaca. Foto: Marizélia Ribeiro
Na varanda da casa, ferros, pedras e madeira
semelhantes aos descritos pelos quilombolas. Foto: Marizélia Ribeiro

Nesta rua, sábado (3 de fevereiro), a vizinhança observou uma grande movimentação de Magnólia e François retirando vários objetos da casa, prontamente armazenados no velho subaru branco, logo batendo em retirada. Ele estaria de viagem marcada para a França e ela ficaria no Maranhão para novas escavações.

A reportagem passou dois dias na zona rural e na sede do município de Bacuri tentando obter o telefone do casal Magnólia e François, mas nenhuma pessoa disse ter conhecimento do número.

Conheça o perfil da dupla no final da reportagem.

Certificação e pirataria

Em 19 de dezembro de 2018, São Félix recebeu a certificação de área remanescente de quilombo, expedido pela Fundação Cultural Palmares, após o minucioso trabalho de levantamento de dados, memória oral e registro fotográfico da historiadora Klíssia Jéssica Fonseca Ferreira, titular da Coordenação de Igualdade Racial, vinculada à Secretaria de Assistência Social da Prefeitura de Bacuri.

O levantamento de 2018 elaborado por Klíssia Ferreira para ser encaminhado à Fundação Palmares permite comparar as imagens atuais (3 de fevereiro de 2019) e perceber o grau de devastação feito pelo casal franco-brasileiro em São Félix: o que parecia ser um sítio arqueológico foi transformado em uma espécie de garimpo. Os escavadores chegaram a colocar lonas plásticas, cobertas com terra, para proteger algo de relevante que ainda seria explorado.

Escavação na comunidade São Félix, onde estaria uma bomba d’água.
Foto: Marizélia Ribeiro
Coberturas provisórias nas escavações, com a proteção de lonas plásticas pretas.
Foto: Marizélia Ribeiro

No povoado Mutaca, ainda não reconhecida como área remanescente de quilombo, o casal retirou, sem autorização, duas estruturas de ferro que estavam guardadas na residência da família de João dos Santos Oliveira. “Quando meu pai se entendeu por gente tinha esses ferros lá. Ele plantou um pé de laranja no meio da roda de ferro. A laranjeira deu muito fruto, depois morreu e a roda continuou lá. Aí chegou esse casal e levou tudo de lá da nossa tapera. Estou muito injuriado com isso”, desabafou João Oliveira, nascido e criado em Mutaca e proprietário de uma roça na localidade.

João Oliveira fez a denúncia da retirada dos dois objetos de ferro junto ao promotor da Comarca de Bacuri, Denys Lima Rego. O moradores de São Felix – João Evangelista da Silva e Maricélia Santos Borges – também registraram ocorrência no Ministério Público (MP) local.

Ação Cautelar do MP

Segundo o promotor, o MP colheu as informações preliminares e vai formalizar uma Ação Cautelar no Judiciário, com pedido de urgência, visando obter do juiz o procedimento de busca e apreensão na residência da rua Murici, onde, segundo as informações, estariam depositados os objetos e materiais retirados das comunidades quilombolas. O objetivo da busca, dentro da competência do promotor, é apurar a denúncia de furto dos objetos de ferro que estavam na residência da família do lavrador João dos Santos Oliveira, em Mutaca.

A entrada de Magnólia e François nos sítios históricos não teve autorização dos quilombolas nem da Prefeitura de Bacuri. A coordenadora de Igualdade Racial, Klícia Ferreira, só tomou conhecimento da retirada dos objetos quando o estrago já estava feito. “Fiquei muito indignada com a devastação em São Felix porque esses materiais retirados de lá e todos os equipamentos que têm algum vínculo com o período da escravidão servem de prova nos meus relatórios para, juntamente com outros documentos e procedimentos técnicos, obter a certificação de área remanescente de quilombo na Fundação Cultural Palmares”, registrou.

Armações de madeira foram utilizadas como suporte para o trabalho de escavação.
Foto: Marizélia Ribeiro

Se houver a remoção de objetos e equipamentos em outras comunidades todo o trabalho inicial do levantamento histórico que pode levar a Fundação Cultural Palmares a fazer certificação fica inviabilizado.

O secretário de Igualdade Racial do Governo do Maranhão, Gerson Pinheiro, afirmou que todas as medidas serão tomadas para preservar os direitos das comunidades remanescentes de quilombos.

Em São Felix, Magnólia informou que iria fazer pesquisa arqueológica e fez circular em todas as comunidades que o objetivo do casal era criar um museu para “fazer o bem” aos quilombolas. Mas, o tom cordial era raro no trato com os moradores e chegava à rispidez em algumas ocasiões. Uma das pessoas que chegou a colaborar nas escavações e viu de perto todos os procedimentos para a retirada dos objetos passou a ser hostilizado quando tentou registrar o trabalho com imagens. “Magnólia ‘embrabou’ comigo quando eu comecei a tirar fotos e fazer a filmagem utilizando meu aparelho celular”, relatou Edson Marques Ferreira.

Edson Ferreira: “Magnólia embrabou comigo”. Vídeo: Marizélia Ribeiro

O proprietário da fazenda São Felix, Antonio Pereira da Silva, disse que no seu contato com Magnólia ela mencionou o interesse em pesquisa, mas em nenhum momento ele concedeu autorização para fazer escavações, enfatizando o valor histórico e o patrimônio imaterial contido nas comunidades quilombolas. “O que está acontecendo é uma nova modalidade de pirataria”, comparou.

Antonio Silva classificou a retirada dos objetos
de “pirataria moderna”. Video: Marizélia Ribeiro

Segundo relatos dos moradores, Magnólia e François também tentaram retirar material do sítio histórico denominado Bitíua, mas foram impedidos pelas lideranças locais. Este povoado foi certificado desde 2008 pela Fundação Cultural Palmares como área remanescente de quilombo. Em Bitíua ainda é possível visualizar as ruínas de paredões que indicam a existência de construções antigas, além de rodas com cravos de engrenagem similares aos equipamentos utilizados nos engenhos de cana de açúcar.

Bacuri tem 14 comunidades com características quilombolas. Desse total, seis já foram certificadas pela Fundação Palmares: no período de 2008 a 2016 garantiram reconhecimento as localidades Bitíua, Santa Rosa e Barreira. Entre 2017 e 2018 foram encaminhados e aceitos os pedidos de certificação para Vila Nova, Batepé e São Felix.

Klícia Ferreira já iniciou os contatos para levantar as informações e organizar a documentação visando certificar as localidades: Águas Belas, Estrada Nova, Matinha, Mutaca, Jurupiranga, Ponta Seca, Estiva de Gado e Campinho.

O secretário adjunto de Infraestrutura de Bacuri, Aldeir Cardoso, frisou que as áreas quilombolas não podem ser expropriadas porque as escavações criam condições desfavoráveis aos moradores, correndo o risco até de reverter certificações já concedidas pela Fundação Palmares.

O pioneiro e a guardiã

O casal franco-brasileiro revelou aos quilombolas apenas seu vínculo com uma organização denominada Homme Nature, identificada como “Centro de pesquisa, desenvolvimento e realização de multimídia”, com registro neste site. Na identificação dos fundadores estão François-Xavier Pelletier, classificado como “pioneiro de vários mundos, naturalista, etnólogo, escritor, fotógrafo e diretor.” Segundo a descrição da plataforma, ele “dedica sua vida a estudar, fotografar e filmar pessoas que vivem em simbiose com a Natureza e especialmente com as pessoas da água e da floresta”.

No seu perfil do site, Magnólia de Oliveira é a “guardiã da verdadeira natureza amazônica, dos pais “Castanheiros”, especialista em ecologia amazônica.” Sua atuação é voltada para lutar sempre visando divulgar e preservar essa floresta que a viu nascer e ser educada.

Confira os perfis de Magnólia e François aqui

Carta de Domingos Dutra contra o novo presidente da Famem é grave e merece atenção do MP e da Justiça

O prefeito de Paço do Lumiar, Domingos Dutra (PCdoB), disparou artilharia pesada contra o novo presidente da Famem (Federação dos Municípios do Estado do Maranhão), Erlânio Xavier (PDT), eleito recentemente após um acordo que levou à desistência da reeleição Cleomar Tema.

Em carta aberta (veja no final da postagem), Dutra acusa diretamente os aliados de Erlânio Xavier de boicote à gestão comunista em Paço do Lumiar, mediante a utilização de vários expedientes não republicanos, tais como: fake news, envolvimento criminoso, uso de representações falsas no MP, Polícia Federal e tribunais de contas, entre outras graves denúncias.

No documento, o prefeito informa o motivo da desfiliação da Prefeitura de Paço do Lumiar da Famem: “V.Exa foi preso pela Polícia Federal, tendo como companheira a então Prefeita Bia Venâncio Aroso, acusados de corrupção no Município de Paço do Lumiar. Desta forma, V.Exa há de convir que torna-se incoerente manter filiado na entidade que V.Exa preside o Município em que V.Exa foi acusado de desviar recursos públicos.”

As denúncias, portanto, merecem atenção especial do Ministério Público, da Justiça, da Polícia Federal e Polícia Civil para monitorar os movimentos da política em Paço do Lumiar.

O alvo de Dutra é a aliança entre Erlânio Xavier e o grupo da ex-prefeita Bia Venâncio Aroso, que se mantém ativo para retomar a prefeitura de Paço do Lumiar em 2020.

Erlânio Xavier, hoje no comando da Famem, foi preso pela Polícia Federal em 2012, na Operação Alien, quando era vice-prefeito de Igarapé Grande, acusado de atuar diretamente no desvio de recursos públicos em Paço do Lumiar, à época sob a gestão de Bia Venâncio Aroso.

Veja abaixo a carta de Domingos Dutra

EXMO SENHOR PRESIDENTE DA FEDERAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO MARANHÃO – FAMEM

Erlânio Furtado Luna Xavier

O MUNICÍPIO DE PACO DO LUMIAR, pessoa jurídica de direito publico interno, com Sede na Praça Nossa Senhora da Luz, Centro, Paço do Lumiar, vem através de seu representante legal, DOMINGOS FRANCISCO DUTRA FILHO, CPF 098755143-49, residente e domiciliado na Avenida 09, Quadra 54, Casa 19, conjunto Maiobão, Município de Paço do Lumiar, com base no artigo 13, inciso I, dos Estatutos da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão, requerer a DESFILIAÇÃO DO MUNICÍPIO DE PAÇO DO LUMIAR do quadro de sócio desta entidade pelos motivos resumidos a seguir:

 1 – V.Exa foi preso pela Polícia Federal, tendo como companheira a então Prefeita Bia Venâncio Aroso, acusados de corrupção no Município de Paço do lumiar.

Desta forma, V.Exa há de convir que torna-se incoerente manter filiado na entidade que V.Exa preside o Município em que V.Exa foi acusado de desviar recursos públicos;

2 – Recentemente, V.Exa e outros dirigentes do PDT declararam apoio aos meus adversários políticos em Paço do Lumiar, os quais coincidentemente  também foram presos e  tiveram mandatos cassados pela Câmara Municipal e pelo Poder Judiciário por práticas de compra de votos e corrupção;

3 – Para o conhecimento de V.Exa, os seus aliados em Paço do lumiar utilizam-se de jabutis com inscrição na Ordem dos Advogados do Brasil e também de ex-presidiário  para promoverem representações falsas perante o Ministério Público Estadual e Federal; Polícia Federal e Tribunais de Contas contra a nossa gestão, bem como se utilizam de Fake News para atacarem a minha honra, de minha esposa e familiares;

4 – Também para vosso conhecimento, informo que seus aliados em Paço do Lumiar promovem uma oposição selvagem contra a nossa gestão pelo fato de terem governado o município por 36 anos e não terem feito em quase quatro décadas o que já realizei em 25 meses de administração, que se expressam e provo em dezenas de obras, ações, programas, tendo inclusive dobrado os recursos do Fundo de Participação do Município (FPM);

5 –  Aliás, após eu ter dobrado os recursos do Fundo de Participação do Município seus aliados cresceram os olhos, pois eles só pensam no valor da mufunfa, o que me dá a certeza de que as eleições de 2020 em Paço do Lumiar tenham talvez de enfrentar o crime organizado com ramificações além-mar.

Desta forma, diante do envolvimento criminal de V.Exa durante a gestão da então Prefeita Bia Aroso e considerando o apoio que V.Exa tem dispensado a políticos que transformaram Paço do Lumiar em estado de calamidade pública e que possuem idêntico histórico da ex-prefeita, sou forçado a requerer a DESFILIAÇÃO DO MUNICIPIO DE PAÇO DO LUMIAR do quadro de associados da FAMEM, para que V.Exa fique à vontade para continuar em Paço do Lumiar, apoiando seus amigos de prática política.

Termos em que pede e espera

D E F E R I M E N T O

Paço do Lumiar (MA), 31 de janeiro de 2019.

DOMINGOS FRANCISCO DUTRA FILHO

Prefeito de Paço do Lumiar

Imagem destacada: Bia Venâncio Aroso e Erlânio Xavier em evento político

Fim e começo (crônica)

Eloy Melonio

Já falei sobre os ciclos da vida num recente ensaio para este blog. Só que desta vez a história é diferente. Mas, de certa forma, tem alguma conexão com essa coisa de “repetição de momentos importantes” de nossa existência.

Entra ano, sai ano, e nos vemos fazendo as mesmas festas, as mesmas promessas. Tudo bem! Isso é importante porque garante a preservação de nossas tradições.

Dessas coisas, uma se repete todo ano. Não apenas porque seja feita ano após ano, mas porque, não sendo feita, volta novamente a incorporar a lista anterior. São as “resoluções de Ano-novo”. Ou seja, nossas decisões para o ano que vai entrar. Aquilo que queremos ou pensamos realizar. E são, algumas vezes, listas solenes.

O fim do ano coincide com a temporada das resoluções. Quem já não jurou a todos os santos que faria algo diferente no ano novo? Acho que todo mundo, não é verdade? De forma declarada, ou não. Registrando sua lista em cartório, ou não.

Conheço pessoas que têm uma lista enorme de resoluções. Outras, não as declaram publicamente. E — mais engraçado ainda — são as que têm a mesma lista há anos. Ou seja, aquelas que não concretizaram o que foi decidido e, portanto, tiveram de repetir tudo de novo. E ainda tem aquele tipo que desiste na primeira dificuldade. Ou até faz de conta que não fez lista nenhuma.

Das resoluções mais comuns, posso citar “perder peso”, “abrir uma poupança”, “ler um livro a cada dois meses”, “parar de fumar ou beber”, “fazer a viagem dos sonhos”. E tem também as bizarras: encontrar a alma gêmea, parar de mentir, ser fiel ao cônjuge.

O que quero enfatizar aqui não é propriamente a questão pessoal, mas a necessidade premente de resoluções de caráter mais coletivo, que visem ao bem comum. É disso que a humanidade precisa. Pessoas sensíveis, solidárias…

E como resultado, resoluções que visem melhorar a vida em sociedade, as relações humanas, a compreensão, o respeito, a tolerância. Dentre essas, cito alguns exemplos: estacionar na vaga certa, dirigir dentro da velocidade permitida, não jogar lixo na rua, respeitar as normas e os bons costumes, evitar os “jeitinhos”. Em suma, exercer uma cidadania responsável.

Feito isso, é só acreditar no que diz Gandhi: “Seja a mudança que você quer ver no mundo”.

E assim, confiante num mundo melhor, desejo aos homens de boa vontade um 2019 repleto de grandes e significativas resoluções!

*Eloy Melonio é professor, escritor, poeta e compositor.

Videoclipe impulsiona o novo disco de Lena Machado

O videoclipe de “Batalhão de Rosas”, música que dá título ao terceiro álbum da cantora, foi disponibilizado no youtube

Cheira a flor e vento de maresia o videoclipe de Batalhão de rosas, música de Bruno Batista que dá nome ao terceiro disco de Lena Machado.

Sobram flores na tela, no cabelo da cantora, enfeitando o barco e as que desabrocham em pleno mar, a dar a ideia de que o mundo anda precisando dessa polinização do que é bom e belo.

Beleza não falta: a da composição, a das paisagens – o clipe foi rodado entre as reentrâncias de Raposa e a praia de Caúra, em São José de Ribamar, ambos municípios da Grande Ilha –, a do canto e dança de Lena Machado, e a da fé, em demonstração do sincretismo que povoa o imaginário do catolicismo popular, evocado também na melodia – tão maranhense e tão afro-latina, sob o cuidado e talento do diretor musical Wendell Cosme.

Batalhão de rosas, a música e o videoclipe, servem de aperitivo a Batalhão de rosas, o caprichado disco que chegou em 2018. Como a barra da saia de coreira do tambor de crioula, que ao subir um pouco mais, revela a identidade deste novo trabalho, repleto de referências e reverências aos encantados do Maranhão, das heranças ancestrais que os maranhenses trazemos na pele, no sangue e na história.

Lena Machado é capitã de seu próprio barco, ao afirmar-se mulher e artista, dona de seu destino, apontando o leme de sua carreira em direção à sua verdade artística: canta o que lhe emociona, assim emocionando ao público que a acompanha, atento e curioso.

“De areia branca mais forte eu vim…/ cruzei a morte com um velho coturno… Por meu destino encantado eu vim,/ venço o inimigo pra me sagrar…/ os pés feridos de anjo noturno,/ mas cheguei pra representar”, diz a letra de Batalhão de rosas, a revelar: para uma artista independente, cada novo disco é uma vitória – para termos uma ideia, o disco chegou em 2018, dois anos após as gravações realizadas em abril de 2016 no Rio de Janeiro.

Batalhão de rosas, o videoclipe, tem direção de Aléssio Seabra, Francisco Colombo e Gilberto Goiabeira.

Foto destacada/crédito: Rivânio Santos