Avenida Litorânea de São Luís já foi palco de três assassinatos com grande repercussão

Um dos principais pontos de turismo e lazer da capital maranhense, a avenida Litorânea é também o local onde foram registrados três crimes de assassinato contra um delegado, um jornalista e um integrante de facção criminosa.

Devido à poluição, quase todas as praias ao longo da orla margeada pela avenida Litorânea são impróprias para banho, mas recebem um público expressivo de frequentadores dos bares e restaurantes, além dos praticantes de caminhada e outras atividades físicas.

Veja os casos de execução em uma das avenidas mais famosas de São Luís:

Delegado Stênio Mendonça

Na manhã de 25 de maio de 1997 o delegado Stênio Mendonça foi executado a tiros por José Vera Cruz Soares Fonseca (o Cabo Cruz) e José Rodrigues da Silva (o Zé Julio), no calçadão da avenida Litorânea.

À época, o delegado investigava delitos relacionados ao roubo de cargas e acabou revelando uma rede criminosa envolvendo policiais, pistoleiros, empresários e parlamentares.

A execução de Mendonça desencadeou posteriormente o aprofundamento das investigações sobre roubo de cargas e pistolagem no Maranhão. A Assembleia Legislativa criou a CPI do Crime Organizado, levando à prisão de vários integrantes de quadrilhas especializadas em roubo de carretas de transportadoras e assassinatos de aluguel.

Jornalista Décio Sá

Em 23 de abril de 2012, por volta das 23h, o jornalista e blogueiro Décio Sá foi assassinato por cinco tiros (três no tórax e dois na cabeça) em um bar, na avenida Litorânea, pelo pistoleiro Jhonathan de Souza Silva.

Décio Sá editava um blog e vinha publicando várias reportagens sobre a prática da agiotagem, envolvendo cerca de 40 prefeituras no Maranhão. A investigação sobre o assassinato revelou os tentáculos de uma organização criminosa com a participação de empresários, prefeitos, agiotas e policiais.

O crime repercutiu fora do Brasil e várias entidades manifestaram pesar, a exemplo da Comissão de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), Associação Brasileira de Imprensa (ABI), Associação Nacional dos Jornais (ANJ) e Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj).

Líder de Facção Criminosa

Pelo menos dez tiros foram disparados para matar um líder de facção criminosa dia 27 de setembro de 2020 (domingo), no calçadão da avenida Litorânea.

O crime ocorreu em meio a um clima de apreensão na cidade, gerado pelo conflito entre facções rivais atuantes na região metropolitana de São Luís, entre elas o temido “Bonde dos 40”.

Segundo a Secretaria de Estado da Segurança Pública, a vítima, cuja identidade não foi revelada, comandava uma facção criminosa atuante no bairro Vicente Fialho, onde recentemente assumiu o controle do território e atiçou a rivalidade junto às outras gangs.

Imagem destacada: Honório Moreira / O Imparcial / D.A Press.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *