Obra de Picasso marca os 45 anos do Museu Histórico e Artístico do Maranhão

Uma obra do pintor catalão Pablo Picasso (imagem acima) compõe a exposição “A Coleção Assis Chateaubriand do MHAM: um recorte do tempo”, aberta quinta-feira (22) em comemoração aos 45 anos do Museu Histórico e Artístico do Maranhão (MHAM). A exposição, que reúne 34 peças, ficará aberta ao público até março de 2019, na Galeria Floriano Teixeira do MHAM, localizada na rua do Sol, 302, centro de São Luís.

A diretora do MHAM, Carolla Ramos, celebra o momento do MAHM e explica como chegaram ao consenso de expor a temática. “Escolhemos expor as obras da Coleção Assis Chateaubriand que, há 30 anos integram nosso acervo”.As obras selecionadas à exposição fazem parte de um acervo de 42 peças doadas por Assis Chateaubriand. “Não conseguimos coloca-los, em sua totalidade, nesta exposição, por fatores externos, como a questão das restaurações de algumas que ficaram bem deterioradas no museu em São Paulo”, explica Carolla Ramos.A diretora do museu destaca a importância desse momento para o MHAM. “São 45 anos de preservação e comunicação das nossas histórias retratadas nesta exposição. O museu, de fato, completa 45 anos, porém, cinco anos antes já existia um trabalho para que ele fosse aberto. E, hoje, o museu está vivo”, comemora.

Coleção Assis Chateaubriand do MHAM

Entre as 42 obras doadas ao Maranhão por Assis Chateaubriand estão trabalhos de destaque como a serigrafia Tauromaquia (1950), de Pablo Picasso; e Retrato de Uma Jovem, reprodução de uma obra de 1852 do pintor austríaco Ferdinand Krumholz, um dos mais populares retratistas do Segundo Império.

Pesquisa

Os curadores da exposição, a professora da Universidade Federal do Maranhão (Ufma), Regiane Aparecida Caire da Silva e o professor José Marcelo do Espírito Santo, desenvolveram a pesquisa “A contribuição de Assis Chateaubriand na formação do acervo artístico do Maranhão”.

Regiane Aparecida Caire da Silva explica que a ideia da pesquisa começou com curiosidades a respeito da trajetória da obra de Picasso, que é uma serigrafia e ela suspeitava que o artista nunca teria desenvolvido um trabalho neste estilo. “No entanto, o professor Marcelo falou da coleção do Assis Chateaubriand, daí sentamos e realizamos um projeto para tentar entender como o quadro chegou no Maranhão”.

De acordo com os pesquisadores foi preciso buscar informações com relação a Tauromaquia (1950), pois tanto no museu como nos documentos levantados no Museu de Arte de São Paulo (MASP) quase nada havia sido encontrado com relação ao trabalho.

Os pesquisadores suspeitaram que a obra não fosse autêntica. A hipótese foi levantada pelo fato de biografias do artista espanhol produzidas por vários autores e galerias afirmavam que Picasso, na sua produção gráfica, não havia utilizado a serigrafia.

Depois de vários estudos ficou comprovado que a obra é autêntica. Picasso fez este trabalho para seu amigo Roland Penrose, então diretor do Institute of Contemporary Arts (ICA), originalmente desenhado pelo artista espanhol no Livro de Visitas do ICA em 1950. Posteriormente o desenho Bulls and Sunflowers transformou-se num projeto para lenço de seda, com edição limitada em 100.

Tauromaquia (1950) ficou 20 anos no MASP, juntamente com as outras obras da coleção, chegando a São Luís em estado lastimável, conforme relatos da época. Teve que passar por restauração realizada pelo Museu Nacional de Belas Artes em 2005.

Veja mais aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *