Partidos devem favorecer caciques e repetir modelo do laranjal no rateio do fundão

Amparados nas frouxas regras criadas por eles próprios, os partidos políticos indicam que irão repetir nas eleições de outubro o modelo usado em 2018 para a aplicação do dinheiro público reservado para as campanhas. Em linhas gerais, R$ 2,035 bilhões distribuídos com base em apenas duas diretrizes.

A primeira é a vontade das executivas das 33 legendas. O restrito grupo de dirigentes tem poder absoluto de definir quem, dos quase 500 mil candidatos, receberá dinheiro público e quanto. A segunda é a exigência de direcionamento de ao menos 30% da verba (R$ 610 milhões) para candidatas.

A regra, criada para estimular a participação feminina, está no centro do escândalo de desvio de recursos por meio das candidaturas de laranjas, criadas para financiar outros postulantes
Leia aqui na Folha de São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *